Como arrancar o dente sem sentir dor: 11 passos

Como Arrancar o Dente Sem Sentir Dor: 11 PassosJucilene de França morreu após sofrer infecção ao extrair dente em clínica. (Foto: Arquivo pessoal)

Uma mulher, de 31 anos, morreu vítima de uma infecção, nesta quarta-feira (8), após ter extraído um dente, em uma clínica odontológica particular de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. Jucilene de França era gerente de uma loja na cidade e deixou dois filhos, de 15 e 6 anos. Os familiares denunciam que houve negligência por parte dos dentistas que fizeram o procedimento e atendimento.

A certidão de óbito aponta que a morte foi causada por choque séptico, Angina de Ludwig [se trata de uma doença infecciosa] e extração dentária. Segundo a cunhada da vítima, Tatiane Magalhães, a extração do siso ocorreu no sábado (4), no Centro Odontológico do Povo (COP).

No dia seguinte, a vítima teria começado a sentir fortes dores, inchaço e apresentou uma espécie de edema no pescoço. Jucilene voltou ao dentista e passou por um pronto-atendimento particular e um hospital antes de morrer. A família diz que ela estava bem de saúde e não tinha nenhuma doença.

Como Arrancar o Dente Sem Sentir Dor: 11 PassosCcertidão de óbito aponta que a morte foi causada por choque séptico. (Foto: Arquivo pessoal)

“Voltamos ao Centro Odontológico e lá disseram que era alergia da anestesia. Passaram um remédio, mas ela continuou sentido dor e muito inchaço. Fomos a um pronto-atendimento e o médico constatou que ela estava com uma inflamação e infecção. Ela tomou medicação novamente, mas mal conseguia abrir a boca”, relatou a cunhada ao G1.

O médico que atendeu Jucilene disse que precisava internar a paciente, devido ao estado de infecção que ela se encontrava. Porém, o plano de saúde que Jucilene tinha não cobria a internação solicitada.

“Mandaram ela para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá. Isso era 18 horas de quarta. Quando foi às 23 horas, ela faleceu. Os médicos nos disseram que ela estava com um edema muito grande e infecção generalizada.

Tentaram reanimar, mas não conseguiram”, contou Tatiane.

O corpo da gerente é velado na tarde desta quinta-feira (9) na Capela Santo Antônio, em Várzea Grande.

Clínica Em nota enviada ao G1, o COP informou que a paciente passou por uma radiografia e extração simples, ‘transcorrendo tudo dentro da normalidade’. A clínica disse que Jucilene recebeu orientações sobre as condutas após a cirurgia e uma receita de medicamentos que deveriam ser tomados.

O COP confirmou que a paciente retornou ao local se queixando de um edema e, na ocasião, foi orientada a tomar uma medicação, alertada para retornar novamente, caso não melhorasse nas próximas 24 horas.

Como Arrancar o Dente Sem Sentir Dor: 11 PassosJucilene ainda registrou em fotografia o pescoço inchado. (Foto: Arquivo pessoal)

No entanto, conforme a nota, Jucilene teria voltado ao COP somente na quarta-feira e teve que ser encaminhada para o pronto-atendimento e, em seguida, para a Santa Casa.

A clínica se colocou à disposição da família para dar todo o tipo de assistência e informou que aguarda o resultado da necropsia.

O G1 procurou a Santa Casa de Misericórdia que se comprometeu em encaminhar uma nota sobre o atendimento feito à paciente. Entretanto, até a publicação da reportagem não houve manifestação sobre o caso.

Investigação O Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT) disse que não recebeu nenhuma denúncia sobre o que ocorreu com Jucilene. Contudo, vai acompanhar o caso.

Segundo o presidente da Comissão de Ética do CRO-MT, Sandro Stefanini, existem riscos de infecção, mesmo que o profissional siga todas as normas do procedimento. Conforme Stefanini, o profissional é orientado a seguir normas antes da extração, como exames, raio-x e recolher dados da saúde do paciente.

“A extração [do siso] pode ter esse risco, afinal, a pessoa poderia não estar em condições de saúde. Até mesmo o profissional pode seguir os padrões e correr o mesmo risco. Nesse procedimento cirúrgico é aberto uma exposição com a corrente sanguina e existem bactérias de todos os tipos na cavidade bucal”, declarou o presidente.

A Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa de Cuiabá (DHPP) fez a liberação do corpo da vítima e deve encaminhar o caso para uma possível investigação, se necessário, na Delegacia de Polícia do Carumbé (Cisc Norte), em Cuiabá.

Como tirar os dentes de leite do seu filho do jeito certo?

Como Arrancar o Dente Sem Sentir Dor: 11 Passos

A queda dos primeiros dentinhos de leite é um momento importante na vida de uma criança, pois ele pode influenciar, inclusive, a forma como elas irão lidar com a saúde bucal e a ida ao dentista. Por isso, contar com o apoio dos pais nesta etapa é fundamental para que os filhos não tenham medo e se sintam seguros nas visitas regulares ao dentista. Mas qual é hora certa de tirar um dente de leite? Quais os principais cuidados que os pais devem ter? Você pode conferir as respostas para essas e outras dúvidas agora mesmo!

Qual o momento certo de tirar o dente de leite?

Normalmente, os primeiros dentes de leite começam a cair no período entre 4 e 6 anos de idade. Quando um dente começa a cair, leva cerca de um mês até o fim do processo.

Enquanto isso, os dentes vão ficando moles e a raiz se desprende, naturalmente, da gengiva da criança.

É recomendado que os pais respeitem esse tempo e não se apressem para a retirada do dente, ação que pode assustar e até machucar a criança.

Além disso, incentivar as crianças a amolecer os dentinhos é fundamental durante o processo de queda da dentição de leite. Isso dará autonomia para criança e tornará o processo muito mais natural e tranquilo, além de facilitar para que os dentes se soltem sem dificuldades.

Como tirar o dente de leite em casa?

Na maior parte dos casos, o dente cairá sem esforço, sendo recomendado que os pais usem uma gaze ou pano limpo e, movimentando o dente da criança levemente em direção a boca, esperem até que ele se desprenda completamente da gengiva.

Estar com as mãos bem higienizadas durante o processo também é indispensável. Caso haja um pequeno sangramento após a retirada, algo bastante normal, é recomendado pressionar a região com a própria gaze por um pequeno período e evitar que a criança coma por cerca de 30 minutos, para facilitar a cicatrização da gengiva.

Que cuidados você deve tomar?

Dentre os cuidados a serem tomados, é importante reforçar os seguintes pontos:

  • Transmita segurança, explicando que a queda dos dentinhos é um processo natural e lhe dê autonomia;
  • Durante o processo, cuide sempre da higienização das mãos e utilize gaze ou panos limpos para a retirada dos dentes da criança;
  • Fuja de métodos antigos que podem assustar e até machucar a gengiva da criança, portanto, nada de amarrar prender o dente com fio dental na porta, mandar seu filho morder algum objeto ou mesmo arrancar o dente à força e antes da hora;
  • Não tenha pressa ou passe ansiedade para os seus filhos;
  • Evitar alimentar a criança por cerca de trinta minutos, contribuindo para a cicatrização da gengiva;
  • Busque sempre a orientação do odontopediatra.

Preciso levar meu filho no dentista?

Caso a criança sinta algum desconforto ou dificuldade para comer durante o período até a queda dos dentes de leite, é recomendado a visita ao dentista especializado em odontopediatria que pode tranquilizar a criança e aplicar anestésicos para a retirada do dente.

Também é importante levar seu filho ao odontopediatra se os dentes estiverem demorando muito tempo para cair ou se os dentes permanentes já começaram a surgir mesmo antes da queda dos de leite.

Além disso, a orientação profissional será sempre útil em todas as fases de desenvolvimento da criança.

Na Odontoclinic, contamos com muitos profissionais especializados em odontopediatria, prontos para cuidar da saúde bucal infantil com excelência. Agende sua avaliação agora mesmo!

Extração Dental

Conheça melhor o ato médico denominado de extração ou “arrancar” de dentes. Embora seja um procedimento comum, sabe como se realiza? A extração simples (arrancar) de um ou vários dentes é um tratamento minimamente invasivo.

É um procedimento do conhecimento da maioria das pessoas, pois em alguma altura da vida existe a necessidade de extrair ou arrancar um dente; na infância dentes de leite e mais tarde na fase adulta, extrações simples ou mais complicada de dentes e raízes.

É um tratamento essencial para o bem-estar de muitos pacientes, principalmente quando surge a dor e já não existe outra solução.

Em tempos não muito distantes a expressão arrancar um dente era um sinónimo de terror e de dor, atualmente a extração de um dente é uma cirurgia muito simples e praticamente INDOLOR.

Como Arrancar o Dente Sem Sentir Dor: 11 Passos

Normalmente o médico dentista aconselha tirar um dente quando este já está muito destruído e sem hipótese de qualquer outro tratamento. As extrações são inevitáveis ao longo da vida de um indivíduo apesar de todos os cuidados pessoais e a nível médico que o mesmo possa ter.

A medicina dentária ao longo dos anos evoluiu muito assim como a técnica,as anestesias,os aparelhos de medicina dentária,os instrumentos utilizados,a abordagem dos profissionais de saúde.

  • Embora seja uma cirurgia simples há alguns procedimentos a ter em atenção.
  • Conheça os vários passos deste tratamento e entenda melhor o procedimento.

A nossa dentição apresenta uma ou várias raízes. O processo de cicatrização é naturalmente mais rápido quando o dente tem apenas uma raiz. Quando o dente é composto por duas ou mais raízes, a recuperação é um pouco mais lenta. O médico dentista irá recomendar alguns procedimentos para depois da cirurgia, de maneira que o período pós procedimento decorra com normalidade.

Após remoção do dente alguns hábitos de vida poderão sofrer ligeiras alterações, tais como, evitar fumar, eventual medicação para as dores se for caso disso, os cuidados frequentes com a higiene oral.

Leia também:  Como cancelar um contrato de compra e venda: 7 passos

O procedimento de arrancar dentes é muito comum e realiza-se sem qualquer tipo de problema nem dor. É um procedimento seguro. Converse com o seu dentista, siga os seus conselhos e após a cirurgia, irá recuperar muito rapidamente os seus hábitos de vida e normalidade.

Extração dental – Exodontia

EXODONTIA

A exodontia é o ato cirúrgico que corresponde a uma extração de dente, ou seja, é remover, extrair, “tirar” ou “arrancar” um dente. A extração dentária é uma pequena cirurgia ou operação, referida como um dos procedimentos estomatológicos mais ancestrais de que há registro.

A necessidade de extração de dentes ocorre no adulto com relativa frequência em consequência de diversos problemas dentários. Na criança, nos dentes decíduos ou dente de leite ou temporários a extração de dentes pode também ser necessária em determinadas circunstâncias.https://www.saudebemestar.pt/pt/medicina/dentaria/exodontia/

A extração pode ser efetuada em qualquer um dos dentes (incisivo, canino, pré-molar ou molar). Devido a alguns problemas de erupção, o dente do siso ou terceiro molar (superior ou inferior) é um dos dentes, muitas vezes, indicado para exodontia.

  • Na maior parte dos casos, a extração envolve apenas um único dente, mas em muitas situações podem ser extraídos dois ou mais dentes na mesma consulta cirúrgica sem qualquer contraindicação (exodontia múltipla).
  • Ocasionalmente, para manter a saúde oral, é necessária a extração de dente, ou a exodontia, processo cirúrgico para remover aquele ou aqueles dentes que, por algum motivo (eles podem ser diversos), estão dando problemas ao seu sorriso.
  • O dente ou dentes podem ser retirados através de uma intervenção cirúrgica, sendo qualquer dos elementos que sejam necessários (molar, canino, incisivo ou pré-molar).
  • Geralmente, a causa mais comum que exige esse tipo de tratamento é a cárie em um estágio que já não é mais possível qualquer outro procedimento, levando a extração do dente.
  • Outras causas  famosas são:
  • Dente do siso, incluso ou semi-incluso;
  • Dente fraturado (na coroa ou na raiz);
  • Dente desvitalizado ou com necrose pulpar e que não foi possível curar com outros tratamentos;
  • Dentes com mobilidade.

Exodontia de dente fraturado

Um dente fraturado, normalmente, é resultado de um acidente com grande impacto. No primeiro momento, gaze e água fria conseguem estancar o sangramento e parecem resolver o problema, mas não consultar um dentista após o choque com a sua boca é uma péssima decisão a se tomar.

Aquele dente que fraturou ou quebrou ou rachou pode lhe causar muitos problemas como dor, infecções, mordida errada e ainda problemas na mandíbula e, por isso, deve sempre ser avaliado por um especialista.

Dente fraturado na raiz

Uma  simples atitude rotineira como mastigar um alimento crocante, pode gerar uma fratura no dente na porção onde envolve sua raiz. Por isso, todos nós estamos sujeitos a ser acometidos por uma fatalidade como essa, sendo assim  o ideal é que se mantenha a calma nessas situações e procure um dentista para uma avaliação e diagnóstico preciso.

Sendo assim, o  cirurgião-dentista  poderá avaliar se o nível da fratura exige a extração de dente ou se é possível reverter o acidente com outros métodos não cirúrgicos.

Na maioria dos casos, a lesão não é visível e o paciente só saberá que algo está errado por começar a sentir dores no local, inflamação ,mobilidade e sangramento.

.O dentista realizará exames radiográficos para precisar e avaliar a fratura e realizar o prognóstico mais favorável em benefício do paciente.

Temos, na maioria das vezes, dois tipos de fraturas: a fratura longitudinal que acomete da coroa até a raiz, tendo seu prognóstico insatisfatório, levando a exodontia; e a fratura horizontal onde a coroa é removida no terço onde foi fraturada, posteriormente é tratada a raiz (endodontia) e reabilitado o dente com uma prótese.

Dente fraturado na coroa

Assim como nas fraturas na raiz, esta também pode acontecer na coroa, é o tamanho da lesão que vai decidir se é necessária a extração de dente ou não. Em níveis pequenos, é possível corrigir a fratura através de restauração.

  1. Quando a fratura na coroa atinge o seu terço médio, é necessário que seja realizado um tratamento de canal, seguido da reconstrução da coroa que foi perdida devido a fratura, podendo então reabilitar este elemento com uma prótese.
  2. Caso a fratura se dá para o acometimento total da raiz, levando a exodontia do elemento, o dentista deverá avaliar e indicar a reabilitação com o uso de implante.
  3. Quando o acidente é com crianças ainda com dente de leite, deverá ser levado ao odontopediatra, que realizará exames para uma avaliação e precisará quais serão as medidas cabíveis a serem tomadas para o melhor prognóstico deste dente de leite e para o permanente que irá surgir na sequência natural da troca dentária.

Lembre-se sempre de guardar o dente fraturado, seja ele inteiro ou apenas um fragmento. O ideal é que ele seja preservado em soro fisiológico, mas caso não tenha a seu alcance no momento, pode-se optar pela água filtrada.

Cuidados para a exodontia

A extração de dente é realizada pelo profissional cirurgião-dentista. Para casos mais específicos e ou complicados, é feita pelo especialista chamado bucomaxilo, que é especializado e tem referências de técnicas para a realização de cirurgias com alto grau de complexidade. Por isso, não há o que temer, até porque na maior parte dos casos a intervenção cirúrgica é simples e rápida

Somente em alguns casos bem específicos o procedimento se torna um pouco mais complicado e pode chegar a ser indicado que seja feito em um ambiente hospitalar.

No dia em que for realizar a extração – isso se ela não for feita no mesmo dia de sua consulta inicial –, opte por refeições leves, tome todos os medicamentos que forem prescritos pelo especialista e vá o mais natural possível, evitando o uso excessivo de maquiagem e acessórios. Isso facilitará o posicionamento da cabeça, evitando que você sofra incômodo enquanto deita na cadeira de cirurgia.

Para os pacientes que usam substâncias, é extremamente recomendado que não as use antes do procedimento cirúrgico, ainda mais se tratando de drogas sintéticas. Elas possuem alguns componentes que, na reação com a anestesia, podem colocar em risco a vida da pessoa. A recomendação também se aplica a quem usa substâncias mais leves, como o tabaco.

No caso de mulheres grávidas, o ideal é que a cirurgia seja realizada até o segundo trimestre de gestação, mas se puder ser atrasado para depois do nascimento do bebê, será ainda melhor. Aqui é mais uma questão de comodidade para o paciente do que de risco de saúde ou de vida para a gestante e seu filho.

  • Apesar de liberar adrenalina, a anestesia não traz nenhum risco para pessoas hipertensas ou estressadas – caso tenha algum medicamento que o paciente tome, o especialista pode recomendar a substituição por algum que garanta um melhor resultado pós-operatório.
  • Como dissemos anteriormente, é fundamental seguir à risca todas as recomendações de seu dentista durante os dias antes da extração de dente e após, para garantir uma recuperação rápida e tranquila.
  • Recuperação após a exodontia

Depois de realizada a intervenção cirúrgica, chega o momento de tomar os cuidados necessários para ajudar na cicatrização da gengiva. O tempo de repouso varia de acordo com o grau de complexidade da operação, mas no geral as primeiras 24 horas exigem atenção redobrada e os três primeiros dias repouso total!

Abaixo, listamos várias dicas que vão ser suas aliadas logo no primeiro momento que você deixar o consultório médico:

  1. Permaneça em repouso o máximo possível, principalmente nos três primeiros dias. Portanto, não faça nenhum tipo de esforço ou de atividade física;
  2. Na hora de dormir, o ideal é que se durma sentado, mas caso seja difícil, mantenha a cabeça mais elevada em relação ao resto do corpo,ou seja, coloque 2 travesseiros.
  3. Evite falar muito;
  4. O calor é seu inimigo. Então, evite sol, fogão, alimentos e banhos quentes. Tudo isso estimula a circulação de sangue nos vasos sanguíneos da região operada, o que causa dor e possíveis sangramentos e inchaços;
  5. Abuse de água, vitaminas, sopas, caldos, sorvete, iogurte, leite. Enfim, tudo o que for pastoso ou líquido vai garantir que você se alimente sem machucar a área que está cicatrizando. Comidas como massas (bem cozidas) também estão liberadas. Mantenha essa dieta pelos primeiros dois dias, pelo menos;
  6. Não faça sucções (uso de canudos), pois isso também é um estimulante que pode causar sangramentos;
  7. Escove os dentes e use fio dental sempre olhando para o espelho. Na região operada, faça movimentos leves e reduza a quantidade de pasta de dente, diminuindo a produção de espuma;
  8. Não faça bochecho, mas não deixe de usar o enxaguante bucal (sem clorexidina). O correto é que se mergulhe um cotonete no produto e use-o para retirar os resíduos que ficam presos nos pontos;
  9. Principalmente nas primeiras 24 horas, use compressas de gelo em vários momentos do dia. Elas devem ser aplicadas por 20 minutos, seguidos de um repouso de mais 20 minutos. Depois disso, você pode refazer o processo. Isso vai evitar o inchaço e o sangramento. Não se esqueça de, se possível, realizar essa dica por pelo menos três dias após a extração de dente;
  10. Evite ficar cuspindo, pois isso gera uma pressão que pode incitar o sangramento;
  11. Não passe dedo, língua e nenhum outro objeto, com exceção aos de higiene bucal, no local da cicatrização;
  12. Pequenos sangramentos são normais. Para contê-los, você pode morder uma gaze estéril, fazendo pressão na área operada, o que conterá a circulação nos vasos sanguíneos. Caso eles persistam, fale com o seu dentista;
  13. Não use substâncias alcoólicas e drogas lícitas ou ilícitas. Elas dificultam o processo de cicatrização e ainda podem trazer outros problemas a sua saúde;
  14. Não deixe de seguir nenhuma recomendação médica que foi dada pelo seu especialista após a cirurgia.
Leia também:  Como amolecer mel: 8 passos

Exodontia causa dor?

Antes de qualquer procedimento de extração de dente, o dentista-cirurgião aplica anestesia local. Por isso, não existe qualquer tipo de dor durante toda a intervenção

Como ela age de forma concentrada na gengiva, você permanece acordado durante o processo. Então, é possível que apesar de não sentir dor, você sinta certo incômodo com o mexer no local durante a realização da cirurgia.

Inflamação após extração de dente: o que fazer?

É comum que, após a extração de dente, haja inflamação, sangramento e inchaço no local operado. Desta forma, existem alguns cuidados que podem ser tomados para diminuir esses efeitos colaterais e auxiliar na cicatrização (a maioria deles está citado na lista acima, por isso ela é tão importante).

As primeiras 24 horas depois da cirurgia são as mais fundamentais do processo de recuperação, já que é durante esse intervalo de tempo que há o desenvolvimento de um coágulo no lugar deixado pelo dente extraído. Porém, lembre-se que os cuidados devem ser mantidos por 7 dias para garantir que você passe por esse período delicado sem sofrer e sem riscos.

O primeiro sintoma da inflamação pós-cirúrgica é o sangramento. Já explicamos como contê-lo utilizando uma gaze, algo que o próprio dentista já deve colocar em sua boca para sair do consultório com o processo de estancamento iniciado. Você deve pressionar a região com a mordida, de forma leve, entre 45 minutos e uma hora.

Caso os sangramentos continuem em casa, você deve repetir o processo, mas tenha a gaze estéril adquirida em farmácias para que não acometa bactérias ao local operado em uma infecção. Faça a colocação da gaze e o uso de compressa de gelo, conforme descrito e orientado anteriormente.

O coágulo é essencial para a sua recuperação. Sendo assim, é muito importante mantê-lo saudável após estancar o sangue para que ele possa garantir uma cicatrização mais rápida e eficiente. Por isso, as dicas são evitar pressão (fumar, assoar o nariz, utilizar canudo), a força (enxágue, cuspe, mastigação) e altas temperaturas (em bebidas, comidas, banhos, na rua e dentro de casa).

Para o inchaço, é só seguir a recomendação que demos acima sobre o uso de compressas congeladas e o consumo de sorvetes. Mas cuidado com a quantidade de açúcar que está sendo ingerido, pois isso faz mal não só a sua saúde bucal, mas também a demais outras áreas do seu corpo. Sempre que terminar de tomar um, lave a boca, mas não passe a escova no local operado.

Agora que você já conteve a inflamação, tome alguns cuidados para evitar a infecção. Os processos são muito simples. Basta escovar os dentes sempre após todas as refeições, não fumar e fazer bochechos leves com água morna e sal, de 2 a 3 vezes no dia, e somente no dia seguinte à extração de dente, garantindo a eliminação do excesso de bactérias.

Remédios e antibióticos para a extração de dente

É normal que, após a extração de dente – em alguns casos, antes dela –, o especialista indique alguns medicamentos para serem tomados, mas sempre com o alerta de que você não deve fazer automedicação em hipótese alguma.

Como citamos no início da leitura, muitos fatores influenciam a abordagem correta e só um profissional capacitado pode te indicar o tratamento certo após conhecer a sua ficha médica e características.

Além disso, a prescrição deve ser seguida à risca, nunca em doses maiores ou menores do que a indicada. Se mesmo realizando todas as indicações de forma correta, a dor, inflamação e infecção persistirem, você deve procurar o seu dentista para uma nova avaliação.

O que fazer quando o dente siso está nascendo e não há espaço para ele – OdontoCompany – Sorria que da!

Quem nunca ouviu falar sobre o dente siso, não é mesmo? O popular ‘’dente do juízo’’ é alvo de muitos questionamentos por parte da população. Esse receio faz com que alguns mitos surjam a respeito dessa estrutura, o que leva à desinformação e à falta de cuidados específicos.

Muitas pessoas têm dúvidas quando o dente siso está nascendo, mas neste texto você entenderá tudo sobre os terceiros molares, também conhecidos como dente queiro. Também descobrirá a idade em que a dentição costuma aparecer e ficará ligado no que fazer em caso de pouco espaço na boca para a erupção dental.

É importante deixar claro que problemas com os dentes podem resultar em outros problemas de saúde. Isso mesmo! Portanto, é fundamental que estejamos sempre bem-informados sobre esse assunto. Para aprender mais sobre o siso, continue a leitura.

O que são e quando aparecem os dentes sisos?

Antes de tudo, é preciso entender que o popular dente siso — conhecido por outros nomes em algumas regiões do país — corresponde aos terceiros molares, que são a última dentição a aparecer. Toda pessoa tem quatro dentes sisos, tanto na parte inferior quanto na superior da arcada.

Se você está preocupado quanto à idade em que eles surgem, saiba que o tempo de erupção depende das condições específicas do paciente, como o espaço entre a dentição e a característica da gengiva. Porém, os dentes sisos aparecem entre os 17 e os 21 anos de idade, normalmente.

Quais são as funções desses dentes para os seres humanos?

Para sabermos ainda mais sobre o dente siso, que tal conversamos sobre algumas das funções desse tipo de estrutura de nossa boca? Continue a leitura e descubra!

A principal função do dente siso para os seres humanos é potencializar a mastigação. Nossos antepassados alimentavam-se basicamente de alimentos crus, especialmente vegetais bastante rígidos que eram coletados em suas caminhadas. A carne, por sua vez, também era consumida dessa maneira.

Com o passar do tempo, após o descobrimento do fogo e de outras ferramentas capazes de ‘’amaciar’’ os alimentos, o siso passou a ser pouco utilizado. Hoje, por exemplo, tem se tornado cada vez maior o número de pessoas que jamais desenvolverão esse dente.

No geral, é esperado que o dente siso cresça sem ocasionar nenhum problema bucal. Contudo, há pessoas que têm dificuldade no momento em que a região dentária não apresenta o espaço ideal. O resultado são alterações na formação da arcada dentária e inflamações como a pericoronarite, que impactam o tecido da boca.

Como lidar quando o dente siso nasce sem espaço?

Já viu que o dente siso pode causar alguns problemas, não é? Quem tem pouco espaço na dentição quando ele surge pode sentir dor no dente, ter dificuldade para abrir a boca, apresentar mau hálito e até inchaço na gengiva.

Assim, o melhor é procurar um dentista quanto antes e verificar como proceder. Afinal, pode ser necessário extrair o siso, principalmente quando falta espaço para a erupção completa. Se for preciso no seu caso, não se preocupe com a dor do procedimento cirúrgico, pois será feito com anestesia local.

Agora, se o seu terceiro molar está crescendo de forma saudável e sem atrapalhar os outros dentes na boca, talvez não precise realizar nenhum procedimento cirúrgico. Por isso, procure sempre um cirurgião preparado para manter a saúde em dia e a beleza dos dentes. Faz toda a diferença!

Quando é preciso fazer a extração do dente siso?

Algumas vezes, a retirada dos dentes sisos pode ser recomendada por um dentista. A principal razão disso é a busca pela qualidade de vida do paciente, seja ao solucionar problemas diretamente ligados ao dente, seja em ocasiões em que o siso passa a atrapalhar o equilíbrio bucal.

A seguir, veremos quais são as indicações mais comuns para a exodontia, ou seja, a extração do dente siso. Confira:

  • dentes mal posicionados, que podem estar, por exemplo, pressionando os nervos da face;
  • dentes inclusos ou semi-inclusos, que podem gerar problemas internos;
  • dentes cariados;
  • criação de desalinhamento dos dentes;
  • dores na face;
  • tratamentos com aparelhos ortodônticos;
  • falta de espaço;
  • dentes sem função.

No entanto, é importante ressaltar que nem todas as pessoas precisarão remover esses dentes. Em alguns casos, eles eclodem de maneira perfeita e não atrapalham as funções bucais ou o dia a dia do paciente, podendo ser mantidos sem qualquer prejuízo à saúde dos indivíduos.

Como é feita a cirurgia de exodontia?

Seu dentista recomendou a cirurgia para a retirada de um ou mais de seus sisos? Não se preocupe! Agora é o momento de discutirmos os passos desse procedimento tão corriqueiro na odontologia.

Em primeiro lugar, saiba que a cirurgia pode ser feita em duas situações: na primeira, o dente está erupcionado, ou seja, para fora (ainda que apenas parcialmente). Na segunda, por sua vez, ele se encontra por baixo da gengiva.

Em ambos os casos, o procedimento começa pela aplicação da anestesia para eliminar qualquer dor. É possível sentir uma pequena pressão e um leve desconforto, mas nada que gere a dor propriamente dita. Em seguida, é feita é uma pequena incisão na região da gengiva próxima ao dente.

Depois, o dentista responsável remove o dente e suas raízes, além de fragmentos de ossos e outras estruturas. Por fim, é feita uma pequena sutura e o paciente estará liberado com um atestado (de acordo com os critérios do médico). O repouso é extremamente recomendado no dia da cirurgia.

Evite se alimentar com alimentos sólidos ou quentes durantes os primeiros três dias, fazer bochechos e esforços físicos. Além de seguir esses cuidados, não deixe de tomar as medicações recomendadas de acordo com o que foi solicitado pelo profissional. Isso evitará problemas como infecções.

Leia também:  Como beber licor de creme baileys

>>Dúvidas sobre o dente do siso? Solucionamos as 6 principais perguntas, clique aqui!

Por que um ótimo dentista faz a diferença?

Você não entrega a saúde bucal nas mãos de um profissional desqualificado. O cirurgião-dentista deve estar comprometido com a sua qualidade de vida — não seria diferente com a extração dos sisos. Contando com uma clínica preparada, o especialista gabaritado faz a cirurgia para deixar o seu sorriso maravilhoso e para você arrasar nas selfies.

Neste texto, você descobriu o que é dente siso, suas funções e outras curiosidades. Também ficou por dentro das principais recomendações no caso de quem não tem espaço suficiente para o dente crescer na boca.

Viu como o problema do dente siso nascendo pode ser resolvido por um profissional competente? Agora, que tal saber mais sobre o tratamento de problemas dentários? Confira nosso artigo sobre troca de restaurações nos dentes e fique por dentro desse tema tão importante para a saúde bucal!

Mitos e verdades sobre tratamento de canal

8 minutos para ler

Há algumas décadas, dentes com polpas comprometidas por cáries profundas ou elementos fraturados eram frequentemente extraídos. Atualmente, os dentistas recorrem ao tratamento endodôntico, popularmente conhecido como tratamento de canal, procedimento realizado para preservar o dente que sofreu algum tipo de injúria.

Apesar de ser uma alternativa segura para “salvar” os dentes, ainda há pessoas que temem o procedimento por medo de dor. Apesar de ser um procedimento que passou por bastante evolução, ainda é um dos mais temidos entre os pacientes, que deixam inclusive de realizar um acompanhamento odontológico, o que pode causar danos mais graves.

De fato, tratar canal é invasivo e, portanto,deve ser feito apenas quando há uma lesão avançada, considerada irreversível. Felizmente, com os avanços da odontologia, ele se tornou um procedimento mais simples, afastando um pouco o medo nos pacientes.

Neste post, você vai entender o que é o tratamento de canal, além de desvendar alguns mitos e verdades sobre o assunto. Assim, você verá que esse procedimento não é nenhum bicho de sete cabeças. Boa leitura!

O que é o tratamento de canal?

Antes de chegarmos à parte da nossa conversa em que discutiremos os aspectos que são mitos ou verdades quando se fala tratamento de canal, precisamos elucidar dúvidas sobre o que é, de fato, esse tratamento e como ele funciona na prática.

Quando uma lesão ou cárie profunda danifica a polpa do dente, esta pode infeccionar, sofrer uma necrose (morte do tecido orgânico). Assim, esse problema chega até mesmo à raiz do dente. Nesses casos, o dentista ou o endodontista, profissional especializado, realiza o tratamento de canal.

A polpa dentária é um tecido mole, interno, repleto de nervos e vasos sanguíneos, que se estende até a raiz do dente e se conecta com o resto do organismo. Quando ela está inflamada de maneira irreversível, precisa ser removida, para que cesse a infecção.

O principal objetivo desse tipo de tratamento, portanto, é remover a polpa doente (que pode causar dores, inchar e até lesionar os ossos maxilares) ao mesmo tempo em que mantém o elemento dental. É, então, simultaneamente uma abordagem curativa e preventiva.

Como funciona esse tratamento?

Agora, vamos falar sobre como o tratamento é feito. Dessa forma, você poderá ir para a sua consulta com muito mais segurança e menos receio, o que garantirá que tudo aconteça de maneira tranquila.

Como mencionamos, durante o tratamento de canal, a polpa inflamada é removida e, depois, são realizadas a desinfecção e a obturação dos canais, selando os condutos. Essas etapas são fundamentais para garantir que a infecção seja interrompida e pare de se espalhar pelas estruturas da boca.

Em seguida, um preenchimento temporário é colocado até que o paciente receba uma restauração ou uma coroa, estruturas que se parecem muito com dentes naturais. É importante ressaltar que, após o tratamento endodôntico, é crucial a confecção da reabilitação protética, para que o dente não frature ou sofra uma nova infecção.

Quais são os passos do tratamento de canal?

Para que você entenda ainda mais sobre o procedimento e possa, enfim, ficar mais tranquilo sobre tudo que é feito no tratamento de canal, vamos conferir um passo a passo bastante simples e objetivo?

Para começar, é claro, temos a aplicação da anestesia. Ela é local e pode, em alguns casos, ser aplicada em mais de um local, para garantir que o paciente realmente não sentirá nenhuma dor ou desconforto. Uma leve pressão é comum durante esses procedimentos, mas ela não chega a incomodar.

Depois, é feita a abertura da coroa, ou seja, da parte superior do dente (aquela que escovamos diariamente). Esse passo é realizado com o auxílio de uma pequena broca, a ferramenta que faz os barulhinhos já tão conhecidos pelos pacientes.

Depois, a polpa do dente é devidamente removida e a limpeza de dentro do dente começa. É feito um tipo de raspagem, para garantir que nenhum foco de infecção será deixado para trás.

Por fim, o dente é “fechado”. Essa etapa pode ser feita ou não no mesmo dia em que as anteriores, e normalmente se usa um material temporário, que posteriormente deve ser substituído por uma coroa específica.

Quais são os principais mitos e verdades sobre o tratamento de canal?

Bom, agora que você já sabe o que é o tratamento de canal e como ele funciona, é muito provável que uma série de dúvidas tenham surgido em sua mente. Muitas delas, inclusive, fazem parte do senso comum e são passadas de pessoa para pessoa por meio das conversas.

E como o tratamento é bastante temido, mas muito importante para a saúde de vários pacientes, precisamos mesmo falar mais sobre ele. Assim, é possível afastar os receios e realizar um tratamento adequado nos casos necessários.

Para ajudar nessa conversa, separamos, abaixo, os mitos e verdades mais comuns sobre o assunto.

1. Tratamento de canal causa dor?

Mito. A dor não é causada pelo tratamento de canal. O que pode incomodar, e muito, é a inflamação da polpa que não foi tratada. Atualmente, os dentistas aplicam uma anestesia local, adormecendo o nervo, e utilizam tecnologias que tornam o acesso aos canais muito mais preciso, rápido e seguro.

Dessa forma, o tratamento ganha agilidae e conforto, além de ser praticamente indolor, na maioria dos casos. O importante é sempre ser bem sincero com o profissional responsável, para que ele possa minimizar o máximo possível do desconforto do procedimento.

2. O tratamento de canal só é indicado quando o dente dói?

Mito. Apesar de a inflamação na polpa normalmente causar dor, é possível que esse sintoma não apareça. Às vezes, mesmo sem dor, o dente apresenta degeneração avançada ou uma estrutura debilitada, necessitando do tratamento.

Por isso, realizar consultas regulares com um dentista é fundamental para descobrir se você precisa ou não fazer procedimento de canal. Além higienizar a boca, você receberá orientação sobre sua saúde bucal e ainda poderá descobrir algum tipo de lesão antes que os sintomas se manifestem – o que torna o processo de recuperação mais simples.

3. Tratar o canal mata a raiz do dente?

Verdade. De maneira genérica, tratar o canal significa remover os nervos de um dente que foram expostos a uma contaminação ou agressão. Quando isso acontece, qualquer tipo de irrigação sanguínea cessa, o que também elimina a dor – uma espécie de “morte” do canal.

Isso não significa, no entanto, que a região não tem mais função. Muito pelo contrário! A restauração colocada no lugar do dente tem o mesmo efeito estético e funcional da estrutura original, sendo capaz de realizar todas as funções mastigatórias.

4. Tratamento de canal pode escurecer o dente?

Nem sempre. Em alguns casos, devido à decomposição da polpa coronária ou por causa de uma hemorragia após sua remoção, algumas partes do dente podem escurecer. Esse tipo de consequência, no entanto, não é comum de acontecer, devido às novas técnicas e ferramentas de obturação, que fazem com que as chances de as manchas surgirem diminuam significativamente.

Mesmo se ocorrer o escurecimento, porém, o paciente ainda pode recorrer a procedimentos que clareiam o dente. Há, inclusive, muitas opções para deixar os dentes mais brancos. Elas são bem simples e muito eficientes na obtenção de resultados!

5. O dente tratado nunca mais vai apresentar problemas?

Mito. O dente continua com sua estrutura e função, podendo ter cárie como os demais. O cuidado com esse dente, inclusive, deve ser redobrado. Como ele não tem mais o nervo, o paciente não sente dor em caso de cáries – o que só ocorre se o caso estiver avançado.

Portanto, os dentes que passaram por um tratamento de canal precisam do mesmo cuidado que os demais. Ou seja: faça escovação regular, use o fio dental e não abuse dos doces!

E aí, ficou mais tranquilo em relação ao tratamento de canal? Apesar de invasivo, esse é, atualmente, um procedimento considerado de rotina. Portanto, é feito com o auxílio de toda a tecnologia odontológica avançada, o que proporciona um tratamento seguro, rápido e bastante confortável. Não deixe de tirar as suas dúvidas com o profissional da sua confiança!

Para saber mais sobre esse e outros temas relacionados à saúde bucal, assine a nossa newsletter! Isso fará com que você receba um aviso todas as vezes que um novo conteúdo for publicado no blog e, assim, não perderá nenhuma novidade.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*