Como a viar a pressao dos seios paranasais (com imagens)

X

Este artigo foi escrito em parceria com Ronn Callada, RN, MS. Ronn Callada é um Enfermeiro no Memorial Sloan Kettering Cancer Center em Nova Iorque. Ronn também é professor adjunto na New York University na área de enfermagem. Formou-se na Stony Brook University School of Nursing em 2013.

Há 47 referências neste artigo. Você pode encontrá-las ao final da página.

  1. 1

    Utilize um spray nasal salino para liberar a passagem de muco e hidratar as passagens nasais. Siga as instruções de uso e seja paciente: os primeiros usos podem ser úteis, mas você precisará continuar com o tratamento para experimentar todos os benefícios.[2]

  2. 2

    Consiga um lota nasal. Esse dispositivo, que se parece com um pequeno bule, libera as passagens nasais, removendo o muco e outras substâncias irritantes.

    Utilizando o lota, coloque água destilada ou salina em uma narina e permita que o líquido seja drenado pela outra narina.

    Desse modo, você remove todos os germes e substâncias irritantes, criando um efeito hidratante e relaxante nos seios paranasais. Esses dispositivos podem ser encontrados em farmácias.[3]

  3. 3

    Tome descongestionantes orais. Se você sofre de hipertensão, glaucoma ou diabetes, converse com um médico antes de tomar medicamentos de venda livre. Por mais que esses produtos sejam úteis, eles não funcionam com todo mundo.

    • Os descongestionantes orais contêm fenilefrina e pseudoefedrina como ingredientes ativos. Seus efeitos colaterais mais comuns incluem tontura, nervosismo, sensação de taquicardia, problemas de sono e elevações leves na pressão arterial.[4]
    • Os descongestionantes orais funcionam comprimindo os vasos sanguíneos nas passagens nasais, desinchando os tecidos. Como o fluxo de muco fica melhor, a pressão é diminuída e a respiração é facilitada.[5]
    • Os produtos que contém pseudoefedrina podem ser comprados sem prescrição, mas, devido à preocupações quanto ao uso inadequado, são mantidos atrás do balcão.[6]
    • Para evitar o uso ilegal da pseudoefedrina, é possível que você precise se identificar e registrar a compra do medicamento.[7]
  4. 4

    Utilize um spray nasal medicado. Os descongestionantes em sprays ou gotas também podem ser comprados sem receita, mas devem ser administrados com cautela. Utilizá-los por mais de três dias pode fazer com que seu organismo se adapte aos ingredientes ativos.[8]

    • Se o organismo se adapta aos medicamentos e você interrompe o tratamento, o problema retorna, muitas vezes pior. Limite o uso do medicamento a no máximo três dias para prevenir isso. [9]
  5. 5

    Tome anti-histamínicos orais caso a pressão seja causada por alergias. A pressão causada por alergias é conhecida como sinusite e seus sintomas podem ser aliviados com o consumo de anti-histamínicos de venda livre como Claritin e Zyrtec. [10]

  6. 6

    Tome analgésicos de venda livre. Alguns medicamentos como ibuprofeno, acetaminofeno e naproxeno podem reduzir o desconforto causado pela pressão nos seios paranasais, além de reduzir a inflamação das vias aéreas.[11]

    • As dores de cabeça e na boca, sintomas comuns da pressão dos seios paranasais, também podem ser aliviadas com o uso de analgésicos.[12]
  1. 1

    Aplique uma compressa quente no rosto. Coloque uma toalha úmida e quente contra o rosto para aliviar a pressão e melhorar o fluxo de muco e ar.[13]

    • Alterne entre compressas quentes e frias. Estique uma toalha quente sobre os seios paranasais por três minutos, substitua-a por uma toalha úmida fria por meio minuto e retorne para a toalha quente. Repita as trocas acima por três vezes e o procedimento inteiro quatro vezes ao dia.[14]
  2. 2

    Beba bastante líquido. O consumo de fluídos evita que o muco engrosse e bloqueie os seios paranasais. Um copo quente de chá ou sopa pode aliviar a congestão e a pressão, além de combater o ressecamento causado pelos descongestionantes.[15]

  3. 3

    Coma alimentos apimentados. Algumas pessoas consideram as comidas apimentadas ótimos remédios para reduzir o desconforto associado à pressão nos seios paranasais.[16]

  4. 4

    Informe-se sobre o uso da bromelina e da quercetina com um médico. A bromelina é uma enzima derivada do abacaxi, enquanto a quercetina é um pigmento vegetal.

    Essas substâncias podem ajudar a aliviar o inchaço, a inflamação e os outros sintomas da sinusite.

    Como elas podem interagir com determinados medicamentos, você deve consultar um médico antes de iniciar qualquer tratamento de ervas para garantir sua segurança.[17]

    • A bromelina pode aumentar os riscos de hemorragias e não deve ser tomada por pessoas que utilizam medicamentos anticoagulantes.
    • As bromelinas podem causar queda na pressão arterial quando combinadas com IECAs.
    • A quercetina pode interagir com alguns medicamentos, incluindo os antibióticos.
  5. 5

    Informe-se sobre medicamentos de ervas.[18] Diversos estudos alegam que o uso de fórmulas que contenham ervas como sabugueiro, azedinha, primavera, verbena e gentiana reduz significativamente os sintomas da sinusite.[19][20][21] Discuta o assunto com um médico e peça indicações de tratamentos adequados para você.

  6. 6

    Durma escorado. Descanse o suficiente em uma posição que permita que você respire. Deite de lado se isso abrir suas passagens nasais. Algumas pessoas sentem melhoras ao dormirem apoiadas e [22]

  7. 7

    Aplique pressão em áreas específicas do rosto. Pressionar as áreas localizadas acima dos seios paranasais pode proporcionar um alívio temporário.[23]

    • Os pontos de pressão incluem os lados das narinas, a ponte nasal, a região entre os olhos, ao redor das sobrancelhas, debaixo das bochechas e entre os lábios e o nariz. Pressione cuidadosamente, massageie ou dê pequenas batidas nessas regiões para aliviar um pouco a pressão.[24]
  8. 8

    Evite seus gatilhos. A sinusite pode ser desencadeada por diversas coisas, desde o cloro encontrado em piscinas ao acúmulo de poeira em travesseiros. Lave as roupas de cama constantemente com água quente para diminuir a quantidade de irritantes presentes no seu sono.[25]

    • Alguns alimentos, como os laticínios, são constantemente associados ao acúmulo de muco e à pressão dos seios paranasais. Outros alimentos que causam problemas incluem o arroz branco, as massas e o pão branco. Nem todas as pessoas são afetadas negativamente por esses alimentos, portanto, tente identificar aqueles que o prejudicam. [26]
    • Evite o álcool durante as crises de pressão. O consumo de bebidas alcoólicas pode piorar o inchaço das passagens paranasais.[27]
  1. 1

    Mantenha o ar úmido para hidratar as passagens nasais e facilitar a movimentação do muco. Respirar ar muito seco pode engrossar o muco e irritar os seios paranasais, o que aumenta a pressão.[28]

  2. 2

    Utilize um umidificador. Esses dispositivos podem ser encontrados em diferentes tamanhos e com diferentes opções, sendo que os mais básicos possuem configurações quentes ou frias.

    Escolha o modelo que melhor se adeque às suas necessidades e ao seu orçamento.

    O aumento da umidade do ar ajuda a tratar e prevenir o ressecamento nasal que pode levar à congestão e à pressão dos seios.[29]

    • Os umidificadores com configurações frias normalmente contêm filtros que precisam ser limpos ou substituídos de tempos em tempos para o controle do crescimento de fungos. Muitos modelos produzem umidade para uma casa inteira, sendo ótimas opções para quem tem crianças.[30]
    • Os umidificadores com configurações quentes possuem aquecedores que criam vapor, matando bactérias e fungos no processo.[31]
  3. 3

    Ferva um pouco d'água. Coloque uma panela com água no fogo e deixe-a ferver. Esse é um ótimo modo de se adicionar umidade ao ar, mas que requer atenção e cuidado. Não ignore as medidas de segurança para evitar danos e possíveis ferimentos.[32]

  4. 4

    Inspire a umidade da água quente. Coloque uma toalha sobre sua cabeça e posicione-se sobre a água fervente. Inspire o ar quente e úmido para aliviar a pressão dos seios paranasais e umedecê-los. Por existirem riscos de ferimentos, experimente outros métodos primeiro e seja cauteloso.[33][34]

  5. 5

    Coloque um pouco de água perto de uma fonte de calor. Coloque um recipiente que pode ser aquecido próximo de um aquecedor para evaporar a água e adicionar umidade ao ar. Não é necessário colocar o recipiente sobre a fonte de calor, basta posicioná-lo próximo o suficiente dela para que a água seja evaporada.[35]

    • Considere utilizar uma toalha úmida como fonte de calor, colocando-a sobre um aquecedor. Com o calor, a toalha começará a secar e aumentará a umidade do ar. Tome cuidado para não bloquear a saída do aquecedor e causar acidentes.[36]
  6. 6

    Abra o chuveiro com água quente. Feche a porta do box, do banheiro e dos cômodos próximos por cinco minutos enquanto a água quente corre. Desligue o chuveiro e abra as portas para liberar o vapor e aumentar a umidade do ar na casa. Essa pode não ser a melhor opção para quem vive em regiões com racionamento de água.[37]

  7. 7

    Seque suas roupas dentro de casa. Considere instalar um varal retrátil dentro de casa para secar as roupas e aumentar a umidade do ar. Entre lavagens, pendure toalhas úmidas no varal.[38]

  8. 8

    Borrife sprays d'água em cortinas. Após umedecer os tecidos, abra as janelas e permita que o ar externo misture a umidade ao ar interno. Tome cuidado para não danificar o tecido e evite abrir as janelas se a causa do problema de pressão for o pólen ou algum outro irritante externo.[39]

  9. 9

    Compre uma planta. A Sociedade Geológica dos Estados Unidos recomenda que as pessoas cultivem plantas em casa para aumentar a umidade do ar. Quando a planta é regada, a umidade é transferida da raiz para os ramos e poros das folhas, o que aumenta a umidade do ambiente.[40]

  10. 10

    Espalhe fontes de água pela casa. Até mesmo tigelas simples com água fresca podem adicionar umidade ao ar do ambiente, principalmente se colocadas próximas de fontes de calor.

    Decore os recipientes com flores artificiais ou bolas de gude para incorporá-los à decoração do ambiente.

    Tome cuidado apenas com a água parada em ambientes abertos para evitar a proliferação de dengue: troque a água dos recipientes e limpe-os com frequência.[41]

    • Compre um aquário ou uma fonte para aumentar a umidade do ambiente. Além disso, esses itens podem criar uma atmosfera relaxante ou complementar a decoração da casa. Não esqueça que manter esses acessórios custa dinheiro.[42]
  1. 1

    Se os sintomas durarem mais de uma semana, piorarem ou você apresentar febre, procure um médico. A pressão, a congestão, a dor e a febre são indicadores de que você desenvolveu uma infecção nos seios paranasais.[43]

    • Quando os seios ficam congestionados, os mucos e as bactérias produzidos ficam presos, o que pode causar uma infecção caso a congestão dure muito tempo ou tenha sido causada por uma gripe.[44]
  2. 2

    Tome antibióticos seguindo as instruções do médico. Caso você receba uma prescrição de antibióticos, tome-os de acordo com a bula e o médico pelo tempo que for necessário. Não interrompa o tratamento quando começar a sentir-se melhor, pois as bactérias podem sobreviver nas passagens nasais.[45]

  3. 3

    Aprenda a diferenciar entre a dor dos seios paranasais e a enxaqueca. O desconforto causado pela sinusite é muito parecido com as dores de cabeça causadas pelas enxaquecas. Alguns estudos revelaram que praticamente 90% das pessoas que procuram ajuda médica por conta da sinusite sofrem na verdade de enxaqueca.[46]

    • Converse com um médico caso você: apresente dores de cabeça por mais de 15 dias ao mês, tome analgésicos para controlar dores de cabeça com frequência, não sinta melhora com medicamentos de venda livre ou se o problema estiver interferindo com sua vida diária. Esses normalmente são sinais de aviso da enxaqueca.[47]
  • Evite cercar-se de pessoas que fumam. A fumaça do cigarro pode irritar e ressecar mais as passagens dos seios paranasais.
  • Não utilize descongestionantes nasais por mais de três dias para evitar que seu organismo se adapte ao medicamento e o problema piore.
  • Não hesite em visitar um médico se o problema não melhorar. É possível que você precise de antibióticos para recuperar a infecção, ou outro problema pior, que está causando a pressão.
  • Não beba álcool quando apresentar a pressão, pois ele pode ressecar os seios e causar inflamações.
Leia também:  Como ajustar, inclinar e girar a tela do windows

Este artigo foi escrito em parceria com Ronn Callada, RN, MS. Ronn Callada é um Enfermeiro no Memorial Sloan Kettering Cancer Center em Nova Iorque. Ronn também é professor adjunto na New York University na área de enfermagem. Formou-se na Stony Brook University School of Nursing em 2013.

Categorias: Saúde Respiratória

  • Imprimir
  • Agradecer aos autores

Esta página foi acessada 51 741 vezes.

Previna a sinusite e as infecções dos seios da face

Os seios da face são oito cavidades sob a pele e os ossos do rosto.

Sua função ainda é um mistério, mas têm uma falha estrutural grave e bem conhecida: o edema e a consequente obstrução das minúsculas aberturas de drenagem dos seios aprisionam o muco, que, além de provocar pressão e dor, serve de abrigo para a proliferação de vírus e bactérias.

Aliás, evite a próxima infecção, precavendo-se contra gripes e resfriados e tratando ou prevenindo as crises de alergia respiratória, como mostra nossa outra matéria. Siga estes cuidados para aliviar a congestão e facilitar a drenagem.

Causas
O edema nasal e dos seios da face causa congestão, e o muco retido pode se tornar um meio propício para a proliferação de vírus e bactérias.

Sintomas
Pressão e dor na altura das bochechas, atrás dos olhos (não raro unilateral), na maxila ou nos dentes maxilares; secreção nasal verde, amarela ou marrom; febre acima de 38,3°C; cansaço extremo; diminuição do paladar ou do olfato, tosse provocada por gotejamento pós-nasal e mau hálito recente ou incomum. Leia mais sobre sintomas e como tratar da sinusite em nosso outro artigo.

Estratégias de prevenção

1 Lave com solução salina

Durante milhares de anos, as pessoas lavaram os seios da face com água salgada ou água do mar para evitar problemas. Hoje, essa é uma prática recomendada pela ciência.

Os pesquisadores do Hospital Real de Otorrinolaringologia, na Inglaterra, reavaliaram oito estudos e concluíram que a lavagem diária com solução salina reduzia em até 72% o risco de infecções crônicas dos seios da face. A lavagem também pode evitar que um resfriado se transforme em sinusite.

(Os especialistas aconselham a usar primeiramente um descongestionante para reduzir o edema e facilitar a drenagem do líquido.)

Você pode comprar um utensílio próprio chamado lota – semelhante a um regador bem pequeno – em lojas de produtos naturais, ou usar um aspirador nasal para lavar as narinas com água salgada.

Misture ¼ de colher (chá) de sal de cozinha e ¼ de colher (chá) de bicarbonato de sódio em 250 mL de água morna. Sobre uma pia, incline a cabeça para o lado e despeje lentamente a solução na narina voltada para cima.

Relaxe e respire pela boca enquanto o líquido sai pela outra narina. Cuspa a solução que chegar à boca. Repita até usar toda a solução.

2 Dilua o muco

O muco retido nos seios da face durante um resfriado, uma gripe ou uma crise alérgica é um meio propício à proliferação de vírus e bactérias.

Beba, no mínimo, seis a oito copos de água, chá ou outro líquido sem resíduos, por dia, para diluir o muco e facilitar a drenagem.

Se preferir, faça uma inalação de vapor durante 10 minutos: sobre um recipiente com água quente, incline a cabeça coberta por uma toalha para reter o vapor. Você também pode tomar uma ducha quente ou aproveitar a sauna a vapor da academia.

Se o ar na sua casa ou no escritório for muito seco, use um umidificador ou vaporizador. Mas não se esqueça de limpá-lo regularmente, seguindo as orientações do fabricante.

3 Aqueça os seios da face

Quando a pressão nos seios da face aumenta, uma xícara de chá quente e/ou uma toalhinha aquecida acima das bochechas alivia. O calor também estimula a atividade dos cílios, pelos microscópicos existentes nos seios da face.

Eles normalmente movimentam-se para a frente e para trás com uma frequência de 700 batimentos/minuto para mover o muco. Durante um resfriado ou uma gripe, os movimentos tornam-se mais lentos e caem para cerca de 300 por minuto.

Portanto, o calor parece ajudá-los a manter o ritmo.

4 Modere o uso de descongestionantes nasais

Esses medicamentos causam a constrição dos vasos sanguíneos nasais, aliviando o edema e desobstruindo as fossas nasais. No início de um resfriado ou gripe, o uso de um descongestionante facilita a drenagem.

Mas essa continuidade pode provocar consequências negativas e até “congestão de rebote” ao fim do efeito de cada dose.

Nosso conselho: nunca use uma solução nasal descongestionante por mais de três dias, e use com moderação os comprimidos descongestionantes; eles podem causar o espessamento do muco.

5 Em caso de infecção aguda grave ou crônica, procure o médico

Se você tiver dor no rosto ou na mandíbula e/ou febre acima de 38,3°C com congestão dos seios da face, procure o médico. Talvez seja preciso tomar um antibiótico.

6 Pergunte sobre medicamentos preventivos

Se você teve vários episódios de congestão dos seios da face ou sinusite em um ano, ou se seus resfriados ou crises alérgicas tendem a se transformar em infecções dos seios da face, pode ser conveniente o tratamento com antibióticos ou o uso de soluções nasais de corticoide, que permitem a drenagem sem os efeitos colaterais dos descongestionantes tópicos.

7 Cuidado! Não assoe o nariz com força!

Segundo especialistas, assoar o nariz com força desencadeia uma “congestão nasal reflexa” – reação natural que ocorre quando você espirra. Aumentando, dessa forma, o fluxo sanguíneo e causando edema dos tecidos nasais.

Ou seja, ela cumpre um propósito: evitar que elementos nocivos voltem a entrar no nariz ou que ascendam por ele. Mas assoar o nariz com muita força também causa essa reação. Resultado: o nariz fica ainda mais congestionado.

A melhor maneira de manter as fossas nasais desobstruídas é assoar o nariz com delicadeza.

O que há de novo para a prevenção da sinusite

Inegavelmente, a inalação de antibióticos por nebulizador pode ser útil se a cirurgia dos seios de face e outros tratamentos não tiverem resolvido o problema crônico.

De fato, em um estudo realizado pela Universidade de Stanford, do qual participaram 42 pessoas com infecções repetidas dos seios da face, 76% tiveram grande melhora depois da nebulização com antibióticos por três semanas.

Posteriormente, não tiveram outra infecção por 17 semanas, em média. Enquanto, antes do tratamento, essas pessoas tinham infecção recorrente, aproximadamente a cada seis semanas.

Leia mais sobre como prevenir resfriados aqui.

SINUSITE – Sintomas, causas, complicações e tratamento –

Sinusite, ou sinusopatia, é o nome que se damos à inflamação dos seios paranasais, também conhecidos como seios da face.

A sinusite pode ser resultado de infecções virais, bacterianas ou fúngicas, alergias ou problemas do sistema imunológico, incluindo as doenças autoimunes.

A sinusite habitualmente vem acompanhada de rinite, que é a inflamação da cavidade nasal, provocando um quadro chamado rinossinusite. Na maioria dos casos, a rinossinusite é provocada por vírus respiratórios, tais como rinovírus, vírus influenza e vírus parainfluenza.

O que são os seios paranasais?

Os seios paranasais, também chamados de seios nasais ou seios da face, são cavidades cheias de ar dentro dos ossos do crânio e da face, que comunicam-se com a cavidade nasal.

São quatro o número de seios paranasais, a saber:

  • Seio frontal.
  • Seio etmoidal.
  • Seio esfenoidal.
  • Seio maxilar.

Os seios da face são estruturas anatômicas importantes, pois desempenham as seguintes funções:

  • Umidificação e aquecimento do ar respirado pelo nariz.
  • Aumento da ressonância da voz.
  • Equilíbrio das pressões intracranianas quando há variações na pressão atmosférica (mergulhos, viagens de avião ou subidas a grandes altitudes).
  • Secreção de muco para proteção das vias aéreas superiores.
  • Absorção de impacto em casos de trauma (materiais ocos absorvem mais impacto do que materiais maciços).

Os seios paranasais são bilaterais e simétricos, ligam-se à cavidade nasal por pequenos orifícios por onde é drenado o muco produzido.

Quadros de alergia ou gripe, por exemplo, causam edema da mucosa nasal e aumento das secreções, obstruindo facilmente a drenagem dos seios da face. A impossibilidade de escoar o muco produzido leva à congestão dos seios e, consequentemente, à sinusite.

Tipos

A sinusite pode acometer qualquer um dos 4 seios paranasais, podendo ser bilateral ou unilateral.

Leia também:  Como alterar suas configurações de recuperação de conta no aol mail

A sinusopatia por ser classificada em:

  • Sinusite aguda: quando os sintomas duram menos de 4 semanas.
  • Sinusite subaguda: quando os sintomas duram entre 4 e 12 semanas
  • Sinusite crônica: quando os sintomas duram mais que 12 semanas.
  • Sinusite recorrente: quando há 4 ou mais episódios de sinusite durante o ano.

A imensa maioria das sinusites agudas são de origem viral ou alérgica, mas não é incomum que elas transformem-se em sinusite bacteriana.

Ocorre que a obstrução e a estase do muco nos seios da face favorecem a proliferação de bactérias que vivem silenciosamente nas vias respiratórias. O paciente, portanto, pode ter um quadro inicial de sinusite alérgica ou viral que após alguns dias pode se transformar em uma sinusite bacteriana.

As sinusites bacterianas que não são completamente curadas podem progredir para o quadro de sinusite crônica.

Sintomas

Os principais sintomas da sinusite aguda são:

  • Congestão nasal.
  • Corrimento nasal purulento (coriza amarelada).
  • Dor de cabeça.
  • Dor na face.
  • Dor na arcada dentária superior.
  • Dor em volta dos olhos.
  • Sensação de pressão quando se abaixa a cabeça.
  • Ouvidos entupidos,
  • Tosse (principalmente noturna).
  • Diminuição do paladar e do olfato.

É comum a presença de dor quando fazemos pressão com os dedos sobre os seios nasais, principalmente nos seios frontais e maxilares, que são os mais superficiais.

A maioria dos casos de sinusite viral ou alérgica melhora espontaneamente dentro de 10 dias. Sinusites bacterianas leves também podem ser autolimitadas, mas nos casos mais sintomáticos, com febre alta e coriza purulenta, a cura geralmente só vem com tratamento antibiótico.

Sinusite bacteriana

Quando há contaminação da sinusite por bactérias é comum surgir febre.

Porém, como a gripe pode desencadear sinusopatia e também cursar com febre, nem sempre é fácil fazer a distinção entre uma sinusite viral e uma sinusite bacteriana.

Como já foi salientado, a sinusopatia pode começar como uma infecção viral ou um quadro alérgico e depois de alguns dias se transformar em sinusite bacteriana.

Em muitos casos não é possível distinguir uma sinusite viral de uma sinusite bacteriana nos primeiros 10 dias de doença.

A existência de uma rinossinusite bacteriana aguda deve ser suspeitada em pacientes com qualquer uma das seguintes características:

  1. Sinais ou sintomas de sinusite aguda com duração de 10 ou mais dias sem melhora clínica.
  2. Início do quadro já com sintomas mais graves, como febre maior que 39ºC e descarga nasal purulenta, com duração de pelo menos três dias consecutivos.
  3. Quadro de sinusopatia aguda que melhora após poucos dias, mas subitamente volta a piorar, surgindo febre, dor na face e coriza purulenta.

Complicações

Como os seios da face apresentam íntima relação com órgãos nobres, como olhos, ouvidos e cérebro, a sinusite bacteriana pode levar a complicações graves.

É importante procurar atendimento médico sempre que houver os seguintes sinais de complicação listados abaixo:

  • Febre acima de 39ºC.
  • Edema ou vermelhidão na face.
  • Edema e vermelhidão em volta dos olhos.
  • Visão dupla ou qualquer outra alteração visual.
  • Confusão mental.
  • Dor de cabeça muito intensa.
  • Rigidez de nuca.
  • Prostração intensa.

A sinusite bacteriana, apesar de apresentar uma taxa de mortalidade baixa, é uma infecção que não deve ser negligenciada, principalmente quando existem os sinais descritos acima.

Entre as suas possíveis complicações podemos citar a infecção dos olhos, meningite, abscesso cerebral, infecção dos ossos da face, otite e labirintite.

Diagnóstico

O diagnóstico da sinusite quase sempre é clínico, obtido através da história e do exame físico.

Se o médico que estiver atendendo for um otorrinolaringologista, ele pode fazer uma rinoscopia (endoscopia nasal) para tentar visualizar diretamente os seios paranasais e confirmar a suspeita clínica.

Radiografia dos seios da face

Em caso de dúvida, pode-se lançar mão de exames de imagem. A radiografia dos seios da face, muito usada antigamente, não é mais considerada um bom exame, pois a sua sensibilidade é baixa.

Quando o resultado é positivo, como na foto abaixo, que mostra uma sinusopatia do seio maxilar esquerdo, o diagnóstico pode ser confirmado. O problema é que se a radiografia for normal, não dá para descartar a existência da sinusite, pois o exame não consegue detectar até 40% dos casos.

Tomografia computadorizada dos seios da face

O exame de imagem mais utilizado atualmente é a tomografia computadorizada (TC). Compare as imagens abaixo de duas tomografias computadorizadas dos seios da face e veja como a qualidade das imagens é muito superior.

A TC da direita está normal e os seios paranasais estão preenchidos apenas com ar (imagem preta). À esquerda, podemos ver uma TC de seios da face evidenciando sinusopatia bilateral, mais evidente no seio maxilar direito, que está completamente tomado por líquido (imagem cinzenta).

As imagens fornecidas pela TC são muito mais bem definidas. Ao contrário do que ocorre na radiografia simples dos seios da face, uma tomografia computadorizada com resultado normal é capaz de excluir o diagnóstico de sinusite.

Tratamento

A maioria dos casos de sinusite aguda melhora espontaneamente em 7 a 10 dias. O tratamento, portanto, é basicamente sintomático. Mesmo as sinusites bacterianas costumam ter bom prognóstico, pois as complicações são pouco comuns.

Para o tratamento das sinusopatia agudas não bacterianas estão indicados a lavagem da cavidade nasal com solução salina (soro fisiológico) e aplicação de corticoides nasais em spray. Compressas mornas sobre o rosto podem trazer alívio, e ingestão vigorosa de líquidos ajuda a diluir as secreções.

Durante as crises é importante evitar contato com fumaça de cigarro, pois este é um importante fator de irritação das vias aéreas. Além da fumaça é importante tentar identificar outros estímulos que possam ser irritantes para as vias aéreas, como frio ou produtor químicos de odor forte.

Fora essas orientações, nada mais é muito eficaz. Ao contrário do que a maioria das pessoa pensa, não é necessário se encher de remédios para tratar uma sinusite.

Descongestionantes nasais

Os descongestionantes nasais são geralmente usados em excesso e desnecessariamente.

Quando necessário, indica-se o seu uso por no máximo 3 dias, uma vez que estas drogas estão associadas a recaídas, provocadas por congestão nasal de rebote.

O paciente usa o descongestionante, apresenta alívio temporário dos sintomas, mas quando o suspende, a congestão nasal retorna rapidamente, criando-se assim um ciclo vicioso.

Anti-histamínicos

O uso de anti-histamínicos (antialérgicos), apesar de ser muito prescrito, não apresenta evidências de benefícios na sinusite. Se não há um processo alérgico por trás, é pouco provável que essa classe de remédios traga algum benefício.

Antibióticos

Os antibióticos só devem ser usados quando há evidências de sinusite bacteriana. Os mais usados são amoxacilina com ácido clavulânico, Bactrim®, levofloxacino, moxifloxacino, claritromicina ou azitromicina.

Deve-se ter cuidado para não usar antibiótico indiscriminadamente para que não haja seleção de bactérias resistentes. Se a sinusopatia não tiver características de origem bacteriana, não há motivos para usar antibióticos.

Sinusite crônica

A sinusite crônica é aquela que permanece por mais de 12 semanas consecutivas apesar do tratamento.

A forma crônica está muito associado à presença de desvio de septo nasal e/ou pólipos nasais. Os dois propiciam a cronicidade por causarem obstrução da comunicação entre os seios paranasais e as vias nasais.

Outras causas de infecção crônica são a sinusite por fungos, doença do refluxo gastroesofágico, alergia respiratória recorrente, HIV, asma e fibrose cística.

Enquanto a sinusite aguda costuma resolver-se sozinha em alguns dias, a sinusite crônica é uma inflamação mais difícil de ser controlada, devendo ser sempre avaliada por um otorrinolaringologista. Apesar de ser de difícil cura, ela pode ser controlada com tratamento adequado.

Referências

Sinusite: o fim desse mal

Respire fundo. No inverno o nariz sofre — e como sofre! Casacos guardados durante meses finalmente saem do armário, o ar está mais seco e a poeira voa livre, leve e solta por todos os cantos.

Para piorar, a gente tenta esquentar o corpo se amontoando em locais fechados, um prato cheio para a proliferação de vírus e bactérias.

Assim, está armado o circo para que as doenças respiratórias promovam seu show.

Nesta época, gripes e resfriados dão o ar da graça e a rinite ataca, deixando as vias aéreas expostas a toda sorte de inflamações.

Aí, basta um micro-organismo mais esperto aproveitar a brecha e pronto: instala-se a sinusite — ou rinossinusite, como preferem os especialistas.

“É muito raro ocorrer a sinusite sem uma rinite”, justifica Antônio Douglas Menon, otorrinolaringologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Quem já enfrentou o problema conhece os sintomas: a cabeça fica pesada e o rosto parece que vai explodir. Sem falar naquela secreção esverdeada que sai do nariz. Mas a doença às vezes dá sinais menos óbvios.

“Rouquidão e tontura também podem ser indícios”, exemplifica o otorrinolaringologista Fernando Chami, do Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa, em São Paulo.

Até dor de dente a sinusite, como ainda é popularmente conhecida, pode provocar.

Sinuplastia

Felizmente, a ciência tem trabalhado para desenvolver novas soluções para dar fim a esse sufoco.

A equipe do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, na capital paulista, trouxe ao Brasil uma cirurgia criada nos Estados Unidos, parecida com o procedimento usado para desentupir artérias do peito: a sinuplastia com balão.

“É mais uma ferramenta para combater a rinossinusite”, acredita o otorrinolaringologista João Flávio Nogueira. Menos agressiva do que a cirurgia tradicional, ela seria recomendada para crianças, idosos ou aqueles que não podem se expor a sangramentos, por exemplo.

Continua após a publicidade

“É importante frisar que a nova técnica não é a solução para todos os problemas”, pondera João Flávio Nogueira. Ou seja: embora a sinuplastia apresente bons resultados – os pacientes que fizeram o teste passam muitíssimo bem -, o método requer indicações precisas, e nem sempre é a melhor escolha.

A cirurgia tradicional, que como a nova operação também é guiada por videoendoscopia, continua cumprindo eficientemente o papel de desobstruir os seios paranasais – para isso, os tecidos que estão bloqueando as cavidades são cortados e removidos. “Hoje, ela melhora a qualidade de vida dos pacientes em cerca de 85% dos casos crônicos”, aponta Renato Roithman, presidente da Academia Brasileira de Rinologia.

A intervenção cirúrgica só entra em cena em casos graves ou quando todas as possibilidades de tratamento clínico falham.

Leia também:  Como armazenar maçãs: 13 passos (com imagens)

As causas

Antes disso, é preciso identificar o que está por trás da sinusite. O quadro infeccioso pode ser desencadeado tanto por vírus como por bactérias ou fungos. “O tratamento varia de acordo com a origem do problema”, diz Francini Pádua, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial.

Continua após a publicidade

Já para afastar uma sinusite alérgica – mais essa! -, não adianta lançar mão de remédios se o paciente continuar exposto aos fatores que causam a alergia. No outono e no inverno, detectar a causa fica um pouco mais simples.

“Por volta de 95% dos casos de sinusite bacteriana acontecem depois de uma gripe”, contabiliza Francini. Sabe quando ela não vai embora por completo? O nariz continua travado, escorrendo e o mal-estar não passa.

O incômodo pode sumir sozinho, mas, se os sintomas perdurarem por mais de dez dias, é sinal de que uma bactéria entrou na jogada. O melhor, nessa situação, é correr para o médico.

É sinusite?

“O diagnóstico é eminentemente clínico”, afirma Luci Hidal, otorrinolaringologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

No próprio consultório, o especialista analisa o histórico do paciente e realiza a rinoscopia, exame visual feito com o auxílio de um instrumento com formato de tubo, o espéculo.

“É necessário checar o aspecto do nariz, do ouvido e da garganta”, explica o otorrinolaringologista Luciano Neves, da Universidade Federal de São Paulo.

Uma análise mais detalhada é possível graças à nasofibroscopia — no caso, uma fibra ótica é introduzida no nariz e registra em vídeo o seu percurso pela cavidade nasal.

“Os raios X simples também podem ajudar, mas não são essenciais”, diz Neves.

Dos exames de imagem, o mais pedido é a tomografia da face – ele é mais preciso, mas costuma ser solicitado sobretudo quando há suspeita de que seja um caso cirúrgico.

Pessoas com alergia ou asmáticos, por exemplo, estão na lista negra da sinusite. “Doenças alérgicas normalmente causam congestão da mucosa nasal e dos seios da face”, constata Renato Roithman. “Isso prejudica a ventilação e propicia a instalação do processo infeccioso”, acrescenta.

Continua após a publicidade

Aí, forma-se um círculo vicioso: a alergia predispõe à sinusite, que, por sua vez, piora a alergia. O cigarro — precisa falar? — deixa a situação ainda mais crítica. Assim como a poluição, que irrita pra valer as vias aéreas. Claro que não só quem vive em grandes metrópoles está sujeito a esse infortúnio, mas ele agrava o quadro.

O bom e velho vapor

Se o seu nariz é um sofredor, saiba que a antiga recomendação de inspirar por alguns minutos o vapor produzido por um banho quente já dá uma boa aliviada nos sintomas.

“Os vasos se contraem e facilitam a passagem do ar”, explica Luciano Neves. Além do efeito sauna, não dispense a inalação e a lavagem do nariz com soro.

Assim, a secreção fica mais fluida e tende a sair com maior facilidade.

E o melhor: não há contraindicação. “Sempre que a pessoa sentir desconforto, pode inalar vapor ou lavar o nariz”, libera Francini Pádua. Evitar ambientes com ar condicionado e beber bastante líquido — a hidratação é uma aliada nessas horas — também são de grande valia.

Atenção ao tratamento

Mas muita atenção aos descongestionantes. “Esse tipo de medicamento gera dependência”, alerta Neves. Como podem provocar taquicardia, não são recomendados a grávidas, crianças e idosos, por exemplo.

E repare: os médicos não prescrevem seu uso por mais de cinco dias. “Na verdade, não existe medicamento isento de efeitos adversos. Por isso, a orientação de um profissional é indispensável”, conclui Roithman.

Continua após a publicidade

E para cada caso há um remédio.

Não importa se são anti-inflamatórios, antibióticos ou spray de corticoide, todos ajudam a desentupir a rota do ar, mas, batendo na mesma tecla, sempre, sob orientação de um especialista.

“O tratamento pode levar meses”, avisa Fernando Chami. Portanto, para quem está tentando mandar a sinusite para longe de uma vez por todas, aqui vai um conselho: respire fundo.

  • Alergias
  • Prevenção e Tratamento
  • Temporada de Inverno

Remédio caseiro para sinusite – 12 opções para aliviar sintomas – Hora 7 – R7 Segredos do Mundo

Aquela dor entre os olhos e, até mesmo, uma certa pressão na cabeça, provavelmente pode ser sinusite. O problema de saúde causa a inflamação dos seios paranasais, que engloba os olhos, as maçãs do rosto e a testa. Apesar disso, você pode usar algum remédio caseiro para sinusite e amenizar os sintomas.

Independente se é aguda ou crônica, a sinusite requer tratamentos e, muitas vezes, podem estar relacionados com simples hábitos. Na forma aguda surge inesperadamente e pode ter curta duração. Apesar disso, no caso crônico pode se estender por períodos longos.

Congestionamento na mucosa nasal provocada pela sinusite

Contudo, alguns casos contribuem para o desenvolvimento da sinusite. Problemas como alergia respiratória, tabagismo ou exposição à gases tóxicos e poeira. Entre outros exemplos estão: gripe, redução de imunidade, infecção por bactérias, desvio de septo nasal, asma, fungos e etc.

Com relação aos sintomas pode-se destacar: irritação na garganta, tosse, redução do olfato, dores de cabeça, cansaço, dores musculares e congestão nasal. Contudo, em alguns casos também pode haver sangramento do nariz, febre e perda de apetite.

Remédio caseiro para sinusite – 12 opções

1 – Limpeza nasal com água morna e sal

Ao misturar água morna e sal, cria-se uma composição efetiva para a limpeza das vias aéreas. Além disso, a solução tem efeito hidratante e descongestionante.

O ideal é dissolver 1 colher de sal em um copo d’água e, logo após, inserir o líquido no nariz com o auxílio de uma seringa, por exemplo. Com essa opção, será possível extrair a secreção que provoca o congestionamento nasal.

Por fim, você tem um ótimo remédio caseiro para sinusite.

Solução caseira: água morna + sal 2 – Soro fisiológico

Algumas gotas de soro fisiológico pode ser um aliado na limpeza nasal, já que é capaz de obstruir a sujeira e as secreções. Com isso, é mais fácil assoar o nariz para eliminar a congestão.

Solução de soro fisiológico que pode encontrar em qualquer farmácia 3 – Cloreto de magnésio

Similar a solução salina, o magnésio de cloreto atua como o soro fisiológico promovendo a limpeza e descongestionamento nasal.

Uma das únicas indicações do cloreto de magnésio é para sinusite 4 – Inalação com cebola

Se é para o tratamento de sinusite, a cebola não serve apenas para tempero e é uma opção. Todavia, as suas propriedades antivirais e antibacterianas ajuda no alívio dos sintomas da sinusite. Lembre-se que não é uma cura, mas ameniza o quadro.

A cebola atua da obstrução do congestionamento nasal 5 – Suco de espinafre

Não é só o Popeye que usufrui dos benefícios do espinafre. quem tem sinusite também. A verdura possui propriedades anti-inflamatórias e também atua na eliminação de secreção. No entanto, é uma alternativa para o alívio dos sintomas.

Suco de espinafre é anti-inflamatório 6 – Chá de camomila

Por ser antisséptica, anti-inflamatória, cicatrizante e analgésica, a camomila é uma opção para combater inflamação mucosa e da gargante, além também de amenizar a congestão nasal.

Camomila: opção de chá caseiro 7 – Refeições mornas

Duas opções simples de refeições para desobstruir as vias aéreas são as sopas e caldos. Ou seja, ambos conseguem atenuar a dor e irritação nasal.

Refeições mornas são aliados no alívio de dores 8 – Água, sal e eucalipto

Com ação expectorante o eucalipto entra na lista sendo usado por meio da nebulização, ou seja, será necessário inalar o vapor. Desta forma, ao adicionar água e sal o efeito do descongestionamento nasal pode ser potencializado.

Inalação de eucalipto mergulhado em água para sinusite 9 – Umidifique o ar

Para umidificar o ar há dois métodos: primeiro, usando o aparelho específico e, segundo, colocando água morna em algum recipiente para ser colocado nos ambientes. Basicamente, essa alternativa evita que o local fique seco e mantém hidratada as vias aéreas.

Aparelho é capaz de manter o ambiente mais úmido 10 – Vapor de ervas

Folhas e flores de camomila ou eucalipto também funciona como remédio caseiro para sinusite. Para isso, use um recipiente e adicione água quente e, depois junte as ervas. A inalação do vapor dessa solução ajuda contra a congestão nasal. Contudo, pode-se usar um pano quente e úmido sobre o rosto que ajudará na respiração.

Mistura de flores e plantas amenizam a sinusite 11 – Beba mais água

Hidratar o corpo tem vários benefícios e, portanto, auxilia no tratamento da sinusite já que hidrata a mucosa nasal. Sendo assim, chás sem açúcar também podem ter o mesmo efeito.

Ingerir, principalmente, água mantém o corpo hidratado 12 – Descanso

Por fim, o repouso é um aliado contra a potencialização dos sintomas. Ademais, evitar esforços físicos e noites mal dormidas ajudam o corpo a se recuperar do cansaço. Entretanto, isso não significa que não possa fazer nenhum movimento. Nesse caso, é importante manter caminhadas leves, por exemplo, em locais arejados. Contudo, em caso de alergia, observe o ambiente.

O corpo precisa de descanso para se fortalecer contra a sinusite

  • Você gostou de algum remédio caseiro para sinusite indicado nesse artigo? Então veja sobre Dor de garganta: 10 remédios caseiros para curar sua garganta
  • Fontes: Guia da Farmácia Minha Vida Tua Saúde
  • Imagens: Women’s Helth InfoMoney Mercado Bom Sucesso Alto Astral Greenme O Fala Veja Saúde Fala Universidades Clinmage Blossom Santa Apolonia Kitano Suino São Joaquim Online Salute
  • Essa matéria Remédio caseiro para sinusite – 12 opções para aliviar sintomas foi criada pelo site Segredos do Mundo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*