Como cair de forma segura: 12 passos (com imagens)

Independentemente do estágio que você está no processo, esse tutorial é um esboço em 10 passos dos princípios básicos sobre como operar uma motocicleta, mas lembre-se que não há substituto para um curso prático em auto escola. Se você está aprendendo a andar ou se já é um profissional experiente, lembre-se de usar sempre o equipamento de segurança.

Andar de moto proporciona muito prazer, mas antes, é importante aprender a andar com o respeito e cuidado que a prática merece. Adotar essa atitude não só irá garantir que você sabe que está realizando uma atividade de risco, com reflexão e auto-preservação, mas tornará todo o processo ainda mais agradável.

1 – Preparando-se para aprender a andar de moto

É sempre importante lembrar que, para pilotar uma moto no Brasil, é necessário ter ao menos 18 anos de idade e possuir a carteira nacional de habilitação (CNH) de categoria “A”.

Caso você seja flagrado pelas autoridades de trânsito pilotando sem uma CNH, será multado em R$ 574,62, pois essa é uma infração gravíssima e o veículo poderá ser apreendido, caso não haja uma pessoa habilitada que possa pilotá-la até a sua casa.

Portanto, antes de sair por aí pilotando uma moto, é importante procurar uma auto escola para providenciar a sua CNH.

Antes de confiar sua vida à sua moto, você precisa ter certeza de que ela está em condições de segurança para andar. Verifique se os pneus estão cheios e se existe combustível suficiente no tanque para chegar ao seu destino.

Verifique também se a corrente de transmissão está bem ajustada e se o óleo do motor está em um nível aceitável para o funcionamento do veículo.

Estas orientações estão presentes na maioria dos manuais do proprietário de diversos fabricantes de motocicletas e devem ser seguidas sempre para garantir a sua segurança durante a pilotagem. Por fim, verifique se a moto está apoiada de forma segura no descanso lateral ou central.

2 – Verifique se você está com todos os equipamentos necessários para pilotar sua moto

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Cair com uma motocicleta dói como o diabo e até mesmo em baixas velocidades é fácil ralar seriamente a pele. Certifique-se de que você está protegido, usando todos os equipamentos de segurança, incluindo luvas, roupas com proteções, botas e capacete.

Uma vez que está devidamente equipado para pilotar, você está pronto para pegar a moto.

3 – Passe a perna por cima da moto e se familiarize

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Dependendo da sua altura e da altura da moto, passar uma perna sobre a moto pode ser uma manobra estranha.

Posicione-se do lado esquerdo da moto e coloque as mãos nos punhos do guidão. Procurando manter o equilíbrio, incline-se suavemente contra o tanque e / ou guidão. Com todo o seu peso sobre a perna esquerda, levante a perna direita para cima e sobre a moto – tenha o cuidado de levantar a perna acima da moto ou você pode não conseguir chegar ao outro lado.

Uma vez que você está montando a moto, você pode ficar no banco e ter uma noção da sua ergonomia. Este é um bom momento para se certificar se os espelhos estão ajustados. Familiarize-se com a posição das pedaleiras e a localização dos botões dos piscas, buzina e faróis. Cada moto é diferente e familiarizar-se com ela nesta fase é muito mais seguro do que em movimento.

As próximas etapas descrevem os controles básicos de uma motocicleta. Familiarizar-se com esses controles, como acelerador, freios, embreagem e câmbio, lhe permitirá aprender a pilotar com mais facilidade e se concentrar em sua técnica.

4 – Conheça os controles da moto: acelerador e freios

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

  • O pedal direito aciona o freio traseiro.
  • A mão direita é responsável por duas funções cruciais no motociclismo: aceleração e frenagem.

Ao torcer o punho, você acelera a moto. Aplique uma pequena torção, seja delicado com esse controle, porque rotações bruscas do motor podem levar à instabilidade da moto ou até derrapagens acidentais.

A mão direita também controla os freios dianteiros (como pode ser visto na metade superior da foto). Puxando a alavanca, você aciona os freios dianteiros.

Suavidade é crucial aqui: puxar a alavanca com muita força pode bloquear os freios dianteiros, fazendo com que a moto derrape e, potencialmente, provoque uma queda.

Embora a maioria das motos sejam capazes de parar usando a técnica de dois dedos (como pode ser visto na foto acima), algumas exigem a mão inteira em torno da alavanca. Use a técnica que funciona melhor com sua moto.

O pé direito opera o freio traseiro (foto na metade inferior da imagem), mas esteja ciente de que quando os freios dianteiros estão em uso, o freio traseiro torna-se menos eficaz, uma vez que ocorre a transferência de peso para a frente durante a frenagem.

O freio traseiro pode ser utilizado em conjunto com o dianteiro em uma frenagem mais forte, para dar estabilidade à moto. Ele é mais eficaz em situações de velocidades reduzidas e em manobras de baixa velocidade. O freio traseiro é mais eficaz em motos customs porque elas distribuem muito do seu peso sobre a roda traseira.

Os freios dianteiros são geralmente a maneira mais eficaz de parar uma moto.

Sobre o uso dos freios, recomendo fortemente que você leia também o artigo Como frear uma moto.

5 – Conheça os controles da moto: embreagem

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

que é normalmente empregue com outros tipos de motos.

A embreagem é a alavanca logo à frente do punho da mão esquerda. A maioria das motos esportivas requer apenas uma operação de dois dedos (foto superior), enquanto estiver em curso, viajando, e outros tipos de motos, muitas vezes necessitam de toda a mão para operar a alavanca (foto inferior).

Pense na embreagem como uma maneira de conectar e desconectar o motor da transmissão. Quando aperta o manete da embreagem, você está efetivamente colocando a moto em ponto morto (mesmo que o câmbio esteja engrenado). Quando a moto está engrenada e você solta a embreagem, está transmitindo a potência do motor para a roda traseira da moto.

Pratique puxar a embreagem com a mão esquerda, fazendo de forma lenta e gradual. Imagine que a embreagem é um dimmer, aqueles interruptores com os quais você aumenta ou diminui a intensidade de uma lâmpada, muito usados em quartos de crianças, ao invés de um interruptor “On-Off”, e você será capaz de se movimentar de forma muito mais suave.

6 – Conheça os controles da moto: Câmbio

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

quando a alavanca de câmbio é empurrada para baixo.

Motocicletas mudam de marcha de forma diferente dos carros. Enquanto que a operação mecânica segue o mesmo princípio, as trocas de marcha nas motocicletas são executadas ao mover uma alavanca para cima ou para baixo com o pé esquerdo.

Os padrões de deslocamento da motocicleta são os seguintes:

  • 6ª marcha (se aplicável)
  • 5ª marcha
  • 4ª marcha
  • 3ª marcha
  • 2ª marcha
  • NEUTRO
  • 1ª marcha

A grande maioria das motocicletas incorporam este padrão, o qual é referido como “1ª para baixo, 5ª para cima.”

Você vai levar algum tempo para se acostumar a encontrar o neutro apenas sentindo a posição da marcha com o pé esquerdo, de modo que é muito útil você observar a luz verde “N” no painel da moto. Algumas motocicletas permitem trocar a marcha sem usar a embreagem, mas é importante ter como hábito usar a embreagem.

A troca de marcha deve ser feita na seguinte ordem:

  • Acionar a embreagem (usando a mão esquerda)
  • Acionar a alavanca do câmbio (usando pé esquerdo)
  • Liberar a embreagem

Acertar o tempo do acelerador com a embreagem irá adicionar suavidade ao processo de mudança de marchas. Procure colocar as engrenagens da caixa de marcha em movimento de acordo com a aceleração do motor. A menos que você esteja em uma pista de corridas, não há razão para forçar seu motor.

Se tudo isso parece complicado, não se preocupe, é mais fácil do que parece!

7 – Senhoras e senhores, liguem suas motocicletas!

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

que normalmente está situado abaixo do interruptor “off”.

Agora que você está familiarizado com as funções de sua moto, é hora de iniciar. A maioria das motocicletas modernas têm partida elétrica, sem a necessidade de acionar o motor com pedal de partida.

Para a moto funcionar, a chave de ignição e o interruptor de parada / funcionamento do motor devem estar na posição “On”. Primeiro, acione o botão de partida (geralmente é um interruptor vermelho operado pelo polegar direito, como pode ser visto na primeira metade da foto).

Agora, gire a chave para a posição “ignição”. Normalmente é para a direita (como pode ser visto na parte inferior da foto).

A maioria das motos irá realizar uma auto verificação para testar se os medidores estão operacionais, o que pode envolver todas as luzes do painel acesas como uma árvore de Natal.

Se você vir o velocímetro e / ou tacômetro (que mede a rotação do motor) movimentar-se e voltar a zero, não se preocupe – é normal. Quando a auto-avaliação for concluída, verifique se a lâmpada do indicador de ponto morto (luz verde “N”) está acesa.

Em seguida, use o polegar direito para acionar o interruptor do motor de partida elétrica, que normalmente está localizado abaixo do interruptor de parara / funcionamento do motor.

Ele tem um logotipo representado por uma seta circular em torno de um raio. Muitas motos vão exigir que você acione a embreagem enquanto liga o motor.

Isto ocorre simplesmente como uma precaução, para evitar que a moto acidentalmente arranque porque está com uma marcha engatada.

Ao acionar o botão, o motor de partida vai girar e, se tudo está funcionando corretamente e há combustível no tanque, o motor da moto vai começar a funcionar.

Motos carburadas podem precisar de uma leve torção no acelerador, a fim de obter combustível nos cilindros; motos com injeção eletrônica de combustível normalmente são projetadas de modo que não seja necessário acelerar durante a inicialização.

Uma vez que sua moto vem à vida e o motor funciona, prepare-se para desfrutar de um dos velhos rituais de motociclismo.

8 – O jogo de espera

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Qualquer motor de combustão interna irá atingir o seu melhor desempenho quando estiver aquecido, mas a prática de aquecer os motores das motos para lubrificação do sistema e acerto da dosagem correta para a mistura ar/combustível, em grande parte, se tornaram obsoletos com o advento da injeção eletrônica de combustível. Pilotar uma motocicleta, no entanto, exige que o piloto confie que o motor irá produzir a energia previsível quando for exigido. Então, aquecer o motor da moto ainda é uma parte crucial do ritual – especialmente quando uma moto é carburada.

Depois de colocar o motor em funcionamento, deixe-o em marcha lenta entre 45 segundos a alguns minutos e evite acelerar o motor durante este momento crucial, uma vez que o óleo lubrificante pode não ter sido distribuído adequadamente entre as partes móveis do motor.

O tempo real necessário para o aquecimento irá variar de acordo com uma série de fatores, incluindo a temperatura ambiente, o tamanho do motor e quantidade de óleo existente nele, para citar alguns exemplos.

Use o medidor de temperatura como um guia e só prossiga quando você estiver confiante de que o motor não vai falhar, porque não está devidamente aquecido.

9 – Levantando o descanso lateral: Não se esqueça disso!

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Motos modernas desligam automaticamente se o descanso lateral ainda estiver abaixado quando for engatada uma marcha. Se a sua moto não está equipada com este recurso, certifique-se de retirar o descanso lateral, literalmente chutando-o para trás com o seu pé esquerdo e permitindo que ele guarde debaixo da parte inferior do chassi da moto. Não fazê-lo pode representar um risco grave à segurança do motociclista.

O cavalete central funciona um pouco diferente, e exige que a moto seja empurrada para a frente, enquanto o piloto fica na ponta dos pés, a fim de retirar o suporte.

Uma vez que seus pés estão garantindo o equilíbrio da moto, você está pronto para passear!

10 – E, finalmente, passear de moto!

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Depois de ter concluído os passos 1-9, todos os sistemas estão funcionando e você está pronto para pilotar! Este é o momento em que você vai precisar lembrar das funções do acelerador, freios, embreagem e câmbio, e desenvolver uma relação sinérgica entre eles.

Mantenha o equilíbrio da moto com o pé direito no chão e o esquerdo na pedaleira. Puxe a alavanca da embreagem e pressione a alavanca do pedal de câmbio para baixo.

Leia também:  Como carregar alguém maior que você: 11 passos

Agora, a transmissão está na primeira marcha. Solte a embreagem devagar e, ao mesmo tempo, acelere gradativamente. Comece a sentir a motocicleta movimentar para a frente.

Quando a moto ganhar velocidade, coloque o pé direito sobre a pedaleira.

  1. Engate a segunda marcha quando a moto atingir a velocidade de mudança apropriada: reduza a aceleração ao mesmo tempo em que puxa a alavanca da embreagem e empurra a alavanca do pedal de câmbio para cima.
  2. Repita os passos anteriores para engatar a terceira, a quarta, a quinta e a sexta marcha.
  3. Parabéns, você está andando de moto!
  4. Pilotar é realmente mais fácil de fazer do que descrever, então, quando você sair em uma moto, tente confiar em seus instintos, sinta o que a moto está fazendo e não pense demais.

Trocar marcha, como descrevi na etapa 6, exige prática. Frenagem e aceleração, descritas no Passo 4, também exigem um pouco de prática, mas a regra e o que é fundamental, é que a moto deve ser conduzida de forma suave e gradual. Fazer isso não só vai fazer de você um piloto confiante, mas vai tornar o processo mais instintivo e fácil.

Não deixe que toda esta informação assuste você. Pilotar moto é fácil, mas é preciso consciência para fazê-lo de forma segura e correta.

Parabéns por se tornar um motociclista e por começar a fazer parte da paisagem!

Como convencer uma pessoa em 12 passos simples

Você já pensou em dominar o poder de convencer uma pessoa a adotar o seu ponto de vista? O que você faria se pudesse convencer qualquer pessoa a fazer aquilo que você quisesse? Pense nas implicações que isso traria para o seu dinheiro, seu trabalho e os seus relacionamentos.

O escritor americano Dale Carnegie, autor de Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, foi fundo nesse tema e, depois de muita pesquisa, selecionou doze maneiras de convencer uma pessoa para o seu modo de pensar. Algumas regras são claras, mas outras são extremamente estratégicas.

O primeiro passo ensinado para convencer uma pessoa é que, embora o outro tenha um ponto de vista diferente do seu (do contrário você não estaria querendo fazê-la mudar de opinião), você nunca deve entrar em uma discussão.

E por que não?

Por que você nunca pode convencer uma pessoa vencendo uma discussão sem ferir a pessoa que você venceu. Dessa forma, ela não vai adotar o seu ponto de vista.

Sendo assim, se quiser realmente convencer uma pessoa, respeite a opinião alheia e nunca diga diretamente a uma pessoa que ela está errada. Quanto mais você insistir que ela está errada, mais ela passará a defender ferrenhamente o ponto de vista dela.

Procure honestamente ver as coisas pelo ponto de vista alheio, tendo consciência de que você próprio, se estivesse sob as mesmas condições e sob a mesma formação educacional, estaria provavelmente pensando da mesma forma.

O quatro ponto a ser observado é que você reconheça as próprias falhas na sua argumentação.

Se você diz algo como “essa idéia pode parecer meio boba mas não tive uma melhor”, a pessoa com quem você argumenta já pode olhar com outros olhos, tendo piedade. Isso não ocorrerá se você chegar certo e seguro de si sobre a melhor idéia do mundo, o que pode deixar o interlocutor com inveja.

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Faça como eu digo…

Uma outra tática muito eficiente é sempre começar a conversa de um modo amistoso. Procure elogiar a pessoa e observe as qualidades do ponto de vista dela para unir com as qualidades do ponto de vista que você quer que a pessoa passe a adotar.

O filósofo grego Sócrates tinha grande destreza nessa área ao fazer com que as pessoas dissessem “sim” o mais cedo possível em uma argumentação. Faça perguntas que não deixe ao interlocutor outra opção que não seja dizer “sim”. Cada “sim” que ele disser, estará mais próximo de adotar o seu ponto de vista.

Mesmo sendo você que quer fazer a outra pessoa mudar de idéia, não deixe isso claro. Na verdade, a outra pessoa deve falar durante a maior parte da conversa. Seja um ouvinte atento e faça perguntas que a estimulem a falar bastante.

Delicadamente, vá direcionando a pessoa a pensar que a sua idéia é, na verdade, idéia dela. Assim ela irá defendê-la com mais veemência até do que você próprio. É preciso ter cuidado nessa estratégia, para não parecer manipulador em demasia.

A cada ponto em que as idéias da pessoa se aproximarem das suas, mostre-se simpático a elas e ao desejo alheio. Você tem que se colocar no lugar do seu interlocutor para fazê-lo passar para o seu lado.

A décima regra diz para você apelar para os mais nobres motivos. Todo mundo se tem em alta conta, gosta de ser correto e nobre na sua própria avaliação. Aqui entram frases-chaves como “Acredito que você é um homem justo, então vai fazer…” ou “Sei que você é uma pessoa de palavra, então vai cumprir com o nosso acordo…”.

A penúltima dica diz respeito a aprender com os grandes convencedores da humanidade: os publicitários.

Dramatize as suas idéias, exemplifique como elas serão úteis para a pessoa (e não para você). Lembre-se que, para a pessoa ao lado, uma simples dor de dente incomoda mais do que toda a fome na África. Para ela querer fazer o que você quer, você precisa convencê-la de que isso será importante para ela (e não para você).

Se essas 11 dicas não tiverem ainda funcionado completamente, lance um desafio. Faça a pessoa ao menos experimentar a sua idéia por um período curto de tempo. Estimule a competição.

Todos nós temos o desejo de vencer, de sobrepujar, de se sobressair. Use isso a seu favor.

Como Cair de Forma Segura: 12 Passos (com Imagens)

Descubra segredo nº 1 que pessoas comuns estão usando para assumir o controle do próprio futuro aprendendo a montar um plano de vida capaz de transformar os seus maiores sonhos em realidade, passo a passo e começando absolutamente do ZERO!

Quero receber a aula

As 12 maneiras de convencer uma pessoa para o seu modo de pensar

  1. A única maneira de ganhar uma discussão é evitando-a
  2. Respeite a opinião dos outros, nunca diga: “Você está enganado”
  3. Se estiver errado, reconheça o seu erro rápida e enfaticamente
  4. Comece de maneira amigável
  5. Consiga que a outra pessoa diga “sim, sim” imediatamente
  6. Deixe a outra pessoa falar durante boa parte da conversa
  7. Deixe que a outra pessoa sinta que idéia é dela
  8. Procure honestamente ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa
  9. Seja receptivo às idéias e desejos da outra pessoa
  10. Apele para os mais nobres motivos
  11. Dramatize as suas idéias
  12. Lance um desafio

P.S.Se você tem interesse em ser uma pessoa mais produtiva, cadastre-se para receber uma aula especial do curso Planejando Sua Vida sobre viver produtivamente de acordo com seus valores pessoais. Clique aqui para receber a aula do Planejando Sua Vida.

Peritos voltam ao prédio em que menino morreu após cair do 9º andar

Peritos do Instituto de Criminalística de Pernambuco voltaram, na manhã de hoje, ao condomínio de luxo Pier Maurício de Nassau, localizado no bairro São José, área central do Recife, para realizar perícia complementar sobre as investigações envolvendo a morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, que caiu do 9º andar de um do edifícios, na última terça-feira (2).

Esta é a terceira vez que funcionários do IC voltam ao local da morte de Miguel. A equipe da perícia de hoje é composta por perito criminal, fotógrafo, desenhista, engenheiros civil, mecânico e nuclear.

Eles vão analisar o local que o menino percorreu após abrir a porta corta-fogo, que dá acesso à área de serviço e não tem câmeras do circuito de filmagem do edifício.

Os peritos também vão fazer uma simulação do tempo que o menino teve ao ser deixado sozinho no elevador pela patroa da mãe dele, Sarí Mariana Gaspar Corte Real, até a queda.

O resultado será anexado ao inquérito da Polícia Civil, que informou que não prestará informações sobre o caso até a conclusão do inquérito da polícia judiciária.

Segundo a Polícia Civil, as investigações do caso têm prazo de 30 dias a partir da instauração do inquérito no dia da morte de Miguel. Entretanto, por se tratar de caso que houve prisão em flagrante de um investigado, o prazo diminuiu para dez dias e expira na próxima quinta-feira (11).

Imagens feitas por moradores do condomínio Pier Maurício de Nassau mostram o local que o menino Miguel percorreu ao abrir a porta da área de serviço.

A criança foi deixada sozinha no elevador pela patroa da mãe, Sarí Mariana Gaspar Hacker Corte Real, enquanto a empregada doméstica Mirtes Renata Santana levava o cachorro de estimação dos patrões para passear na via pública próxima ao condomínio.

Imagens do circuito interno do condomínio mostram Miguel correndo para dentro do elevador e, em seguida, a empregadora Sarí Corte Real segura a porta do equipamento e conversa com a criança, que aciona alguns botões.

O menino queria ir atrás da mãe, e a patroa não impediu a saída da criança. Nas imagens, Sarí aperta o botão da cobertura do prédio e libera a porta do elevador. Depois, o menino, perdido no prédio, cai do 9º andar e morre.

Moradores do condomínio Pier Maurício de Nassau se revoltaram com a forma que a criança morreu. Eles gravaram vídeos mostrando a área percorrida pelo menino, logo após ele sair do elevador de serviço e abrir a porta corta-fogo.

As imagens cedidas ao UOL por um morador da edificação, que também publicou registros do condomínio no Instagram @lucasferreira.1, mostram que o local é um corredor com janelas na altura de 1,20m.

Em paralelo, há um pequeno hall onde ficam os condensadores de aparelhos de ar-condicionado e a proteção é feita por um guarda-corpo de alumínio sem tela ou grade.

Segundo a Polícia Civil, o menino teria avistado a mãe no térreo, ficou gritando e subiu na grade. Uma das barras se rompeu com o peso da criança e ela caiu de uma altura de 35 metros.

Moradores reforçam que a polícia deveria fazer uma reconstituição dos passos de Miguel para esclarecer como ele subiu na janela do corredor, que tem 1,20 metro, e depois pulado para área dos condensadores, onde ele teria escalado a grade do guarda-corpo.

“Gravei o vídeo pelo fato de que eu achei tudo muito confuso. Precisei compartilhar minha indignação através dos vídeos e mostrar que vidas negras importam, sim. [Acho] Que o caso precisa ter uma investigação mais profunda”, disse o morador, que pediu para ter a identidade preservada, em entrevista ao UOL.

O condomínio Pier Maurício de Nassau é considerado de alto padrão e tem dois apartamentos por andar. São duas torres semelhantes e que são chamadas popularmente de “torres gêmeas”. O prédio que Miguel caiu tem 38 andares.

Durante a construção, ocorreram vários protestos de moradores de Recife que defendem a paisagem do Recife Antigo, o bairro histórico da capital pernambucana, e eles questionavam que as torres iriam causar problemas visuais no centro histórico da cidade.

Celebrações de 7º dia

Hoje, completam sete dias da morte do menino Miguel. O dia será lembrado com uma oração feita por um diácono na casa da mãe do menino, que ocorrerá no período da noite. A cerimônia vai ter presença restrita de familiares, que pedem que a imprensa não vá ao local para respeitar a privacidade deles.

A família de Miguel divulgou hoje que conseguiu colocar o nome dele na intenção de uma missa online, que será realizada às 19h30, na paróquia de Nossa Senhora de Fátima, no bairro do Ibura, na zona sul do Recife.

Mais homenagens

Na calçada do condomínio Pier Maurício de Nassau foram colocadas flores, coroas e cartazes em homenagem ao menino, como também cobrando justiça ao caso.

Na sexta-feira (5), dois atos pacíficos cobraram das autoridades investigação imparcial ao caso, sendo que um deles ocorreu em frente ao prédio que Miguel morreu.

Em nenhum deles houve tumulto e até moradores do condomínio também participaram da manifestação.

Miguel sonhava ser policial, corredor e jogador de futebol —como grande parte das crianças que moram em periferias e têm como ídolos atletas que tiveram origem pobre e melhoraram a condição socioeconômica por meio do esporte. Ele participava de um grupo de corrida junto com a mãe.

Leia também:  Como cachear os cabelos usando sacolas de papel

12 passos para melhorar a alimentação dos filhos durante o isolamento

Lutar contra os números alarmantes da obesidade infantil é um desafio para todos. Dados do Ministério da Saúde alertam que, dos atendimentos via Sistema Único de Saúde (SUS), três a cada 10 crianças, entre os 5 e 9 anos de idade, estão acima do peso.

Isso representa 4,4 milhões de crianças, sendo que 2,4 milhões estão com sobrepeso, 1,2 milhão está com obesidade, e 755 mil se enquadram na chamada obesidade grave.

A pasta age contra a obesidade infantil focando em três medidas simples de serem incorporadas pelos pais: priorizar a alimentação saudável; incentivar as atividades físicas; favorecer brincadeiras que fiquem longe das telas, seja a tevê, celular, tablets e jogos eletrônicos.

Dentre as medidas que podem ser incorporadas de forma a melhorar a alimentação das crianças, uma sugestão é seguir as recomendações do Guia Alimentar para crianças brasileiras menores de dois anos, lançado em 2019 pelo Ministério da Saúde.

12 passos

Especialistas
em saúde infantil indicam como ter uma alimentação saudável:

  1. Amamentar até os dois anos, ou mais, oferecendo apenas o leite materno até os seis meses;
  2. Alimentos in natura ou minimamente processados, além do leite materno, a partir dos seis meses;
  3. Água, em vez de sucos, refrigerantes e outras bebidas açucaradas;
  4. Comida amassada, e não triturada ou liquidificada;
  5. Não dar açúcar ou preparações com açúcar antes dos dois anos;
  6. Não dar alimentos ultraprocessados;
  7. Mesma comida para a criança e a família;
  8. Hora da refeição: momento de experiências positivas;
  9. Ver os sinais de fome e saciedade da criança;
  10. Cuidar da higiene;
  11. Alimentação saudável também fora de casa,
  12. Proteja a criança da publicidade de alimentos.

Macarrão e refrigerante

Cerca de 49% das crianças dos 6 aos 23 meses de idade consomem alimentos ultraprocessados, segundo dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), de 2018. Além disso, 33% tomam bebidas adoçadas e 32,3% comem macarrão instantâneo, salgadinhos de pacote ou biscoitos salgados.

Menos telas

Ainda em
2019, a Organização
Mundial da Saúde (OMS) lançou diretrizes para o uso de telas, como tevês,
smartphones e tablets, pelas crianças. Bebês com
menos de um ano não devem passar nem mesmo um minuto na frente desses
dispositivos eletrônicos. Até os cinco anos de idade, o uso desses dispositivos
não deve ultrapassar 60 minutos por dia.

Você sabe cair do jeito "certo"? Especialistas mostram como fazer

Raro é o indivíduo que nunca tropeçou em um bicho de estimação ou buraco na calçada, caiu da bicicleta, escorregou no gelo ou se ralou esquiando ou patinando. Alguns se machucam enquanto outros saem ilesos – geralmente afirmando que é porque sabem como cair.

  • Segundo um soldado paraquedista, um dublê, um fisioterapeuta e um professor de artes marciais, existe mesmo um “jeito certo” de cair, e ele pode poupá-lo de muita dor se você souber como se faz.
  • Leia mais
  • 15 dicas para evitar queda dos idosos
  • 14 dicas para diminuir risco de quedas em casa
  • Remédios demais são risco para a saúde

Embora geralmente associadas a idosos, as quedas acontecem em qualquer idade e são a causa mais comum de lesões em visitas aos prontos-socorros dos Estados Unidos.

A Agência de Pesquisa e Qualidade em Serviços de Saúde estima que mais de 30% das visitas a um pronto-socorro, cerca de 7,9 milhões por ano, são motivadas por tombos.

“Enquanto fisioterapeutas, falamos muito sobre prevenir quedas, mas não falamos no que fazer quando se cai. O tombo é quase inevitável, então é preciso saber o que fazer”, diz a Jessica Schwartz, fisioterapeuta nova-iorquina que treina atletas e pessoas com próteses nos membros a cair sem se machucar.

A coisa mais importante a se lembrar é proteger a cabeça, segundo ela. Então, se você estiver caindo, gire de lado e encolha a cabeça.

“Você já viu aqueles desenhos animados com escorregões e quedas em que os personagens caem com tudo de costas ou de cara? Não faça isso“, diz Jessica.

“Você vai bater a cabeça como um coco e terminar com uma concussão“, e o movimento inverso, ou repique, da cabeça após o impacto “dará a impressão de uma chicotada“.

Além disso, cair direto de frente ou de costas aumenta o risco de lesionar a coluna vertebral e os órgãos vitais.

via GIPHY

De acordo com a fisioterapeuta, também se deve evitar cair com as mãos estendidas. Se isso acontecer, toda a força do impacto vai se concentrar nelas, aumentando o risco de quebrar o punho.

Além disso, também não se deve cair de joelho, para não quebrar a rótula, nem fazer aquela manobra em que se “pedala” com os pés para recuperar o equilíbrio, o que pode levar a ossos quebrados nos pés e tornozelos.

Em vez disso, caso esteja caindo, os especialistas dizem que se devem dobrar cotovelos e joelhos e tentar absorver o impacto com as partes mais carnudas do corpo, como a lateral da coxa, nádegas e ombro.

“Tente bater com o músculo, não com o osso”, diz Kevin Inouye, dublê e professor assistente de interpretação, movimento e combate encenado da Universidade de Wyoming. “O instinto será tentar se segurar com as mãos, joelhos e pés, mas eles são duros e não perdoam na hora do tombo.”

O segredo é não lutar contra a queda, mas rolar junto, como os paraquedistas fazem. “A ideia é orientar o corpo para o chão, para que quando ocorra o impacto, exista um processo em várias etapas de bater e mudar o peso do corpo para reduzir o baque”, afirma o primeiro-sargento Chuck Davidson, treinador-chefe da Escola Avançada do Exército em Fort Bragg, Carolina do Norte.

via GIPHY

O objetivo dos paraquedistas é cair de lateral na direção do vento que os carrega – sem qualquer resistência à força da queda.

Quando as bolas dos pés mal tocam o chão, eles imediatamente distribuem o impacto em uma sequência rápida subindo pela panturrilha, coxa e traseiro.

Eles rolam sobre o músculo latíssimo do dorso, o grande músculo que se estende lateralmente pela lateral das costas, e jogam os pés para cima, mudando o peso, para terminar deitados de costas com as pernas dobradas diante deles.

O procedimento é impressionantemente similar a como os praticantes de artes marciais aprendem a cair quando, por exemplo, são jogados sobre o ombro de uma pessoa ou as pernas são forçadas a se dobrar.

“Eu diria que os princípios que seguimos são: aceitar que está caindo e ir junto, rolar o corpo, não ficar duro, e distribuir a energia, para absorver a queda na maior área possível”, explica Paul Schreiner, professor faixa preta de jiu-jitsu da Academia Marcelo Garcia, em Nova York.

Embora as quedas em artes marciais costumem ter um aspecto ginástico, com cambalhotas belas e elegantes, tudo se resume à questão de espalhar a força do impacto. “Pode existir um componente estético, mas o que ele faz é salvar o corpo”, afirma Schreiner. “Se você não absorver o tombo num lugar só, poderá se levantar com dor, mas caminhando.”

Por mais difícil que pareça aquele momento em que o chão se aproxima – contas médicas e incapacidade relampejando na mente –, os especialistas dizem que é importante relaxar enquanto se cai.

Existe uma probabilidade menor de se machucar caso você relaxe a musculatura e solte o ar.

via GIPHY

A rigidez é sua inimiga, enquanto a flexibilidade é sua amiga. “Por mais injusto que pareça, é por isso que os bêbados” costumam ser as pessoas que “não se machucam nas batidas de carro”, diz Inouye. “Eles estão relaxados e simplesmente absorvem o impacto.”

Sem dúvida, você terá maior capacidade de relaxar, girar de lado, se encolher e rolar se estiver em boa forma física.

“Se tiver uma sala cheia de jogadores de futebol e trabalhadores de informática e você sair derrubando todos, pode apostar que os jogadores são os que menos vão se machucar por causa da força superior, agilidade e coordenação”, diz Erik Moen, fisioterapeuta de Kenmore, em Washington.

Mas isso não quer dizer que é preciso ser um atleta de elite ou soldado paraquedista para cair do “jeito certo”. As crianças pequenas são possivelmente os que caem melhor porque ainda não têm medo ou vergonha, então levam o tombo e rolam sem tensão, não tentando se recompor.

Um fisioterapeuta pode ser útil em avaliar suas fraquezas e prescrever exercícios para fazer em casa para melhor a força e agilidade – por exemplo, pular de lado a lado e subir e descer de plataformas – para que você tenha maior capacidade de ação durante uma queda e maior probabilidade de reduzir o risco de tombos.

Segurança da informação: o que é e 12 dicas práticas para garantir

Segurança da informação. Um conjunto de palavras tão simples, mas de fundamental importância para qualquer empresa, principalmente para o setor de TI.

Mais do que estratégica, a segurança da informação é essencial para a proteção do conjunto de dados da corporação. E, como se sabe, são fundamentais para as atividades do negócio.

Quando bem aplicada, é capaz de blindar a empresa de ataques digitais, desastres tecnológicos ou falhas humanas. Porém, qualquer tipo de falha, por menor que seja, abre brecha para problemas.

É fundamental que os gestores compreendam a importância da segurança da informação, todos os aspectos envolvidos e técnicas e informações que auxiliam a aprimorar a segurança do negócio.

Continue lendo e saiba tudo o que é importante sobre segurança da informação, para que possa aplicá-la em sua rotina de trabalho.

O que é segurança da informação?

O nome é sugestivo: segurança da informação diz respeito ao conjunto de ações para proteção de um grupo de dados, protegendo o valor que ele possui, seja para um indivíduo específico no âmbito pessoal, seja para uma organização.

Ela não está restrita a sistemas comunicacionais, se aplicando a todos os aspectos de proteção de dados. Mas este conteúdo irá focar nesse aspecto, para facilitar o trabalho da área TI.

O que envolve a segurança da informação?

A segurança da informação se baseia nos seguintes pilares:

  • confidencialidade;
  • integridade;
  • disponibilidade;
  • autenticidade.

Ou seja, é necessário que as ações realizadas se dediquem a garantir esses quatro aspectos anteriores. E não é difícil compreender seu contexto na área de segurança.

Por exemplo, um erro de confidencialidade pode expor dados estratégicos da organização para concorrentes, ou então um vazamento de dados de clientes realizado por hackers.

Esse tipo de problema gera prejuízos financeiros e problemas com a imagem da corporação no mercado, evidenciando as falhas de segurança para o público.

A integridade das informações também é essencial. Por exemplo, um erro no disco rígido pode corromper determinados arquivos importantes. Sem um backup, as funções da empresa podem ficar comprometidas.

Disponibilidade é outro ponto essencial, já que os dados precisam estar acessíveis no momento em que foram requisitados, principalmente para garantir a agilidade dos processos.

Isso pode ser impedido, por exemplo, por ataques de sequestro de dados (ransomware), que tem justamente a indisponibilidade como objetivo.

Por fim, para garantir a segurança de dados, é fundamental garantir meios de autenticidade das informações preservadas. Há um grande risco de fraudes e isso pode causar problemas graves a longo prazo.

Por exemplo, o uso de informações de cartões de crédito pode levar a clonagem dos dados. E isso é evidenciado para o público que perde a confiança na empresa.

A pessoa saberá que foi uma falha de segurança gerada na organização que levou ao problema e deixará de ser cliente, bem como irá informar outros colegas sobre a situação.

E, em tempos de redes sociais, uma informação pode ser propagada rapidamente, gerando uma imagem ruim da área de segurança da informação da empresa, manchando seu nome como profissional.

Portanto, é imprescindível que as ações a serem implementadas na área de segurança priorizem sempre estes quatro pilares. Não perca eles de vista no seu dia a dia no trabalho.

Qual é a importância da segurança da informação para as empresas?

A segurança da informação é mais do que uma questão estratégica para a empresa: ela é uma das responsáveis pela possibilidade de funcionamento do negócio.

Afinal, como sabemos, dados são poder. E, cada vez mais, no ambiente empresarial, eles são utilizados de forma estratégica para o funcionamento e crescimento da organização.

Leia também:  Como aprender inglês sem um professor: 6 passos

Por exemplo, o uso de big data nas corporações é cada vez mais disseminado. Porém, ele só funciona adequadamente se os dados estiverem disponíveis e forem precisos.

Se, por falhas tecnológicas, um servidor para de receber determinadas informações, a análise fica comprometida e, assim, pode-se gerar uma visão errada da situação atual.

Além disso, toda empresa trabalha com informações estratégicas em seu funcionamento: análise de concorrência, prospecção da criação de novos produtos ou serviços, análise de mercado, entre outros.

Muitos cibercriminosos, sabendo disso, tendem a realizar invasões a fim de obterem essas informações e vendê-las, a fim de fornecer vantagem competitiva. Portanto, é essencial se precaver.

Outro ponto essencial é: os cibercrimes têm crescido exponencialmente. E não é só para vazamento de informações, mas também para sequestro de dados (como os ataques ransomware), ataques DDoS (que tornam as informações indisponíveis), entre outros.

  • E o Brasil está na mira dos hackers: nós somos o segundo país no mundo com o maior número de crimes nessa área, atrás apenas da China, com um prejuízo de US$ 22 bilhões.
  • Por isso, é importante ter consciência do cenário em que estamos imersos e a necessidade real de evitar qualquer tipo de prejuízo mais grave para a empresa em que trabalha.
  • E isso só é possível por meio de um planejamento e implementação de medidas de segurança da informação que contemplem o negócio como um todo.
  • Essas medidas evitam que os problemas ocorram e, caso a situação se concretize, você tenha planos de contingência a serem aplicados.

Como aprimorar a segurança da informação por meio de 12 dicas práticas?

Não basta apenas implementar as práticas de segurança da informação — é necessário assegurar que não há brechas. Para isso, é preciso que sejam aplicadas as melhores ações nessa área.

Portanto, veja 12 dicas práticas que você deve implementar na sua área de TI o quanto antes e previna situações de risco que podem complicar o seu trabalho.

1. Acompanhe as tendências e evoluções da área

Uma realidade da área de tecnologia é: as tendências e evoluções são muito rápidas dentro deste setor.

Soluções novas são criadas todos os dias pelas maiores empresas especializadas da área, o que já torna necessário que os responsáveis da área de TI se mantenham atentos.

Porém, a área de segurança da informação exige cuidados maiores neste aspecto. Isto porque os cibercriminosos também criam e investem em novos mecanismos de ação todos os dias.

Um dos grandes exemplos foi o ransomware, que surpreendeu os especialistas em segurança de imediato, causando espanto em um primeiro momento, até a criação dos protocolos de mitigação de danos.

Por isso, é fundamental pesquisar e estar atento todos dias às inovações que são lançadas. Assim, caso apareça alguma novidade, você poderá implementar medidas de contenção o quanto antes.

2. Mantenhas os softwares e drives atualizados

Um dos principais meios de acesso dos hackers aos sistemas é por meio de falhas encontradas em softwares, sistemas operacionais e drives.

Por isso as empresas fornecedoras estão sempre lançando novas atualizações, corrigindo as falhas que permitem esse tipo de ação e tornando os sistemas mais seguros.

Porém, não adianta este trabalho se os gestores de TI não atualizarem os sistemas regularmente. Desta forma, as brechas permanecem e os cibercriminosos continuam tendo seus mecanismos de ação facilitados.

3. Estabeleça controle de acesso para os colaboradores

Uma forma comum de facilitar os problemas de segurança da informação é por meio de ações inadequadas dos usuários. Vamos citar um exemplo bem corriqueiro.

Um funcionário com acesso a informações não concernentes a sua área, sem querer, realiza uma exclusão de um arquivo importante, que não estava presente em nenhum backup feito anteriormente.

Este tipo de falha humana é corriqueiro nas empresas. E pode ser dificultado por meio do controle de acesso para os colaboradores.

Quanto menos pessoas têm acessos aos dados, menores são os riscos de erros deste tipo. Além disso, diminui-se as chances de vazamento de informações confidenciais ou estratégicas.

4. Estabeleça bloqueio de sistemas de saída

  1. Da mesma forma, é imprescindível investir em bloqueio de sistemas de saída, evitando que informações sejam vazadas sem o conhecimento dos funcionários de TI.

  2. Por exemplo, invista em bloqueios de aplicativos e sites que facilitem o recolhimento de arquivos e envio para fora da rede da empresa.

  3. Se há sistemas internos de e-mail, pode-se bloquear o uso de e-mails pessoais dentro do ambiente empresarial, bem como sites de redes sociais e aplicativos de conversação.

5. Crie políticas de segurança na empresa

Todos os colaboradores fazem parte do processo de segurança da informação. Afinal, em alguma medida eles interferem no acesso às informações, seja por meio da criação de documentos, acesso à dados, facilitando a entrada de malwares com usos inadequados, etc.

Por isso é fundamental estabelecer normas de conduta e políticas de segurança que devem ser seguidos por todos. Esse tipo de documentação permite normatizar as regras utilizadas na empresa.

Com isso, torna-se possível diminuir as facilidades que permitem a ação de cibercriminosos ou falhas que comprometam os arquivos.

Por meio disso, por exemplo, pode-se criar normas do que deve ser feito caso um funcionário encontre um problema em seu sistema: ao invés de tentar resolver por conta própria, ele deve entrar em contato com o setor responsável, que verificará o ocorrido.

6. Alinhe os processos às políticas de segurança

Após a criação das políticas de segurança, é necessário alinhar os processos da empresa ao que foi normatizado e documentado anteriormente.

Algumas alterações podem ser sutis, enquanto outras podem exigir uma reestruturação de toda a empresa, tornando-se necessário realizar um planejamento prévio de implementação.

Por exemplo, caso opte-se por alterar o sistema operacional, é necessária uma mudança em todas as máquinas instaladas no ambiente empresarial. Demanda-se tempo e preparação.

  • O mesmo ocorre com possíveis mudanças nas formas de hierarquia de arquivos, realização de backups recorrentes, entre outros.
  • Assim, deve ser estabelecida, junto aos diretores das outras áreas, a necessidade de adequação dos processos, de forma a colocar em prática o que foi documentado anteriormente.
  • Caso contrário, as falhas anteriores permanecerão e poderão causar problemas que deverão ser resolvidos posteriormente.

7. Treine os colaboradores para medidas de segurança

  1. Algumas questões elaboradas nas políticas de segurança podem não ser tão claras para os colaboradores, principalmente por envolverem questões específicas da área de tecnologia.

  2. Para evitar confusões, dúvidas e ações errôneas, é imprescindível realizar treinamento com todos os envolvidos, a fim de normatizar as condutas de todos, bem como ensinar medidas básicas de segurança.

  3. É por meio do treinamento, por exemplo, que pode ser explicado para todos as razões pelas quais as redes sociais são bloqueadas no ambiente empresarial.
  4. Isso auxilia para que não busquem outros métodos de acesso que podem também comprometer a segurança das informações.

  5. O treinamento também auxilia na uniformização de procedimentos em caso de problemas.
  6. Por exemplo, no caso de um ataque ransomware, todos os colaboradores terão a mesma conduta, evitando resolverem a situação por conta própria.

8. Tenha ferramentas de monitoramento

É imprescindível utilizar ferramentas de monitoramento de atividades no cotidiano da área de TI. Para que a segurança seja eficaz, é preciso saber o que está acontecendo em toda a rede.

Qualquer tipo de conduta errada, vulnerabilidade, mudança nos padrões de acesso deve ser percebida imediatamente, de forma a ser contida e evitar um ataque digital gerado por hackers.

9. Utilize a criptografia de dados

A criptografia é uma importante aliada para a segurança da informação. Ela impede, por exemplo, que os arquivos sejam acessados caso sejam interceptados no meio do processo, só tendo as chaves de acesso, as pessoas que possuem a chave privada.

Este tipo de ferramenta pode — e deve — ser utilizado no envio de informações estratégicas e confidenciais, evitando que hackers possam interceptar os dados e ter acesso ao que foi encaminhado.

10. Conte com ajuda de empresas especializadas em segurança da informação

  • As empresas especializadas na área de segurança da informação podem ser estratégicas e essenciais para garantir a privacidade e integridade dos dados da sua corporação.
  • Elas estão sempre atentos para as novidades, trazendo e desenvolvendo soluções importantes e inteligentes que ajudarão a potencializar os mecanismos de proteção.
  • Por exemplo, pode-se contar com essas empresas para o armazenamento de backups na nuvem de forma segura.
  • Assim, garante-se uma maior proteção para os dados e permitindo que sua equipe direcione os esforços para outras questões da área de TI.
  • Além disso, em caso de desastres, como o ransomware, as empresas especializadas poderão auxiliar na resolução da situação com a aplicação de protocolos para mitigar os danos causados pela ação.

11. Crie planos de contingência

Não basta apenas pensar em medidas preventivas. Como falamos ao longo deste artigo, os cibercriminosos são engenhosos e criam constantemente novas formas de atuação para conseguirem seus objetivos.

Muitas vezes eles surpreendem os especialistas em segurança da informação, de forma que, até descobrir formas de reverter a situação, pode-se ter prejuízos inestimáveis.

Além disso, os problemas não se limitam apenas aos casos de ataques feitos por hackers: desastres tecnológicos, falhas humanas, entre outros, são recorrentes. É preciso saber como agir nessas situações.

Assim, é necessário estipular ações padronizadas, já que a mitigação dos danos pode ser realizada por qualquer um dos membros responsáveis pela área de segurança da informação.

As ações podem variar de profissional para profissional, o que pode causar problemas posteriores. Portanto, é fundamental criar parâmetros de padronização.

Por isso, é importante ter um plano detalhado para eventuais situações, de forma que todos operem da mesma forma e evitem falhas de comunicação e procedimentos errados.

12. Invista em backup

Se tudo der errado e, assim, os dados encontrados em discos rígidos e servidores forem perdidos, é essencial ter uma espécie de “plano B” para não inviabilizar as funções cotidianas.

O backup é a melhor opção nesses casos, provendo uma recuperação de dados eficiente, seja por meio de um servidor externo, um HD externo ou na nuvem. O essencial é não abrir mão dessa ferramenta.

Quais as consequências de não investir em segurança da informação?

O que pode acontecer caso o setor de TI não invista em segurança da informação ou, ao priorizar redução de gastos, utilize soluções que não sejam tão eficientes ou deixe de implementar alguma das práticas que citamos anteriormente?

Bom, os resultados podem ser desastrosos em diversos níveis. A inviabilização do acesso aos dados pode gerar paralisação dos serviços e o processo pode demorar horas — ou, até mesmo, dias — para ser resolvido.

Apenas alguns minutos de inviabilização podem causar prejuízos financeiros consideráveis, imagine dias? Complicado, não é mesmo?

Problemas como vazamentos, fraudes bancárias, sequestros de dados, ataques DDoS, roubo de senhas, entre outros, identificam a fragilidade da segurança da organização, gerando um mal-estar no mercado.

A confiabilidade sobre a empresa diminui, já que a imagem passada é que não há investimento na segurança da informação e, portanto, informações dos clientes podem ser expostas posteriormente.

Além disso, pode ocorrer até mesmo consequências mais sérias. Por exemplo, a exposição dos dados da PS Network, da Sony, em 2011, gerou uma série de problemas para a empresa, inclusive processo judicial pela falha de segurança da informação.

  1. Esses são apenas alguns exemplos para se ter dimensão das proporções do que pode ocorrer caso não priorize medidas de excelência no que concerne à proteção de dados.
  2. Por isso, é essencial seguir as 12 dicas que listamos anteriormente e sempre estar atento às novidades da área.
  3. E se ainda não se sentiu convencido acerca dos investimentos necessários para a área de segurança da informação e de TI como um todo, veja quais são os custos caso isso não seja feito de forma adequada.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*