Como ajudar crianças a perder peso (com imagens)

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens)

Foto: Getty Images

  • O desejo e/ou a necessidade de perder peso fazem, atualmente, muitas pessoas buscarem constantemente informações e novidades sobre o “universo” da alimentação saudável, da prática de exercícios físicos e dicas em geral sobre emagrecimento.
  • E o tempo todo surgem “novidades” no mercado do emagrecimento: são produtos que prometem perda de peso rápida; alimentos que são “grandes aliados” da alimentação saudável, outros que são vistos como “vilões”; a “dieta da moda que fez diversos famosas perderem peso” e muito mais.
  • E, no meio de tanta informação, muita controvérsia, e até certa “desinformação”, não é de se estranhar que tantas pessoas se vejam, hoje, em dúvida sobre o que podem ou não comer; sobre a “melhor dieta” e/ou “produto ideal” que ajudará na perda de peso!
  • Por mais que pareça óbvio, muitas pessoas ainda não querem acreditar que “não existe milagre”, que a perda de peso saudável e definitiva é, na verdade, fruto da união de diversos fatores relacionados a uma real mudança de hábitos, além de muita disposição e foco.

Porém, o interesse crescente pelo assunto “emagrecimento” motivou (e ainda motiva) muitos cientistas a descobrirem estratégias que, de fato, são úteis na perda de peso. Não são “dicas milagrosas de como emagrecer”, mas, sim, fatos baseados em evidências. Neles é possível confiar e ter a certeza de melhores resultados!

1. Inclua ovos no café da manhã

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens)

Foto: Getty Images

Estudos mostraram que incluí-los no café da manhã pode ajudar você a consumir menos calorias nas próximas 36 horas, perder mais peso e gordura corporal.

Mas, se você não pode comer ovos por alguma razão, tudo bem, incluir outra fonte de proteína de qualidade no café da manhã também ajudará!

2. Beba água, especialmente antes das refeições

Beber água é essencial e fazer isso antes das refeições é ainda mais eficaz: de acordo com estudos, pode aumentar o metabolismo em 24% a 30% durante um período de uma hora a uma hora e meia, ajudando você a queimar mais calorias.

Outro estudo da Universidade Virginia Tech (Virginia, EUA) mostrou ainda que
beber meio litro de água cerca de meia hora antes das refeições ajudou as pessoas a consumirem menos calorias e perderem 44% mais peso.

Maria Luiza S. Moura, nutricionista funcional, comenta que o consumo adequado de água é essencial em uma dieta de emagrecimento.

“Além de fazer o organismo funcionar corretamente, já é fato que beber água ajuda as pessoas a comerem menos… Visto que, muitas vezes, a sensação de fome confunde-se com a de sede.

Por isso, lembro sempre meus pacientes de se manterem hidratados durante o dia todo, não devendo esperar que a sede venha para tomar água”.

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens) Veja também 10 alimentos que parecem saudáveis mas não são

3. Tome chá verde

Além de contar com um pouco de cafeína, o chá verde possui quantidade significativa de catequinas (poderosos antioxidantes), e ambos trabalham em sinergia aumentando a queima de gordura.

Maria Luiza destaca que o chá verde é um grande aliado para quem deseja perder peso. “Como todo chá, ele possui efeito diurético, o que jáé muito benéfico, mas o destaque fica para seu efeito termogênico. Lembrando que ele deve ser tomado sem adição de açúcar e de forma moderada, preferencialmente orientada por um nutricionista”, diz.

4. Beba café preto

O consumo de café foi muitas vezes criticado, mas, hoje, sabe-se que esta bebida oferece diversos benefícios para a saúde, especialmente por possuir quantidade significativa de antioxidantes.

Em relação ao emagrecimento, estudos mostraram que a cafeína contida no café pode aumentar o metabolismo em 3% a 11%, e estimular a queima de gordura em até 10% a 29%.

“Só não vale adicionar açúcar! O ideal é começar colocando um pouco de adoçante e, com o tempo, tentar tomá-lo puro. E também não deve ser consumido em excesso; costumo recomendar a meus clientes até três xícaras de café por dia, mas isso pode variar muito de pessoa para pessoa. O ideal é conversar sempre com seu nutricionista”, destaca Maria Luiza.

5. Corte o consumo de alimentos com açúcar adicionado

O açúcar adicionado nos mais variados tipos de alimentos industrializados é, hoje, um dos fatores mais preocupantes da alimentação moderna. A maioria das pessoas o consome em excesso, e o pior: muitas vezes sem nem saber que está consumindo.

Os riscos vão muito além do ganho de peso.

Vários estudos mostram que o consumo de
açúcar (e xarope de milho ) está associado a um maior risco de obesidade, doenças cardíacas, diabetes, entre outros problemas: Consumption of high-fructose corn syrup in beverages may play a role in the epidemic of obesity; Sugar-Sweetened Beverages, Weight Gain, and Incidence of Type 2 Diabetes in Young and Middle-Aged Women; Sweetened beverage consumption, incident coronary heart disease, and biomarkers of risk in men.

Por tudo isso, tanto para quem deseja perder peso, como para quem se preocupa com sua saúde, é muito importante estar atento aos rótulos dos alimentos – evitando ao máximo aqueles que contêm adição de açúcar.

“Muita gente se engana pensando que comprando, por exemplo, um suco de caixinha está ‘fazendo um bom negócio’, mas esse é um tipo de produto que contém muito açúcar adicionado, é péssimo para a saúde.

É preciso se atentar aos rótulos… Costumo dizer aos meus pacientes inclusive que, se não souberem do que se trata a maioria dos ingredientes mostrados no rótulo, é melhor nem comprar o produto!”, destaca Maria Luiza.

6. Cozinhe com óleo de coco

O óleo de coco é um grande aliado da saúde por ser rico em triglicerídeos de cadeia média, que são facilmente absorvidos e transformados em energia.

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens) Veja também 10 hábitos alimentares que aceleram o metabolismo

Alguns estudos mostraram que esse tipo de gordura pode aumentar o metabolismo em até 120 calorias por dia, auxiliando também na redução do apetite e fazendo com que você coma até 256 menos calorias diariamente: Twenty-four-hour energy expenditure and urinary catecholamines of humans consuming low-to-moderate amounts of medium-chain triglycerides: a dose-response study in a human respiratory chamber; Sweetened beverage consumption, incident coronary heart disease, and biomarkers of risk in men.

“O consumo de óleo de coco é superbenéfico à saúde e ele pode substituir outros óleos para cozinhar, já que não produz produtos tóxicos quando submetido a altas temperaturas. Porém, vale lembrar: ele não deve ser consumido em excesso, já que é uma gordura, por isso o ideal é sempre conversar com seu nutricionista e ver a melhor maneira de incluí-lo em sua dieta”, destaca Maria Luiza.

7. Evite os carboidratos refinados

O consumo excessivo deste tipo de alimento está fortemente associado à obesidade, já que ocasiona picos de açúcar no sangue, favorecendo o ganho de peso, e fazendo com que a pessoa sinta mais fome e tenha vontade novamente de comer mais e mais carboidrato (ocasionando um círculo vicioso).

Alguns estudos que já comprovaram os malefícios dos carboidratos refinados são: High Glycemic Index Foods, Overeating, and Obesity e High-glycemic Index Foods, Hunger, and Obesity: Is There a Connection?.

8. Use pratos menores

Parece até bobagem, mas uma pesquisa apontou que comer em pratos menores faz automaticamente a pessoa comer em menor quantidade. Não custa tentar, né?!

9. Aposte em uma dieta de baixo carboidrato

Vários estudos têm apontado os benefícios deste tipo de dieta, tanto para quem deseja emagrecer, como para a melhora da saúde em geral: A low-carbohydrate diet is more effective in reducing body weight than healthy eating in both diabetic and non-diabetic subjects; A Randomized Trial Comparing a Very Low Carbohydrate Diet and a Calorie-Restricted Low Fat Diet on Body Weight and Cardiovascular Risk Factors in Healthy Women; A Low-Carbohydrate as Compared with a Low-Fat Diet in Severe Obesity.

“As chamadas dietas low carb estão ‘na moda’, o que faz com que muitas pessoas a adotem de maneira equivocada, prejudicando a saúde. Mas, quando bem orientadas por um nutricionista, apresentam, sim, ótimos resultados no emagrecimento”, destaca a nutricionista Maria Luiza.

10. Tenha controle sobre o que come

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens)

Foto: Getty Images

Controlar as porções ou calorias consumidas ajuda quem deseja emagrecer, partindo da ideia óbvia de que, comendo menos, a perda de peso acontece.

Alguns estudos apontam ainda que fazer um diário anotando o que você come e/ou tirar fotos de suas refeições podem ajudar na perda de peso: Self-monitoring in weight loss: a systematic review of the literature; Think before you eat: photographic food diaries as intervention tools to change dietary decision making and attitudes.

“Muitas vezes as pessoas comem mesmo por impulso, repetem a refeição duas ou três vezes, sendo que, na verdade, com o primeiro prato já estariam saciadas… Isso acontece especialmente quando se gosta muito de determinada comida. Neste sentido, fotografar o prato antes de comê-lo ou, simplesmente, olhá-lo com atenção pode trazer mesmo uma consciência de que ‘ali está o suficiente’, de que é o suficiente para matar a fome”, comenta Maria Luiza.

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens) Veja também 10 ideias de lanches rápidos e saudáveis para o dia a dia

Leia também:  Como ajudar alguém a superar o vício em maconha

11. Inclua pimenta na dieta

Já se sabe que a pimenta caiena, por exemplo, entre outras pimentas, ajuda a acelerar o metabolismo, por conter capsaicina: Effects of capsaicin, green tea and CH-19 sweet pepper on appetite and energy intake in humans in negative and positive energy balance; The effects of hedonically acceptable red pepper doses on thermogenesis and appetite.

“A capsaicina é o ativo termogênico encontrado na pimenta, tornando este um alimento que, de fato, aumenta o metabolismo. Seu consumo é benéfico, mas deve ser orientado por um nutricionista, pois, em alguns casos, pode não ser bem aceito”, destaca a nutricionista.

12. Faça exercícios aeróbicos

Esta é uma medida essencial para se queimar mais calorias, além de melhorar a saúde como um todo. É ainda muito eficaz, inclusive, para diminuir a gordura que tende a se acumular em torno dos órgãos, podendo causar doença metabólica.

13. Faça musculação

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens)

Foto: Getty Images

Um dos efeitos colaterais de uma dieta de emagrecimento é a perda de massa muscular que, por consequência, gera uma desaceleração metabólica. Dessa maneira, fazer musculação, associada a exercícios aeróbicos, é muito importante e eficaz: Metabolic slowing with massive weight loss despite preservation of fat-free mass.

14. Inclua mais fibras na dieta

Estudos mostram que consumir fibras ajuda a aumentar a saciedade, fazendo com que a pessoa naturalmente coma menos ao longo do dia.

15. Coma mais vegetais e frutas

Estudo da Baylor College of Medicine (EUA) relaciona o consumo de frutas e vegetais à perda de peso. Esses alimentos são essenciais pois possuem poucas calorias e boa quantidade de fibras, além de serem supernutritivos no geral.

16. Mastigue devagar

Como menino de 12 anos transformou luta para emagrecer em inspiração para crianças com sobrepeso

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens) Image caption Harrison registra seu novo estilo de vida nas redes sociais | Crédito: BBC

Aos 12 anos, o britânico Harrison Wright se tornou fonte de inspiração para crianças de todo o mundo ao lutar contra o excesso de peso.

Tudo começou quando o menino passou a sofrer com os quilos extras.

Inicialmente, Wright percebeu que alguns de seus colegas de escola podiam correr mais rápido do que ele. Além disso, era sempre o último a ser escolhido nas brincadeiras. Por fim, foi alvo de insultos.

“Recebi uma carta da enfermaria da escola dizendo que estava obeso…Isso me deixou deprimido e triste”, lembra Wright à BBC.

Mas, com a ajuda de sua família, o menino decidiu que era hora de mudar seu estilo de vida.

Image caption Harrison combinou dieta e exercícios físicos para dar adeus a quilos extras | Crédito: BBC

“Não queria que outras crianças se sentissem como eu quando recebi essa carta. Sabia que teria de fazer algo”, conta.

Volta por cima

  • Ele e sua mãe buscaram ajuda na internet, mas havia muito pouca informação disponível voltada exclusivamente para crianças, como, por exemplo, dicas sobre como entrar em forma.
  • Wright decidiu, então, registrar sua rotina de emagrecimento nas redes sociais.
  • O objetivo era motivar a si mesmo e outras crianças.
  • Para isso, o menino abriu uma conta no Instagram, na qual compartilha até hoje imagens de alimentos saudáveis e rotinas de exercícios.
  • Depois, criou a página de internet “Harrison's Weight loss journey” (“A jornada da perda de peso de Harrison”, em tradução livre) que oferece conselhos a crianças sobre como entrar em forma e melhorar os hábitos alimentares.

Image caption Em sua página na internet, Harrison dá dicas sobre sobre rotina de exercícios e alimentação saudável | Crédito: BBC

Há vídeos, por exemplo, nos quais ele ensina como fazer exercícios em casa, compartilha sua rotina de treinamento e dá dicas de como comer de forma mais saudável.

“A página é basicamente um lugar para os jovens buscarem ideias e que tenta inspirá-los a perder peso, ir mais à academia e comer de forma mais saudável”, diz.

Inspiração

Harrison foi nomeado embaixador da enfermaria da escola. Além disso, dá palpites na qualidade da merenda junto a fornecedores.

Para o menino, contudo, o mais importante é poder “ajudar os outros”.

“Meninos do mundo todo entram em contato comigo. Das Américas, da Ásia…”, diz ele à BBC.

“Poder servir de inspiração me deixa muito feliz”, conclui.

Modelo emagrece 4 kg em 7 dias com dieta do café; veja cardápio

O café sempre foi uma bebida polêmica. Enquanto alguns estudos comprovam sua relação com insônia e problemas digestivos, outros mostram que ele ajuda a acelerar o metabolismo e agir contra a retenção de líquidos.

No intuito de perder alguns quilos, a modelo Fernanda Schonardie, que já estrelou alguns comerciais de cerveja, adere à dieta do café preto, principalmente quando precisa entrar em forma rapidamente para uma sessão de fotos.

Como Ajudar Crianças a Perder Peso (com Imagens)

De acordo com ela, uma xícara pequena de café sem açúcar antes das principais refeições ajuda a saciar a fome. “Estou sempre fazendo fotos para catálogos de beleza, moda e preciso estar sempre em forma.

Eu já gosto de café, sempre apreciei um bom cafezinho depois das refeições, mas depois que descobri os benefícios do café, me tornei uma adepta à dieta.

Quando preciso emagrecer rápido, consigo com a dieta emagrecer 4 kg em até 7 dias”.

Dona de um corpo curvilíneo, ela conta que a bebida também ajuda na digestão. “Tomo todo dia uma xícara de cafezinho antes das refeições, para liberar a endorfina da ansiedade. Como faço quatro refeições por dia, tomo quatro xícaras, junto com uma alimentação saudável”.

Ainda assim, Kelly Kathryn, nutricionista da clínica Copacabana e professora da Academia Balance, faz um alerta para quem pretende seguir a dieta.

Segundo ela, cardiopatas, hipertensos, pacientes que fazem acompanhamento psicológico e pessoas com anemia devem passar longe da dieta, já que a bebida impede a absorção de ferro no organismo. “O café é um estimulante que acelera o metabolismo, que está presente também em todos os termogênicos.

Ele deixa a pessoa mais acordada mentalmente. Por ser um diurético, tomar em grandes quantidades é muito perigoso e pode: aumentar a pressão, gerar taquicardia, ansiedade, nervosismo”, detalhou.

  • Confira ao cardápio seguido por Fernanda Schonardie
    Café da manhã 1 xícara de café preto 2 torradas com ricota  
  • Lanche da manhã 1
  • Lanche da manhã 2 1 xícara de café 15 minutos antes do almoço  
  • Almoço
  • 1 fruta de sobremesa
  • Lanche da tarde 1 1 barrinha de cereal ou um pedaço de queijo branco
  • Lanche da tarde 2 1 xícara de café 15 minutos antes do almoço  
  • Jantar
  • Ceia

1 fruta
Pequena porção de arroz Pequena porção de feijão Salada à vontade

1 filé de frango ou peixe grelhado Salada à vontade Suco natural   1 xícara de café preto <a data-cke-saved-href="http://saude.terra.com.br/infograficos/tipos-de-dieta/" href="http://saude.terra.com.br/infograficos/tipos-de-dieta/">Tipos de Dieta: Prós e contras das dietas</a>

Como ajudar uma criança com obesidade e sobrepeso

Ajudar uma criança com obesidade e sobrepeso requer abordagens que fogem do senso comum, veja como fazer

Ajudar uma criança com obesidade e sobrepeso requer algumas abordagens que fogem do senso comum. Atitudes como reforçar constantemente a necessidade de emagrecer o sentir vergonha do próprio corpo podem ser muito danosas.

De acordo com a psicóloga e diretora do Centro Rudd de Política Alimentar e Obesidade, Marlene Schwartz, é um erro tecer comentários negativos sobre o peso da criança. Não há evidências que isso funcione. “De fato, há evidências de que isso causa danos”, explica Marlene.

Estudos mostram que crianças sujeitas a provocações baseadas no peso acabam engordando mais do que outras. E outras táticas ainda menos duras também podem sair pela culatra. Como aconselhar seu filho a perder peso ou incentivá-lo a fazer uma dieta. Os médicos reforçam que essas medidas podem causar danos físicos e psicológicos duradouros.

Ainda assim, os pais podem ajudar as crianças com sobrepeso ou obesidade a comer mais saudavelmente, permanecer ativas e manter atitudes positivas sobre o corpo.

Como lidar com o sobrepeso e obesidade

Primeiro, não provoque e tente impedir as provocações dos outros. Os pais podem ir além disso, observando o que os parentes dizem aos filhos.

Segundo, promova uma auto-imagem positiva, ao invés de se concentrar no peso. Ajude seu filho a se sentir confortável em seu corpo, independentemente do tamanho.

Por exemplo, se você vai comprar roupas com seu filho, não faça comentários, como ‘Isso faz você parecer mais magro’ ou ‘Isso é muito apertado. Concentre-se em encontrar roupas com as quais a criança se sinta confortável.

E seja generoso com seus elogios quando encontrar uma roupa.

Terceiro, não coloque seu filho para fazer dietas restritivas. Ao invés disso, observe os hábitos alimentares da família. Todos devem comer saudavelmente sempre. Preferencialmente, todos na casa devem comer os mesmos alimentos. Sempre contendo frutas e vegetais.

+Leia também: Excesso de aparelhos eletrônicos contribui para a obesidade infantil

Comportamento saudável contra a obesidade

Também é importante estar ciente de que maioria dos pais internalizou a visão de uma cultura e atitudes negativas sobre forma e peso. Ou eles próprios têm vergonha de seus corpos ou estão preocupados com o fato de seus filhos serem estigmatizados. No entanto, os pais devem mostrar para seus filhos que existe uma variedade de tamanhos e tipos de corpos e não há problema nisso. 

Leia também:  Como aparentar ser sem emoções: 11 passos (com imagens)

Por fim, após os pais mudarem o foco sobre o tamanho do seu filho, recompense-o por um comportamento saudável. Desse modo, elogie seu filho por jogar futebol ou tomar um café da manhã nutritivo. No geral, é mais efetivo criar o ambiente mais saudável para toda a família.

Como ajudar seu filho a perder peso

  • WhatsApp
  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Linkedin
  • Copiar Link

Seu filho está precisando perder peso e você não sabe como ajudá-lo? Comece a entrar em forma junto com ele! Você já deve ter cansado de ouvir que os pais são os principais modelos dos filhos. Essa máxima também vale quando o assunto é alimentação. “A família tem que estar ao lado da criança para oferecer apoio e caminhar junto com ela. Alguns pais questionam por que vão mudar a sua alimentação e a dos outros filhos quando só um deles está obeso. Mas, se família toda come mal, todos precisam mudar, mesmo que não tenham problema de peso”, explica Claudia Lobo, nutricionista e autora do livro Comida de Criança (MG Editores).

Se o seu filho está com alguns quilinhos a mais, você vai precisar mudar os hábitos e a rotina da família toda, além de conversar com ele sobre o assunto – o que nem sempre é tão simples assim.

Um estudo norte-americano mostrou que, para alguns pais, é mais difícil falar de obesidade e sobrepeso do que sobre álcool e drogas com os filhos. “Não é uma tarefa fácil, mas só com o apoio e o incentivo dos pais é que as crianças conseguem melhorar sua saúde”, diz Claudia Lobo.

Para facilitar a sua vida, reunimos 8 dicas de como lidar com essa situação na sua casa:

Assuma a responsabilidade: “É comum receber no consultório pais que falam que a criança não coopera, não come o que eles compram e não querem fazer dieta. Ou seja, eles transferem para o filho uma responsabilidade que é deles, de fazer escolhas saudáveis e ter uma alimentação mais regrada”, afirma Claudia. É por isso que vocês precisam estar juntos nessa empreitada.

Aposte na autoestima do seu filho: crianças que estão acima do peso têm mais problemas sociais e sofrem mais bullying, de acordo com estudos. Aproveite para falar das coisas positivas, como o sorriso lindo que ele tem.

Comece com pequenos ajustes: A infância não é idade para se fazer regime, segundo os especialistas. Como as crianças estão em fase de crescimento e desenvolvimento, não podem deixar de receber os nutrientes e calorias necessários.

A ideia, então, é reorganizar a alimentaçã.

Ou seja, regular os horários, estipular dias específicos para comer as chamadas “bobagens” (por exemplo, doces e refrigerantes só aos finais de semana, ou duas vezes por semana) e diminuir a quantidade de alimento ingerida.

Aprecie a comida: Um estudo mostrou que, quando os pais comem vegetais e sorriem, as crianças ficam mais estimuladas a comê-los também. Quando estiverem almoçando juntos, por exemplo, elogie os alimentos saudáveis e faça cara de quem está gostando muito. Vale até dizer: “hummmm!”

Fale sobre o que ele vai comer a mais: Em vez de dizer que seu filho não vai poder comer isso e aquilo, mostre a enorme quantidade de alimentos novos (e saudáveis) que estarão à disposição dele.

Mostre que ele vai comer tudo o que comia antes, mas de um outro jeito, em horários e dias diferentes.

Inclua legumes, frutas e verduras que até então ele não conhecia e comece um trabalho para deixar esses alimentos em evidência, colocando os outros, menos saudáveis, em segundo plano.

Nunca fale que ele está gordinho: A criança sabe quando está acima do peso, principalmente se já vai à escola, porque percebe que é diferente dos colegas e pode até já ter ouvido alguma piadinha sobre seus quilos a mais. Em casa, puxe a conversa para o lado positivo e diga que vocês estão fazendo mudanças para cuidar da saúde, ter mais energia.

Proponha atividades físicas divertidas: Nada de obrigar seu filho a fazer um exercício só porque ele precisa perder peso. Opte por atividades mais lúdicas e que você possa fazer junto com ele.

“O ideal é que a criança se movimente 30 minutos por dia, e pode ser brincando, jogando bola, correndo, pulando corda, subindo e descendo escada, dançando na frente da televisão.

Tem que ser algo de que a criança goste e, de preferência, que os pais estejam presentes, nem que seja ao lado, incentivando a atividade”, conta Claudia Lobo.

Não proíba os doces e salgadinhos: Se ele vai à uma festa de criança, por exemplo, dê algo saudável para ele comer antes de saírem, sem falar nada sobre a restrição. Com o estômago cheio, ele vai ter menos apetite. Você também pode oferecer alternativas menos gordurosas, como os salgados assados no lugar dos fritos.

leia também

Seu filho está acima do peso? Veja dicas de especialistas para resolver o problema

Uma forte campanha para combater a obesidade entre crianças e adolescentes foi iniciada pelo governo em março deste ano. A iniciativa nasceu de dados que assustam: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 34,8% das crianças de 5 a 9 anos estão acima do peso.

Os dados comprovam o que muitos médicos veem diariamente: “O número de obesos na população infanto juvenil há tempos já supera os índices de desnutrição”, diz a endocrinologista Daniela Telo, especializada em obesidade pelo Hospital das Clínicas de São Paulo.

E o cenário deve se refletir nos números da obesidade entre adultos, já que se uma criança gorda é forte candidata a viver em guerra com a balança.

“Quanto mais cedo o excesso de peso se instalar, mais grave e difícil serão suas consequências e seu tratamento”, avalia a médica.

A endocrinologista acredita que existem vários motivos para o “boom” de excesso de peso, mas ressalta que os principais vilões são a grande oferta de alimentos industrializados com excesso de calorias, o enorme apelo desses produtos às crianças e o tempo à frente do computador e da televisão.

Além disso, estudos mostram que crianças de baixo peso ao nascer, prematuras, ou cujas mães sofreram doenças como o diabetes na gestação, estão propensas a ter obesidade na infância e na adolescência.

  • DESJEJUM– 1 xícara de leite semidesnatado com café com pouco açúcar- 1 minipão frances com requeijão- ½ papaya
  • LANCHE
  • ALMOÇO
  • LANCHE
  • JANTAR
  • CEIA
  • Fonte: Ana Paola Monegaglia Vidigal – nutricionista, diretora da Nutribalance Consultoria Nutricional e socia-proprietária da Papa Gourmet, congelados orgânicos para bebes e crianças

– 1 iogurte desnatado com 2 colheres (sopa) de granola- salada de alface, tomate, pepino temperado com 1 colher (sobremesa) azeite extra virgem, limão e sal (pouco)- 3 colheres sopa de carne moída com mandioquinha picada- 2 colheres (sopa) de arroz integral- 2 colheres (sopa) de feijão- 2 colheres (sopa) de cenoura refogada- 1 fatia media de melão- 2 torradas com geleia sem açúcar- 1 copo de suco natural- salada de rúcula e beterraba temperada com 1 colher (sobremesa) azeite extra virgem, limão e sal (pouco)- 1 filé de peixe assado com ervas- 1 xíc de chá de macarrão com molho de tomate- 1 cacho pequeno de uva- 1 copo (200 ml) de leite semidesnatado

Outro fator que pode interferir é a genética. Se os pais são magros, a probabilidade de o filho ter excesso de peso fica entre 10% a 15%. Mas se a mãe ou pai é obeso, o risco sobre para 50%.

E se ambos são obesos, a probabilidade é de 80%.

Os dados são do livro “Nova Dieta de Pontos para Crianças e Adolescentes”, escrito pelo endocrinologista Alfredo Halpern, com a ajuda de duas nutricionistas, Mônica Beyruti e Ana Paola Monegaglia Vidigal.

O médico, que também é professor do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo), adaptou a sua dieta de pontos para crianças acima de 7 anos e adolescentes.

“A minha experiência de cuidados com obesidade infantil mostra que uma das maiores alegrias é encontrar pessoas adultas que já foram crianças e adolescentes gordinhos e que hoje vivem com o peso normal”, afirma Halpern.

Para ele, são pessoas que conseguiram mudar seu estilo de vida e, por isso, terão menos doenças.

O papel dos pais

Se entender que é preciso mudar hábitos já é complicado para adultos, imagine para crianças. Justificar a necessidade de perder peso pelas consequências à saúde em geral é pouco efetivo para esse público. “Vale a pena apelar aos bons hábitos ou exemplos, como irmão mais velho, pai, bons jogadores ou pessoas que a criança admira. Temos de evitar comparações negativas”, afirma Telo.

A coautora do livro da dieta dos pontos e diretora da Nutribalance Consultoria Nutricional, Ana Paola Monegaglia Vidigal, acredita que a maior dificuldade é envolver os pais.

“Eles são fundamentais para adesão e cumprimento das orientações que são passadas a criança. Eles fazem as compras e vão elaborar as refeições”, afirma a nutricionista.

“É fundamental a participação de todos no processo, para que o resultado seja positivo”, acrescenta.

Leia também:  Como amar seu cônjuge novamente (com imagens)

A nutricionista Alessandra Rodrigues, mestre em ciência da saúde pela Faculdade de Medicina da USP e especialista em nutrição clínica pelo Ganep, concorda que a dificuldade está na rotina que os pais colocam em casa: “A falta de regras, uma dispensa e geladeira recheadas de bombas calóricas são tentações. Os pais devem entender a necessidade para poder tratar os filhos”. Como as crianças aprendem com adultos, se os hábitos dos pais são pouco saudáveis, provavelmente a criança vai aprender a se alimentar da mesma maneira.

Para Telo, além da família, também é preciso haver participação de um grupo de profissionais e até da escola.

“A fórmula mais eficaz de sucesso no envolvimento de todos se faz por uma equipe multidisciplinar, com endocrinologista ou pediatra, nutricionista e psicólogo infantil.

Uma equipe alinhada vai conseguir montar estratégias consistentes e eficientes para uma nova rotina e isso vai trazer segurança para todos”, descreve.

Dicas dos especialistas

Os adultos da família podem ajudar de diversas formas: comprar alimentos mais saudáveis, preparar refeições leves, estimular a participação em algum esporte e, se possível, unir-se às crianças na prática de atividade física nos fins de semana. “Ainda que haja um irmão/irmã que é magrinho (a), os pais devem comer e ter em casa alimentos mais saudáveis, que façam parte do novo cardápio”, aconselha Rodrigues.

A criatividade também é bem-vinda: “crie opções interessantes, como um cachorro quente magro – com pão francês integral mini e salsicha de aves, ou uma pipoca light”, ensina a nutricionista.

“Assim como os adultos, as crianças comem com os olhos, por isso decore o prato de uma maneira alegre. Varie as preparações, como utilizar abobrinha ralada no arroz em vez de refogá-la, fazer um suflê de brocólis ou espinafre batido com arroz para ser assado em forma de bolinho”, sugere Rodrigues.

Os pais devem ficar atentos também para as famosas “trocas”. “Nunca tente recompensar a criança, dizendo que se comer tudo que está no prato vai ganhar sobremesa. O correto é estimular durante a semana uma alimentação equilibrada e deixar as guloseimas para o final de semana”, complementa.

“Nas dietas para crianças e adolescentes, costumamos liberar guloseimas de uma a duas vezes por semana. A dieta não pode ter a conotação de proibição. Dentro de uma reeducação alimentar, todos alimentos devem ser incluídos, um com mais cautela que o outro, mas jamais proibido. A dieta dos pontos permite isso, dentro do limite de pontos para cada um”, afirma Vidigal.

O que pode dar errado com app que os Vigilantes do Peso lançaram para crianças

Quando saíram as notícias de que os Vigilantes do Peso lançariam nos Estados Unidos um novo app de nutrição de perda de peso chamado Kurbo, Whitney Fisch – assistente social, conselheira de escola e mãe de três – sentiu-se obrigada a expressar seu descontentamento na internet.

“Vocês TÊM. Que. Parar. Com. Isso”, escreveu ela no Facebook. “Todos os corpos, especialmente os em crescimento + desenvolvimento, merecem o respeito e a possibilidade de crescer e atingir a forma que terão”. Ela disse que estava escrevendo “com a fúria de 1.000 sóis”.

Fisch não foi a única mãe ou pai a se manifestar sobre o aplicativo, lançando em meados de agosto para americanos A empresa comprou o Kurbo em 2018 e passou um ano fazendo mudanças e criando o que a revista Time chamou de “interface inspirada no Snapchat”.

Os Vigilantes do Peso afirmam que o Kurbo é “um programa de mudança de comportamento cientificamente comprovado, pensado para ajudar crianças e adolescentes entre 8 e 17 anos a atingir um peso mais saudável”. O app seria baseado no Programa de Controle de Peso Pediátrico da Universidade de Stanford.

Mas muitos pais e defensores da positividade corporal o consideram pura e simplesmente perigoso.

“É uma PÉSSIMA ideia”, escreveu num email para o HuffPost Kristy, mãe de uma menina de 11 anos que está se recuperando de anorexia e que estava exagerando na academia. (Ela pediu que apenas seu primeiro nome fosse usado para proteger a privacidade da filha.)

Apesar de não ter experiência direta com o app, Kristy diz que tecnologias que supostamente promovem comportamentos “saudáveis” podem resultar no contrário, se a criança tem problemas com sua imagem. Sua filha contava obsessivamente as calorias gastas durante o dia, com a ajuda de um aparelho. “Eu ficava chocada com o jeito que ela usava o aparelho”, diz Kristy.

O Kurbo usa o que os Vigilantes do Peso chamam de sistema do semáforo: as crianças podem comer à vontade os alimentos “sinal verde” (frutas, legumes e verduras), prestar atenção às porções das comidas “sinal amarelo” (como proteínas magras, grãos integrais e leite e derivados) e reduzir o consumo de alimentos “sinal vermelho” (como bebidas com adição de açúcar e doces em geral).

O aplicativo é gratuito, mas a empresa também oferece planos de assinatura para sessões individuais com especialistas em nutrição, exercícios e saúde mental.

A empresa não tem um sistema de credenciamento desses profissionais, mas eles passam por um treinamento mínimo de seis a oito horas, bem como três horas e meia de aulas suplementares, afirmou um porta-voz dos Vigilantes do Peso.

E, seguindo a estratégia de reposicionamento como uma companhia focada em “bem estar”, não puramente em emagrecimento, o app também incentiva as crianças a acompanhar atividades físicas e exercícios de respiração.

“Não se trata de um app para perder peso”, diz ao HuffPost Gary Foster, cientista-chefe da empresa. “É um app que ensina os básicos de uma dieta saudável de forma parecida com um jogo.”

“Acho que as pessoas podem achar que estamos dizendo: ’Todas as crianças têm de perder peso, você não está OK assim”, acrescenta Foster.

“Mas o que estamos dizendo para as crianças que querem atingir um peso mais saudável – crianças e famílias – é que essa é uma maneira razoável e sensata de fazê-lo.

” Atingir um “peso mais saudável” é muito diferente para crianças e adultos, afirma ele, porque as crianças estão sempre crescendo.

Mas especialistas em transtornos alimentares afirmam que pode haver uma desconexão entre os objetivos da empresa e os resultados finais.

“Embora a intenção do app seja promover saúde e bem-estar, existe o risco de que ele possa fazer mais mal que bem”, diz Kathryn Argento, nutricionista do The Renfrew Center, uma rede nacional de centros de tratamento de transtornos alimentares para meninas e mulheres.

“Mirar em crianças de 8 anos e pedir que elas prestem atenção em seus corpos pode levar a uma preocupação intensa com comida, tamanho, forma e peso.” Existem evidências de que a ansiedade com a imagem corporal pode começar aos 3 anos de idade.

“Por mais que eles tentem se apresentar como uma empresa de bem-estar, o negócio dos Vigilantes do Peso é perda de peso. As crianças são muito mais inteligentes que achamos, e toda criança que entrou num programa de emagrecimento sabe exatamente o que seus pais estão tentando fazer.”

Ao mesmo tempo, especialistas em saúde pública afirmam que a obesidade infantil é muito preocupante. Segundo estimativas, aproximadamente uma criança americana a cada cinco é obesa, o que pode aumentar o risco de complicações de saúde imediatas, como diabetes tipo 2, bem como problemas de longo prazo, como doenças cardiovasculares.

Mas organizações ligadas à saúde pública e pediatras ressaltam que essa questão é complexa, e existem dúvidas reais a respeito da eficácia de planos de perda de peso para crianças.

“As evidências sugerem que esse tipo de ferramenta pode ser um complemento útil para a administração do peso, mas há poucos estudos pediátricos que confirmem que eles levem a ‘mudanças significativas em suas trajetórias de peso’”, afirma Ihuoma Eneli, diretora do Centro para Peso e Nutrição Saudáveis do Nationwide Children’s Hospital. Ela afirma também que não há clareza sobre a adesão das crianças a esse tipo de programa, apontando para um pequeno estudo piloto do aplicativo que mostrou conformidade relativamente baixa.

Apesar de vender as características “holísticas” da abordagem do Kurbo, muitos pais acreditam que a única mensagem que as crianças vão ouvir é que tem algo de errado com elas e é preciso fazer mudanças.

As “histórias de sucesso” do site do Kurbo destacam os quilos perdidos pelas crianças, não quantos minutos elas meditam por dia.

É difícil esquecer as décadas de história dos Vigilantes do Peso como um método de emagrecimento.

“Não tem como as crianças não perceberem que o app existe para ajudá-las a perder peso”, diz Ginny Jones, que criou um site dedicado a combater transtornos alimentares entre as crianças.

“Por mais que eles tentem se apresentar como uma empresa de bem-estar, o negócio dos Vigilantes do Peso é perda de peso.

As crianças são muito mais inteligentes que achamos, e toda criança ‘grande’ que entrou num programa de emagrecimento sabe exatamente o que seus pais estão tentando fazer.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*