Como bater a bola por baixo das pernas no basquete

    – Quatro períodos de 10 minutos cada (12 minutos na NBA);
    – Intervalo de 2 minutos entre 1º e 2º períodos;
    – Intervalo de 15 minutos entre 2º e 3º períodos;
    – Intervalo de 2 minutos entre 3º e 4º períodos;
    – Em caso de empate após os quatro períodos, uma prorrogação de 5 minutos é disputada. Caso o jogo permaneça empatado, são disputados tantos períodos de 5 minutos quanto necessários para que haja o desempate e um time saia vitorioso;
    – O relógio para quando houver uma falta, a bola sair de quadra, um time fizer uma cesta ou um técnico solicitar um tempo (timeout), e só volta a correr quando a bola é reposta em jogo.

JOGADORES

    – Em quadra: 5 por equipe
    – Reservas: 7 por equipe
    – Substituições: ilimitadas. Realizadas quando a bola está “morta” (dead ball), ou seja, quando o jogo é interrompido por falta, pela saída da bola da quadra ou pelo tempo (timeout) solicitado pelo técnico.

QUADRA DE BASQUETE

Como Bater a Bola por baixo das Pernas no Basquete

OBJETIVO

    O objetivo do basquete é marcar pontos através de cestas, isto é, arremessar a bola de forma que ela passe por dentro do aro. Entretanto, nem sempre quem faz mais cestas vence o jogo, já que algumas jogadas atribuem mais pontos que outras. Basicamente, existem três tipos de pontuação:
    – Lance livre: fruto de uma falta cometida pelos adversários, um lance livre é como um pênalti no futebol. A equipe que sofreu a falta realiza um arremesso sem interferência dos oponentes. O arremessador deve, obrigatoriamente, ser o mesmo jogador que sofreu a falta. O lance livre deve ser realizado atrás de uma linha, chamada de “foul line”, que fica a uma distância de 5,8 metros da linha de fundo e 4,6 metros da tabela.
    Se o último lance livre de uma sequência não for convertido, jogadores de ambos os times podem disputar o rebote pela posse de bola.
    Cada lance livre convertido equivale a um ponto para o time.
  • – Cesta de dois pontos: com a partida em andamento, qualquer arremesso que seja realizado dentro da área dividida pela “linha de três pontos” e se torne uma cesta equivale a dois pontos para o time.
  • – Cesta de três pontos: com a partida em andamento, qualquer arremesso que seja realizado atrás da “linha de três pontos” e se torne uma cesta equivale a três pontos para o time.

ÍNICIO DE JOGO

    – A partida inicia com a bola ao ar. O árbitro fica no centro da quadra e a lança para o alto. Um jogador de cada equipe é eleito para fazer a disputa, buscando dar um toque ou tapa na bola, a fim de que ela caia em posse de um companheiro de time;
    – Para o 2º e 3º períodos, a bola inicia na linha de fundo defensiva e em posse da equipe que não venceu a disputa pela bola no começo da partida;
    – Para o 4º período, a bola inicia na linha de fundo defensiva e em posse da equipe que venceu a disputa pela bola no começa da partida;
    – Assim, cada equipe inicia dois períodos em posse da bola.

BOLA FORA E REPOSIÇÃO

    A bola é considerada fora de jogo nas seguintes situações:
    – Encosta o chão fora dos limites da quadra;
    – Um jogador em posse dela pisa fora dos limites da quadra. Mesmo que a bola tenha ultrapassado a linha de fundo ou lateral de forma aérea, não será considerada fora de jogo se o jogador estiver com os dois pés dentro da quadra;
    (Nos dois casos acima, a posse vai para o time oposto ao qual encostou na bola por último. A reposição é feita de acordo com a linha a qual a bola saiu de quadra).
    – Quando um time faz uma cesta ou converte o último lance livre de uma sequência, a bola fica em posse do adversário. Ela deve ser reposta pela linha de fundo defensiva;
    – Quando uma falta ocorre, a bola é reposta pela linha lateral mais próxima ou é cobrado um lance livre (veja mais detalhes adiante, em “Faltas”);
    – Quando dois adversários ficam simultaneamente com a posse de bola, é considerada “bola presa”. O juiz declara o time que terá a posse e ela será resposta na linha lateral mais próxima. Caso volte a se repetir, a posse será dada à outra equipe.

INFRAÇÕES DO RELÓGIO

    Para garantir maior dinamicidade às partidas, algumas regras do basquete que envolvem tempo de posse de bola são aplicadas:

    1. – Regra dos 3 segundos: um jogador não pode ficar na área restrita do garrafão sem a posse de bola por mais de 3 segundos;
    2. – Regra dos 5 segundos: um jogador em posse de bola que esteja sendo marcado por um adversário não pode segurar a bola por mais de 5 segundos consecutivos sem tentar realizar um drible ou passar a bola;
    3. – Regra dos 8 segundos: um time que estiver com a posse de bola em sua metade defensiva da quadra tem 8 segundos para avançar até a metade ofensiva;

    – Regra dos 24 segundos: um time que estiver em posse de bola tem até 24 segundos para arremessar a bola em direção à cesta. Se o cronômetro zerar enquanto a bola estiver no ar, a jogada permanece válida. Se o ataque ficar com o rebote ofensivo, ele volta a ter 24 segundos para construir outra jogada, desde que a bola tenha batido no aro na tentativa anterior de arremesso.
    Em todos os casos, se o jogador/equipe ultrapassar o limite máximo de segundos, perderá a posse de bola e o adversário ganhará a reposição na linha lateral mais próxima.

FALTAS

    Assim como em outros esportes coletivos, existem regras do basquete que aplicam faltas durante o andamento da partida. Elas podem receber diferentes classificações:
    Faltas defensivas: – Bloqueio irregular: quando um adversário faz o movimento do arremesso em direção à cesta, seu braço não pode ser tocado. Se o jogador da defesa tocá-lo, será considerada falta em forma de lances livres, com valor equivalente aos pontos que envolvem a jogada. Ou seja, se o jogador tentou um arremesso de dois pontos e sofreu a falta, ele receberá dois lances livres. Se tentou um arremesso de três pontos, receberá três lances livres.
    Caso o jogador, mesmo sofrendo a falta, acerte a cesta, seu time receberá os pontos correspondentes e ainda terá um lance livre como “bônus”. Assim, se ele tenta um arremesso de três pontos, sofre a falta durante o movimento, ainda assim acerta a cesta e converte o lance livre adicional, sua equipe fará quatro pontos numa única jogada.
    – Bloqueio na descendente: quando se faz um arremesso em direção à cesta e a bola, após atingir o ápice da parábola, começa a fazer o movimento descendente (“caindo”), o jogador da defesa não pode tocá-la. Caso ele encoste na mesma, será considerada uma cesta automática e o time que arremessou ganhará os pontos correspondentes (2 ou 3 dependendo de onde foi feito o lançamento).
    – Falta comum: contato físico exagerado, utilizado para desequilibrar o oponente. O time que sofre a falta repõe a bola na linha lateral mais próxima.
    A cada período, a partir da 5ª falta defensiva comum e/ou bloqueio irregular, a defesa dá ao adversário o direito a dois lances livres automaticamente.

    • Na NBA, em conjunto com esta regra, outra também é aplicada: mesmo que um time não tenha atingido esse número de faltas, da 2ª falta em diante nos dois últimos minutos de cada período, o adversário recebe dois lances livres automaticamente.
    • OBS: Quando um jogador atinge cinco faltas pessoais durante o mesmo jogo, ele é excluído da partida e deve ser substituído por um de seus companheiros que esteja no banco de reservas.
    • Faltas ofensivas: – Charging: um jogador que esteja em posse da bola e parta para cima do adversário, causando contato exagerado com o mesmo, pode ser creditado com uma falta;
    • – Andada: um jogador em posse da bola não pode caminhar segurando a mesma em suas mãos. Da mesma forma, ele não pode retirar os dois pés do chão simultaneamente, simulando um arremesso e “pousar” com a posse da bola;
    • – Carregada: um jogador em posse da bola não pode, enquanto dribla, repousá-la em uma de suas mãos e continuar correndo;

    – Drible duplo: após receber um passe, o jogador pode segurar a bola com as duas mãos, conduzi-la (“quicando” no chão) e segurá-la novamente com as duas mãos. Caso ele volte a conduzi-la, será creditado com uma falta de “drible duplo”. Da mesma forma, ele não pode dar dois tapas ou toques na bola enquanto a conduz antes que ele toque uma vez no chão.

    Todas as faltas dão a posse de bola ao time adversário, que deve fazer a reposição na linha lateral mais próxima. O acúmulo de faltas ofensivas não causa exclusão do jogador da partida, bem como elas não se tornam lances livres.

    Falta técnica:
    Uma falta técnica é atribuída quando ocorre conduta antidesportiva, como xingamentos, provocações, faltas violentas e envolvimento em brigas.

    Pode ser creditada contra um jogador em quadra, reservas e até comissão técnica.

    Existem variações nas ligas, porém a FIBA sugere que o acúmulo de duas faltas técnicas no mesmo jogo resulte na exclusão do jogador/técnico que causá-la.

    Quando uma falta técnica ocorre, o time adversário recebe automaticamente o direito a dois lances livres, podendo escolher o jogador responsável pelos arremessos.

    Falta flagrante:
    Uma falta flagrante é uma variação da técnica, atribuída quando ocorre violência excessiva, que coloque em risco a integridade física do atleta agredido.

    O árbitro classifica este tipo de violação como gravidade 1 ou 2.

    O jogador é expulso da partida se acumular duas flagrantes de gravidade 1 ou excluído automaticamente se cometer uma flagrante de gravidade 2.

    O time adversário recebe o direito a dois lances livres, sem direito ao rebote. Após os ambos serem realizados, a equipe permanece com a posse de bola no meio da quadra e pode armar outro ataque.

POSIÇÕES DOS JOGADORES

    – Armador ou Point Guard (1): responsável por organizar as jogadas no ataque. São jogadores ágeis e que buscam ler a defesa adversária, com o objetivo de encontrar um companheiro de equipe em boa condição para realizar o arremesso. Muitas vezes são os atletas de menor estatura do time.
    – Ala-armador ou Shooting Guard (2): geralmente são os jogadores que mais marcam pontos em suas equipes (“cestinhas”). Atuam ao redor da linha dos três pontos, por isso devem ser bons arremessadores de longa distância. Além da responsabilidade de marcar pontos, auxilia o armador na construção das jogadas.
    – Ala ou Small Forward (3): responsável por marcar pontos dentro da área demarcada pela linha de três pontos. São também jogadores que reúnem força e agilidade, que buscam infiltrações na defesa em direção à cesta.
    Da mesma forma, por serem bastante atléticos, são importantes na formação defensiva de suas equipes.
    – Ala-pivô ou Power Forward (4): atua infiltrado, próximo à cesta ou ao redor do garrafão. Em geral, são bons nos arremessos de média distância. Jogadores altos, responsáveis também por rebotes, tanto ofensivos quanto defensivos.
    – Pivô ou Center (5): costuma ser o jogador mais alto da equipe. Utiliza sua altura para buscar rebotes ofensivos e defensivos. Sempre fica perto da cesta, muitas vezes de costas, para fazer uma “parede” para que seus companheiros consigam fazer a infiltração. Costumam pontuar em arremessos de curta distância, já que as dimensões do corpo podem dificultar o equilíbrio em lançamentos de longa distância.

GLOSSÁRIO

    – Assistência: um jogador é creditado com uma assistência quando faz um passe para um companheiro de equipe e este converte uma cesta.
    – Rebote: quando um arremesso é mal sucedido e não se torna uma cesta, os jogadores podem pular para disputar a bola. O atleta que ficar com a posse é creditado com um rebote.
    – Roubo de bola: quando um adversário tenta fazer um drible e o jogador da defesa consegue tirar a bola de sua posse sem cometer uma falta, diz-se que ele conseguiu roubar a bola.
    – Turnover: quando um time está com a posse de bola e sofre um roubo, ou comete uma infração do relógio, ou permite que ela saia da quadra, diz-se que ele sofreu um turnover. A posse fica com a equipe adversária.

    1. – Bandeja (Layup): jogada em que o jogador no ataque faz salta próximo à tabela, “soltando” a bola com apenas uma das mãos para fazer a cesta.
    2. – Enterrada (Slam Dunk): jogada em que o jogador no ataque “crava” a bola na cesta.
    3. – Ponte aérea (Alley-oop): jogada em que um jogador faz um passe alto e seu companheiro, saltando e com a bola ainda no ar, faz a cesta, geralmente com uma enterrada.
    4. – Toco (Block): jogada defensiva em que um jogador, no momento em que o adversário tenta um arremesso, bloqueia sua tentativa (sem que a bola esteja na descendente).
    5. – Cestinha: jogador que mais pontuou em uma partida.

    – Duplo-duplo (Double-Double): quando, numa mesma partida, um jogador consegue mais de dois dígitos (ou seja, mais de 10), em duas das cinco categorias (pontos, tocos, assistências, roubos de bola e rebotes), dizemos que ele fez um duplo-duplo. Por exemplo, se ele fez 20 pontos e conseguiu 11 rebotes na partida.
    – Triplo-duplo (Triple-Double): segue a mesma lógica do duplo-duplo, porém ocorre quando o jogador alcança dois dígitos em três categorias. Por exemplo, se ele faz 20 pontos, consegue 12 roubos e 10 assistências.

Continua com dúvidas nas regras?

Acesse nosso Tira-Dúvidas e veja as principais perguntas já respondidas!

O essencial para aprender a jogar basquete! – Sou Esportista

Quem nunca desejou aprender a jogar basquete? Encontrou o equipamento adequado? Então venha conhecer nossos pequenos truques para entrar na quadra em segurança e com o máximo de diversão!

Você percebeu que no basquete, a condução da bola é diferente? Para se mover com a bola na mão, você tem que driblar e quicar a bola no chão. Mas como driblar? Como entender os critérios de um bom passe? Como aprender a técnica básica? Para jogar basquete, será preciso aprender o essencial de um bom passe. E estamos aqui para guiá-lo…

Antes de jogar, comece com um aquecimento sem bola durante cerca de 5 minutos. Siga com um aquecimento com bola durante cerca de 5 minutos. Então, lá vamos nós!

Confira as 4 ações essenciais que separamos para você aprender a jogar basquete!

1) O passe de duas mãos, direto ou pelo chão

O primeiro passo para aprender a jogar basquete é dominar a técnica  da “pegada de bola” e de jogar a bola, o passe.

Primeiramente, a pegada de bola, em posição inicial: coloque uma mão de cada lado da bola com os dedos abertos enquanto mantém a bola perto do peito, com os cotovelos um pouco afastados do corpo. Aponte o dedo na direção do alvo e posicione seus polegares atrás da bola.

Seu corpo fica no tempo da mão, bem equilibrado e inclinado, e com as pernas um pouco mais afastadas do que a largura dos ombros. Para iniciar o movimento, dê um passo para frente na direção do seu alvo e avance o pé direito se for destro ou o pé esquerdo se for canhoto.

Depois, para lançar a bola, estenda os braços na linha dos seus ombros em direção ao alvo e use os polegares para empurrar a bola. Para fazer um passe por terra, use a mesma técnica mudando a direção do seu passe para fazer a bola quicar no chão antes do seu parceiro recebê-la.

Há diferentes tipos de passes possíveis: o passe com duas mãos acima da cabeça, o passe no meio do drible, passe picado, passe com uma mão entre outros… Aprenda uns desses passes neste vídeo criado para um programa como parte de um patrocínio com a ONG Sikana.

Com o apoio da Decathlon, a Sikana desenvolveu uma plataforma de aprendizagem universal. Isso para acompanhar melhor os atletas, escolas, associações e ONGs. Todos que querem tornar a diversão e os benefícios do esporte acessíveis a qualquer um. Você pode acessar livremente dezenas de programas digitais e centenas de vídeos em www.sikana.tv.

2) Aprenda a driblar

Um jogador com posse de bola só pode se deslocar driblando. Portanto, é crucial dominar as técnicas fundamentais de drible. Para driblar bem, você precisa trabalhar em três pontos principais: posicionar bem seu corpo, controlar a bola e driblar baixo.

Primeiro, posicione seu corpo corretamente. Na posição, coloque o quadril um pouco para trás para reduzir a distância entre a bola e o chão. Mantenha as costas retas e a cabeça levantada para receber o máximo de informação ao redor de você.

Em seguida, controle a bola. Para driblar, faça a bola quicar no chão com os dedos abertos. Mantenha o punho flexível. Não bata na bola, mas a acompanhe até o final da descida. Não olhe para a bola. Fixe o olhar em um ponto longe à sua frente.

Por fim, drible baixo. Nunca drible mais alto do que o seu quadril. Idealmente, seu drible deve ser feito na altura do joelho.

Os erros frequentes 

Preste atenção para manter o punho flexível durante o drible, para não bater na bola, e sim acompanhá-la em sua descida. Cuidado para não colocar a mão embaixo da bola e carregá-la. Seu drible nunca deve ultrapassar sua altura e o ideal é que seja realizado na altura do seu joelho.

Como Bater a Bola por baixo das Pernas no Basquete

3) Aprender a arremessar: Gestos para um bom arremesso 

Em uma partida você precisa arremessar, portanto é um gesto importante a ser dominado. Três etapas devem ser seguidas. Primeiro, posicione-se bem.Oriente as pernas na direção da cesta, afastadas na largura dos ombros e flexionadas.

 O pé correspondente à sua mão forte fica ligeiramente na frente em relação ao outro. Coloque a sua mão forte na bola. Seu punho e seu indicador devem formar um “V”. Sua mão mais fraca é posicionada ao lado. Seus dois polegares devem formar um “T”.

Em seguida, arme seu arremesso. Coloque sua mão forte embaixo da bola, os dedos virados para cima e bem afastados, trazendo a bola em direção ao seu rosto. A partir desse momento, não tire os olhos da cesta.

Alinhe os pés, os joelhos, os cotovelos e a mão que arremessa com a cesta. Você pode finalizar o arremesso impulsionando suas pernas. Levante seu braço acompanhando a bola para soltá-la o mais alto possível.

4) Aprender a defender 

A última ação essencial que separamos para você aprender a jogar basquete é a defesa. Primeiramente, adote uma boa posição defensiva: afaste suas pernas um pouco mais do que a largura dos seus ombros e flexione-as.

 Leve os quadris um pouco para trás e mantenha as costas retas. Levante ligeiramente os calcanhares do chão para posicionar o peso do seu corpo um pouco para frente. Isso permitirá que você seja mais responsivo.

 Levante os braços na horizontal, palmas para frente, de forma que você possa recuperar a bola mais facilmente.

Em sequência, posicione-se no campo: quando você defender um jogador, sempre se coloque entre ele e a cesta. Você deve sempre ver a bola e o jogador.

Depois do treino ou jogo, sempre tire um tempo para se alongar. Adapte a duração do alongamento às suas necessidades. Por exemplo, depois de um treino intenso, alongue-se durante pelo menos 10 minutos.

  • Agora que você tem nossas dicas, aprender a jogar basquete só depende de você!
  • Bons treinos e nos conte sobre seu progresso!
  • Para ler mais dicas sobre basquete, clique aqui! ????

Lance livre

Roger Grimau fazendo um arremesso de lance livre em uma partida da Euroliga em fevereiro de 2008.

No basquetebol, o Lançamento Livre, ou Arremesso Livre, ocorre quando o jogador sofre falta no ato de arremessar. O árbitro então assinala a infracção e determina a cobrança de lances livres. Neste momento, a bola está morta e o cronómetro parado. A equipe que sofreu a falta é beneficiada com o arremesso do Lançamento Livre, onde o jogador que sofreu a falta, obrigatoriamente, deve arremessar a bola na cesta sempre da mesma posição, atrás de uma linha, chamada de “foul line”, que fica a uma distância de 5,8 metros da linha de fundo e 4,6 metros da tabela, e dentro de um tempo de 5 segundos. Os demais jogadores colocam-se nos espaços ao longo da área restritiva para a disputa dos rebotes. Caso o jogador acerte a cesta, ele marca 1 ponto. Se o último lance livre de uma sequência não for convertido, jogadores de ambos os times podem disputar o rebote pela posse de bola.

Conforme o livro de regras do basquete, “um lance livre é uma oportunidade dada ao jogador para marcar um (1) ponto, sem marcação, de uma posição atrás da linha de lance livre e dentro do semicírculo.“[1]

Os lances livres no basquetebol ocorrem em duas situações, a saber:
1- Quando um dos times excede o limite de faltas e, a partir da próxima falta em qualquer lugar da quadra é marcado 2 lances livres.
2- Quando o jogador faz o movimento de arremesso a cesta e sofre a falta.

Caso a bola caia na cesta, valem os pontos e é marcado 1 lance livre. Caso a bola não caia, vale a falta e lances livres. Se a falta for cometida quando o jogador estava dentro da linha dos 3 pontos, ele tem direito a 2 lances livres.

Já se a falta for cometida quando o jogador estava atrás da linha dos 3 pontos, ele tem direito a 3 lances livres

Estilos de Arremesso no Lance Livre

Segundo as regras do esporte, num lance livre, o jogador poderá utilizar qualquer método de arremesso desde que a bola acerte a parte superior da cesta antes de tocar o solo. Desta forma, ao longo do tempo, vários estilos de arremesso no Lance Livre já foram utilizados, conforme demonstra a tabela abaixo:

Estilo
Posição do Corpo
Movimento
Adeptos
Ortodoxo De frente para a cesta O jogador segura a bola com as duas mãos por cima da cabeça, fazendo um ângulo obtuso com seu cotovelo. A bola é arremessada com o movimento dos antebraços apenas Quase 100% dos jogadores.
de lado para a cesta Alex Garcia[2]
Com apenas 1 das mãos De frente para a cesta O jogador arremessa a bola na cesta com apenas 1 das mãos, sem o apoio da outra mão. Don Nelson[3]
“Toque de Volei” De frente para a cesta O jogador arremessa a bola na cesta como se estivesse dando o chamado “toque”, muito utilizado pelo levantador no voleibol. Bill Cartwright
Push Shot De frente para a cesta Ao invés de arremessar, é como se o jogador empurrasse a bola para a cesta Michael Adams[3]
Cobrança de Lateral De frente para a cesta Os arremessos são feitos com as mãos partindo por detrás da cabeça. Ou seja, a bola é arremessada como se o jogador estivesse fazendo uma Cobrança de Lateral do futebol. Jamaal Wilkes[3]
“Arremesso por Baixo” ou “Lavadeira”[4] De frente para a cesta Conhecido nos EUA como underhand free throw ou jocosamente como granny shot (algo como “arremesso de vovozinha”). Basicamente, o arremesso é feito por baixo, lançando a bola do meio das pernas, de baixo para cima.
  • Rick Barry foi o mais notório jogador a utilizá-lo.
  • Outro que o utilizou foi o brasileiro Ubiratan.
  • Apesar de ter sido a forma predominante de arremesso de lance livre até meados da década de 1950, caiu em desuso e atualmente é utilizado apenas por iniciantes.

Realização de um bom arremesso

Segundo Byra Bello, comentarista do basquete no canal SporTV, para se ter um bom arremesso, é necessário obedecer a 4 pontos fundamentais para uma boa performance: equilíbrio, olhos na cesta, posição do cotovelo (diretamente abaixo da bola) e movimento final.[2]

Ver Também

  • Hack-a-Shaq

Referências

  1. ↑ esportes.br101.org/ Regras do Basquete: Artigo 43 – Lances livres
  2. a b sportv.globo.com/ sportv.globo.com/] Alex Garcia e seu arremesso curioso
  3. a b c mondobasquete.com.br/ TOP5: Arremessos de lances livres mais estranhos da história da NBA
  4. ↑ espn.uol.com.br/ Lavadeira!? Jogador de Louisville 'apela' no lance-livre e diverte Rômulo e Agra
  • Portal do basquetebol
  • Portal do desporto

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*