Como aperfeiçoar a arte japonesa da espada (com imagens)

Como Aperfeiçoar a Arte Japonesa da Espada (com Imagens)

A Prática do Kendo
Kendo é uma arte marcial japonesa baseada no Kenjutsu (arte da espada) e significa “caminho da espada”. A chamam também de a “natureza (Riho) da espada”. Essa técnica foi adquirida pelos Samurais (guerreiros japoneses) por meio de sua experiência em muitas batalhas utilizando a espada, porém não se limita apenas ao manejo da Shinai (espada de bambu), Bokuto (espada de madeira) ou Katana (espada longa japonesa).

Enfatiza especialmente o cultivo do Reigi (etiqueta), da disciplina e do espírito, além de aprender sobre a natureza da espada. Para entender, é importante estudar o espírito do Samurai o qual está inserido na natureza da espada. E para aprender esse espírito, é preciso aprender a usar a espada em treinos rígidos. Esta é a razão pela qual o objetivo do Kendo é geralmente referido com “o caminho para desenvolver o indivíduo”.

Como Aperfeiçoar a Arte Japonesa da Espada (com Imagens)

O Ken (espada, técnica) é estudado de duas formas: O Kendo com shinai (espada de bambu) e o Kendo Kata, onde é usado o bokuto (espada de madeira maciça) ou o Katana (espada real, com lâmina). Uma característica marcante do Kendo é que a prática e os ensinamentos do Kendo não devem ser remunerados e nem cobrados.

Isto é, não pode assumir caráter profissional ou comercial, salvo a quantia necessária a manutenção do Dojo (academia), sendo essa uma Regra internacional determinada pela IKF. Por estas e outras coisas que fazem dessa arte marcial tão especial em uma das disciplinas japonesas tradicionais mais difundidas no mundo.

Kendo, o caminho da espada

Ao contrário de outras práticas esportivas, o kendô, o judô e o aikidô, não têm como princípio a conquista da vitória. Essas modalidades esportivas visam o aperfeiçoamento, não somente esportivo, mas principalmente, o aperfeiçoamento como ser humano. Daí serem um “caminho”, um meio, e não o fim.

Conhecido como a arte marcial dos samurais, o kendô foi mais difundido a partir do século 16.

Porém, tanto o judô como o aikidô, e também outras manifestações artísticas como o ikebana (kadô), caligrafia (shodô) e a cerimônia do chá (sadô) se pautam do mesmo princípio. Todos levam o termo “dô”, que significa “caminho”. É o caminho da perfeição, na verdade inatingível.

Por este motivo, o respeito ao adversário, ao mestre e ao local onde se pratica o esporte é muito valorizado. Há em todas elas profundas regras de comportamento, como o cumprimento ao adversário no início e no final de cada partida, agradecendo ao oponente independente do resultado.

Kendo é uma espécie de esgrima. Seus lutadores utilizam uma espada de bambu, chamada de shinai e são protegidos por uma armadura pesada com equipamentos de proteção como o bogu.

Com o uso destes equipamentos é possível realizar os combates sem risco de lesões causadas pelo impacto dos golpes.

Os oponentes procuram esquivar-se dos golpes do adversário e procuram atingir com o bastão os três alvos: a cabeça, o braço e a lateral do tórax.

Como Aperfeiçoar a Arte Japonesa da Espada (com Imagens)

Equipamentos usados no kendo

A ideia original do Kendo foi simplificar o amplo conjunto de técnicas e posturas existentes no Kenjutsu em quatro golpes básicos a partir de uma única postura de luta. Desta forma foi possível difundir o Kendo como uma atividade física onde é possível aliar a competição e o desenvolvimento do caráter.

Hanshi

Mochida Moriji nasceu 1885 e morreu em 1974, com 89 anos.

É considerado um dos maiores praticantes de kendo na história, dedicando mais de 50 anos de sua vida ao “caminho da espada”, como forma de melhorar sempre suas habilidades técnicas e pessoais.

O mestre Moriji Mochida foi o último a receber o 10 º Dan por sua habilidade inigualável, sendo respeitado e reverenciado pelo mundo todo.

Como Aperfeiçoar a Arte Japonesa da Espada (com Imagens)
“É através de um espírito forte que alguém supera a inevitabilidade do corpo tornar-se fisicamente fraco.” – Mochida Moriji Hanshi

Com essa frase, Mochida mostrava o quanto era importante treinar a mente e o espírito para compensar a fraqueza do seu corpo. “O corpo tem um limite que chamamos de idade, porém a mente e o espírito são infinitas.”

Kendo no Brasil

No Brasil a técnica do kendo foi difundida através dos imigrantes japoneses.

Atualmente quem se destaca em nosso país nessa arte é o Sensei Jorge Kishikawa, 7º Dan Kyoshi de Kendo pelo Japão, a graduação mais alta existente no Brasil.

Foi o primeiro mestre a alcançar esta graduação no país através de avaliação feita por uma banca examinadora composta por mestres japoneses.

Por duas vezes foi pentacampeão brasileiro de Kendo, além de conquistar importantes títulos mundiais para o Kendo brasileiro, como a conquista da primeira medalha em competições individuais (Tóquio, 1977), 2º lugar no mundial de Paris (1985) e 3º lugar por equipes no torneio mundial de Seul (1988), dentre muitos outros. Veja uma reportagem dele sobre a técnica do kendo.

Uma breve história sobre o Kendo

No meio do décimo século (Heian Era) do Japão, as espadas que apresentavam características originais do Sori (uma lâmina levemente arqueada) e do Shinogi (com saliências na lâmina) eram produzidas e se tornavam a principal arma usada nos campos de batalha. Essas espadas simbolizavam o espírito do Samurai.

  • A partir daí, é dito que a espada japonesa carrega a mente do Samurai e tem se desenvolvido e prosperado como um trabalho de arte que representa a força e a beleza da verdadeira “mente”.
  • Durante o 15º e 16º séculos (durante a era de estados guerreiros e da primitiva Era Tokugawa), muitas escolas de Kenjutsu se estabeleceram e, no 18º século (no meio da Era Tokugawa), o Kendo-gu foi desenvolvido.
  • Em resultado, um novo treinamento de Kenjutsu utilizando shinai (espada de bambu) foi estabelecido, e um novo tipo de competição de Kenjutsu ganhou popularidade nos Dojos locais, espalhando-se pelo país na metade do século 19 (por volta do término da Era Tokugawa).
Leia também:  Como alterar as configurações de aparência no safari

No início do século 20 (após a Restauração Meiji e o início da Era Taisho), esse tipo de treinamento, conhecido como Gekiken ou o Kenjutsu foi renomeado Kendo. E o Kendo era o representante do Budo o qual era baseado no espírito do Samurai japonês. Dessa maneira, o Kendo que conhecemos hoje é o Kendo que se desenvolveu ao longo desse processo histórico.

  1. O Caminho da Espada: 100 anos de Kendo no Brasil
    Em comemoração aos 100 anos da Imigração japonesa e aos 100 anos de Kendo no Brasil, foi criado um filme chamado: “O Caminho da Espada: 100 anos de Kendo no Brasil” em homenagem aos grandes Mestres do Kendo que imigraram para o Brasil desde 1908 com o primeiro navio Kasato-maru.
  2. O filme foi produzido por Sergio Martinelli, direção e roteiro por Cadu Assalin e a tradução feita por Luis Kobayashi, porém ainda está em processo de captacao de recursos financeiros, incentivado pela Lei do Audio-visual.
  3. Assista a um trecho do trailer:
  4. Livros sobre kendo

Artigos Relacionados

Último samurai do Brasil ainda cultiva a arte das espadas

É numa pequena oficina de fundos de uma casa simples em Curitiba que Edson Suemitsu cumpre o que descreve como uma missão de vida: a preservação da cultura samurai. Ele se considera o último descendente no Brasil a manter a filosofia milenar e a tradição da forja das katanas, espadas dos soldados da época feudal japonesa.

Da sétima geração de samurais, dos lados da mãe e do pai, Edson, 61, dedicou praticamente toda a vida a aprimorar a arte. Ainda criança, ajudava o avô na fabricação de facas, atiçando o fogo do braseiro para o molde das lâminas. “Batia um brilho no olho”, conta.

Confeccionar o objeto não exige somente habilidades artesanais mas também conexão espiritual com os ancestrais. Pela tradição, o samurai faz parte de uma linhagem nobre, que coloca a honra acima de tudo, mas deve cultivá-la. “Não basta praticar uma arte marcial, portar uma espada ou um kimono, é algo herdado”, afirma.

Por isso, antes de entrar na oficina, Edson cumpre um ritual de orações em um pequeno templo decorado em estilo japonês que construiu na entrada de casa, pedindo permissão aos ancestrais para o trabalho.

A rotina tem mais um motivo, como explica o artista: para forjar uma espada, é preciso carregar, com a ajuda dos antepassados, essencialmente três sentimentos: kami sama (Deus), kokoro (coração) e kemuti (sensação de bem-estar).

Ele não se declara de nenhuma religião, mas diz ter nascido médium e afirma que mantém contato com os espíritos. Na sala, estátuas de santos católicos dividem espaço com itens do movimento hare krishna e da religião budista. Máscaras hindus se misturam à arte japonesa sob o olhar de gárgulas.

Diplomas de reconhecimento em artes marciais japonesas também decoram o local. O sistema filosófico das técnicas faz parte do cotidiano do artista. Boa parte da verba arrecadada com a fabricação de espadas vai para ações de caridade, ele afirma. “E, assim, nunca me faltou nada, hoje tem uma fila de espera por trabalhos”, resume.

Como é considerada um objeto de proteção, a katana carrega energia, inclusive de quem a encomenda.

Depois da entrega, a espada adquire a alma do dono, num ritual de consagração, em que ela passa a unir espírito (shin) e lâmina (ken).

Segundo Edson, no entanto, não é qualquer pessoa que pode receber a honraria. “Dependendo do karma, a espada quebra na fabricação e não posso reaproveitar o material”, diz.

Ao longo de 40 anos, o samurai já fabricou cerca de 600 espadas. Cada uma demora em torno de 30 dias para ficar pronta. O material é praticamente todo importado: o aço da lâmina vem da Áustria e, o seu encaixe, do Japão. Dependendo do modelo e da sofisticação dos detalhes, o preço do objeto acabado varia entre R$ 7.000 e R$ 20 mil.

Edson tem como clientes personalidades do mundo inteiro, admiradores da cultura japonesa em busca de peças exclusivas e da energia protetiva da katana.

Entre eles estão atuais ministros do governo, como o da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, e o da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Eles encomendaram katanas vultosas, nas cores azul e branca, respectivamente. O valor das peças não foi informado pelo artesão. Procuradas, as assessorias dos ministros não confirmaram a compra.

Leia também:  Como alterar diretórios no prompt de comandos: 8 passos

O ofício, no entanto, corre o risco de desaparecer do Brasil, já que Edson não tem planos de repassar a tradição. “Não é egoísmo, é que é uma missão somente minha. A pessoa tem que ter dom para isso”, diz o samurai. Ele tem um filho que, segundo ele, não tem tato para a função. “A geração de hoje é diferente, nasce com celular na mão”, afirma.

Apesar de dedicar a vida a cultura do país, o samurai nunca esteve no Japão; pretende conhecer o local um dia. Já o coração, na guerra ou nas copas do mundo, ele revela, é brasileiro. “Sou brasileiro, mas meu sangue é japonês”, ressalta.

Curiosidades Você Vê Aqui!

O Kenjutsu é a arte de combate com espadas, criada pelos Samurais no Japão feudal. Hoje é a arte que transmite mais fielmente os ensinamentos dos samurais em nossos dias, mantendo viva uma tradição iniciada há 700 anos.

Os estilos tradicionais de Kenjutsu

Com o passar dos séculos surgiram centenas de estilos de Kenjutsu, muitos deles existentes ainda hoje. Estas escolas (em japonês ryu), conservam as técnicas de seus fundadores na forma de kata, seqüências de movimentos em combate que visam preparar os praticantes para todas as situações que encontrará no combate.

O Kenjutsu é um estudo completo das formas de combate com a espada criadas pelos samurais. Um Caminho para a vida toda, com o objetivo de aperfeiçoar-se na luta e na vida. Resgata a estratégia, a concentração e o espírito desenvolvido pelos samurais para o combate.

Treino de luta com equipamento de proteção

Para o treino de combate, os praticantes contam com armaduras de proteção chamadas bogu e espadas de bambu, shinai. Estes equipamentos possibilitam que pratiquem as técnicas sem o risco de ferimentos.

Com a segurança destes equipamentos, todo o combate segue da mesma forma que na época dos Samurais. Os mesmos golpes que eram capazes de encontrar os pontos fracos da armadura, as mesmas posturas de luta, os mesmos estudos de estratégia e, sobretudo, a mesma influência do Bushido.

O estilo de Kenjutsu de Miyamoto Musashi

O principal estilo praticado dentro das aulas de Kenjutsu é o Hyoho Niten Ichi Ryu, criado por Miyamoto Musashi, o mais famoso samurai de todos os tempos. São famosas as suas técnicas com duas espadas simultaneamente, capazes de vencer os adversários mais formidáveis com quem Musashi Sensei cruzou as espadas.

ARTES MARCIAIS JAPONESAS – ACADEMIA RONALDO MEIRELES

O Karate foi originado na Índia ou na China, há aproximadamente doze séculos. A medida em que a arte foi sendo desenvolvida, estudada, cultivada e transmitida através das gerações, mudanças e contribuições foram somadas para a formação de diversos estilos de karate em evidência atualmente.

Há milênios já existiam formas de lutas sem armas, e na época dos samurais no Japão, não existia o conceito de esporte. os guerreiros praticavam artes marciais também como forma de exercícios físicos, através dos quais educavam a disciplina, a moral, o civismo e impunham a paz e a moral à sua Nação.

O grande responsável pelo desenvolvimento do karate, foi o mestre Gichin Funakoshi, que introduziu o karate como esporte no Japão e foi convidado pelo ministério da educação japonês, para dar aulas de karate nas escolas e universidades do país.

O mestre Funakoshi pretendeu com seu método que visava a educação física como forma de defesa pessoal, aliada à filosofia dos samurais, mas com base científica, ajudar os estudantes em sua formação como homens e cidadãos úteis a sociedade, tudo isso, sem perder o verdadeiro espírito marcial da luta.

O karate foi considerado “arte divina” pela sua grande eficiência no combate real. Um dos fatos mais importantes para o desenvolvimento do karate, foi o surgimento do “karate-competição” como esporte. Nos anos 30 e 40, o karate começou a se espalhar pelo mundo.

Aqueles poucos indivíduos, que realmente alcançaram uma alta condição na arte do karate, exibem capacidades que parecem estar próximas dos limites do potencial humano.

O praticante de karate, uma pessoa altamente treinada nos aspectos físico-mentais, quando se confronta com o atacante, apresenta um comportamento diferenciado e da provas de sentimentos completamente incomuns a alguém tão ameaçado. Existe um ruptura de pensamento intelectual e de emoções como raiva, medo e orgulho.

Em lugar disso, ele não se sente como indivíduo separado das coisas que o cercam, como um indivíduo em seu ambiente. Até mesmo seu oponente é olhado como uma extensão de si próprio. É natural que tais sentimentos subjetivos estejam abertos ao estudo científico.

INTRODUÇÃO FILOSÓFICA AO KARATE-DO

Leia também:  Como amadurecer de menina para mulher (com imagens)

Estes são os lemas do lutador de karate:I- Esforçar-se para formação do caráter (Disciplina);II- Criar o intuito de esforço (Determinação);III- Respeitar acima de tudo (Respeito);IV- Conter o espírito de agressão (Desapego);V- Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão (Honra).

A palavra “karate” é derivada de uma expressão usada na filosofia zen, que pode ser considerada como parte integrante da filosofia oriental. A palavra “sora” que se pronuncia também como “kara” ou “kuu“, representa o universo.

No pensamento zen, a palavra contém o ato ou processo de libertação da pessoa ou seu ego, conseguindo um estado de mente que não é afetado por nada, isto é, estado de inexistência. Este “estado”, significa o esforço para livrar a pessoa de qualquer tipo de desejo e desenvolver um caráter respeitável.

Portanto o verdadeiro propósito do karate é treinar de tal forma que o praticante possa viver de maneira agradável, saudável, honrado e digno, sem criar problemas, sem temer ao forte ou poderoso, sem se humilhar ante o homem influente, e sem se tornar cego pelas riquezas da terra (desapego).

Esse equilíbrio existe através do In e You, que em conjunto, formam o universo, numa combinação do positivo e negativo. O significado atual do karate, se deve ao mestre Gichin Funakoshi, que mudando o sentido original do nome, introduziu a palavra KARA com significado de vazio, Céu, Universo.

 TEsignifica mão e DO caminho. Literalmente karate significa o caminho das mãos vazias (Por isso se diz que o lutador de karate usa o próprio corpo como armas para lutar) ou num sentido mais filosófico, caminho que contém o universo.

No karate existe uma famosa expressão do mestre Funakoshi: “Karate Ni Sente Nashi“, que significa que primeiro a defesa é importante, depois o ataque, sem perder o espírito ofensivo, esse provérbio explica claramente o objetivo do karate que é conter o espírito de agressão. Dessa forma, nota-se a atitude de respeito na prática do “Kata” (Luta imaginária), as quais sempre se iniciam com técnicas de defesa.

Kendo Belo Horizonte (Belo Horizonte, Brasil)

Pular para conteúdo

O objetivo do Kendo é aperfeiçoar o caráter através dos princípios da espada. Na prática o que acontece é que a busca pelo aperfeiçoamento no manuseio da espada nos ensina um conjunto de atitudes que são extremamente benéficos na nossa vida diária.

Apesar de haver campeonatos, esse não é o objetivo final do kendo, como acontece em esportes profissionais. Para se ter uma idéia, os campeões do mundial recebem como prêmio uma espada de treino e um diploma. Não existem prêmios em dinheiro.

Em outubro de 2008 um grupo de entusiastas do kendo se reuniu para começar a treinar em BH. Com o apoio da Diretoria de Artes Marcias da AMCNB, os treinos começaram nas instalações da associação.

Em 2009 o grupo recebeu a visitas da AMK (Brasília) e da CBK (Confederação Brasileira de Kendo), tendo sido realizado nessa oportunidade o primeiro seminário de Kendo e Iaido em BH.

No segundo semestre de 2009 a AMCNB solicitou sua filiação à CBK e desde então os kenshi tem participado de diversos eventos promovidos pela confederação.O que é preciso para começar?-Vontade de treinar, independente de idade e sexo-Roupa para educação física-Comparecer a um treino para assistir ou participar

Nosso grupo( http://www.kendobh.esp.br ) é filiado a cbk( http://cbkendo.com.br ), que por sua vez e vinculada a federação internacional. Nosso kendo é o mesmo praticado no Japão e no mundo todo. Venha participar de um treino!!

horarios:AMCNB (Rua Dom Lourenço de Almeida, 535 – Nova Cachoeirinha :Terça-feira: 19h45 a 21h30 (Kendo)Sábado: 08h30 a 10h00 (Iaido)ATENÇÃO!! os treinos estão atrasando um pouco então tudo bem chegar entre 19:45 e 19:50. Pode bater buzina na garagem ou o interfone.Matsuoka Budokai (R. Barão de Leopoldina, 126 – Alto dos Pinheiros)Quinta-feira: 20h00 a 21h30 (Kendo)Domingo: 10h00 a 12h00 (Kendo)Quarta-feira: 20h00 a 21h30 (Iaido)Sábado: 10h00 a 12h00 (Iaido)Custos:

O kendo é de graça mas se resolver continuar a treinar é cobrado uma mensalidade de aproximadamente 35 reais para manutenção dos locais de treino.

Treino de Kendo

1) Ir com roupa propria para exercicios fisicos.
2) Existe estacionamento no local.
3) chegar entre 19:30 e 19:45 e tocar o interfone.

Treino de Iaido

1) Ir com roupa propria para exercicios fisicos.
2) E recomendado chegar alguns minutos antes do treino começar(não obrigatório)

Treino de Kendo

1) Ir com roupa propria para exercicios fisicos.
2) E recomendado chegar alguns minutos antes do treino começar(não obrigatório)

Você também pode nos encontrar aqui

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*