Como armazenar vinagre de maçã: 9 passos (com imagens)

Equipe eCycle Consuma Consciência – Alimentos Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

Imagem: Dave Dugdale

Todo mundo adora um “faça você mesmo”, ainda mais quando se trata de um item muito usado. O vinagre tem inúmeras utilidades em casa e não só na cozinha. No entanto, se você é um amante de gastronomia e deseja fazer seu próprio vinagre mas não aceita nada abaixo do melhor, essa é a receita para você.

E se você não sabe nem fritar um ovo mas se preocupa com o meio ambiente, essa receita também é para você, já que ela procura reutilizar o vinho e a suas garrafas, além de desencorajar o consumo de vinagres comprados em lojas – porque depois de começar a fazer esse vinagre, dificilmente você vai esquecer a diferença de sabor e voltar para o antigo.

A receita é bem fácil de fazer e os ingredientes não são difíceis de serem achados. O único problema é o tempo de preparo. Essa receita é para os pacientes, pois demora pelo menos dois meses para ficar pronta (ou até mais, se você for exigente com seu vinagre). Mas a recompensa pela espera vale a pena.

Confira as instruções abaixo sobre como fazer vinagre de vinho e aproveite!

Ingredientes

  • 1 recipiente de vidro (o tamanho depende de você – recomenda-se que tenha capacidade para 1 litro -, mas é importante que o material seja completamente não reativo, como o vidro. Metais não servem, pois reagem);
  • 1 pano que tampe o recipiente grande para impedir a entrada de insetos;
  • Tiras de barbante ou elástico;
  • 1 funil de plástico;
  • Sobras de vinho seco;
  • 1 mãe de vinagre (explicaremos abaixo do que se trata);
  • 1 garrafa para inserir o conteúdo final.

Você pode comprar vinho especificamente para fazer vinagre, mas não é necessário. É aí que a sustentabilidade entra. Não é sempre que uma garrafa de vinho aberta é terminada, portanto, essa receita aconselha usar as sobras do vinho. Tente não usar vinho doce, já que o açúcar residual pode introduzir contaminantes à mistura.

Instruções

  • Despeje o vinho em um recipiente que permita a respiração do vinagre (de preferência com a boca mais larga). Não despeje vinho até a borda do recipiente, pois a mistura precisa de oxigênio para que haja fermentação – recomenda-se que o líquido preencha metade do recipiente, mais ou menos.
  • Adicione a mãe do vinagre (madre), uma substância gelatinosa que se desenvolve a partir de bactérias acéticas. É difícil achar a mãe do vinagre em lojas, portanto, se você não conseguiu encontrar, pode fazer em casa também. Para saber a receita, clique aqui.
  • Misture tudo e cubra o recipiente com o pano. Prenda-o com tiras de elástico ou de barbante e deixe descansar em um cômodo em temperatura ambiente (25°C) – locais frios podem diminuir a velocidade da reação. Após cerca de dez dias do início do processo, você provavelmente vai ver o começo da formação da madre na superfície da mistura. Isso é completamente normal e esperado. A madre está absorvendo o oxigênio e transformando o álcool em ácido. Se a madre for perturbada e descer para o fundo do recipiente, ela fica inativa. Caso isso aconteça, espere um tempo maior e uma nova madre irá se formar na superfície.
  • Após cerca de dois meses, seu vinagre deve estar pronto. Não existe um tempo exato para saber se o vinagre está bom ou não, a não ser que você abra o recipiente. Para procurar indicadores de quando o vinagre está no ponto, coloque as narinas sobre o pano e verifique se o cheiro é parecido com o do vinagre que você já conhece. Ao ficar pronta, a solução possui um aroma intensamente ácido e nada doce. Se não estiver ácido o suficiente para você, basta deixar a fermentação agir por mais tempo. Quanto mais tempo você esperar, mais ácida e forte a solução se tornará, até que todo o álcool seja consumido.
  • Quando o vinagre estiver pronto, mexa o recipiente ou empurre a madre para baixo antes de despejar seu conteúdo em um recipiente não reativo (como uma garrafa de vidro). Você pode filtrar e reutilizar a madre para fazer mais vinagres ou jogar fora. Não utilize um filtro ou um coador de alumínio, pois pode haver reação om o ácido.
  • O vinagre está pronto para o uso! Mas, se você quiser melhorar o sabor e a intensidade, também existem outros passos. A não ser que tenha sido fermentado por um bom tempo, ainda haverá um pouco de álcool no vinagre. Ferver a solução resolverá esse problema e garantirá que a solução seja estéril. A fervura também diminui o volume, livrando o vinagre da água e concentrando seu aroma e sabor; mas o procedimento de fervura não vai aumentar a acidez do vinagre.
  • Seu vinagre irá ficar mais saboroso com o tempo, ganhando complexidade e amadurecendo. Conforme ele envelhece na garrafa, pode haver uma liberação de sedimentos dentro do recipiente, mas isso é normal. Se for um incômodo, basta filtrar o sedimento antes do uso.
  • Observação: a receita também pode ser feita com vinho branco, se você desejar.
  • Para saber mais, dê uma olhada no vídeo abaixo do Wall Street Journal:

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro   Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

Salada de erva doce com maçã verde – uma das melhores saladas da vida!

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

Uma das melhores saladas da vida! Eu confesso que tenho um amor antigo pela erva doce, desde pequena tenho loucurinha por ela, comia pura ou só molhando no vinagre. Hoje me divirto fazendo diversas receitas com erva doce, mas salada ainda é minha preferida.

A combinação que trago para vocês aqui no Tudo Receitas é certeira.

A erva doce crocante e com aquele sabor meio de anis que só ela tem, a maçã verde azedinha com aquele creck creck, o frescor das folhas verdes, o picante da cebola roxa e, para completar tudo, a pecan assada docinha.

Já deu água na boca, não foi? Então continua por aqui que logo abaixo divido com vocês como fazer essa delícia de receita de salada de erva doce com maçã verde!

Também lhe pode interessar: Salada de erva doce

Passos a seguir para fazer esta receita:

1

Comece tirando a semente da maçã verde e cortando-a em fatias bem fininhas. Regue com o suco de limão, para evitar que ela oxide.

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

2

Agora chegou a parte de picar o resto dos ingredientes. Pique a erva doce e a cebola roxa em fatias bem fininhas – eu uso um mandolim para isso, mas com uma faca bem afiada você consegue também. Agora junte tudo isso que você picou com a maçã verde e as folhas.

Dica: Costumo deixar essa salada pronta assim na geladeira e só coloco o molho na hora de servir.

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

3

Coloque num potinho a mostarda dijion, o vinagre de maçã, o xarope de bordo ou mel, o azeite de oliva, o iogurte grego e tempere com sal e pimenta. Dê aquela boa sacudida e seu molho para salada de erva doce está pronto!

Dica: Já comentei por aqui que costumo fazer meus molhos em potinhos de vidro, assim são mais fáceis de misturar e também de guardar. Se quiser fazer o molho para o dia seguinte é só guardar na geladeira junto com a salada.

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

4

Chegou a hora de servir sua salada de maçã com erva doce! Acrescente as pecans (ou outra noz que você goste) e regue com o molho. Misture bem e pode se deliciar! Essa saladinha fresca vai bem como entrada ou acompanhamento de pratos, experimente e conte para nós o que você achou.

Leia também:  Como arremessar igual ao kevn durant: 9 passos

Procurando mais receitas com erva doce? Veja estas sugestões:

  • Salada de erva doce com pera
  • Bolo de fubá com erva doce
  • Erva doce gratinada

Dica: Você pode substituir a noz pecan por qualquer outra noz que você tenha em casa.

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens)

Como Consumir Vinagre de Maçã com Segurança

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Esta imagem é meramente ilustrativa.

O vinagre de maçã é produzido a partir da mistura de maçãs com fermento. Depois que o fermento é misturado, ele converte o açúcar das maçãs em álcool. Em seguida, são adicionadas bactérias à mistura, que fermentam o álcool em ácido acético.

O ácido acético representa cerca de 5 a 6% do vinagre de maçã. É classificado como um “ácido fraco”, mas ainda possui propriedades ácidas bastante fortes quando concentrado.

Além do ácido acético, o vinagre contém água e vestígios de outros ácidos, vitaminas e minerais.

Vários estudos em animais e humanos descobriram que o ácido acético e o vinagre de maçã podem promover a queima de gordura e a perda de peso, diminuir os níveis de açúcar no sangue, aumentar a sensibilidade à insulina e melhorar os níveis de colesterol.

A maioria das pessoas podem consumir quantidades razoáveis ​​de vinagre de maçã seguindo estas diretrizes gerais:

  • Limitar o consumo: comece com uma quantidade menor e aumente gradualmente para um máximo de 2 colheres de sopa (30 ml) por dia, dependendo da tolerância de todos.
  • Minimize a exposição dentária ao ácido acético: tente diluir o vinagre em água e beba-o com um canudo.
  • Enxágue a boca: Enxágue a boca com água após tomá-la. Para evitar mais danos ao esmalte, aguarde pelo menos 30 minutos antes de escovar os dentes.
  • Considere evitá-lo se tiver gastroparesia: evite vinagre de maçã ou limite a quantidade a 1 colher de chá (5 ml) de água ou molho para salada.
  • Lembre-se das alergias: as alergias ao vinagre de maçã são raras, mas pare de tomá-la imediatamente se ocorrer uma reação alérgica.

O que comemos tem um impacto direto no nosso bem-estar. Alguns produtos estimulam mais, outros nos fornecem menos energia. Embora o impacto da comida não seja imediatamente sentido, é importante a nível celular. Pesquisas atuais mostram que muitas doenças podem ser eliminadas com alimentos.

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Foto de Alexy Almond no Pexels

Assim como vegetais, vitaminas e fibras alimentares contribuem para a nossa vitalidade, o açúcar e os produtos processados ​​podem enfraquecê-los. Os efeitos são de longo prazo e podemos gastar bastante tempo com uma dieta pouco saudável antes de realmente sentirmos o seu impacto.

Especialistas dizem que a verdadeira ameaça ao corpo, no entanto, é a inflamação crónica. O que é e como isso se relaciona com a comida?

Inflamação crónica

Inflamação é uma situação em que o corpo se defende contra fatores prejudiciais. É uma reação natural a vírus, bactérias ou toxinas. O corpo geralmente lida bem com eles e, nesse sentido, a inflamação é algo bom – permite que você se livre do “intruso” e recupere a saúde.

No entanto, a inflamação crónica é um fenómeno exaustivo e de longo prazo. Os seus sintomas incluem fadiga irracional, perda de cabelo ou problemas de sono. De fato, os sinais podem ser muitos e sugerem que o corpo não está a fazer o que deveria.

No entanto, eles são considerados algo “temporário” e frequentemente subestimado. Vivemos com as nossas doenças, pensando que deve ser assim. Durante esse período, o sistema imunológico está constantemente a lutar.

O que contribui para essa condição?

A inflamação crónica ocorre quando os radicais livres aparecem no corpo devido à inflamação. Eles danificam as células, enfraquecendo ainda mais o sistema imunológico.

Além disso, um estilo de vida saudável pode contribuir para a formação de radicais livres. Sono insuficiente, má nutrição, baixa atividade física e muito stress não são aliados da nossa saúde.

Os antioxidantes, que protegem as células contra os danos causados ​​pelos radicais livres, tornam-se uma forma de resgate. Alguns deles até produzem o próprio corpo. No entanto, quanto mais velhos somos, menos os produzimos. Neste ponto a comida saudável ‘vem em socorro’. Rico em antioxidantes, é um verdadeiro aliado do corpo, que gradualmente apreciamos.

Cozinha anti-inflamatória, ou o quê?

Como comemos é um fator decisivo para obtermos ou não inflamação crónica. Antioxidantes benéficos são encontrados principalmente em vegetais, frutas, legumes e nozes.

Também pode encontrá-los em chocolate escuro e café natural. Portanto, se deseja ter efeitos anti-inflamatórios, siga algumas dicas:

  1. Primeiro, guardamos os doces. Os doces levam a saltos rápidos nos níveis de açúcar, sobrecarregam os órgãos responsáveis ​​pela digestão e, em casos extremos, levam à inflamação.
  2. Em segundo lugar, escolhemos produtos digeridos no intestino grosso. Por exemplo, são vegetais crus com alto teor de fibras, que digerem por muito tempo e estimulam o intestino a trabalhar intensamente. Legumes com cores intensas: couve, cenoura, tomate têm mais fibras.
  3. Terceiro, usamos os benefícios das especiarias. Recentemente, as “doses de vitamina” estão a ganhar popularidade, nas quais a base líquida e as folhas verdes são combinadas com especiarias: açafrão, canela, pimenta e cravo ralado. Uma porção diária de tal coquetel pode ajudar a saúde, mesmo que a dieta não seja perfeita.

Ironia do destino: quando decide organizar a dieta, escolha apenas alimentos não processados ​​e muitos vegetais, espera que se sinta melhor do que nunca, mas não é. Tem flatulência, diarreia ou náusea. O que acontece?

Como Armazenar Vinagre de Maçã: 9 Passos (com Imagens) Foto de Andrea Piacquadio no Pexels

De acordo com a nutricionista Tamara Duker Freuma, é bom saber que esta é uma “fase de transição” na qual o sistema digestivo se adapta a novos alimentos.

“Quando as pessoas começam a comer de maneira mais saudável, o que geralmente significa mais vegetais e talvez substituindo os grãos refinados por grãos integrais, às vezes eles têm problemas estomacais”, diz ela. – Em alguns casos, isso pode incluir inchaço, excesso de comida e até náuseas.

Este é um efeito a curto prazo, por sorte não precisa abandonar hábitos saudáveis no campo de alimentos consumidos. No entanto, existem maneiras de tornar a transição mais suave. Abaixo estão algumas potenciais causas e maneiras de lidar com isso.

Intolerâncias ou alergias

Se nunca teve alergia, intolerância ou hipersensibilidade alimentar antes, pode pensar que está seguro quando adulto. Mas quase metade de todas as alergias alimentares começam após os 18 anos, como advertido pelo Dr. Ruchi Gupta, da Universidade Feinberg da Northwestern University.

“Especialmente se tentar uma ampla gama de produtos novos, há um risco de hipersensibilidade ou intolerância que não conhecia”, diz ele. – Uma alergia alimentar real geralmente causa uma reação dramática e, às vezes, com risco de vida, mas com essas formas mais leves pode sentir-se chateado porque a sua comida causou inflamação.

Embora os mariscos sejam a fonte mais comum de alergias alimentares, o número de alergias a nozes aumentou cerca de 260% na última década, diz Gupta.

Mesmo se não comer nozes na forma crua, ainda as comerá se decidir que parte de uma alimentação saudável seria usar farinha de nozes, como farinha de amêndoa ou massa à base de nozes, ou bebê-las para reduzir a sua ingestão de laticínios, por exemplo, leite de castanha de caju.

A melhor solução é consumir um alimento de cada vez e ver como o tolera. Por exemplo, em vez de refazer toda a sua dieta para comer nozes a cada refeição, tente um tipo por vários dias para ver se ocorre uma reação e adicione outra espécie alguns dias depois e assim por diante. Isso facilita a identificação de alimentos problemáticos.

Leia também:  Como alongar antes de um jogo de basquete: 2 passos

Muita fibra

Digamos que são todos os grãos de todas as formas, incluindo massas feitas de suplementos mais saudáveis, como lentilhas ou  grão de bico. Em seguida, adicione vegetais a essa mistura e escolha lanches de frutas em vez de doces.

  • “Estes são passos excelentes, mas se acelerar tão rápido, é uma enorme mudança na ingestão de fibras”, diz a nutricionista Maggie Ward.
  • A fibra tem muitos benefícios, desde manter a saciedade por mais tempo, melhorar a sensibilidade à insulina, regulando os níveis de açúcar no sangue e reduzindo o risco de algumas doenças crónicas, como doenças cardíacas.
  • A fibra também ajuda o sistema digestivo a ligar os alimentos e transferi-los com mais eficiência, mantendo a regularidade dos movimentos intestinais.

Mas aqui está uma curiosidade: se não aumentar a hidratação, quando a ingestão de fibras aumentar, toda a fibra não fluirá pelo sistema como deveria. Então pode começar a sentir náuseas ou até constipação.

“O aumento da ingestão de água é uma boa ideia em si, mas é especialmente importante quando muda a sua dieta”, diz Ward. – A água pode trabalhar com fibra. Por exemplo, pode obter os dois ingredientes de  sopas de vegetais.

Sem fibra

Algumas pessoas decidem mudar a sua dieta buscando quantidades maiores de sumo, o que significa que remove fibras de frutas e vegetais. Embora vários especialistas tenham sugerido que as armadilhas para sumos superam os benefícios, elas ainda são populares e usadas como uma “redefinição”.

Eles fornecem muitas vitaminas e minerais, mas podem ser difíceis para o sistema digestivo. Há uma falta de fibra, então o seu sistema digestivo se defenderá.

A falta de fibra pode ter consequências na ida a casa da banho.

Muitas pessoas têm prisão de ventre porque a fibra confere consistência e forma às fezes e, como está a faltar, as fezes não se podem formar adequadamente.

 Outros podem ter o problema oposto à diarreia devido à grande quantidade de álcoois de açúcar introduzidos com frutas e vegetais – sem fibra que permitiria a absorção adequada desses álcoois.

CONSERVA EM VINAGRE – Viciado em Pimentas – As pimentas mais ardidas do mundo!

A conserva de pimentas em vinagre é um meio extremamente eficaz e flexível para que você possa conservar suas pimentas. Essa flexibilidade permite inúmeras formas de combinações dos ingredientes a serem utilizados no preparo de sua conserva.

Você pode optar pela utilização de diversas variedades de pimentas em um mesmo frasco, diversificar nos temperos e condimentos (sal, alho, cravo da índia, cominho, etc.), agregar diversos tipos de legumes e muito mais.

Uma dica mais do que deliciosa é preparar a conserva de suas pimentas em vinagre juntamente com legumes comumente utilizados na preparação de picles, como por exemplo, cenoura ou pepino. Além de ser extremamente saboroso, você obterá uns picles com um aroma picante (ardido) e exótico.

A acidez do vinagre impede a formação de bactérias ou mofo, comumente surgindo na forma deaflatoxinas.

Isso permite que sua conserva de pimentas em vinagre tenha uma validade prolongada, chegando há 1 ano​ (conservas caseiras) e 2 anos (conservas com métodos industriais)​ se o frasco for mantido sob-refrigeração, muito bem vedado e protegido da luz e do calor.

Somente recipientes de vidro devem ser utilizados nesse procedimento, pois é a maneira mais garantida de se conseguir a validade anteriormente mencionada, além de ser extremamente resistente à acidez do vinagre.

Outra característica interessante do processo de conserva de pimentas em vinagre é a maneira como as pimentas mantém sua estrutura celular o mais intacta possível, diferente do processo de conserva por congelamento. No congelamento, a pimenta ganha certa elasticidade em sua estrutura, sendo perceptível em seu manuseio. A conserva de pimentas em vinagre permite que a pimenta mantenha sua estrutura mais natural, ou seja, mais crocante e não elástica.

O vinagre branco fermentado de álcool é o vinagre mais indicado para o preparo de suas conservas de pimentas. Ele possui um sabor mais acentuado e permite que as pimentas mantenham suas cores intactas. Como mencionamos anteriormente, você pode usar sua criatividade e combinar diversas variedades de pimentas com condimentos e outros legumes.

Você pode inclusive utilizar vinagre à base de frutas ou outros tipos de vinagre, caso você não se incomode que suas pimentas em conserva percam um pouco de sua cor.

Ao utilizar qualquer outro tipo de vinagre, existe essa tendência de descoloração bem mais acentuada e aparente do que a utilização do vinagre fermentado de álcool, onde a descoloração é mais suave caso venha realmente a ocorrer. Mas em nenhum momento o aroma ou a pungência será afetado ou prejudicado.

O único detalhe importante a ser observado e a taxa de acidez do vinagre, que deve ser de no mínimo 5% para que atue como agente antibacteriano.

Mais uma vantagem na conserva de pimentas em vinagre: não somente as pimentas podem ser utilizadas como ingredientes para os pratos ou receitas que você desejar, mas também o vinagre pode e deve ser utilizados no preparo de saladas, carnes e muito mais. Ele irá adquirir a pungência das pimentas e dará um toque mais do que especial em suas receitas. Lembre-se de utilizar apenas pimentas que estejam em perfeito estado, sem manchas ou marcas aparentes. Dessa maneira você garante a qualidade e validade de sua conserva.

Esterilização dos Recipientes – Frascos de Vidro:

Para esterilizar os frascos de vidro que serão utilizados para armazenar sua conserva de pimenta em vinagre, basta seguir estes passos:

A – Coloque um pano de algodão limpo no fundo de uma panela grande, que será utilizada para ferver os recipientes.

B – Coloque os recipientes/frascos de vidro com a boca virada para baixo, sem tampa, sobre o pano. O pano de algodão serve como segurança e proteção, para evitar que o vidro se quebre durante o processo de fervura da esterilização.

C – Encha a panela com água, o máximo que você conseguir. Leve ao fogo e deixe fervendo por aproximadamente 20 minutos. Quando estiver faltando 5 minutos para o término da fervura dos frascos/recipientes, coloque as tampas para ferver também. 5 minutos são suficientes para esterilizar as tampas.

D – Apague o fogo e deixe a panela esfriando. Retire os frascos/recipientes e tampas e coloque com a boca para baixo sob um pano bem limpo ou papel toalha e deixe esfriar (nunca use o pano ou papel para secar, pois eles deixam resíduos dentro dos vidros).

Observação: verifique cuidadosamente a borda superior do frasco/recipiente, tendo a certeza de que não existe nenhuma lasca ou quebra aparente. Analise também a parte interna da tampa a ser utilizada, evitando utilizá-la caso existam rupturas ou danos à rosca interna.

Dessa maneira você garante que sua conserva será fechada a vácuo por completo, garantindo a validade pelo maior período possível.

Preparando sua Conserva de Pimentas em Vinagre:

A – Será necessário seguir um passo preparatório para utilizar suas pimentas de maneira eficaz em sua conserva. Esse procedimento é importante, pois permitirá que o vinagre e qualquer outro condimento utilizado penetrem melhor nas pimentas, tornando o processo de conserva mais eficaz.

Leia também:  Como analisar um estudo de caso: 8 passos (com imagens)

Para isso, coloque as pimentas escolhidas – aproximadamente 500g – em uma tigela grande. Você pode escolher diversas variedades de pimentas para serem colocadas em uma mesma conserva. Combine as variedades de pimentas com cores diferentes para que sua conserva fique visualmente atrativa e com aroma diferenciado.

Prepare uma solução de salmoura utilizando 1 litro de água com aproximadamente 350g de sal. Despeje a salmoura na tigela e mexa levemente. A salmoura auxilia na diminuição da umidade presente nas pimentas, além de permitir melhor absorção do vinagre. Logo em seguida, coloque um prato sobre as pimentas, para fazer peso sobre elas e evitar que fiquem flutuando na salmoura.

Desse modo você garante que todas as pimentas ficarão 100% mergulhadas e sofrerão a ação do sal por completo. Deixe as pimentas na salmoura por aproximadamente 8 horas.

B – Retire as pimentas da salmoura e passe-as em água correte. Logo em seguida, seque-as levemente com um pano de algodão bem limpo, apenas para retirar o excesso de água em torno dos frutos.

Para auxiliar no processo de lavagem das pimentas de pequeno porte (malagueta, tabasco, etc.), aconselhamos a utilização de um escorredor de macarrão.

Dessa maneira você consegue lavar os frutos de forma mais produtiva ao invés de executar a mesma operação diversas vezes em pequenos lotes.

C – Com o auxílio de um garfo ou uma faca, faça pequenas perfurações ou fendas em torno das pimentas. Se preferir, você pode fatiá-las ou apenas cortá-las ao meio. Lembre-se de proteger suas mãos e olhos no manuseio das pimentas, principalmente após o período na salmoura!

D – Coloque as pimentas em uma panela e adicione a seguinte mistura: 750 ml de vinagre (fermentado de álcool ou outro à sua escolha), 250 ml de água, 2 colheres de chá de sal e 2 colheres de sobremesa de açúcar.

Caso queira, você pode adicionar temperos (tal como folhas de louro, sementes de mostarda, etc.) e/ou legumes (cenoura, pepino, dentre outros comumente utilizados na preparação de picles). Leve a panela ao fogo e esquente a mistura por aproximadamente 5 minutos em fogo médio.

Esse procedimento serve apenas para elevar um pouco a temperatura da mistura, permitindo que o vinagre penetre de maneira mais eficiente nas pimentas (e legumes, caso adicionados). Não ultrapasse ou esquente por muito mais tempo, pois você poderá reduzir ou remover a acidez do vinagre.

Sem a acidez, o vinagre perde suas propriedades antibacterianas e você terá que substituí-lo para que sua conserva seja feita.

E – Retire a panela do fogo e divida as pimentas em um ou mais recipientes/frascos de vidro esterilizado anteriormente, caso um único recipiente não seja suficiente para a quantidade de pimentas já preparadas. Coloque as pimentas até que fiquem aproximadamente 2 cm abaixo do topo do frasco.

Finalize completando cada frasco com a mistura de vinagre aquecida anteriormente. Preencha os recipientes o máximo possível, deixando bem menos do que 1 cm de espaço em relação ao topo do frasco.

Aguarde por alguns minutos para que as bolhas de ar, que normalmente se formam no interior do recipiente,vazem.

Feche o recipiente muito bem e conserve em local fresco e protegido da luz.

F – Após o período de 4 a 6 semanas, você já poderá utilizar sua conserva da maneira que desejar. Para retirar as pimentas, o vinagre, legumes, etc., de dentro de sua conserva, é aconselhável a utilização de utensílios de plástico.

Isso não quer dizer que utensílios de metal ou madeira não possam ser utilizados.

Mas, normalmente, o metal se não for bem conservado permite a criação de partículas de óxido ou, a madeira, permite a formação de algumas substâncias em sua superfície que podem contaminar ou reduzir a validade de sua conserva, mesmo com a ação antibacteriana do vinagre.

G – Uma vez aberta, você deve armazenar sua conserva na geladeira. O vinagre adquire um sabor pungente (picante) e diferenciado, tornando-se um ótimo ingrediente para o preparo de saladas, patês e muito mais.

Caso você utilize apenas o vinagre de sua conserva, será necessário repor a quantidade utilizada, pois as pimentas devem sempre ficar submersas na mistura de vinagre. Caso contrário, elas tendem a embolorar e estragar.

Antes de retirar o vinagre em grandes quantidades de sua conserva, é aconselhável que você prepare a quantia de reposição utilizando a receita apresentada no passo D. Não é necessário retirar as pimentas do frasco e colocá-las na panela para aquecê-las novamente! Aqueça apenas a mistura de vinagre, pois será o suficiente.

H – Não se esqueça de anotar a data de produção, bem como o prazo de validade de sua conserva. Seguindo as orientações de forma correta, você poderá manter suas conservas de pimentas em vinagre por até 1 ano em processo caseiro ou 2 anos em processo industrializado sempre acompanhado pela nossa engenheira alimentar.

Vinagre: os tipos, como conservar e aromatizar

O vinagre é considerado um ingrediente culinário processado, obtido pela fermentação de frutas (como o de maçã), de cereais (como o de arroz), de mel e de cana-de-açúcar, por exemplo.

Durante esta semana aqui no blog, você vai ficar sabendo um pouco mais sobre ele: como escolher, conservar, aromatizar e onde usar. Ah, também vai descobrir por que vinagre não deve ser encarado como um medicamento.

Para começo de conversa, vamos descobrir quem é quem na prateleira:

Vinagres de vinho branco e tinto – são feitos a partir da fermentação do suco de uvas e são os mais comuns nas cozinhas brasileiras. O branco tem sabor mais suave, enquanto o tinto é mais aromático.

  • Vinagres de fruta – o mais comum é o de maçã, feito a partir da fermentação do suco de fruta.
  • Vinagre de arroz – tem sabor e cheiro mais suaves e é muito utilizado nas preparações orientais.
  • Vinagre de álcool – costuma ser utilizado em conservas.

Vinagre balsâmico – também chamado de aceto balsâmico, tem coloração escura, aspecto mais denso e sabor agridoce. É usado em molhos de saladas, com carnes e até em sobremesas (caso do clássico morango com balsâmico).

Vinagres aromatizados – só vale se você prepará-los em casa. Os vinagres com sabor à venda nos supermercados são produtos ultraprocessados que levam conservantes e aromatizantes. Como a gente sempre diz: você não precisa deles.

Como aromatizar em casa? Escolha um básico, como o branco, e use ervas como a sálvia (fica refrescante!) e o alecrim; pimentas frescas, alho e limão também valem. Teste as ervas e misturas que mais agradam seu paladar.

Antes de começar, esterilize os recipientes de vidro e lave as ervas. Tudo tem que estar bem seco porque qualquer gota de água pode embolorar a receita em poucos dias.

Aqueça leventemente o vinagre, sem deixar ferver. Misture com as ervas e espere pelo menos três dias antes de consumir, para dar tempo de o sabor ficar mais intenso.

Todos os tipos de vinagre devem ser mantidos na geladeira – fora dela, podem sofrer ação de microorganismos e estragar. O mesmo pode acontecer com os produtos fora do prazo de validade. Nada de achar que aquele vinagre vai durar a vida toda na despensa, hein?

Foto: Editora Panelinha / por Gilberto Oliveira Jr.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*