Como amansar um gato de rua (com imagens)

Os gatos são conhecidos por serem independentes e por terem uma personalidade forte. E essas características podem se acentuar quando o gatinho é arisco.

Mas você sabe a diferença entre um gato com medo e um gato arisco?

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Um gato com medo, assustado ou amedrontado costuma deixar as suas orelhas e a cauda abaixadas, os pelos do corpo eriçados e sinaliza para que as pessoas não se aproximem: rosnam, fazem “fuuzzzz” ou assopram.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

O gato arisco é territorialista, agressivo e não é muito fácil de lidar. Também são chamados de selvagens, por não ter ou ter tido muito pouco contato com os humanos. Ele provavelmente irá atacar, morder, arranhar, o seu pelo se eriçará somente numa estreita faixa da coluna vertebral e como forma de defesa, pode se esconder.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Os motivos que podem fazer o gato ter um comportamento arisco, assustado, amedrontado ou estressado são muitos e para ajudá-lo a modificar isso, é importante descobrir a origem desse comportamento que pode ser: medo do ambiente, de algo ou de alguma atitude humana, ansiedade, insegurança, algum trauma vivido em alguma fase da vida ou mesmo ter passado por situações traumáticas como por exemplo trovões, raios, chuva forte, susto e etc. Além disso a falta de socialização também é um forte fator.

Você tem um gatinho que está assim? Ou conhece alguém que tem um gato arisco?

Calma, saiba que é possível acalmar o seu peludinho. Além das nossas dicas, é só ter um pouco de paciência, pensamento positivo e entusiasmo.

Vamos lá?!

1 – Visita ao Veterinário

Leve o gatinho ao veterinário, ele poderá examiná-lo e encontrar a possível causa do comportamento que, pode ser desde a uma dor, incômodo ou mesmo traumas.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

2 – Florais

Sim, os florais são essências extraídas das flores com capacidades curativas, que atuam na transformação de emoções, pensamentos e comportamentos. Clique aqui e acesse nosso Post sobre os florais e como eles podem ajudar no comportamento do seu gato.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

3 – Feliway

Outro produto muito utilizado para tratar o comportamento felino, o Feliway é uma versão sintética do feromônio facial felino, uma imitação dos feromônios naturais produzidos pelo corpo, que deixa o gato mais feliz, confortável e seguro. Tem versão spray ou difusor elétrico.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

4 – Ambiente

Mantenha o ambiente seguro, limpo e abuse na criatividade na hora de escolher os brinquedos para o gato. Eles são muito inteligentes, caçadores por instinto, curiosos e  brincalhões.

As prateleiras e escadinhas nas paredes, criam um refugio para eles no alto e isso pode ser uma excelente alternativa, principalmente nessa fase que o gato está mais arisco.

Espalhe também chocalhos, lãs, caixas, ratinhos, bolinhas e arranhadores pelo ambiente, quanto mais lúdico, mais promoverá o bem estar físico e psicológico do peludo.

Os petiscos e sachês também podem ser recursos de aproximação interessante nessa fase, afinal, eles são loucos por essas comidinhas.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

5 – Música

Você sabia que os gatos também gostam de música? Sim, existe uma infinidade de músicas que acalmam os bichanos, principalmente as clássicas. Então, aperte o play e veja o comportamento agressivo do gatinho “dançar”.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

6 – Abaixe-se

Quando seu gato estiver com medo ou muito assustado, estressado, procure não fazer contato visual.

Abaixe-se ou deite em frente a ele de forma que vocês fiquem no mesmo nível, isso faz com que ele não lhe enxergue mais como ameaça e perca um pouco do medo e desconfiança. Com os gatos mais ariscos, evite o contato visual sem demonstrar medo.

Não fique atrás ou insista, disponha de água fresca e comida, isso com um pouco de tempo e persistência pode calmá-lo e aproximá-lo de você.

7 – Tenha calma e respeite o espaço

Quando o gato está estressado, assustado ou arisco, ficar tentando pegá-lo ou querer passar a mão nele, pode piorar a situação. Não force a barra, tenha calma! Disponha de atrativos (citados no item 4) e espere que ele se aproxime de você quando se sentir à vontade. Respeitar o momento e o espaço dele pode fazer toda a diferença.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

 8 – Sem agressividade

Os gatos são muito sensíveis, portanto, não repreenda com violência ou tom de voz muito alto. Lembre-se, você está tentando uma aproximação e se o gato já é/está arisco, não é gritando com ele que você irá ensiná-lo, muito menos conquistá-lo.

  • Bom, agora é com você!
  • Tenha paciência e persistência, com muito amor, carinho e cuidado aos poucos você conseguirá conquistar o coração do gatinho arisco e temos certeza que ele derreterá o seu.

Fontes consultadas: https://meusanimais.com.br/forte-personalidade-dos-gatos/
http://blog.areiadegato.com.br/calma-separamos-10-dicas-para-lidar-com-gato-arisco/
http://www.fafich.ufmg.br/bast/arisco-ou-amedrontado/1083
https://blog.catclub.com.br/5-dicas-para-acalmar-um-gato-medroso-ou-arisco/

Fotos: http://www.wookmark.com/image/86322/cats-cats-1920×1080-wallpaper-cats-wallpaper-free-desktop-wallpaper

10 perguntas que os veterinários de gatos gostariam que você perguntasse


https://media.framar.bg/

Seu gato também gosta de ouvir música para relaxar



http://blog.construir.arq.br/15-ideias-moveis-criativos-ama-gatos-terminar/
http://www.sheknows.com/pets-and-animals/articles/1035373/what-every-owner-should-train-their-cat-to-do

Introduzindo um novo gato na casa

Por que alguns gatos se aproximam de pessoas que não gostam deles???


https://www.estimacao.com.br/cao-gato-muito-medroso-fazer/
https://www.freemovement.org.uk/new-statutory-human-rights-considerations-take-immediate-effect/

Como repreender o meu gato

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Ver fichas de  Gatos

Quer disciplinar o seu pet e não sabe como? É normal que todo o mundo lhe dê conselhos para ensinar um cachorro a portar-se bem, a não morder os sapatos, a fazer as suas necessidades fora de casa, a não latir… mas o que acontece quando se trata de um gato, este animal independente, desconfiado, um pouco selvagem mas carinhoso e divertido?

Se tem um felino em casa, de certeza que já alguma vez se questionou sobre como deve repreender o seu gato. No PeritoAnimal vamos lhe dar a resposta. Ensinar a um gato que algo que fez não é bom é mais fácil do que pensa, só tem de ter paciência e seguir estes conselhos simples.

Os gatos são animais inteligentes e se tiverem atitudes que não são favoráveis para a convivência pode repreendê-los de forma eficaz, fazendo com que o entendam e que não repitam essas ações que podem se tornar incômodas.

Sabemos que os gatos têm um caráter especial e que sem dúvida nunca os podemos comparar com cachorros, mas o que podemos fazer é compreender o seu comportamento e agir de forma adequada para o ajudar a conviver de forma correta e com uma certa disciplina em casa.

Também lhe pode interessar: É errado repreender os cães?

Se tem um gato, então sabe muito bem que se trata de um animal de espírito livre, um pouco selvagem e muito independente.

No entanto, como qualquer outro animal de estimação, o gato precisa de disciplina e para isso deve conhecer bem os motivos do seu comportamento.

Pode acontecer que para si ele esteja sendo um completo destruidor quando simplesmente está levando a cabo as ações que o seu instinto lhe dita.

O instinto felino, os seus hábitos e algumas das suas atitudes podem ser provenientes dos seus antepassados selvagens, por isso dificilmente irão desaparecer, mas isso não faz com que você não possa ensinar o seu gato as regras básicas de convivência e fazer com que as cumpra, pelo menos enquanto você estiver vendo.

É muito importante ter paciência e que se lembre que se trata de um animal. Repreender não é maltratar e querer disciplinar o seu amigo felino não quer dizer que você goste menos dele.

Existem algumas ações típicas que os felinos podem cometer e que, muito provavelmente são a causa de se estar perguntando como pode repreender um gato. Se tem um destes casos em casa, o melhor é perceber o porquê dessas atitudes para as conseguir depois corrigir:

  • Tem os móveis destruídos: Os gatos arranham e lixam as suas unhas com bastante frequência, é uma ação instintiva e de sobrevivência, pois fazem-no para liberar estresse e para relaxar. Se o seu gato destrói os seus móveis é porque muito provavelmente precisa de um arranhador e de alguns brinquedos, por isso descubra primeiro por que o seu gato arranha os móveis e se, não quiser investir muito dinheiro, faça você mesmo um divertido arranhador caseiro para gatos.
  • Morde e ataca as suas mãos: Os gatos podem morder por muitos motivos, mas se ataca as suas mãos lamentamos dizer-lhe que a culpa é sua. Se desde pequeno brincou às mordidas com o seu gato, o que fez foi ensinar-lhe que os seus dedos são uma presa, assim o que tem de fazer é corrigir este comportamento. Descubra por que o seu gato lhe morde e não o repreenda se foi algo que ele aprendeu com você.
  • Utiliza toda a casa menos a caixa de areia: A utilização da caixa de areia é quase inata nos felinos, isto porque instintivamente têm a necessidade de eliminar qualquer cheiro que possa deixar rastros. No entanto, existem vezes que isto não acontece, por isso antes de repreender o seu gato, perceba por que o seu gato não usa a caixa de areia e, aproveite e veja também o nosso artigo sobre como evitar que o seu gato urine em casa. E para os mais ousados também temos as recomendações para ensinar o seu gato a usar o vaso sanitário.
Leia também:  Como aparar a pelagem de um cachorro de pelos longos

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Quando falamos de repreender um gato, o elemento “quando” é fundamental. Tal como acontece com outros tipos de pets, a repreensão será eficaz se ocorrer no momento exato em que o animal está comendo essa atitude. Ou seja, se não encontrar o seu felino com as mãos na massa, esqueça o fato de o repreender porque ele não vai entender porque você está dando bronca.

Se repreender o seu gato por algo que algo que fez de mal tem que ser no momento em que o animal estiver fazendo a ação, se passar um minuto o efeito já não será o mesmo. O gato, tal como acontece com os cães, não tem a capacidade de raciocínio de um ser humano, por isso por muito que lhe dê bronca, ele não saberá porque o está repreendendo de algo que fez há 3 horas, 15 ou 2 minutos.

Apesar do seu pequeno amigo felino ter feito algo de muito mau, como deixar a casa virada do avesso, destruir um móvel ou deixar pegadas na cozinha, de nada servirá repreendê-lo se não for no momento em que ele estiver fazendo isso, por isso não perca tempo assim. O seu pet pode se assustar pela sua atitude e não vai entender que fez algo que não deve.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Tendo claro que a repreensão deve ser feita no momento exato do ato, o que deve fazer é dizer um não firme ao seu pet.

Quando encontrar o seu gato fazendo algo que não deve, como por exemplo subir para a mesa ou morder um móvel é quando deve impor disciplina, mas atenção, não se trata de gritar nem de explicar ao gato porque não deve fazer o que está fazendo.

Lembre-se que é um animal e não queremos que ele fuja, trata-se de fazê-lo aprender a não repetir essa ação.

Para o fazer corretamente, aproxime-se do animal e faça uma leve pressão sobre o seu pescoço de forma a baixar a sua cabeça. Enquanto faz esta ação diga um não firme e deixe-o ir. Deve segurar o gato com firmeza mas com suavidade, nunca deve magoar o seu pet, o que deve fazer é marcá-lo para ele saber que o que está fazendo não é bom.

Repita esta ação cada vez que for necessário e tente usar o mesmo tom de voz forte e firme. Desta forma, o gato entenderá que não deve fazer isso, mas lembre-se que deve ter paciência, pois trata-se de um processo eficaz mas longo.

Existem outros métodos que pode usar para educar o seu gato e fazê-lo entender que o que fez não é bom. Estes métodos utilizam as fraquezas dos felinos para associar algo que não gosta a uma determinada ação. Mas tenha em conta que deve ter cuidado, uma vez que a prioridade é sempre cuidar e proteger o seu pet, nunca torturá-lo nem magoá-lo.

Estes métodos são recomendáveis em situações extremas, como por exemplo para controlar as brigas com outros pets de casa ou para manter o seu amigo longe de zonas perigosas como varandas:

  • Spray com água: Tenha sempre à mão um pulverizador de água e pulverize uma pequena quantidade de água sobre o seu água quando ele fizer algo mal ou se aproximar de uma zona proibida. O animal ficará assustado e pouco a pouco associará a atividade com a incômoda sensação da água. É importante que o disparo de água seja certeiro, rápido e, se possível no rosto, não se preocupe que isto não irá magoar o seu gato, ainda assim, não é algo que recomendamos fazer muito seguido.
  • Buzina de bicicleta: Os gatos gostam de fazer as coisas às escondidas ou disfarçadamente e têm um sentido auditivo muito desenvolvido, pelo que os sons fortes não são do seu agrado. Tal como a água, mantenha sempre à mão uma buzina ou corneta e quando vir o seu gato a fazer algo que não deve, dê um toque que o assuste um pouco e o faça afastar-se do que está fazendo.

Tenha em conta que, para que estes métodos tenham efeito é importante que o seu gato não saiba que tanto a água como o som vêm de si. Os gatos são muito inteligentes e, se souberem que é você que está a fazer estas coisas não deixarão de fazer o que estão a fazer. A ideia é que o gato pense que estes momentos desagradáveis são provenientes do sofá, da mesa ou da varanda.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Nunca utilize a violência com os seus pets, lembre-se que os gatos são animais com um caráter muito especial e pode ser que quando esteja vigiando seja um anjinho e que, quando o deixa sozinho retorne aos velhos tempos, é a sua natureza.

Independentemente disso, o maltrato não ajudará a melhorar o seu comportamento, muito pelo contrário, pode afetar a vossa relação, uma vez que poderá atacá-lo para se defender e ter uma grande desconfiança e medo dessa pessoa. Com paciência e as ações adequados poderá ensinar ao seu gato as coisas que não deve fazer e poderá desfrutar de uma ótima companhia por muitos anos.

Se adotou um gato adulto que vem da rua, o tema da disciplina deve ser tratado de forma diferente. Tenha em conta que um gato que viveu parte da sua vida na rua pode ter sofrido de maus tratos por parte dos humanos, por isso na hora de o repreender para o ensinar a conviver deve ter muito cuidado.

No PeritoAnimal somos a favor de ajudar os nossos amigos felinos e, mais ainda se se tratarem de gatos que tiveram uma vida difícil, por isso se decidiu adotar um gato de rua só temos de o felicitar.

Domar um gato selvagem não é tão complicado assim, só temos de ter paciência e para tratar o tema da disciplina, primeira devemos resolver outros temas importantes como o da segurança e a confiança do felino na sua nova casa.

Descarte por completo os métodos da água e do barulho. Lembre-se que um gato de rua já sofreu o suficiente, por isso a sua nova casa não pode ter coisas que o lembrem de um passado desagradável. Uma vez que o seu gato se sinta bem e que tenha ganhado a sua confiança, utilize o reforço positivo para melhorar as suas virtudes.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Se deseja ler mais artigos parecidos a Como repreender o meu gato, recomendamos-lhe que entre na nossa seção de Problemas de comportamento.

Como acostumar seu felino com outro filhote de gato? – Dicas – iG

Depois de já ter um animal de estimação em casa, é comum as pessoas quererem adotar mais um ou até dois para fazerem companhia àquele primeiro ou apenas porque amam ter esses amigos.

Porém, nem sempre é fácil criar uma amizade entre eles, em especial no caso da chegada de um filhote de gato, com quem o bicho da mesma espécie costuma ser um tanto arisco no início, gerando briga de gatos
.

Leia também:  Como aplicar blush e bronzer juntos: 11 passos

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens) Reprodução/ Shutterstock

Como acostumar o felino com um filhote de gato recém-chegado

Apesar de demandar muita paciência e tempo do tutor, esse processo precisa mesmo de cautela e é necessário entender o lado do animal que já vivia na casa, afinal, ele ganhou um estranho em seu território do dia para a noite. Por mais que a família tente “conversar” com o pet, ele terá dificuldade de se dar bem com um filhote de gato
. Por isso, confira dicas para melhorar essa convivência. 

Comportamento dos gatos

Primeiro é preciso entender o tipo de postura natural dos gatos
. Eles são territorialistas e dificilmente aceitarão algum outro companheiro logo de cara, ainda mais sendo da mesma espécie. É claro que tudo varia de acordo com a personalidade e até a raça do animal, mas no geral eles têm, sim, esse tipo de postura.

Alguns veterinários e especialistas dizem que até a idade do animal pode interferir na relação dele com outros animais.

Se ele for idoso, por exemplo, talvez não aceite muito bem as brincadeiras do filhote e fique mais irritado com a agitação da casa. Mas tudo isso vai muito do temperamento, independente de quantos anos ele tem.

Inclusive, se um bichano já é amoroso e calmo, mas o filhote é arisco, a convivência também não será das melhores até se acostumarem. 

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens) Reprodução/ Shutterstock

Como acostumar o felino com um filhote de gato recém-chegado

O que não fazer

Apesar de haver uma série de dicas para melhorar o relacionamento entre os gatos, uma delas é para indicar o que o tutor jamais deve fazer.

A partir do momento em que o animal defende o território e parte com unhas e dentes para cima da “ameaça”, é perigoso tentar aproximar os dois apenas para observar o resultado.

Com certeza eles não vão se tornar amigos nos primeiros dias e muito menos no primeiro contato.

Por mais dócil que o gato mais velho e o filhote pareçam, é melhor não tentar juntá-los ainda no começo da convivência. Além disso, é provável que aquele que já morava na casa tome um susto ao vir o outro de forma repentina. 

Dicas para apresentar os gatos

Dê espaço para o filhote

Nos primeiros dias o ideal é o filhote recém-chegado ter seu próprio espaço, em algum cômodo onde o outro não vá e não perceba sua presença visualmente, apenas pelo faro. Lá deve ter  caixa de areia para fazer as necessidades e o pote de comida e água, além de uma caminha se ele dormir nela. Assim, o bebê se sente seguro e tem tempo para conhecer o irmão. 

Contato pelo olfato

O olfato dos felinos, assim como dos cães, é muito apurado e um grande aliado na função de identificar um novo companheiro. Além de se escutarem pela parte de baixo da porta, o cheiro é facilmente percebido e de forma cautelosa eles vão se conhecendo. 

Para ajudar a acelerar o processo, mas sempre com paciência, o tutor pode esfregar uma meia (totalmente limpa e sem cheiro de ninguém) em cada gato, em especial nas costas, bochechas e onde mais houver bastante pelagem. Depois, coloque-as nos respectivos cômodos dos felinos, só que a do velho irá para o filhote e vice-versa.

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens) Reprodução/ Redes Sociais

Como acostumar o felino com um filhote de gato recém-chegado

Pode, ainda, deixar petiscos próximos do objeto e até do pote de comida, para associarem o cheiro do companheiro a coisas boas. Mas espere e deixe-os cheirar o tecido apenas quando quiserem e nunca force a situação. Por curiosidade, é provável eles fazerem isso de forma relativamente rápida.

No entanto, para evitar o instinto de defesa do espaço, é indicado deixar cada um deles circular no ambiente do outro, mas ainda sem se virem. Apenas para sentirem o cheiro e não tomar posse do local em que estão confinados. 

Interação por brinquedos

A interação entre eles também pode ser baseada na brincadeira por baixo da porta. Sabe aquele vão curto? É útil para passar algum  brinquedo de corda com duas pontas, por exemplo, e deixar cada um deles segurar uma ponta. É um ótimo estímulo para se divertirem e começarem a se aproximar antes mesmo do contato visual. 

Sinais de que já podem se ver

Alguns sinais indicam que ambos os gatos já estão confiantes e prontos para ficar cara a cara e conviver normalmente:

  • Não se importam mais com a meia e o cheiro do outro gato
  • Não faz barulho nem se mostra arisco quando se aproxima da porta
  • Rabo erguido
  • Dorme em qualquer lugar e não se esconder
  • Anda em todos os cômodos de forma segura

Contato visual

Feito isso, vem uma das partes principais: encarar de frente o problema, literalmente. Se o animal estiver bem confiante e até indiferente em relação ao outro, é hora de apresentá-los. 

No início o ideal é colocar uma porta de vidro ou alguma barreira entre eles, mas de formam que se vejam. Para se adaptarem com mais facilidade, é interessante dar petiscos para ambos, ao mesmo tempo, enquanto se olham, com uma distância razoável. Para, de novo, associar o momento bom à imagem do outro pet. 

Se não tiver como separá-los por um material transparente, opte por colocar coleiras ou guias e segurar cada um de um lado a uma distância considerável. Vá aproximando-os aos poucos.

Conforme eles vão parando de se encarar fixamente, o tutor pode ir dando passos para frente junto com eles, mas sempre mantendo o controle da situação.

Isso leva minutos no caso de alguns gatos e horas ou até dias em outros.

Brincar com os dois ao mesmo tempo também é positivo. Além de se divertirem, eles relaxam e é mais um motivo para gostarem um do outro. Se possível, deixe uma pessoa brincando cm o filhote de gato e você com o mais velho. 

+Identifique os sinais de um gato com depressão e saiba como ajudá-lo

Leia tudo sobre:

Como acostumar cães e gatos juntos?

Você já cansou de ouvir que cães e gatos são inimigos naturais? Quem tem esses dois pets em casa sabe como essa lenda é falsa! A amizade entre cães e gatos é completamente possível e saudável, precisando apenas de um empurrãozinho da mamãe para eles se tornarem irmãos inseparáveis – e grandes parceiros de bagunça!

Se eles não são inimigos naturais, por que é tão difícil acostumar cães e gatos juntos? Acontece que esses dois pets são muito apegados ao seu cantinho, e um novo animal na casa gera uma disputa de território. Além disso, a personalidade deles também é muito diferente – enquanto os cachorros são extremamente apegados, interessados em nos agradar, os felinos são independentes.

Talvez a aproximação entre cachorro e gato, a apresentação do novo amigo e os primeiros dias de convivência não sejam muito tranquilos, mas tudo vai se acalmando com o tempo. Basta ser persistente e saber lidar com os dois lados.

Como acostumar gato com cachorro em brincadeiras

Quer saber como acostumar cães e gatos juntos em casa? O truque é observar a idade do animal: filhotes e adultos se adaptam de maneira diferente à disputa territorial!

A técnica básica de adestramento para esse caso é a associação positiva. Sempre que apresentar cães e gatos, filhotes ou adultos, associe a interação às coisas boas: petiscos, carinhos, brinquedos favoritos e muita atenção para os dois. Assim, eles se sentirão igualmente especiais e terão uma ótima lembrança do novo amiguinho!

Uma forma interessante de promover a aproximação dos dois é usando o recurso das brincadeiras para cachorro e gato juntos. Esse momento sempre é muito prazeroso para nós e para os animaizinhos; por isso, é boa estratégia criar atividades que proporcionem diversão para ambos. Verá que, naturalmente, seus companheiros irão brincar juntos e ficarão pertinho harmoniosamente.

Passeio e brinquedos para pets

Os brinquedos para pets sempre fazem sucesso com cães e gatos. Apesar de terem gostos diferentes, a curiosidade é um ponto em comum e podem descobrir a diversão juntos, com um acessório novo.

Leia também:  Como aprender código morse: 12 passos (com imagens)

Apostar em brincadeiras em lugares diferentes, como parques, também é uma boa pedida! Mas é importante que esse passeio aconteça em um segundo momento e não na apresentação dos pequenos, pois os gatos não se sentem muito seguros em ambientes desconhecidos. Por isso, ao colocar em prática essa atividade, tenha muita atenção ao comportamento do gato – se senti-lo inseguro, aborte os planos e volte para casa.

Para que seus companheiros se tornem amigos, eles precisam estar seguros, felizes e sentirem que não perderão o seu amor.

Vou levar o cão e o gato filhotes para casa

Se você tem condições – e muita energia – para cuidar de dois minifuracões em casa, parabéns! A apresentação será mais fácil, pois os dois filhotes estarão conhecendo o ambiente e um ao outro ao mesmo tempo. Eles vão crescer e aprender juntos, enxergando-se como irmãos.

Você não precisará se preocupar com um deles se machucando, pois os filhotes de gato e cachorro entrarão em brincadeiras próprias e aprenderão a se respeitar e a se defender, buscando um limite juntos. A supervisão é essencial nas primeiras interações, mas o ideal é que os irmãozinhos construam a própria relação!

Mas, atenção: a responsabilidade com dois filhotes é dobrada, e a introdução à casa irá requerer cuidados, disciplina, atenção e adestramento para ambos.

Já tenho um gato e vou levar um cachorrinho para casa

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Gatos são naturalmente mais independentes e menos interativos que os cães, e podem não aceitar facilmente o novo amiguinho. Tudo irá depender da personalidade do gato, que pode ser mais reservado ou brincalhão.

Porém, todo gato preza pelo seu espaço; por isso, a apresentação ao novo cão deve ser feita com calma! Antes de tudo, é fundamental checar se as unhas de ambos estão aparadas, para evitar que se machuquem em possíveis conflitos.

Deixe seu gato sentir que está no controle da situação, vindo dar “oi” ao cão quando quiser. É bem provável que ele vá se esconder no primeiro momento, mas a curiosidade o fará se aproximar.

Neste primeiro contato, segure o cão na guia se for adulto, ou nas mãos se for filhote.

É que os cães são muito afobados, e podem assustar seu gatinho! Em tempo: gatos não gostam que o cheirem, primeira coisa que o cão faz ao conhecer outro animal.

Evite brigas entre eles: dê a mesma atenção ao gato e ao cachorro para não causar ciúmes.

Já tenho um cachorro e vou levar um gatinho para casa

Como Amansar um Gato de Rua (com Imagens)

Antes de levar um gato para casa, considere a personalidade do seu cãozinho: ele é muito ciumento, territorialista ou agressivo? Caso a resposta for sim para alguma das opções, pode ser necessário reconsiderar ou planejar a chegada do novo animalzinho contratando um adestrador para garantir que seu cão tenha limites, educação e respeito, e que você seja capaz de controlá-lo se for necessário.

O truque para introduzir o novo pet ao seu cão é garantir que ele continuará recebendo a mesma atenção e carinho de sempre, e evitar repreendê-lo durante a apresentação para gerar uma associação positiva. O início da relação deve ser supervisionado, mas o mais provável é que o cão adote o gatinho e cuide dele como seu filhote!

Caso os dois animais sejam adultos, os cuidados e a paciência na apresentação terão de ser redobrados. Deixe o gato se acostumar com você e com o ambiente separado do cão por alguns dias. Quando se conhecerem, um já terá sentido o cheiro do outro, e a apresentação será mais fácil!

A comida também pode ser servida separada no começo para não correr o risco de eles brigarem pela tigelinha de Max! Mesmo porque cada um tem a sua: ração para cães Max, e ração para gatos Max Cat.

A relação de confiança pode demorar a ser construída, mas é bem provável que nasça uma linda amizade entre os dois! Caso um dos pets tenha histórico de agressividade, é sempre recomendável a consulta de um bom adestrador.

O Gato Feral

  • Um gato feral é um descendente de gato doméstico que retornou ao estado selvagem.
  • Surgiu em consequência do abandono e descaso de humanos, que os abandonaram ou deixaram que muitos gatos domésticos fugissem.
  • Os descendentes destes gatos que se perderam foram obrigados a conviver em ambientes urbanos com pouco contato humano, como armazéns, fábricas ou prédios abandonados.

Na aparência, um gato feral é praticamente igual a qualquer gatinho de rua ou doméstico. Mas o comportamento se aproxima mais do de felinos maiores, como tigres e onças.

Um gato feral depende de alguma forma de humanos para sobreviver, já que está fora do ambiente selvagem. Entretanto, dificilmente ele poderá ser domesticado e as chances de isso acontecer existem até que ele complete 3 meses de idade. Depois disso, é bastante improvável.

Gato feral x Gato arisco

Gatos ferais são diferentes de gatos ariscos. Um gato arisco chega a se aproximar de humanos, mesmo que não goste de colo ou de carinho, mas ele faz contato visual e sonoro.

Este pode ser domesticado, enquanto o gato feral nem mesmo mia. Não aceita aproximação de humanos e se sente ameaçado se encarado.

Pode atacar ferozmente o humano e até se ferir gravemente para fugir e se esconder.

Enquanto os gatos ariscos costumam viver sozinhos e podem ser vistos durante o dia nas ruas, os ferais vivem em colônias de gatos e normalmente só são vistos à noite.

Qual a solução?

Especialistas em comportamento felino afirmam que tentar domesticar gatos ferais não é a solução para eles e normalmente os levam a uma depressão profunda e à morte.

Em virtude disso, muitos países estão utilizando a técnica C. E. D – captura, esterilização e devolução.

Desta forma os gatos são capturados por equipes treinadas, castrados com técnicas que propiciam uma rápida recuperação, vacinados e desparasitados, depois devolvidos ao seu local de origem.

Alguns projetos fazem um pequeno corte na orelha do gato para diferenciá-los dos demais após terem passado por esse processo.

O objetivo do C.E.D é o controle populacional e permanente redução do número de gatos ferais nas ruas.  É também diminuir o número de gatos abandonados recolhidos e a quantidade de eutanásias, reduzir os custos do controle de animais e criar ambientes melhores e menos hostis para esses gatos.

Fontes:

  1. neighborhoodcats.org
  2. isfoundation.com
  3. jacksongalaxy.com

was last modified: abril 4th, 2018 by Jacqueline Cohen

Os gatos são criaturas fascinantes. Envoltos em ares misteriosos, demoramos um pouco para entendê-los. Mas, ao observar seu comportamento, podemos aprender com eles algumas valiosas lições de vida.

was last modified: fevereiro 5th, 2020 by Jacqueline Cohen

Você pode ter um ou mais cachorros de raça e estar pensando na possibilidade de fazer um cruzamento para que eles tenham filhotes. Se este for o seu caso, é muito importante que sua decisão seja bem pensada, pois, alguns fatores importantes devem ser considerados.

was last modified: janeiro 9th, 2020 by Jacqueline Cohen

É certo que nem todos os humanos gostam de cães ou de gatos. Mas, quem tem em casa uma ou mais destas maravilhosas criaturas sabe que é bem fácil gostar demais deles.

was last modified: dezembro 19th, 2019 by Jacqueline Cohen

Humanos e cachorros já convivem por milhares de anos. Podemos dizer que já adquirimos uma melhor compreensão de seu comportamento. No entanto, ainda hoje, mitos e conceitos errôneos ainda são abundantes. Veja alguns dos principais que persistem até os dias de hoje

was last modified: novembro 20th, 2019 by Jacqueline Cohen

Como o temperamento do dono afeta o gato? De várias formas, conforme mostram pesquisas recentes que entrevistaram cerca de 3000 donos de gatos

was last modified: novembro 7th, 2019 by Jacqueline Cohen

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*