Como arremessar no críquete (com imagens)

O críquete é um esporte que não é muito conhecido pelo mundo fora sendo que é bastante grande em apenas 3 países: Inglaterra, India e Paquistão.

Só para ter uma ideia, apenas um jogador de críquete esta entre os 100 atletas mais bem pagos do Mundo, mas esse recebe um valor exorbitante de 31 milhões por ano (27 deles sendo em patrocínios) tornando-o o 23º atleta mais bem pago do Mundo em 2015.

História do Críquete

Este esporte deriva de um antigo esporte chamado de stoolball, sendo que no século XVII, a nobreza inglesa começou a adotar mais o críquete como um esporte real e ele foi mudando sofrendo mutações até ao que é hoje.

O críquete já foi um esporte Olímpico, mas acabou por sair do programa porque não tinha todas as regras bem definidas e o número de praticantes pelo Mundo não era grande o suficiente. Atualmente estão a tentar inclui-lo de novo, primeiramente como esporte de exibição (sem medalhas) mas ainda não se sabe quando irão conseguir.

Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

Jogo de Críquete

O jogo de críquete é um pouco complexo e muito diferente de qualquer outro esporte, tendo regras muito especificas e a sua forma de jogar também, apesar de alguns alegarem que é semelhante com o beisebol (talvez só em alguns aspetos).

Cada equipa é constituída por 11 jogadores, sendo que o campo não tem uma dimensão definida, apenas tendo como obrigatoriedade que seja amplo.

Normalmente tem forma oval e é constituído por 3 zonas:

  • Retângulo – Este tem duas zonas dele. Uma zona central e duas extremidades (as quais têm um “H”).

Na zona central do retângulo estão 2 Atacantes Batedores, os quais possuem um taco de cricket.

Na extremidade inferior esta o Lançador e na extremidade superior esta o Recetor para apanhar as bolas.

  • Espaço Interior e Espaço Exterior – Aqui se distribuem os 11 Defesas da equipa que esta a defender.

Leia Mais >  Tudo sobre Halterofilismo [História, Regras, …]Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

Objetivo do Jogo e Posicionamento

Cada Atacante Batedor coloca-se á frente do seu “witchet” e enquanto um fica á espera que a bola lhe seja enviada pelo Lançador o outro Atacante fica á espera para correr.

Depois de a bola ser lançada, o Atacante vai tentar rebater a bola para o mais longe possível, e pode acontecer as seguintes situações:

  • Se a bola sair do campo pelo ar, marca 6 pontos
  • Se a bola sair do campo, mas já tiver batido no solo, marca 4 pontos
  • Se a bola for rebatida e ficar ainda dentro do campo os Batedores podem marcar na mesma trocando de posições o maior número de vezes. Quando algum defesa conseguir apanhar a bola e enviar para o Recetor, assim que ele receber a bola já não podem trocar mais. Cada troca vale 1 ponto.

A distribuição da defesa é 2 jogadores perto do Retângulo (o Lançador e o Recetor), 4 no espaço Interior e 5 no espaço Exterior.

Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

Como eliminar o batedor

Existem várias maneiras de conseguir fazer isto, sendo elas as seguintes:

  • Derrube do Witchet pelo Lançador

O Lançador para fazer o arremesso vai tomar balanço e acabar por o fazer na linha da Extremidade do Retângulo. Se ele conseguir acertar e derrubar uma das 3 varas do “Witchet” depois da bola ter quicado uma vez no solo, o Batedor é eliminado.

Como no beisebol, se depois do Batedor mandar a bola para longe, algum Defesa a conseguir apanhar antes de ela tocar no solo, então o Batedor é eliminado.

  • Derrube do Witchet por um Defesa

Se depois do Batedor bater a bola para longe e começar a fazer as trocas com o outro Batedor para marcar pontos, se um Defesa que apanhar a bola mandar de longe e acertar e derrubar uma das varas do witchet ou mandar para o Defesa Recetor e este a derrubar.

Se o Batedor defender a bola com o joelho para impedir que o witchet seja derrubado, então o Batedor estará eliminado.

Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

Como termina o Jogo

No jogo é definido um determinado número de Overs por inning (partida) e um determinado numero de partidas (uma ou duas). Um Over são 6 lançamentos seguidos por parte de um jogador. Depois de serem alcançados esses Overs pela equipa ou conseguir eliminar 10 batedores ou 10 derrubar 10 vezes o witchet a partida termina e a equipa que estava a atacar passa a defender e vice-versa.

Leia Mais >  Quadra de Handebol [Medidas, Linhas, Cores, …]

No final de todas as partidas definidas, a equipa que tiver mais pontos ganha. Se ouver um empate

Críquete

O cricket ou críquete tem origem numa forma rudimentar encontrada em relatos do século XII na Inglaterra. Existe evidência escrita para um esporte conhecido como o creag, que foi praticado pelo príncipe Eduardo, filho de Eduardo I, na Inglaterra por volta do ano 1300.

O jogo foi proibido pelo “Lord Protector” Oliver Cromwell em 1653, cujos os ideais puritanos entravam em confronto com as atividades recreacionais. Mesmo depois que o governo puritano foi retirado do poder e uma monarquia anglicana foi restaurada, o cricket permaneceu ilegal até 1748.

Por volta de 1750, um clube de cricket foi estabelecido em Hambledon, Hampshire (sul da Inglaterra). Em 1788, o clube de cricket de Marylebone traçou as primeiras regras do jogo para governar os campeonatos disputados entre as municipalidades inglesas.

Thomas Lord encenou seu primeiro jogo – Middlesex (com o dois jogadores de Berkshire e um de Kent) contra Essex (com os dois homens emprestados) – em 31 de maio de 1787. Assim o clube de cricket de Marylebone foi criado. Dr.

William Gilbert Grace (18 de Julho, 1848 – 23 de outubro, 1915) era um cricketer inglês que, por suas habilidades extraordinárias, tornou o cricket talvez o primeiro esporte espectador moderno, e que desenvolvesse a maioria das técnicas da batting moderna.

O cricket incorporou uma era memorável em 1961, quando as municipalidades inglesas modificaram as regras para fornecer uma forma variada do jogos que produzisse um resultado dinâmico: jogos com um número restrito de overs por equipe. Isto ganhou popularidade e resultou no surgimento dos jogos internacionais de um dia(ODI), em 1971. O Conselho Internacional de Cricket (ICC) adotou rapidamente o novo jogo e realizou a primeira copa do mundo de cricket ODI, em 1975.

Semelhante com o jogo “taco ou betes”, que parece uma forma simplificada do jogo inglês. O princípio é o mesmo: o arremessador tem que derrubar a “casinha” ou wicket, e o rebatedor tem que bater a bola e correr até o outro wicket para marcar pontos, ou runs.

Mas, enquanto o taco é jogado em duplas um time de cricket é formado por 11 jogadores: dois rebatedores, os batsmen, e onze fielders no campo tentando impedir que a equipe da vez (a que rebate) complete as runs, e tentando eliminar os rebatedores.

Além de derrubar a casinha, o rebatedor pode ser eliminado se a bola for pega no ar; ou se a wicket for “quebrada” antes de os rebatedores chegarem a ela ao tentar marcar suas runs. A equipe da vez tem que marcar o maior número de runs possível, enquanto o outro time tenta eliminar dez rebatedores.

Uma vez que todos esses rebatedores são eliminados, os times trocam de posição, passando a rebater o que estava arremessando e a arremessar o que estava rebatendo. O vencedor é o time com o maior número de runs ganha o jogo.

Como Arremessar no Críquete (com Imagens) A bola usada para jogar é uma bola dura feita de cortiça e couro, um pouco maior que uma bola de tênis. Duas casinhas ficam a 20 metros uma da outra e o campo inteiro mede praticamente o mesmo que dois campos de futebol. Quando o rebatedor consegue bater a bola para fora dos limites do campo, ele marca quatro runs. Se a bola, não bater no chão, ele marca seis runs. Cada arremessador atira a bola seis vezes, um over, e aí outro arremessador atira da outra casinha. No Brasil, fazemos jogos de 25 a 40 overs para cada equipe, e estes jogos chegam a durar até seis horas. Os jogos internacionais, os test matches, duram seis dias, sendo seis horas por dia.

Leia também:  Como aplicar unhas de gel: 11 passos (com imagens)

Dois times com onze jogadores, cada, disputam a partida. O campo é circular ou oval, delimitado por uma corda ou marcado por cal. No centro do círculo, fica o “pitch”, a área onde os arremessos são praticados e que tem uma forma retangular. As dimensões oficiais do “pitch” são 22 por 3 jardas, ou seja, algo próximo aos 20 m de comprimento por 2,5 m de largura (1 jarda = 0,9144 metros). Em cada cabeceira do “pitch” ficam os “wickets”, uma palavra antiga que significa “portão” . O “wicket” é formado por três varetas verticais (“stumps”) e duas horizontais (“bails”). As duas varetas que ficam na horizontal repousam sobre aquelas que ficam na vertical. O “wicket” forma um retângulo, perpendicular ao “pitch”. No críquete, assim como no baseball, enquanto um time arremessa (“bowl”), o outro rebate (“bat”). O objetivo do arremessador (“bowler”) é fazer a bola atingir o “wicket”. O objetivo do rebatedor é impedir que a bola toque o “wicket” e, se possível, rebater a bola o mais longe possível. Enquanto o time do arremessador vai atrás da bola, o rebatedor percorre o comprimento do “wicket” o maior número de vezes possível. Cada vez que ele chega ao “wicket” oposto, ele marca um ponto (“run”). Se o rebatedor rebater a bola para fora do campo sem que a bola quique dentro do campo, ele marca 6 pontos e não precisa correr. Se a bola for rebatida para fora do campo, mas sair depois de tocar qualquer parte do campo, o rebatedor marca 4 pontos, também sem precisar correr. Dois rebatedores ficam no “wicket”, um em cada ponta. Quando a bola é rebatida, os dois têm que correr para marcar o ponto.

O objetivo do arremessador é queimar os rebatedores. Isso pode acontecer de várias formas:

1. Se a bola atingir o “wicket”; 2. Se algum jogador do time que está arremessando agarrar a bola depois de ela ser rebatida e antes de tocar o chão; 3. Se a bola tocar o “wicket” enquanto o rebatedor está correndo tentando marcar pontos; 4. Se o rebatedor tocar a bola com qualquer parte do corpo e o árbitro julgar que a trajetória da bola passaria pelo “wicket”. Quando um rebatedor é queimado, ele é substituído por outro integrante do seu time. Quando 10 jogadores são substituídos dessa forma, apesar de cada time contar com 11 jogadores, os times trocam de função (quem estava rebatendo passa a arremessar e vice-versa). Todos os outros 9 jogadores do time que está rebatendo ficam fora do campo. As partidas podem durar um ou mais “innings” (10 jogadores sendo queimados), de acordo com o campeonato. Vence o time que marcar mais pontos durante o número de “innings” determinado. Como o limite para uma partida não é de tempo, uma só partida de críquete pode levar dias. O tamanho do campo pode variar, assumindo uma forma circular ou oval. A maioria das partidas oficiais é disputada em campos ovais de 137m de largura por 150 m de comprimento. No centro do campo, fica o “pitch”, onde se postam o arremessador e o rebatedor. Esse “pitch” tem 20 m de comprimento e 2,5 m de largura. Em cada extremidade do “pitch” fica um “wicket” de 71 cm de altura por 23 cm de largura. Cada “wicket” é formado por três varetas na vertical e duas na horizontal, que repousam sobre as varetas espetadas no chão. A área do campo é marcada por giz, cal ou simplesmente por uma corda no chão. O regulamento do críquete não especifica de que material a bola tem que ser feita, mas as melhores bolas são feitas de cortiça recoberta de couro. A bola tem que ter entre 22,4 e 22,9 centímetros de circunferência e não pode pesar mais do que 163g ou menos do que 156g. O taco de madeira, chato de um lado e côncavo do outro, só pode ter até 96,5 cm de comprimento e não pode ser mais largo do que 10,8 cm. Os jogadores se vestem com camisetas, calças compridas, bonés e tênis com travas.

Por tradição, toda a indumentária é branca ou creme. Alguns times já adotaram uniformes coloridos, mas a seleção inglesa ainda joga de branco. Os rebatedores se protegem com capacetes, luvas e caneleiras acolchoadas.

Há mais de cem anos, os trabalhadores da Ferrovia “British railway” que trabalhavam na construção de Ferrovias nas regiões sul e norte do Brasil, introduziram o cricket no país. Ele se tornou um esporte popular entre as crianças brasileiras que desenvolveram uma versão simplificada, chamada de “bete” ou “taco”, que continua sendo um esporte popular entre a juventude atual e que é praticado nas ruas e praias. O Cricket teve início há cerca de 200 anos na América do Sul, ele é praticado em quase todos os países do continente. No final dos anos 1800 e início dos anos 1900 clubes desportivos britânicos estabeleceram-se por quase todas as principais cidades do Brasil e também nas minas de propriedade britânica situadas no estado de Minas Gerais. O Rio Cricket and Football Club – RCAA, no Rio de Janeiro, foi fundado em 1872, e o Clube Atlético de São Paulo – SPAC surgiu em 1888. Clubes de futebol que começaram com clubes de cricket:

  • Fluminense
  • Vitória
  • Paysandu

Pitch: superfície rígida localizada no centro do campo de críquete.

Bowler: lançador ou Arremessador. Indivíduo que corre até o pitch e lança a bola para o rebatedor.

Batsman: rebatedor. Indivíduo que rebate a bola com o taco.

  • Wickets: conjunto de 3 varas ou bastões fincados no solo em cada lado do pitch.
  • 1 Ball: quando o lançador corre e lança a bola para o rebatedor.
  • No Ball: quando o lançador pisa na crease (linha de onde se lança a bola e que delimita o pitch) ou quando a bola é lançada a uma altura acima dos ombros do rebatedor.
  • Wide:

quando o lançador arremessa uma no ball ou wide, o time rebatedor recebe 1 ponto (run) e a bola deve ser lançada novamente.

Run: Ponto. Quando os 2 rebatedores correm para lados opostos aos que estavam no pitch. Geralmente um dos rebatedores rebate a bola

  1. Boundary: Linha. A borda ou limite do campo
  2. Scoring a boundary: Quando um rebatedor manda a bola para fora da linha ou limite do campo (boundary)
  3. Queimar no Wicket
  • Quando o lançador atira a bola e atinge as varas de madeira.
  • Quando o rebatedor atinge a bola e outro jogador a intercepta antes que toque o chão.
  • Quando o rebatedor faz um run e não ultrapassa a crease antes que alguém atinja os wickets com a bola.
  • Quando a bola atinge a perna do rebatedor e teria atingido os wickets se não tivesse batido nas pernas do rebatedor.

4 runs: Quando o rebatedor manda a bola para além do limite do campo (boundary) e a bola toca no campo de jogo antes de ultrapassar seu limite

Leia também:  Como armazenar vinagre de maçã: 9 passos (com imagens)

6 runs: Quando o rebatedor manda a bola para além do limite do campo (boundary) e a bola não toca no campo de jogo antes de ultrapassar seu limite

Partida de um dia: Cada equipe fica na defesa de 50 overse lança 50 overs. Nos 50 overs, a equipe batedora (que maneja as pás/tacos) deve tentar fazer o máximo deruns.

A equipe lançadora deve tentar evitar que a equipe batedora faça runse tentar derrubar o máximo de wickets. Se a equipe batedora perde 10 wickets, ela não pode mais rebater mesmo que ainda restem alguns overs.

O time que marca mais runs durante os 50 oversvence.

Partida de 5 dias: Cada equipe pode rebater duas vezes (até perderem 10 wickets).Todos os dia, 90 overs devem ser lançados, totalizando 450 overs. A equipe que terminar com mais runs vence, mas o time vencedor necessita ter todos oswickets do adversário no intervalo de 5 dias, caso contrário a partida fica indefinida ou anulada.

Texto de: www.londresonline.com/esportes/criquete.html

O cricket incorporou uma era memorável em 1961, quando as municipalidades inglesas modificaram as regras para fornecer uma forma variada do jogos que produzisse um resultado dinâmico: jogos com um número restrito de overs por equipe. Isto ganhou popularidade e resultou no surgimento dos jogos internacionais de um dia (ODI), em 1971. O Conselho Internacional de Cricket (ICC) adotou rapidamente o novo jogo e realizou a primeira copa do mundo de cricket ODI, em 1975. Este conteúdo foi acessado em 12/05/2010 do sítio: Cricket Brasil. Todas as modificações posteriores são de responsabilidade do autor da matéria.

Recomendar esta página via e-mail:

Portal do Professor – Jogando Críquete na Escola

  • O objetivo do jogo de Críquete e as regras básicas para o desenvolvimento do jogo;         
  • A formação das equipes, área do jogo e o sistema de pontuação.
  • Como é o taco de críquete e a bola;  
  • Criar novas regras para possibilitar a realização do jogo no ambiente escolar.   

Não é necessário nenhum conhecimento prévio.

O críquete

Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

 http://olimpiadas.uol.com.br/2008/historia/modalidades-excluidas/criquete.jhtm  

Guardadas as devidas proporções, joga-se quase da mesma forma que na brincadeira de “taco” ou “bete”, praticada por crianças de todo o Brasil. Pouco conhecido por aqui, o críquete é um jogo de tacos e bola muito popular entre os países de colonização britânica. A principal diferença entre ele e o jogo de “taco” ou “bete”é que há mais gente em campo 

São 11 jogadores tentando derrubar as “casinhas” protegidas pela dupla de rebatedores. Uma partida tradicional pode durar dias, com intervalos para descanso e alimentação.

Sistema de pontuação

Vence o jogo quem mais defende suas estacas.

O campo pode ser oval ou circular, com até 150 metros de diâmetro – um gramado de futebol tem, no máximo, 120 metros de comprimento. Mas as principais ações do jogo rolam no pitch – faixa central, com 20 metros de comprimento por 3,6 metros de largura, com três pequenas estacas de madeira fincadas nas extremidades.

Cada arremessador tem direito a seis arremessos – ou um over – para tentar derrubar as estacas do adversário e eliminar um rebatedor. Em jogos de Copa do Mundo, cada tempo de jogo dura 50 overs (300 arremessos), isso se o time que lança não eliminar os dez rebatedores antes.

O jogo rola em dois tempos, e as equipes têm 11 atletas que arremessam, rebatem ou interceptam dependendo do momento do jogo. No 1º tempo, um time tem um arremessador, um receptor e nove defensores espalhados pelo campo

– seu objetivo é impedir que o adversário pontue. A equipe rival, por sua vez, conta com dois rebatedores em ação (os outros ficam de fora, aguardando sua vez de entrar)

– sua meta é proteger as estacas e mandar a bola para longe dos defensores. No 2º tempo, os times trocam de função.

O placar pode passar dos 100 pontos. Isolar a bolinha é a principal jogada para pontuar.

Se a bola for rebatida para longe, os rebatedores trocam de posição cruzando o pitch seguidamente (ao cruzar, eles batem os tacos), até que um defensor pegue a bola e ameace as estacas – cada cruzada vale 1 ponto.

Caso a bola seja rebatida para fora do campo sem tocar o solo, são 6 pontos; se picar no chão antes de sair, 4 pontos. O time que está rebatendo também ganha 1 ponto quando o arremessador vacila e joga a bola fora do alcance do taco

Arremessos

No momento do arremesso, o jogador tem que girar o braço sem dobrar o cotovelo. A bola deve ser lançada durante a corrida, com os pés do atleta dentro da área pintada (crease). Em geral, busca-se fazer com que a bola pique no solo antes de chegar às estacas. O quique dificulta a vida do rebatedor.

Peças e acessórios

O taco de madeira mede até 96,5 centímetros e pesa quase 1,5 quilo. As rebatidas são feitas com a face lisa do taco.

A bola, feita de cortiça e revestida com couro, pesa cerca de 160 gramas e tem quase 7 centímetros de diâmetro.

Acessórios como pads (o caneleirão que vai do tornozelo até acima do joelho), capacetes e boxes 3 (protetores genitais) resguardam os atletas de eventuais boladas. As luvas protegem as mãos.

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/esporte/pergunta_425057.shtml  

AULA 1

ATIVIDADE I

O professor pedirá a turma que faça uma pesquisa sobre o jogo críquete e os grupos apresentarão seus trabalhos. A turma será dividida em grupos e cada um será responsável por um tema. Exemplo: tema 1 (origem do jogo), tema 2  (história e criação), tema 3 (regras do jogo), tema 4 (material esportivo utilizado para a prática do críquete) e tema 5 (críquete no Brasil).

ATIVIDADE II

No laboratório de informática ou de posse de um computador portátil o professor passará um vídeo do jogo de críquete para os alunos.

http://www.youtube.com/watch?v=gqrr3p_y2nk&feature=related 

AULA 2

ATIVIDADE I

Alunos divididos em duplas e o aluno com o taco de críquete será o rebatedor.O aluno com a bolinha de críquete ou de borracha será o lançador. Frente a frente, afastados um do outro a uma distância que lhes permita rebater a bolinha de críquete entre eles:

  1. 1) abaixo da cintura;
  2. 2) acima da cabeça;
  3. 3) à direita e à esquerda.
  4. ATIVIDADE II
  5. Os alunos divididos em duplas e com uma bolinha de críquete ou uma bolinha de borracha e distantes um do outro seis metros treinaram o movimento de lançar a bolinha um para outro sem deixar a bolinha cair.
  6. ATIVIDADE III
  7. Os alunos divididos em duplas (2X2) jogaram entre si uma pequena partida de dez pontos.Cada time tentará derrubar as “casinhas” protegidas pela dupla de rebatedores
  8. AULA 3

O professor montará um jogo de críquete buscando a similaridade com o jogo oficial. o número de jogadores será proporcional ao espaço disponível.”É necessário reduzir o número de jogadores para se garantir uma maior segurança entre os participantes. Sugere-se que em uma quadra se utilize cerca cinco ou seis jogadores por equipe.

O jogo acontecerá em dois tempos, e as equipes terão o número de arremessadores correspondente ao número de jogadores de sua equipe, que irão também rebater ou interceptar dependendo do momento do jogo. No 1º tempo, um time terá um arremessador, um receptor e defensores espalhados pelo campo. No 2º tempo, os times trocam de função.

  • Verificar se os alunos compreenderam a dinâmica do jogo e sua principais regras.         
  • Pedir que apontem especificamente como é  a formação das equipes.
  • Identificar as adaptações as regras realizadas no jogo.  

Como se joga críquete?

Como Arremessar no Críquete (com Imagens)

Guardadas as devidas proporções, joga-se quase da mesma forma que na brincadeira de “taco” ou “bete”, praticada por crianças de todo o Brasil. Pouco conhecido por aqui, o críquete é um jogo de tacos e bola muito popular entre os países de colonização britânica. A principal diferença entre ele e o seu “primo” brasuca é que há mais gente em campo – são 11 jogadores tentando derrubar as “casinhas” protegidas pela dupla de rebatedores. Uma partida tradicional pode durar dias, com intervalos para descanso e alimentação. Em competições de maior visibilidade, como a Copa do Mundo, o jogo dura poucas horas. As principais potências do esporte hoje são Austrália – campeã da última Copa do Mundo -, Sri Lanka e África do Sul. No Brasil, há pouco mais de 200 praticantes de críquete, concentrados em São Paulo, Curitiba, Brasília e Fortaleza. : – )

  • O MELHOR ATAQUE É A DEFESA
  • Vence o jogo quem mais defende suas estacas
  • JOGANDO NA FAIXA
Leia também:  Como calcular a resolução de uma câmera digital a partir da contagem de pixels

Continua após a publicidade

O campo pode ser oval ou circular, com até 150 metros de diâmetro – um gramado de futebol tem, no máximo, 120 metros de comprimento. Mas as principais ações do jogo rolam no pitch – faixa central, com 20 metros de comprimento por 3,6 metros de largura, com três pequenas estacas de madeira fincadas nas extremidades.

MUNIÇÃO PESADA

Cada arremessador tem direito a seis arremessos – ou um over – para tentar derrubar as estacas do adversário e eliminar um rebatedor. Em jogos de Copa do Mundo, cada tempo de jogo dura 50 overs (300 arremessos), isso se o time que lança não eliminar os dez rebatedores antes.

UM DE CADA VEZ

Continua após a publicidade

O jogo rola em dois tempos, e as equipes têm 11 atletas que arremessam, rebatem ou interceptam dependendo do momento do jogo.

No 1º tempo, um time tem um arremessador, um receptor e nove defensores espalhados pelo campo – seu objetivo é impedir que o adversário pontue.

A equipe rival, por sua vez, conta com dois rebatedores em ação (os outros ficam de fora, aguardando sua vez de entrar) – sua meta é proteger as estacas e mandar a bola para longe dos defensores. No 2º tempo, os times trocam de função.

PEÇAS E ACESSÓRIOS

O taco de madeira mede até 96,5 centímetros e pesa quase 1,5 quilo. As rebatidas são feitas com a face lisa do taco.

A bola, feita de cortiça e revestida com couro, pesa cerca de 160 gramas e tem quase 7 centímetros de diâmetro.

Acessórios como pads (o caneleirão que vai do tornozelo até acima do joelho), capacetes e boxes 3 (protetores genitais) resguardam os atletas de eventuais boladas. As luvas protegem as mãos.

SOLTANDO O BRAÇO

Continua após a publicidade

No momento do arremesso, o jogador tem que girar o braço sem dobrar o cotovelo. A bola deve ser lançada durante a corrida, com os pés do atleta dentro da área pintada (crease). Em geral, busca-se fazer com que a bola pique no solo antes de chegar às estacas. O quique dificulta a vida do rebatedor.

BOLA PARA O MATO

O placar pode passar dos 100 pontos. Isolar a bolinha é a principal jogada para pontuar.

Se a bola for rebatida para longe, os rebatedores trocam de posição cruzando o pitch seguidamente (ao cruzar, eles batem os tacos), até que um defensor pegue a bola e ameace as estacas – cada cruzada vale 1 ponto.

Caso a bola seja rebatida para fora do campo sem tocar o solo, são 6 pontos; se picar no chão antes de sair, 4 pontos. O time que está rebatendo também ganha 1 ponto quando o arremessador vacila e joga a bola fora do alcance do taco

Leia também:

Continua após a publicidade

  1. – Em qual esporte as bolas atingem maior velocidade?
  2. – Quais são os esportes mais bizarros do mundo?
  3. – Como surgiu e como se joga beisebol?

Sob forte comoção, jogador de críquete morto por bolada é enterrado

O velório do jogador de críquete Phillip Hughes levou milhares de australianos às ruas da cidade de Macksville, a cerca de 300 quilômetros de Sydney, na manhã desta quarta-feira. O primeiro-ministro da Austrália Tony Abbott marcou presença, assim como o autor do arremesso que matou Hughes, Sean Abbott.

Aos 25 anos, o jogador de críquete morreu na última quinta-feira após ser atingido por uma bola na cabeça durante o jogo entre South Australia e New South Wales. O atleta sofreu uma cirurgia para aliviar a pressão na área afetada e foi induzido ao coma, mas morreu pouco depois.

A bola usada na modalidade é revestida em couro, quase do tamanho de uma de tênis, pesa pouco mais de 150 gramas e a velocidade de um arremesso pode chegar aos 140 quilômetros por hora.

Leia também:

Árbitro de críquete também morre após levar bolada

Michael Clarke, capitão da seleção australiana, se emociona ao discursar no funeral de Philip Hughes (VEJA)

Continua após a publicidade

Jogadores, amigos e parentes estiveram no velório. O capitão da seleção australiana, Michael Clarke, muito abatido, foi um dos que carregaram o caixão. A cidade, de pouco mais de 2.500 habitantes, disponibilizou telões para que todos os fãs de Hughes pudessem assistir ao funeral. Escolas e estabelecimentos comerciais fecharam mais cedo que o habitual.

O presidente da Federação Australiana de Críquete, James Sutherland, afirmou que a entidade vai avaliar melhor a segurança no esporte, praticado há mais de 200 anos na Austrália. Hughes não foi a única vítima da insegurança do críquete na última semana. No sábado, o árbitro israelense Hillel Oscar também morreu pelo mesmo motivo.

  • 1. Philip Hughes caiu desacordado logo depois de levar uma bolada na cabeça zoom_out_map

    1/7 Philip Hughes caiu desacordado logo depois de levar uma bolada na cabeça (Mark Metcalfe/)Continua após a publicidade
    Philip Hughes caiu desacordado logo depois de levar uma bolada na cabeça

  • 2. Sequência de imagens mostra Phillip Hughes no momento em que é atingido na cabeça por uma bola zoom_out_map

    2/7 Sequência de imagens mostra Phillip Hughes no momento em que é atingido na cabeça por uma bola (Mark Metcalfe/)
    Sequência de imagens mostra Phillip Hughes no momento em que é atingido na cabeça por uma bola

  • 3. Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado zoom_out_map

    3/7 Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado (Mark Metcalfe/)
    Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado

  • 4. Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado zoom_out_map

    4/7 Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado (Mark Metcalfe/)
    Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado

  • 5. Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado zoom_out_map

    5/7 Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado (Mark Metcalfe/)Continua após a publicidade
    Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado

  • 6. Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado zoom_out_map

    6/7 Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado (Mark Metcalfe/)
    Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado

  • 7. Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado zoom_out_map

    7/7 Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado (Mark Metcalfe/)
    Phillip Hughes levou uma bolada na cabeça e caiu desacordado

(Com Gazeta Press)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*