Como aprender entrada de dados (data entry): 8 passos

Olá pessoal, atendendo a vários internautas que são iniciantes na área de TI, os quais não estão familiarizados  com o processo de certificação, resolvi escrever esse post para esclarecer o assunto sobre o CCNA e o processo de certificação em geral.

Mudanças estão previstas para o CCNA e TODAS as demais certificações Cisco em 24 de fevereiro de 2020 CLIQUE AQUI e descubra como as coisas irão ficar após essa data!

O que ocorre até lá? Nada muda… até 23 de fevereiro de 2020 valem as regras vigentes.

O Cisco Certified Network Associate Routing and Switching ou CCNA R&S ® é uma certificação do fabricante Cisco, o qual tem como objetivo validar a capacidade do candidato para instalar, configurar, operar e solucionar problemas em redes de tamanho médio compostas por Roteadores e Switches, incluindo a implementação e verificação de conexões para sites ou unidades remotas conectadas via uma rede WAN.

Quer passar de Primeira nas Certificações Cisco CCNA R&S, CCENT (ICND1) ou ICND2? CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO e faça o download desse PDF:

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

  • O currículo atual do CCNA inclui diversos protocolos, tecnologias e configuraçãoes em roteadores e switches Cisco, tais como IP versões 4 e 6, Enhanced Interior Gateway Routing Protocol (EIGRP), Open Shortest Path First (OSPF), Routing Information Protocol versão 2 (RIP v2), VLANs, HSRP, Listas de controle de acesso (ACL), VTP, Spanning-tree Protocol, Rapid spanning-tree Protocol, BGP-4, conceitos de Virtualização e Redes Programáveis (SDN – Software Defined Networking), dentre outros, sendo esse um diferencial dessa certificação:
  • Ensinar não somente assuntos proprietários da Cisco no CCNA, mas principalmente tecnologias que se aplicam a quaisquer fabricantes, como HP, 3Com, Dlink, Juniper, Huawei e outros.”
  • Porém vale citar que toda parte prática do CCNA é baseada no Cisco IOS e sua CLI (Command Line Interface).
  • Atualmente o CCNA pode ser obtido de duas maneiras:
  1. Através da prova única acelerada chamada CCNAX (Interconnecting Cisco Networking Devices: Accelerated) ou
  2. Realizando dois exames: primeiro o ICND-1 (Interconnecting Cisco Networking Devices Part 1) e depois o ICND-2 (Interconnecting Cisco Networking Devices Part 2).

O exame ICND1 é também uma certificação Cisco.

Passando no exame ICND-1 você recebe o título de CCENT ou Cisco Certified Entry Networking Technician, ou seja, uma certificação de entrada ou “Entry Level” que serve como ponto de partida para certificar-se CCNA R&S, CCNA Security, CCNA Wireless ou CCDA (Design).

Mas afinal o que e quem é a Cisco?

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

A Cisco Systems, Inc. é uma companhia multinacional sediada em San Jose Califórnia, Estados Unidos da América.

A atividade principal da Cisco é o oferecimento de soluções para redes e comunicações quer seja na fabricação e venda (destacando-se fortemente no mercado de Roteadores e Switches) ou mesmo na prestação de serviços por meio de suas subsidiárias Linksys, WebEx, IronPort e Scientific Atlanta.

No começo de suas operações a Cisco fabricava apenas roteadores de grande porte para empresas mas gradualmente diversificou o seu negócio passando a atender também ao consumidor final com tecnologias como o VoIP e Colaboração ao mesmo tempo, em que seu segmento corporativo era ampliado.

A Cisco foi fundada com base na cultura e nos princípios da comunicação aberta, confiança, integridade e retribuição à comunidade. Estes são os mesmos valores que, atualmente, são encontrados na empresa.

Qual a vantagem de fazer o CCNA e onde poderei trabalhar?

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

  1. A principal vantagem do CCNA é a oportunidade de estudar e aprender os mais diversos protocolos de redes e também poder aplicar os conhecimentos na prática, seja com simuladores ou equipamentos reais.
  2. Sobre o mercado de trabalho para um CCNA é bastante amplo, mas vamos resumir aqui os principais:
  1. Parceiros da Cisco: revendas, integradoras de solução e outras empresas que são ligadas oficialmente ou não à Cisco;
  2. Escolas e Centros de Treinamento para CCNA: por exemplo a própria DlteC;
  3. Clientes da Cisco: aqui temos empresas de todos os portes e nas mais diversas áreas, tais como operadoras de telecomunicações;
  4. Como Empreendedor: como um prestador de serviços autônomo ou abrindo sua própria empresa, podendo por exemplo, uma revenda de equipamentos Cisco e prestadora de serviços.

Nesse artigo você encontra mais informações sobre mercado de trabalho e oportunidades para profissionais certificados CCNA: “Qual o mercado de trabalho para um profissional certificado CCNA?“

Como posso estudar para tirar a certificação CCNA?

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

  • Em primeiro lugar quero deixar claro que não existe um pré-requisito para que você faça a prova do CCNA, pois existe uma confusão com o CCENT por ele ter sido colocado como “Entry Level”, porém não há esse pré-requisito.
  • Além disso, você não precisa fazer um curso oficial para validar o exame, se você quiser pode estudar sozinho!
  • Na internet estão disponíveis os mais diversos materiais e documentações sobre o CCNA, mas a preparação em si para a prova depende muito do seu nível de conhecimento em redes e como você gosta de estudar.
  • A preparação pode incluir opções como:
  • Treinamento presencial;
  • Treinamento On-line;
  • Webaulas;
  • Laboratórios práticos reais ou com simuladores;
  • Simuladores de exame;
  • Materiais de estudos (famosos tutoriais);
  • Apostilas e Ebooks;
  • Vídeo aulas.
  1. Resumindo tudo isso, você terá que estudar parte do conteúdo teórico, parte que terá prática com comandos de configuração e resolução de problemas, laboratórios simulados e questões que misturam de tudo um pouco.
  2. Portanto o material a ser utilizado deve contemplar tudo isso, ou seja, além do conteúdo teórico deve ter prática e exercícios, pois o sucesso em qualquer prova de certificação é praticar bastante antes de realizar a prova.
  3. Clique no link a seguir para ver as Perguntas Frequentes sobre o CCNA.

Porque escolher a DlteC para ajudar na minha preparação para o CCNA?

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

  • A DlteC do Brasil oferece para seus assinantes Premium que estão se preparando para a Certificação CCNA um material definitivo, ou seja, completo e exclusivo.
  • Nossos cursos online tem um conteúdo único, o qual contém toda a teoria (leitura e vídeo aulas), prática com simuladores e exercícios para que você tenha sucesso no CCNA.
  • Além disso, os alunos tem acesso a diversos fóruns de discussão e a Tutores (professores) online 24h por dia 7 dias da semana para tirar suas dúvidas.
  • Nossa metodologia tem garantido uma aprovação nas certificações na primeira tentativa de 98%, ou seja, você vai passar de primeira no exame de certificação CCENT e depois no CCNA.
  • Essa é a vantagem de ser a empresa com o melhor curso não oficial Cisco, pois podemos ousar e fazer o que realmente faz a diferença para nossos alunos.
  • Nos preocupamos também com a sua vida prática como profissional certificado, pois não adianta ter uma certificação e não saber aplicar, no mercado você precisa provar que você realmente pode agregar valor a empresa com os conhecimentos aprendidos no processo de certificação.
  • Com tudo isso, você vai se preparar de forma exemplar para a prova de certificação Cisco e para o mercado de trabalho ao mesmo tempo, em uma mesma plataforma de ensino e com material atualizado!

Qual o futuro que posso escolher após o CCNA? Que certificações Cisco posso tirar após o CCNA?

  1. A Cisco oferece diversas carreiras nas mais variadas áreas de TI, tais como Roteamento e Switching, Segurança, Wireless, Datacenter e outras.

  2. Após o nível Associate (o “A” do CCNA) você pode partir para o nível profissional (CCNP) ou até chegar ao expert (CCIE)!
  3. Para cada nível existem diversas certificações Cisco a serem tiradas.

  4. Por exemplo, para o CCNP Routing e Switching você terá que enfrentar 3 provas: CCNP ROUTE, CCNP SWITCH e CCNP TSHOOT, sendo que a primeira tem foco em protocolos de roteamento avançados, a segunda em switching avançado e a terceira em resolução de problemas de redes (troubleshooting em inglês).
  5. Até um próximo post!
  6. Prof. Marcelo Nascimento
Leia também:  Como andar em uma montanha russa (com imagens)

Quer passar de Primeira nas Certificações Cisco CCNA R&S, CCENT (ICND1) ou ICND2? CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO e faça o download desse PDF:

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

Data entry, trucos para una mayor eficacia

En el trabajo de data entry contamos con numerosas herramientas que utilizamos a diario y que llegan a ser cruciales para nosotros.

Y por mucho que pase el tiempo Excel sigue siendo uno de los programas en los que más confiamos por las distintas posibilidades que ofrece y por la familiaridad que tenemos con su servicio.

No obstante, en ocasiones desaprovechamos todas las opciones que ofrece Excel debido a que desconocemos algunos trucos que podrían llevar a que saquemos provecho al software de una manera más eficiente. A continuación repasaremos algunos de estos trucos para que podáis mejorar vuestro uso del programa conectado a la nube.

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

1. Introducir rápidamente la hora y la fecha

Esta es una de esas funciones que nos vienen muy bien en momentos puntuales y con la que ahorramos tiempo y aumentamos la eficacia, que viene a ser para lo cual compartimos estos trucos.

Si no recordamos la fecha, lo único que tenemos que hacer es pulsar Control y la tecla del punto y coma (;). Eso hará que en la celda en la que nos encontremos se escriba la fecha de una manera automática.

Si lo que queremos es escribir la hora, lo que haremos será pulsar Control, la tecla Shift y por último los dos puntos (:). Con esto lo que haremos será fijar en la celda la hora o la fecha de este momento concreto. Ese valor no cambiará por mucho que cambie el tiempo.

Recordemos que esto es algo totalmente distinto a la hora y fecha que aparece en el caso de utilizar los comandos “hoy” o “ahora”, dado que en esos casos sí que se trata de una cifra que se modifica en tiempo real.

2. Aprovechar los formularios de entrada de datos

En el día a día con Excel hay una gran diferencia entre el uso del programa tal y como lo hacemos de base y el momento en el cual aprovechamos los formularios de entrada de datos.

Lo que estos nos permiten es realizar la introducción sencilla de nuevos registros en paquetes de datos que ya se encuentren establecidos.

Se lleva a cabo mediante un formulario pop-up y es muy fácil de utilizar, permitiendo el ahorro de tiempo y esfuerzos en aquellos casos en los que los datos tienen demasiadas columnas que nos requieren ir saltando de posición en posición mediante el uso del scroll.

Para utilizar los formularios de entrada de datos tenemos que añadirlos a la barra de acceso rápido. Pulsamos en el botón derecho del ratón y elegimos la opción de personalizar la barra de herramientas.

Cuando aparezca la caja de diálogo elegimos la opción “todos los comandos” y el parámetro “Formularios”. Luego pulsamos añadir y los formularios de entrada pasarán a estar disponibles en la barra de herramientas de acceso rápido.

A partir de ahí el uso de esta característica es sencillo, permitiendo añadir nuevas entradas al formulario y editar las disponibles de una manera muy simple.

3. Añadir ordinales a los números de forma automatizada

De lo que estamos hablando es de ahorrar tiempo y aumentar la eficacia, así que lo haremos por medio de todo tipo de funciones y atajos aunque nos parezcan sencillos.

Una de las cosas que podemos hacer es utilizar un código que nos permitirá configurar el programa para que los ordinales se pongan de manera automática en los números que escribimos.

De esta manera no solo vamos a estar ahorrando tiempo, sino que también nos libraremos de la pesadez de tener que poner los ordinales, algo que por otro lado en ocasiones se nos olvida. El código a introducir en este momento es el siguiente:

=A1&IF(OR(VALUE(RIGHT(A1,2))={11,12,13}),”th”,IF(OR(VALUE(RIGHT(A1))={1,2,3}),CHOOSE(RIGHT(A1),”st”,”nd”,”rd”),”th”))

4. Rellenar celdas con más rapidez

Hay algunos comandos que nos ayudarán mucho para que completar las celdas sea más rápido y ahorremos tiempo. Uno de los que podemos utilizar se plasma pulsando Control y Enter al mismo tiempo.

Cuando realizamos la selección de distintas celdas de forma simultánea apreciaremos que entre todas ellas habrá una que tendrá el papel de activa. Se trata de la celda que está iluminada con una sombra de color claro.

¿Qué ocurre si introducimos en esta celda algo con esa pulsación de teclas que hemos indicado? El valor aparecerá en todas las celdas que se encuentren seleccionadas.

Tengamos en cuenta que esto se aplica a las fórmulas del programa, por lo que el aprovechamiento de tiempo y esfuerzo es elevado a todos los niveles. Es decir, si ponemos una fórmula con Control y Enter en la celda activa de una selección, la fórmula se aplicará a todas las celdas.

5. Saltar entre pestañas del programa

Algo tan sencillo como el desplazamiento entre pestañas dentro del programa se puede agilizar todavía más. Y cuando le cojamos el truco nos sorprenderemos por lo útil que será para nosotros.

Para ello lo que tenemos que hacer es pulsar la tecla Control en combinación con las flechas de dirección hacia arriba o hacia abajo para realizar el movimiento en cuestión entre las pestañas.

En poco tiempo veremos que esta es una de las mejores técnicas en las que podemos confiar para exprimir el potencial del software.

6. Números decimales más sencillos

Trabajar con decimales en los números puede llevarnos a invertir más tiempo del necesario, pero también tenemos un consejo para ello. Lo que haremos con esta modificación de la configuración será definir que el programa se ocupe de poner los puntos y los decimales, de manera que nosotros nos ocupemos solo de los números.

Lo que haremos será ver cómo Excel pone siempre los dos últimos números que escribamos después del decimal. Por ejemplo, poniendo 1 se transformará en .01 y poniendo 10 lo que llevará a ser será 0.1 y así sucesivamente. Configuramos esta modificación desde el menú de opciones, luego Avanzado y después marcamos la opción “insertar automáticamente un punto decimal”.

Luego podemos definir cuántos decimales queremos que haya cada vez.

Conclusión

Como decimos, Excel y el data entry cambian mucho en el momento en el cual hemos optimizado el uso del software.

Por ello es conveniente que hagamos una pausa en nuestro día a día o que le dediquemos unas horas para poder aprender las distintas técnicas que nos permitirán exprimir el uso del programa.

Os hemos dado algunos consejos, pero hay muchos otros que están esperando a ser descubiertos para que nuestra eficacia aumente.

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

Como a Web funciona

Anterior Menu: Getting started with the web

Leia também:  Como bloquear spam de telefone celular: 7 passos

Essa teoria não é essencial para escrever códigos em curto prazo, mas em pouco tempo você vai se beneficiar ao entender o que está acontecendo em segundo plano.

Clientes e servidores

Computadores conectados à Web são chamados clientes e servidores. Um diagrama simplificado de como eles interagem pode ter essa aparência:

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

  • Clientes são os dispositivos conectados a internet típicos do usuário da Web (por exemplo, seu computador conectado ao seu Wi-Fi ou seu telefone conectado à sua rede móvel) e programas de acesso à Web disponíveis nesses dispositivos (geralmente um navegador como Firefox ou Chrome).
  • Servidores são computadores que armazenam páginas, sites ou aplicativos. Quando o dispositivo de um cliente quer acessar uma página, uma cópia dela é baixada do servidor para à máquina do cliente para ser mostrada no navegador do usuário.

As outras partes da caixa de ferramentas

O cliente e o servidor que descrevemos acima não contam toda a história. Existem muitas outras partes envolvidas, e vamos descrevê-las abaixo.

Por enquanto, vamos imaginar que a web é uma estrada. Em um extremo da estrada, temos o cliente, que é como sua casa. No extremo oposto, temos o servidor, que é como uma loja onde você quer comprar algo.

Como Aprender Entrada de Dados (Data Entry): 8 Passos

Além do cliente e do servidor, também precisamos dizer oi para:

  • Sua conexão de Internet: Permite que você mande e receba dados na web. É basicamente como a rua entre sua casa e a loja.
  • TCP/IP: Protocolo de Controle de Transmissão e Protocolo de Internet (Transmission Control Protocol e Internet Protocol) são protocolos de comunicação que definem como os dados trafegam pela web. São como os mecanismos de transporte que te permitem ir ao shopping, fazer um pedido e comprar seus produtos. Em nosso exemplo, é como um carro ou uma bicicleta (ou qualquer outra coisa que você possa usar).
  • DNS: Servidor de Nome de Domínio (Domain Name Servers) são como um catálogo de endereços para sites. Quando você digita um endereço web no seu navegador, o navegador procura no servidor de DNS para localizar o endereço real do site, antes que ele possa recuperar o site. O navegador precisa encontrar em qual servidor web a página está hospedada, para que ele possa mandar mensagens HTTP para o lugar certo (veja abaixo). Isso é como pesquisar o endereço da loja para que você possa entrar em contato.
  • HTTP: Protocolo de Transferência de Hypertexto (Hypertext Transfer Protocol) é um protocolo de aplicação que define uma linguagem para clientes e servidores se comunicarem entre si. É como a linguagem que você usa para encomendar seus produtos.
  • Arquivos do componente: Um website é feito de muitos arquivos diferentes, que são como as diferentes partes dos produtos que você comprou na loja. Esses arquivos são divididos em dois tipos principais:
    • Arquivos de Código: Os sites são feitos principalmente de HTML, CSS e JavaScript, embora você possa conhecer outras tecnologias mais tarde.
    • Recursos: Esse é o nome coletivo para todas as outras coisas que compõem um site, como imagens, música, vídeos, documentos do Word e PDFs.

Então o que acontece, exatamente?

Quando você digita um endereço da web no seu navegador (pela nossa analogia é como ir andando até a loja):

  1. O navegador vai para o servidor de DNS e encontra o endereço verdadeiro onde o site está hospedado (você encontra o endereço da loja).
  2. O navegador manda uma mensagem de requisição HTTP para o servidor, pedindo que envie uma cópia do site ao cliente (você vai até a loja e pede suas mercadorias). Esta mensagem e todos os outros dados enviados entre o cliente e o servidor, são enviados pela sua conexão à internet usando TCP/IP.
  3. Se o servidor aprovar a requisição do cliente, o servidor enviará ao cliente uma mensagem “200 OK”, que significa “Claro que você pode ver esse site! Aqui está” e então começa a enviar os arquivos do site para o navegador como uma série de pequenos pedaços chamados pacotes de dados (a loja dá-lhe os suas mercadorias e você as traz para sua casa).
  4. O navegador monta os pequenos pedaços em um site completo e te mostra (as mercadorias chegam à sua porta — novas coisas brilhantes e incríveis!).

DNS explicado

Endereços web verdadeiros não são sequências de textos boas e fáceis de lembrar que você digita na sua barra de endereços para encontrar seus sites favoritos. Eles são números especiais que se parecem com isso: 63.245.215.20.

Isso é chamado endereço IP e representa um local único na web. No entanto, não é muito fácil de lembrar, é? É por isso que o Servidor de Nome de Domínio foi inventado. Esses são servidores especiais que relacionam o endereço da web que você digita no seu navegador (como “mozilla.org”) com o endereço real do site (IP).

Sites podem ser acessados diretamente pelo seu endereço IP. Você pode encontrar o endereço IP de um site, digitando seu domínio em uma ferramenta como o IP Checker.

Pacotes explicados

Anteriormente, usamos o termo “pacotes” para descrever o formato no qual os dados são enviados do servidor para o cliente.

O que nós queremos dizer? Basicamente, quando os dados são enviados pela web, eles são enviados como milhares de pequenos blocos, para que muitos usuários diferentes possam baixar o mesmo site ao mesmo tempo.

 Se os site fosse enviado como um grande bloco, somente um usuário poderia baixar de cada vez, o que obviamente tornaria a web muito ineficiente e não muito divertida de usar.

Veja também

Créditos

Foto da rua: Street composing, por Kevin D.

Anterior Menu: Getting started with the web

Neste módulo

Todo lo que debes saber sobre Data Entry

Recientemente hemos añadido una nueva categoría a nuestra ya extensa lista llamada „Data Entry“. Si ya te has dado cuenta de su existencia, probablemente tengas algunas preguntas relacionadas con ella.

Si quieres saber más sobre el tema, sobre sus ventajas y desventajas, sobre cómo tener éxito con estos proyectos o si simplemente tienes curiosidad, estás en el sitio correcto.

En este artículo queremos explicarte todo lo que necesitas saber sobre el „data entry“.

1) ¿Qué es el data entry o inserción de datos?

Muchos de vosotros se preguntarán en qué consiste exactamente este tipo de proyectos. Pues bien, „data entry“ describe el acto de introducir información en un formulario electrónico con un procesador de textos o un software específico para procesamiento de datos. Un ejemplo de este último podría ser un programa del paquete de Microsoft Office.

Dentro de la categoría Data Entry, podríamos encontrar dos tipos de proyectos:

  • La entrada de datos directa (straight data entry) por lo general incluye la transferencia de información en forma de texto a otra base de datos. El texto en cuestión podría incluir nombres,direcciones, números, y otros datos similares. Este tipo de proyectos requieren un buen ojo para el detalle y ser capaz de escribir rápida y correctamente.
  • Las transcripciones (Transcript data entry) se diferencian de la categoría anterior por el hecho de que la información proporcionada no será necesariamente un texto. También son frecuentes los videos, audios, o una conversación que tiene lugar en ese momento. Este tipo de trabajo empujará tus habilidades al límite. Sobre todo porque a menudo se trata de términos médicos, legales o muy específicos. 
Leia também:  Como ajudar um gato com o ombro quebrado (com imagens)

2) Ventajas e inconvenientes de trabajar en data entry

Una vez aclarado el significado del término, pasamos a analizar los pros y contras de este tipo de proyectos.

En primer lugar, son proyectos que normalmente no requieren otras habilidades adicionales a mecanografiar de una forma rápida y sin errores.

Además suelen ser proyectos flexibles que te permiten decidir cuándo ponerte a hacer el trabajo.

Cada vez es posible encontrar más proyectos de este tipo ya que procesar información de forma manual puede ser un proceso muy lento y esto hace que muchas compañías opten por externalizar este tipo de trabajo. Además, la mayoría de proyectos pueden realizarse desde casa y trabajar desde casa es una gran ventaja. En definitiva, es un trabajo sencillo y rápido si buscas ingresos extras como freelancer.

A pesar de estas ventajas, hay también algunas desventajas. Si bien no es un trabajo agotador mentalmente hablando, si puede agotarte físicamente.

No puedes olvidar el posible dolor de muñeca que te podría surgir y por eso deberías evitar excesivas cargas de trabajo.

Además, mantener la concentración puede ser realmente difícil en algunos momentos y el hecho de presentar un trabajo con demasiados errores mecanográficos será un aspecto poco querido por parte de los clientes.

Por último, y más importante, ten cuidado con las estafas. Existen multitud de proyectos de data entry en internet que te prometen una fortuna en pocos meses. Ten en cuenta que si es demasiado bueno para ser real, probablemente no lo sea.

También existen sitios que te obligan a pagar una cuota para obtener este tipo de proyectos. Evítalos. Recuerda que eres tu, como freelancer, el que está buscando obtener un ingreso y no al contrario.

Otra forma de obtener ingresos extras es aprovecharse de los ingresos pasivos. 

Ojo, si es demasiado bueno para ser real, probablemente no lo sea.

3) Mejorar para trabajar en proyectos de Data Entry

Para mejorar en esta tarea aprender a mecanografiar rápidamente con el mínimo número de errores será lo más importante. Existen multitud de sitios web y aplicaciones que te ayudarán a mejorar, simplemente se constante y recuerda que ¡la práctica hace la perfección!

Por otro lado, familiarízate con los softwares más utilizados para este tipo de proyectos como el paquete de Microsoft Office o Open Office. Por último, no te olvides de crear un buen lugar de trabajo, ya que este tipo de proyectos supone pasar largos ratos sentado y escribiendo. Invierte en un teclado decente y en una silla cómoda.

Si buscas ser un buen data entry, practica a diario. Puedes, por ejemplo, intentar escribir lo que se dice en la radio, utilizar un video de Youtube y también reescribirlo, etc. 

4) Buscar trabajo como experto en data entry o inserción de datos

Si este artículo ha conseguido llamar tu atención y quieres probar con este tipo de proyectos. Echa un ojo a nuestra nueva categoría „data entry“. Nos encantará ayudarte a encontrar otro tipo de trabajos mientras consigues una carrera exitosa como freelancer.

Recuerda, que en muchas ocasiones son proyectos que pueden realizarse como complemento a otros trabajos. Puedes adaptar las horas de trabajo y casi siempre, completar las tareas desde casa.

AprendaProgramar – PythonBrasil

por Luciano Ramalho O original deste documento está em http://turing.com.br/material/appy/index.html

Para obter uma versão completa em pdf que pode ser lida fora da conexão com a Internet, acesse aqui.

Para contribuir ou reportar erros, por gentileza utilize o repositório: https://github.com/oturing/appy . Use o link “Issues” para reportar erros ou fazer sugestões de melhoria.

Este tutorial foi publicado originalmente na revista MAGNET: http://www.magnet.com.br/classic/aprendaprog/ Este link aparentemente não está mais no ar, mas foi preservado aqui por razões históricas. 1

A obra “Aprenda a Programar” de Luciano Ramalho foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não Comercial – Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Brasil.

Para solicitar permissões adicionais, escreva para o autor via e-mail: luciano?ramalho.org (substituindo o ? pelo símbolo apropriado).

Capítulo 0

Porque aprender a programar?

A razão fundamental, que nos motivou a produzir este tutorial, é uma só: programar é divertido. É claro que nem todo mundo vai concordar com isso, assim como muita gente não acha graça nenhuma em jogar xadrez ou explorar cavernas. Ao contrário do xadrez e da espeleologia, a programação também é uma habilidade que tem forte demanda no mercado de trabalho.

Mas a dura realidade é que somente com centenas ou milhares de horas de experiência programando é que você estará apto a incluir essa disciplina em seu currículo e se dar bem em uma entrevista de emprego.

Portanto nosso objetivo aqui é bem mais modesto do que transformar você em um programador profissional. O que estamos te oferecendo é uma introdução suave a esse tópico fascinante.

Ao final, esperamos que você descubra se tem a vocação e a motivação necessárias para criar softwares, como hobby ou profissão.

Antes de começar, apenas um aviso: o prazer de construir um programa pode causar dependência psicológica. Não é apenas por dinheiro que programadores do mundo inteiro varam noites escrevendo código.

Material necessário

Para acompanhar esse tutorial você precisará de um computador qualquer onde tenha instalado um interpretador da linguagem Python.

Em quase todas as versões modernas de Linux e Mac OS X o interpretador Python já vem instalado (experimente abrir um console e digitar “python”). Na página http://www.python.org/download/ você encontra links para baixar o interpretador adequado para o seu computador. No caso do Windows, o instalador .msi da versão atual do Python tem cerca de 11 MB.

Porquê Python

Toda programação de computadores é feita através de uma ou mais linguagens de programação, portanto não é possível aprender a programar sem aprender ao menos uma linguagem de programação.

Nossa meta não é mostrar como se programa em uma linguagem específica, mas sim como se programa de uma forma geral. Ou seja, a linguagem para nós será um veículo, e não o destino.

Mesmo assim, pensamos bastante antes de escolher uma linguagem para este tutorial, e optamos por Python.

Centenas de linguagens já foram criadas desde que o computador eletrônico foi inventado nos anos 40. Algumas já são línguas mortas. Outras, como C++ e Java, são peças fundamentais no desenvolvimento da economia digital.

No entanto, a complexidade dessas duas linguagens nos motivou a descartá-las, e focalizar o universo das chamadas linguagens de “scripting”, que são mais simples e se prestam a um estilo de programação exploratória, mais sintonizado com um tutorial como esse.

As três linguagens de scripting mais populares atualmente são !PHP, JavaScript e !VBScript.

Todas são utilizadas na construção de web-sites dinâmicos, mas praticamente não têm aplicação fora desse domínio, e por isso foram descartadas.

É que, embora seja nosso objetivo abordar também esse tópico, achamos que é complexo demais para começar, especialmente devido à dificuldade de se diagnosticar erros de programação em páginas dinâmicas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*