Como aliviar a dor de uma queimadura (com imagens)

– Quando as queimaduras ocorrem em crianças e idosos a gravidade é maior. Crianças com idade inferior a cinco anos ou adultos com idade superior a 60 anos devem ter acompanhamento médico.

  • – Sempre que as queimaduras estiverem localizadas em zonas articulares como mãos ou os pés, nos órgãos genitais, na face ou cubram uma grande extensão do pescoço ou corpo.
  • – Quando as queimaduras cobrem mais de cinco por cento da extensão total do corpo, em jovens com idade inferior a 16 anos ou mais de 10% da extensão total do corpo em adultos.
  • Para identificar a extensão da queimadura, saiba que um por cento da extensão total do corpo corresponde à palma da mão.

O que fazer em caso de queimadura

A gravidade da queimadura depende de vários fatores:

– Da zona atingida pela queimadura- Da extensão da pele queimada- Da profundidade da queimadura

Os sinais e os sintomas que as distinguem

De acordo com a profundidade atingida, as queimaduras classificam-se em três graus:

– Queimadura de primeiro grau

São as queimaduras menos graves, apenas a camada externa da pele, a epiderme, é afetada. A pele fica vermelha e quente e há sensação de calor e dor. É considerada uma queimadura simples.

– Queimadura de segundo grau

Às características da queimadura do primeiro grau junta-se a existência de bolhas com líquido ou flictenas. Esta queimadura já atinge a derme e é bastante dolorosa. É um tipo de queimadura mais grave.

– Queimadura de terceiro grau

Às características das queimaduras de primeiro e de segundo grau, junta-se a destruição dos tecidos. A queimadura atinge tecidos mais profundos provocando uma lesão grave e a pele fica carbonizada. Este é um tipo de queimadura muito grave. A vítima pode entrar em estado de choque.

O que deve fazer em caso de emergência

Este são os procedimentos a adotar nessas situações:

– Se a roupa estiver a arder, envolver a vítima numa toalha molhada ou, na sua falta, fazê-la rolar pelo chão ou envolvê-la num cobertor. Tenha, no entanto, cuidado com os tecidos sintéticos.

  1. – Se a vítima se queimou com água ou outro líquido a ferver, despi-la imediatamente.
  2. – Dar água a beber frequentemente é essencial.
  3. – Se a queimadura for de primeiro grau, é imperativo arrefecer a região queimada com soro fisiológico ou, na sua falta, com água fria corrente ou cubos de gelo, até a dor acalmar.
  4. – Se a queimadura for de segundo grau e apesentar bolhas, é essencial arrefecer a região queimada com soro fisiológico ou, na sua falta, com água fria corrente ou cubos de gelo, até a dor acalmar, antes de lavar cuidadosamente com um antissético, sem nunca aplicar álcool.

– Se as bolhas rebentarem, não cortar a pele da bolha esvaziada. Tratar como qualquer outra ferida. O penso devemanter-se 48 horas e só depois expor a zona queimada ao ar para evitar o risco de infeção/tétano.

Os cuidados a ter quando transportar a vítima para o hospital

Se a queimadura for de terceiro grau, esta é uma situação grave que necessita transporte urgente para o hospital. Nesse caso, deve:

– Arrefecer a região queimada com soro fisiológico ou, na sua falta, com água fria corrente ou cubos de gelo, até a dor acalmar.

– Lavar cuidadosamente com um anti-séptico. Não deve aplicar álcool, uma vez que este pode ser prejudicial.

  • – Tratar como qualquer outra ferida.
  • – Se a queimadura for muito extensa, envolver a vítima num lençol lavado e que não largue pelos, previamente humedecido com soro fisiológico ou, na falta, com água simples.
  • Nessas situações, nunca deve:
  • – Retirar qualquer pedaço de tecido que tenha ficado agarrado à queimadura.
  • – Rebentar as bolhas ou tentar tirar a pele das bolhas que rebentaram.
  • – Aplicar sobre a queimadura outros produtos além dos referidos.

O que fazer diante de uma queimadura elétrica? – Sanar Medicina

Paciente do sexo masculino, 11 anos,foi atendido pelo SAMU devido a queimadura elétrica.

Relata que estava brincando de soltar papagaio com seus amigos quando este agarrou em fio elétrico de alta tensão e ao tentarem retirar com uma barra metálica, foram eletrocutados.

A mãe da criança a retirou do local e a levou para UPA, onde recebeu os primeiros socorros. A  foi acionada para fazer a transferência para outra unidade hospitalar. A criança se queixava de uma intensa dor em MMII e relatava uma sedenta vontade de fazer ingesta de água.

  • Sinais vitais:
  • Tax: 36° C    FC = 95 bpm     FR = 22 ipm   SatO2 = 97%    HGT = 86
  • Respiratório: Ausculta sem alterações
  • Cardiovascular: Bulhas rítmicas normofonéticas em 2 tempos e sem sopros
  • Abdome: RHA +, ausência de dor à palpação abdominal superficial e profunda, ausência de visceromegalias
  • MMSS: presença de queimaduras na face ventral da mão direita
  • MMII: Presença de queimadura de 3 grau em face dorsolateral do pé direito

Discussão do Caso: Queimadura elétrica

As queimaduras são lesões decorrentes de agentes (tais como a energia térmica, química ou elétrica) capazes de produzir calor excessivo que danifica os tecidos corporais e acarreta a morte celular. Tais agravos podem ser classificados como queimaduras de primeiro grau, de segundo grau ou de terceiro grau.

O cálculo da extensão do agravo é classificado de acordo com a idade. Nestes casos, normalmente utiliza-se a regra dos nove, que leva em conta a extensão atingida, a chamada superfície corporal queimada (SCQ).

Para superfícies corporais de pouca extensão ou que atinjam apenas partes dos segmentos corporais, utiliza-se para o cálculo da área queimada o tamanho da palma da mão (incluindo os dedos) do paciente, o que é tido como o equivalente a 1% da SCQ.

Tratamento de emergência das queimaduras

1) Tratamento imediato de emergência:

  1. ·         Interrompa o processo de queimadura.
  2. ·         Remova roupas, joias, anéis, piercings e próteses.
  3. ·         Cubra as lesões com tecido limpo.

2) Tratamento na sala de emergência:

  • A) Vias aéreas (avaliação):
  • ·         Avalie a presença de corpos estranhos, verifique e retire qualquer tipo de obstrução.
  • B) Respiração:
  • ·         Aspire as vias aéreas superiores, se necessário.
  • ·         Administre oxigênio a 100% (máscara umidificada) e, na suspeita de intoxicação por monóxido de carbono, mantenha a oxigenação por três horas.
  • ·         Suspeita de lesão inalatória: queimadura em ambiente fechado com acometimento da face, presença de rouquidão, estridor, escarro carbonáceo, dispneia, queimadura das vibrissas, insuficiência respiratória.
  • ·         Mantenha a cabeceira elevada (30°).
  • ·         Indique intubação orotraqueal quando:
  • ü  A escala de coma Glasgow for menor do que 8;
  • ü  PaO2 for menor do que 60;
  • ü  PaCO2 for maior do que 55 na gasometria;
  • ü  Dessaturação for menor do que 90 na oximetria;
  • ü  Houver edema importante de face e orofaringe.
  • C)  Avalie se há queimaduras circulares no tórax, nos membros superiores e inferiores e verifique a perfusão distal e o aspecto circulatório (oximetria de pulso).
  • D) Avalie traumas associados, doenças prévias ou outras incapacidades e adote providências imediatas.
  • E) Exponha a área queimada.
  • F) Acesso venoso:
  • •        Obtenha preferencialmente acesso venoso periférico e calibroso, mesmo em área queimada, e somente na impossibilidade desta utilize acesso venoso central.
  • G) Instale sonda vesical de demora para o controle da diurese nas queimaduras em área corporal superior a 20% em adultos e 10% em crianças.

3. Profundidade da queimadura:

  1. a. Primeiro grau (espessura superficial) – eritema solar:
  2. •        Afeta somente a epiderme, sem formar bolhas.
  3. •        Apresenta vermelhidão, dor, edema e descama em 4 a 6 dias.
  4. b.

    Segundo grau (espessura parcial-superficial e profunda):

  5. •        Afeta a epiderme e parte da derme, forma bolhas ou flictenas.
  6. •        Superficial: a base da bolha é rósea, úmida e dolorosa.
  7. •        Profunda: a base da bolha é branca, seca, indolor e menos dolorosa (profunda).

  8. •        A restauração das lesões ocorre entre 7 e 21 dias.
  9. c. Terceiro grau (espessura total):
  10. •        Afeta a epiderme, a derme e estruturas profundas.
  11. •        É indolor.
  12. •        Existe a presença de placa esbranquiçada ou enegrecida.
  13. •        Possui textura coreácea.

  14. •        Não reepiteliza e necessita de enxertia de pele (indicada também para o segundo grau profundo).

4) Extensão da queimadura (superfície corpórea queimada – SCQ):

  • •        Regra dos nove (urgência)
  • •        A superfície palmar do paciente (incluindo os dedos) representa cerca de 1% da SCQ.
  • •        Áreas nobres/queimaduras especiais: Olhos, orelhas, face, pescoço, mão, pé, região inguinal, grandes articulações (ombro, axila, cotovelo, punho, articulação coxofemural, joelho e tornozelo) e órgãos genitais, bem como queimaduras profundas que atinjam estruturas profundas como ossos, músculos, nervos e/ou vasos desvitalizados.

5) Cálculo da hidratação: Fórmula de Parkland = 2 a 4ml x % SCQ x peso (kg):

  1. •        2 a 4ml/kg/% SCQ para crianças e adultos.
  2. •        Idosos, portadores de insuficiência renal e de insuficiência cardíaca congestiva (ICC) devem ter seu tratamento iniciado com 2 a 3ml/kg/%SCQ e necessitam de observação mais criteriosa quanto ao resultado da diurese.

  3. •        Use preferencialmente soluções cristaloides (ringer com lactato).
  4. •        Faça a infusão de 50% do volume calculado nas primeiras 8 horas e 50% nas 16 horas seguintes.
  5. •        Considere as horas a partir da hora da queimadura.

  6. •        Mantenha a diurese entre 0,5 a 1ml/kg/h.
  7. •        No trauma elétrico, mantenha a diurese em torno de 1,5ml/kg/hora ou até o clareamento da urina.
  8. •        Observe a glicemia nas crianças, nos diabéticos e sempre que necessário.

  9. •        Na fase de hidratação (nas 24h iniciais), evite o uso de coloide, diurético e drogas vasoativas.

6) Tratamento da dor: Instale acesso intravenoso e administre:

• Para adultos: Dipirona = de 500mg a 1 grama em injeção endovenosa (EV);

Morfina = 1ml (ou 10mg) diluído em 9ml de solução fisiológica (SF) a 0,9%, considerando-se que cada 1ml é igual a 1mg. Administre de 0,5 a 1mg para cada 10kg de peso.

• Para crianças: Dipirona = de 15 a 25mg/kg em EV;

Morfina = 10mg diluída em 9ml de SF a 0,9%, considerando-se que cada 1ml é igual a 1mg. Administre de 0,5 a 1mg para cada 10kg de peso.

7) Posicionamento:

  • Mantenha elevada a cabeceira da cama do paciente, pescoço em hiperextensão e membros superiores elevados e abduzidos, se houver lesão em pilares axilares.
  • ·         Administre toxóide tetânico para profilaxia/ reforço antitétano.
  • ·         Administre bloqueador receptor de H2 para profilaxia da úlcera de estresse.
  • ·         Administre heparina subcutânea para profilaxia do tromboembolismo.
  • ·         Administre sulfadiazina de prata a 1% como antimicrobiano tópico.

·         Restrinja o uso de antibiótico sistêmico profilático apenas às queimaduras potencialmente colonizadas e com sinais de infecção local ou sistêmica.

Em outros casos, evite o uso.

·         Evite o uso indiscriminado de corticosteroides por qualquer via.

·         As queimaduras circunferenciais em tórax podem necessitar de escarotomia para melhorar a expansão da caixa torácica.

Trauma elétrico

  1. ·         Identifique se o trauma foi por fonte de alta tensão, por corrente alternada ou contínua e se houve passagem de corrente elétrica com ponto de entrada e saída.
  2. ·         Avalie os traumas associados (queda de altura e outros traumas).
  3. ·         Avalie se ocorreu perda de consciência ou parada cardiorrespiratória (PCR) no momento do acidente.
  4. ·         Avalie a extensão da lesão e a passagem da corrente.
  5. ·         Faça a monitorização cardíaca contínua por 24h a 48h e faça a coleta de sangue para a dosagem de enzimas (CPK e CKMB).
  6. ·         Procure sempre internar o paciente que for vítima deste tipo de trauma.
  7. ·         Avalie eventual mioglobinúria e estimule o aumento da diurese com maior infusão de líquidos.
  8. ·         Na passagem de corrente pela região do punho (abertura do túnel do carpo), avalie o antebraço, o braço e os membros inferiores e verifique a necessidade de escarotomia com fasciotomia em tais segmentos.
  9. Conheça o curso de primeiros socorros do Sanarflix!

QUEIMADURAS – Graus, complicações e tratamento caseiro –

Quando falamos em queimaduras da pele, logo nos vem à cabeça as queimaduras térmicas, provocadas por fogo ou intenso calor. Porém, não só o calor é capaz de provocar queimaduras.

De forma abrangente, as queimaduras ocorrem quando um grande grupo de células da pele ou de outros tecidos são agudamente destruídas por calor, descarga elétrica, fricção, frio excessivo, contato com produtos químicos ou radiação.

As queimaduras podem ser leves ou profundas, pequenas ou extensas. A gravidade do quadro depende exatamente desses dois fatores: extensão e profundidade.

Neste texto vamos explicar como se calcula o grau das queimaduras, o que é uma queimadura leve ou grave, quais são os cuidados básicos com a pele queimada e quais são as complicações possíveis dos grandes queimados.

Para ler sobre as lesões provocadas pela inalação de fumaça nos incêndios, leia: Inalação de fumaça em incêndios.

Graus

As queimaduras são classificadas de acordo com a sua profundidade e tamanho, sendo geralmente mensuradas pelo percentual da superfície corporal acometida.

Classicamente, as queimaduras são classificadas em 1º, 2º e 3º graus, de acordo com a camada de pele acometida.

Queimaduras de primeiro grau

Também chamada de queimadura superficial, são aquelas que envolvem apenas a epiderme, a camada mais superficial da pele.

Os sintomas da queimadura de primeiro grau são intensa dor e vermelhidão local, mas com palidez na pele quando se toca.

A lesão da queimadura de 1º grau é seca e não produz bolhas. Geralmente melhoram após 3 a 6 dias, podendo descamar, e não deixam sequelas.

Queimaduras de segundo grau

As queimaduras de segundo grau são atualmente divididas em 2º grau superficial e 2º grau profundo.

A queimadura de 2º grau superficial é aquela que envolve a epiderme e a porção mais superficial da derme.

Os sintomas são os mesmos da queimadura de 1º grau incluindo ainda o aparecimento de bolhas e uma aparência úmida da lesão. A cura é mais demorada podendo levar até 3 semanas; não costuma deixar cicatriz mas o local da lesão pode ser mais claro.

As queimaduras de 2º grau profundas são aquelas que acometem toda a derme, sendo semelhantes às queimaduras de 3º grau.

Como há risco de destruição das terminações nervosas da pele, este tipo de queimadura, que é bem mais grave, pode até ser menos doloroso que as queimaduras mais superficiais.

As glândulas sudoríparas e os folículos capilares também podem ser destruídos, fazendo com a pele fique seca e perca seus pelos.

A cicatrização demora mais que 3 semanas e costuma deixas cicatrizes

Queimaduras de terceiro grau

São as queimaduras profundas que acometem toda a derme e atinge tecidos subcutâneos, com destruição total de nervos, folículos pilosos, glândulas sudoríparas e capilares sanguíneos, podendo inclusive atingir músculos e estruturas ósseas. São lesões esbranquiçadas/acinzentadas, secas, indolores e deformantes que não curam sem apoio cirúrgico, necessitando de enxertos.

Extensão

Além da profundidade da queimadura, também é importante a extensão da lesão. Todo paciente com lesões de 2º ou 3º grau devem ser avaliados em relação ao percentual da área corporal atingida, de acordo com o diagrama exposto ao lado. Quanto maior for a extensão das queimaduras, maiores serão os riscos de complicações e morte.

O diagrama não tem valor para queimaduras de 1º grau ou queimaduras solares. Não é preciso entrar em pânico se após um dia de sol você ficar com mais de 50% do corpo queimado.

Se as queimaduras não acometem um região inteira do corpo, um modo simples de calcular a extensão da lesão é usar a área de uma palma da mão como equivalente a 1% da superfície corporal.

A classificação de gravidade é feita da seguinte modo:

Queimadura leve

  • Menos de 10% da superfície corporal de um adulto com queimaduras de 2º grau.
  • Menos de 5% da superfície corporal de uma criança ou idoso com queimaduras de 2º grau.
  • Menos de 2% da superfície corporal com queimaduras de 3º grau.

Queimadura moderada

  • 10 a 20% da superfície corporal de um adulto com queimaduras de 2º grau.
  • 5 to 10% da superfície corporal de uma criança ou idoso com queimaduras de 2º grau.
  • 2 to 5% da superfície corporal com queimaduras de 3º grau.
  • Suspeita de queimaduras do trato respiratório por inalação de ar quente.
  • Queimaduras leves em pacientes com doenças que predisponham infecções, tais como imunossupressão, diabetes ou anemia falciforme.
  • Queimaduras em formato circunferencial, tipo pulseira, colar ou bracelete.

Queimadura grave

  • Mais de 20% da superfície corporal de um adulto com queimaduras de 2º grau.
  • Mais de 10% da superfície corporal de uma criança ou idoso com queimaduras de 2º grau.
  • Mais de 5% da superfície corporal com queimaduras de 3º grau.
  • Queimaduras elétricas por alta voltagem.
  • Queimaduras comprovadas do trato respiratório por inalação de ar quente.
  • Queimaduras significativas na face, olhos, orelhas, genitália ou articulações.
  • Outras graves lesões associadas a queimadura, como fraturas e traumas.

O que é uma queimadura leve?

A maioria das pessoas pensa que uma queimadura leve ou simples é algo como aquelas pequenas queimaduras que ocorrem ao se encostar em uma panela quente ou após um dia de sol sem protetor solar. Na verdade, consideramos queimaduras leves aquelas que não cursam com risco de morte nem causam alterações metabólicas no organismo que necessitem de tratamento intra-hospitalar.

Dentro deste conceito podem estar incluídas queimaduras profundas e com risco de cicatrização deformante, aquelas que o senso comum nunca chamaria de queimadura simples.

A classificação de gravidade da queimadura depende do grau, da causa, do potencial para haver complicações e, principalmente, da extensão da lesão. A aparência estética da lesão não serve para definir a gravidade de um queimado. Por isso, você pode até ter uma pequena queimadura de 3º grau e ainda assim isso ser considerado uma queimadura leve.

Sendo assim, consideramos uma queimadura leve quando ela apresenta as seguintes características:

  • Existem apenas queimaduras de 1º grau.
  • As queimaduras de 2º grau acometem menos de 10% da superfície corporal de um adulto (em torno de 7,5 cm no maior diâmetro).
  • As queimaduras de 2º grau acometem menos de 5% da superfície corporal de uma criança ou idoso.
  • As queimaduras de 3º grau acometem menos de 2% da superfície corporal e não há outras lesões traumáticas associadas.

Além dos requisitos acima, para ser considerada uma queimadura simples também são necessários que:

  • A queimadura seja isolada (sem inalação de ar quente ou queimadura por eletricidade)
  • Não acometa olhos ou grandes áreas da face, mãos, períneo ou pés.
  • Não envolva completamente grandes articulações como joelhos ou ombros, por exemplo.
  • Não envolva uma área do corpo de forma circunferencial (em forma de pulseira, colar ou anel), pois áreas queimadas ficam inchadas, e queimaduras circunferenciais podem obstruir o fluxo de sangue para regiões adjacentes.

Os critérios acima servem para avaliar a necessidade ou não de internação hospitalar. Entretanto, o fato de uma queimadura não ser considerada moderada ou grave não obrigatoriamente elimina a necessidade de uma avaliação médica.

Qualquer queimadura que destrua a camada superficial da pele ou envolva uma extensão maior que 1% do corpo (equivalente ao tamanho de uma palma da mão) deve ser avaliada por um médico. O mesmo vale para qualquer queimadura elétrica ou por produtos químicos.

A forma mais comum de queimadura leve é através da exposição solar exagerada sem a protetor solar. Acidentes na cozinha durante a preparação de comida também são comuns, principalmente se há fritura com óleo.

Imagens

  • Queimadura de segundo grau com vesícula ainda intacta..
  • Queimadura de primeiro grau.
  • Queimadura solar de primeiro grau.
  • Queimadura de primeiro grau no braço.
  • Queimadura de primeiro grau na perna.
  • Queimadura de segundo grau. Múltiplas vesículas pequenas.
  • Queimadura de primeiro e segundo graus no braço. Pequena bolha já rompida.
  • Queimadura de segundo grau na mão em cicatrização. Bolha rompida.

Tratamento

Queimaduras superficiais

As primeiras providências após uma queimadura são esfriá-la e limpá-la. Comece com água corrente fria na lesão por até 15 minutos. Atenção: a água deve ser fria, não gelada. Nunca coloque gelo nas lesões, pois o mesmo também pode queimar a pele e agravar o quadro.

Inicialmente não é preciso nenhum produto de limpeza específico, basta água e sabão simples. Não aplique nenhuma substância sobre a lesão, principalmente manteiga, óleos, pasta de dente, café, etc. Essas receitas caseiras para tratar queimaduras não funcionam, podem agravar a lesão e ainda aumentam o risco de infecção da ferida.

Se a pele não estiver intacta, não aplique nenhuma substância que não tenha sido indicada por um médico. A imensa maioria das receitas caseiras contra queimadura fazem mais mal do que bem.

Se a queimadura for simples, pequena e superficial, pode não ser necessário atendimento médico e, após o devido resfriamento e limpeza da ferida, pode-se aplicar um hidratante a base de Aloe Vera (babosa ou aloés) ou vaselina.

Na maioria dos casos, as queimaduras de 1º grau saram espontaneamente após 3 a 6 dias.

Queimaduras mais profundas

Se a pele estiver danificada, envolva a lesão com compressas ou gazes úmidas (estéreis de preferência). Não use materiais que possam ficar aderidos à pele, como algodão, por exemplo. Se precisar usar ataduras, tome cuidado para que ela não faça compressão sobre a queimadura. Sempre procure proteger a pele sem pressioná-la.

Retire qualquer tipo de roupa ou objeto que esteja sobre a lesão. Se os mesmos estiverem aderidos, não force para não lesionar ainda mais a pele; deixe que um médico resolva o problema.

Se houver bolhas, nunca as estoure; se houver pele pendurada, não a arranque. Se houver sinais de pele carbonizada ou morta, deixe o médico decidir como proceder. Tenha cuidado na hora de limpar a ferida.

Se não houver contra-indicações, o paciente pode tomar um analgésico, como paracetamol ou dipirona para o controle da dor. Queimaduras de 1º grau ou 2º grau superficiais são muito dolorosas. Se a queimadura for grande, muitas vezes é necessário um analgésico opioide para alívio da dor, como tramadol, por exemplo.

Mais uma vez, se a lesão for extensa ou houver dano da camada superficial da pele, procure atendimento médico.

Todo paciente com queimaduras que provoquem exposição das camadas mais profundas da pele deve receber vacina contra tétano (se necessário de acordo com o seu estado vacinal prévio – leia: TÉTANO | VACINA E SINTOMAS).

Complicações

A pele é o maior órgão do nosso corpo, serve de barreira contra a invasão de germes do exterior e contra a perda de calor e líquidos, sendo essencial para o controle da temperatura corporal. Qualquer paciente com critérios para queimaduras moderadas ou graves deve ser internado para receber tratamento imediato, pois há sério risco de complicações.

O primeiro problema das queimaduras é a quebra da barreira de proteção contra germes do ambiente, favorecendo a infecção das feridas por bactérias da pele e o desenvolvimento da sepse.

Outra complicação é a grande perda de líquidos dos tecidos queimados. Quando a queimadura é extensa, a saída de água dos vasos é tão intensa que o paciente pode entrar em choque circulatório. A insuficiência renal aguda também é uma complicação grave nos grandes queimados, assim como a hipotermia por incapacidade do corpo em reter calor devido a granes áreas de pele queimada.

Quando a área do tórax e do pescoço são acometidas por queimaduras mais profundas, a cicatrização torna a pele muito rígida e retraída, o que pode atrapalhar os movimentos da respiração.

Neste caso é necessária a escarotomia, uma incisão cirúrgica da pele de modo a impedir a que a falta de elasticidade da mesma cause compressão das estruturas internas.

Como as mãos são áreas de intensa articulação e movimento, cicatrizações de queimaduras podem ser muito limitantes. Por isso, este tipo de queimadura deve sempre ser avaliada por um médico.

Queimaduras circunferenciais são perigosas pois há risco de compressão de estruturas internadas devido ao inchaço que qualquer queimadura provoca.  No membros podem comprimir nervos e vasos. No pescoço podem comprimir as vias aéreas.

Outra grave complicação é a queimadura por inalação de ar quente que pode impedir o paciente de conseguir respirar adequadamente, seja por lesão direta dos pulmões ou por edema e obstrução das vias aéreas.

Quando as lesões são de 3º grau a pele não é capaz de se curar sozinha, sendo necessária a implantação de enxertos de pele para que o interior do organismo não fique exposto ao meio externo. Também é essencial a vacinação contra o tétano.

Referências

Queimaduras e suas causas, tipos e tratamentos

As queimaduras são uma das lesões domésticas mais comuns, especialmente entre as crianças. O termo “queimar” significa mais do que a sensação de queimação associada com esta lesão. As queimaduras são caracterizadas por lesões cutâneas graves que faz com que as células da pele afetadas morram.

A maioria das pessoas pode se recuperar de queimaduras sem consequências graves para a saúde, dependendo da causa e do grau da lesão. As queimaduras mais graves necessitam de cuidados médicos de emergência para evitar complicações e morte.

Níveis das Queimaduras: Existem três tipos principais de queimaduras: primeira, segunda e de terceiro grau. Cada grau baseia-se na gravidade da lesão na pele. Os danos incluem:

  • Queimaduras de primeiro grau: pelevermelha
  • Queimaduras de segundo grau: bolhas e alguns espessamento da pele
  • Queimaduras de terceiro grau: espessura generalizada com uma aparência branca, couro

Há também queimaduras do quarto grau. Este tipo de queimadura inclui todos os sintomas de uma queimadura do terceiro grau e também se estende além da pele para tendões e ossos.

Queimaduras tem uma variedade de causas, incluindo:

  • Escaldante de líquidos quentes e ebulição
  • Queimaduras químicas
  • Queimaduras elétricas
  • Incêndios, incluindo chamas de fósforos, velas e isqueiros
  • Exposição excessiva ao sol

O tipo de queimadura não se baseia na causa da mesma. A queimadura por escaldamento, por exemplo, pode causar todas as três queimaduras, dependendo de como o líquido quente e o tempo que permanece em contato com a pele.

Química e queimaduras elétricas indicam uma atenção médica imediata, pois eles podem afetar o interior do corpo, mesmo os danos da pele sendo menores.

Queimadura de primeiro grau: As queimaduras de primeiro grau causam danos mínimos à pele. Elas também são chamadas de “queimaduras superficiais”, porque elas afetam a camada mais externa da pele. Os sinais de uma queimadura de primeiro grau incluem:

  • Vermelhidão
  • Pequena inflamação, ou inchaço
  • Dor
  • Descamação da pele seca, ocorre com a cura de queimaduras

Uma vez que esta queimadura afeta a camada superior da pele, os sinais e os sintomas desaparecem uma vez que as células da pele se regeneram. As queimaduras de primeiro grau geralmente curam dentro de 7 a 10 dias sem deixar cicatrizes.

Você ainda deve consultar o seu médico se a queimadura afeta uma grande área de pele, mais de três polegadas, e se é em seu rosto ou em um grande conjunto, que incluem:

  • Joelho
  • Tornozelo
  • Espinha
  • Ombro
  • Cotovelo
  • Antebraço

Tratamentos para uma queimadura de primeiro grau: As queimaduras de primeiro grau são geralmente tratadas com cuidados em casa. O tempo de cura pode ser mais rápido quanto mais cedo você tratar a queimadura.

Tratamentos para uma queimadura de primeiro grau incluem:

  • Coloque a ferida em água fria por cinco minutos ou mais
  • Tomar paracetamol ou ibuprofeno para alívio da dor
  • Aplicação de lidocaína (um anestésico) com gel ou creme áloe vera para acalmar a pele
  • Usar uma pomada antibiótica e gaze solta para proteger a área afetada

Certifique-se de que você não usa gelo, pois isso pode piorar a lesão. Nunca aplique bolas de algodão em uma queimadura porque as pequenas fibras podem ficar com o ferimento e aumentar o risco de infecção. Além disso, evite remédios caseiros, como a manteiga e os ovos pois estes não se provaram eficaz.

Queimaduras de segundo grau: As queimaduras de 2 graus são mais graves porque os danos se estende além da camada superior da pele. Este tipo de queimadura faz com que a pele se torne extremamente vermelha e dolorida. Devido à natureza delicada destas feridas, manter a área limpa e com curativo adequado é necessário para prevenir a infecção.

Isso também ajuda a queimadura curar mais rápido. Algumas queimaduras de segundo grau demoram mais do que três semanas para cicatrizar, mas a maioria cura dentro de duas a três semanas sem cicatriz, mas muitas vezes com alterações pigmentares na pele.

Quanto piores as bolhas são, mais tempo a queimadura vai demorar para cicatrizar. Em alguns casos graves, o enxerto de pele é necessário para reparar o dano. O enxerto de pele recortar uma pele saudável de uma outra área do corpo e move-a para o local da pele queimada.

Tal como acontece com queimaduras de primeiro grau, evite bolas de algodão e remédios caseiros questionáveis.

Tratamentos para uma queimadura de segundo grau: As queimaduras de segundo grau que for leve geralmente incluem:

  • Deixar a pele em água fria por 15 minutos ou mais
  • Tomar medicação para a dor (paracetamol ou ibuprofeno)
  • Aplicar creme antibiótico

No entanto, procure tratamento médico de emergência se a queimadura afeta uma área alargada,

Como qualquer uma das seguintes:

  • Face
  • Mãos
  • Nádegas
  • Virilha
  • Pés

Queimadura de terceiro grau: Excluindo queimaduras de quarto grau, as queimaduras de terceiro grau são as mais graves. Elas causam o maior dano, estendendo-se através de cada camada de pele. Há um equívoco que queimaduras de terceiro grau são as mais dolorosas.

No entanto, com este tipo de queimadura o dano é tão extenso que pode não haver qualquer dor por causa de danos nos nervos. Não há cronograma definido para a cura espontânea completa das queimaduras de terceiro grau. Nunca tente auto tratar uma queimadura de terceiro grau. Ligue para o 192 imediatamente.

Complicações: Em comparação com queimaduras de primeiro e segundo grau, as queimaduras de terceiro grau carregam o maior risco de complicações, como infecções, perda de sangue e choque, que é muitas vezes o que pode levar à morte. Ao mesmo tempo, todas as queimaduras carregam o risco de infecções, porque as bactérias podem entrar pela pele danificada.

Prevenir todos os graus de queimaduras: A melhor maneira óbvia para combater queimaduras é evitar que isso aconteça. Certos empregos podem colocá-lo em um maior risco de queimaduras, mas o fato é que a maioria das queimaduras acontecem em casa. Lactentes e crianças jovens são os mais vulneráveis às queimaduras. As medidas preventivas que você pode tomar em casa incluem:

  • Mantenha as crianças fora da cozinha enquanto cozinha.
  • Coloque um extintor de incêndio dentro ou perto da cozinha.
  • Teste os detectores de fumaça uma vez por mês.
  • Substitua os detectores de fumaça a cada 10 anos.
  • Mantenha a temperatura do aquecedor de água a 120 graus Fahrenheit.
  • Meça a temperatura da água do banho antes do uso.
  • Trave os fósforos e isqueiros.
  • Instale as tampas da tomada elétrica.
  • Verifique e elimine os cabos elétricos com fios expostos.
  • Mantenha produtos químicos fora do alcance, e use luvas durante o uso de produtos químicos.
  • Use protetor solar todos os dias, e evite a luz solar de pico.

Fique atento à queima de fogos de artifício na virada do ano

Segundo o Ministério da Saúde, um milhão de brasileiros sofre queimaduras todos os anos.

 Devemos cuidar o tempo todo, mas fogos de artifício e panelas com o cabo para fora do fogão, criam um perigo ainda maior para as crianças.

A Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ) conscientiza a população sobre a prevenção. Mas é importante saber como tratar as queimaduras, principalmente no primeiro momento.

Veja aqui uma lista de centros especializados em queimados pelo Brasil. 

Em 2017, veio a público a ideia inovadora de fazer um teste usando a pele do peixe tilápia como curativo, com a finalidade de acelerar a recuperação e minimizar a dor e as cicatrizes das queimaduras.

A expectativa dos especialistas é de que no período de um ano, no máximo, tudo esteja regulamentado junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, dessa forma, a produção passe a ser feita em larga escala, podendo até ser levada para outros países. A pesquisa é nacional e pioneira, e já está despertando interesse ao redor do mundo. Mas, o melhor ainda é a prevenção, principalmente, um cuidado maior com as crianças.

Eis algumas providências que devem ser tomadas em caso de pequenas queimaduras:

O que é

A queimadura é uma lesão da pele, causada por calor, substâncias químicas ou eletricidade. A maioria das queimaduras, de fato, ocorre em casa, e algumas vezes exige hospitalização.

Variando em profundidade e tamanho, as queimaduras são classificadas como de primeiro, segundo ou terceiro graus.

A maioria das queimaduras de sol, por exemplo, é considerada de primeiro grau porque envolve apenas a camada externa da pele, enquanto as de segundo grau atingem parte da camada cutânea subjacente.

As de terceiro grau, que afetam todas as camadas da pele, entretanto, causam danos aos músculos, ossos, nervos e vasos sanguíneos. São sempre uma emergência médica e exigem tratamento adequado, como enxerto cutâneo, para ajudar na recuperação e minimizar a fibrose.

Sintomas

Queimaduras de primeiro grau
Dor à palpação, vermelhidão por causa do sol, com possível inchaço. Conheça a melhor maneira de tratar as queimaduras solares.

Queimaduras de segundo grau
Dor, vermelhidão, bolhas. Inchaço leve a moderado.

Queimaduras de terceiro grau
Não há dor ou sangramento imediato porque os nervos foram lesados. Pele carbonizada ou pele preta, branca ou vermelha. Não há bolhas, mas existe grande inchaço.

Quando procurar o médico 

  • Se uma queimadura de primeiro grau atingir uma grande área ou for muito dolorosa.
  • Se houver uma queimadura de segundo grau em seu rosto ou nas suas mãos, ou se a queimadura atingir uma área igual ou superior a 5 cm.
  • Se houver uma queimadura de terceiro grau, química ou elétrica – vá a um hospital.
  • Se você tiver febre, vômito, calafrios ou inchaço das glândulas; se houver pus nas bolhas; ou se a queimadura tiver odor desagradável – esses podem ser sinais de infecção.
  • Se você tiver dúvida sobre a gravidade de uma queimadura.

Causas das queimaduras

As queimaduras são comumente causadas por água fervendo, óleo, gordura ou alimentos quentes, ou exposição excessiva ao sol. Fogo, vapor ou substâncias químicas podem resultar em lesões mais sérias.

As queimaduras elétricas, geralmente decorrentes de contato com fios defeituosos ou sem isolamento, podem ser enganosas: a lesão cutânea pode ser mínima, mas as lesões internas podem ser extensas.

Como os suplementos podem ajudar

O autotratamento é mais apropriado para queimaduras de primeiro grau e algumas queimaduras de segundo grau pequenas (queimaduras mais graves exigem cuidados médicos).

Antes de mais nada, para tratar, mergulhe a área queimada em água fria por cerca de 15 minutos (tenha cuidado para não romper nenhuma bolha) ou aplique compressas frias.

Após esfriar a queimadura, aplique gel de Aloe vera ou um curativo embebido em chá de camomila diretamente na área lesada para aliviar a dor e a reduzir o risco de inflamação, e diminuir a irritação da pele. A seguir, use creme de calêndula ou de hidraste, que combatem a infecção, sobre as áreas que estejam sem pele e cubra com um curativo leve.

Durante o processo de cicatrização, o corpo necessita de nutrientes adicionais. Estes devem ser tomados por uma ou duas semanas, até a queimadura cicatrizar.

Associadas, as plantas Centella asiatica (que estimula o crescimento do tecido conjuntivo na pele) e equinácea; as vitaminas A, C e E, bem como o mineral zinco, atuam juntos para reforçar a resposta imune, reparar a pele e os tecidos, e evitar fibrose.

  • Lembrete: Se você tem algum problema de saúde, converse com seu médico antes de tomar suplementos.

O que mais você pode fazer 

Lave suavemente as queimaduras todos os dias, utilizando sabão neutro e tendo cuidado para não romper nenhuma bolha; enxágue bem. Use curativos de gaze esterilizada para manter as queimaduras secas e protegidas da sujeira e das bactérias. Beba muito líquido enquanto sua pele estiver cicatrizando e evite expor a pele queimada a duchas quentes ou ao sol.

Fatos e dicas

Se você não tem Aloe vera (babosa) nem camomila à mão, experimente usar uma batata. Por exemplo, coloque várias fatias de batata crua sobre a pele afetada; troque-as várias vezes – a cada dois ou três minutos – antes de aplicar um curativo. O amido presente na batata forma uma camada protetora que pode ajudar a aliviar a queimadura.

Leia mais sobre Aloe vera em nossa matéria.

O leite também pode ser um remédio bastante eficaz nos primeiros socorros de queimaduras leves.

Isto é, embeba uma toalha felpuda de algodão ou um pedaço de flanela de algodão em leite e use como compressa por cerca de 15 minutos. Repita esse procedimento a cada 2 a 6 horas.

Além disso, certifique-se de enxaguar a pele entre as aplicações; o leite azedo pode começar a cheirar mal.

Você sabia?

A manteiga é um remédio popular e antigo usado em queimaduras – MAS NÃO A USE. Como outros óleos ou unguentos gordurosos, a manteiga retém calor, torna mais lenta a cicatrização e aumenta posteriormente o risco de infecção.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*