Como cantar com um microfone: 9 passos (com imagens)

Nada dura para sempre. Nem os microfones. Por mais cuidado que se tenha, por mais quedas evitemos, sempre haverá uma vez que o microfone, por um motivo qualquer, vai parar de funcionar.

E uma vez sem funcionar… o seu destino será o lixo! Será mesmo? Neste artigo vamos aprender a fazer pequenas manutenções em microfones dinâmicos de mão. Para nosso exemplo, vamos usar um velho (1995) microfone LeSon SM-58.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Pela foto, dá para notar que o mic foi bem usado.

Sujeira no corpo

Este microfone já teve umas 10 etiquetas coladas nele, fita isolante colorida (muita gente monta um código de cores para indicar uma determinada função), etc, fita durex, etc.

O grande problema é que a cola das fitas e etiquetas fica grudada no corpo, mesmo após a retirada da sua cobertura (o plástico da fita ou o papel da etiqueta). E essa cola é terrível: toda a sujeira do lugar gruda na cola.

Deixa o microfone mais sujo e “melecado” que tudo.

Vamos tentar deixar o microfone como novo, ou pelo menos parecido com isso. Para tanto, precisamos fazer uma boa limpeza no seu corpo. Os passos são:

1) Retire manualmente todas as sobras de etiqueta de papel, fita durex, fita isolante, etc.

Alguns pedaços de fita são muitos finos, e talvez uma faca ou estilete ajudem a raspá-los. Só que na verdade, atrapalham! Vão descascar a tinta do microfone, deixando-o pior, Use uma régua plástica para raspar a superfície. Em geral, ela não produz danos à pintura.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

2) Remova a cola grudada no corpo

Para remover a cola, há um segredo. Não adianta usar água, nem álcool nem detergentes. O que precisamos é de um pouco de óleo. Embeba uma bucha de cozinha em óleo (serve os de cozinha mesmo – soja, canola, etc, ou mesmo óleo lubrificante) e agora basta “fazer força” para deixar o microfone como novo!

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Não é necessário muito óleo. Use pouco, equivalente a uma colher de chá. Espalhe o óleo sobre uma das pontas, e esfregue por todo o corpo. Como este microfone é de aço escovado, isso facilita as coisas: podemos usar o lado abrasivo da esponja, o que faz o trabalho ir rápido. Se o microfone é pintado, é melhor usar o lado macio, mas costuma demorar mais tempo.

3) Remova o óleo.

Novamente, nada de água. Um dos piores inimigos dos microfones é a água, pois a umidade afeta as  cápsulas. Para secar, use folhas de papel toalha.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Se após remover o óleo ainda percebermos alguma sobra de cola, embeba outra parte da esponja com cola e repita a operação.

Ao final de 10 minutos de trabalho até agora, olhem só como o microfone ficou. Bem melhor!

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Globo

O nome “globo” quer dizer “corpo esférico, redondo”, segundo o Aurélio. Mas depois de algumas quedas no chão, o globo deste microfone pode ser chamado mesmo é de “plano”.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Tentar desamassar para voltar a ser corpo esférico novamente é tarefa muito ingrata, e que não faz praticamente nenhuma diferença na sonoridade. Logo, melhor mesmo é não perder tempo com isso.

Um problema que aflige muito os microfones da LeSon é que o seu globo é formado por duas  grades metálicas distintas, presas por uma peça central única, de onde as grades soltam-se com o tempo.

Para consertar, retire o globo do microfone e pressione manualmente as grades contra a peça central, colocando as pontas da grade novamente no encaixe respectivo.

Isso feito, use adesivo instantâneo (tipo Superbonder ou semelhante), e segure bem por pelo menos 3 minutos. Faça um lado de cada vez. Funciona muito bem, e fica como novo.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

Quem não quiser, há globos avulsos para vender. Mas é melhor gastar R$ 3,00 em um tubo de Superbonder que 15,00 em um globo, não?

E para limpar marca de batom em globo, como se faz? Também com o globo separado do microfone, use uma escovinha de limpeza molhada com água. Dá conta do recado fácil, fácil. Mas não se esqueça de antes retirar a espuma de dentro, com todo o cuidado. A espuma molhada pode mofar. Após a limpeza, deixe o globo secar ao Sol.

Pintura

Alguns modelos de microfones são pintados (corpo e/ou globo), e com o tempo a tinta descasca, dando uma aparência bem feia ao microfone.

A solução é bem simples, basta pintá-lo novamente. Só que alguns cuidados são necessários.

1) Descasque o máximo de pintura “velha” que conseguir. Use uma esponja de cozinha, seca (sem água nem óleo), no lado abrasivo.

2) Proteja a cápsula. Enrole jornal na mesma, proteja-a bem. A tinta poderá tampar os poros por onde entra o som na cápsula, alterando a sonoridade.

3) Pinte o globo separadamente, com o cuidado de antes retirar a espuma interna. Tenha o cuidado de examinar o globo depois de pintado, para que não haja nenhum dos buraquinhos da grade tampado. Se houver, “fure” com algo pontiagudo.

Para pintar, use tinta spray, tipo Colorjet ou equivalente, comuns para pintar bicicletas, etc. Coloque o microfone de pé (apoiado pelo conector), em cima de jornal velho, e pinte-o por igual, circundando-o.

Mas pense bem antes de pintar. Isso praticamente tira toda a originalidade do microfone. Se estiver pensando em vendê-lo, melhor vendê-lo com pintura descascada que todo pintado.

Cápsula

Uma única queda (do alto de um pedestal, por exemplo) pode ser muitas vezes fatal para a cápsula. Seus componentes internos soltam-se (sonoridade muda) ou rompem-se (sem som). Neste caso, a solução pode ser trocar a cápsula.

No Brasil, qualquer eletrônica terá algumas cápsulas avulsas para vender. Só que a qualidade deixa muito a desejar. As cápsulas são em sua maioria genéricas (sem marca), importadas por empresas como a FTG e a CSR. Preços até R$ 30,00. Qualidade de som em geral acompanhando o preço.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

A LeSon é talvez a única fabricante que disponibiliza cápsulas originais de reposição, sendo fácil encontrar cápsulas do seu SM-58 (há diversos modelos de SM-58 da LeSon, B, BK, Plus, P4, mas cápsula avulsa só a do SM-58B).

Custo médio: R$ 60,00.

Apesar de ser uma cápsula de boa qualidade (todo mundo conhece a sonoridade do LeSon SM-58, e ela não é ruim), o custo é alto, principalmente com o dólar baixo fazendo com que alguns microfones razoáveis se aproximem desse valor.

Em grandes cidades, talvez haja uma ou outra cápsula melhor, mas a maioria dos fabricantes não disponibiliza as cápsulas para venda direta ao consumidor. Só as assistências técnicas que possuem. É “mais negócio” vender o microfone todo que somente a cápsula.

Quanto às genéricas… elas vem sem especificações técnicas (diagrama polar, sensibilidade, resposta de freqüência, etc). Logo, não pense em colocá-las para as aplicações principais. Quem sabe crianças, um back-vocal, um instrumento menos importante, etc.

Então, vamos ver como fazer:

1) Retire o globo

2) Retire a cápsula do microfone. A cápsula é fixada ao corpo de metal do microfone através de uma borracha. Esta, por sua vez, é colada ao corpo através de cola de contato.

Em microfones antigos como este, a cola já perdeu sua força, e é relativamente fácil soltar a borracha simplesmente “torcendo-se” a cápsula para um lado e para outro.

Já quando o microfone é novo, essa é uma das tarefas bem difícil.

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

3) Retirada a cápsula, vemos 3 fios, que correspondem aos 3 fios do conector XLR do microfone. O preso ao parafuso é o aterramento, enquanto os outros dois são o positivo e o negativo. 

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)

É importante observar nesse ponto que o defeito pode ser apenas um fio com solda ruim. Não deixe de observar. Após retirar o parafuso e a base de borracha, vemos então a cápsula:

 Novamente, olhe com cuidado se não é apenas um fio solto. Uma simples solda pode dar nova vida ao microfone. Caso queira testar a cápsula, basta medir com um multímetro, na posição de 200 Ohms.

As cápsulas costumam ter impedância entre 100 e 600 Ohms. Um valor infinito (nos multímetros digitais, o número 1 escrito à esquerda) indica que a bobina está rompida.

Atente que uma cápsula pode estar com impedância e apresentar mal funcionamento (perda de graves ou de agudos, por exemplo).

4) Neste ponto, atente que deve existir alguma indicação de polaridade positiva (sinal de + ou algo vermelho). Anote os fios correspondentes (quem é positivo e negativo). Se não houver, será preciso medir com um multímetro. Meça a continuidade dos fios, entre cada pino do conector até a ponta. A norma é:  – pino 1 malha de terra– pino 2 positivo

– pino 3 negativo

5 dicas top para tirar o máximo proveito de seu microfone -SomosMusica

A gravação de vocais é um dos passos cruciais na produção de uma faixa de sucesso. A despeito de o que seu guitarrista ególatra pensa, os vocais são o que a maioria das pessoas vai realmente ouvir na sua gravação (…)

Como Cantar com um Microfone: 9 Passos (com Imagens)A gravação de vocais é um dos passos cruciais na produção de uma faixa de sucesso. A despeito de o que seu guitarrista ególatra pensa, os vocais são o que a maioria das pessoas vai realmente ouvir na sua gravação, que envolveu sangue, suor e lágrimas, não importa quantos arpejos ele coloque em seu solo de guitarra.

Como tal, bastante tempo e um cuidado especial devem ser dedicados aos equipamentos e métodos usados para registrar o talento do seu cantor, e num mundo ideal isso também envolveria muito dinheiro.

No mundo não-ideal, entretanto, a maioria de nós não pode gastar £10.

000 numa corrente vocal, e temos de procurar tirar o maior proveito possível de equipamentos que não vão ter de ser parcelados em cem vezes, como se estivéssemos comprando um carro.

Já que essa é a realidade, aqui vão algumas dicas para te ajudar a conseguir ótimos registros vocais com microfones baratos…

1. Locação

Não precisa dizer que a escolha da sala onde você vai gravar afeta a qualidade do som que vai ficar na sua fita (ou no seu iPad, cilindro de cera ou o que quer que você use…) e isso é especialmente verdade quando gravando vocais. Presumindo que você não tenha uma cabine equipada e com tratamento acústico completo, tente experimentar em lugares diferentes.

Primeiro, use seu ouvido e não um microfone – faça o cantor cantar enquanto você pega uma noção do tom do lugar. Se soa abafado ou aquoso na vida real, é assim que ficará ao passar pelo microfone. Mova-se até o som melhorar. Colocar o cantor para entoar num canto da sala costuma funcionar, já que os reflexos de voz se dissipam nos cantos e voltam menos para o microfone.

Você também pode tentar comprar um filtro de reflexo que cerca o microfone e barra o “efeito de sala” de entrar na sua gravação. Tente usar cobertores, cortinas e futons para absorver a reverberação do ambiente. Há vários tutoriais sobre isso on-line. Tratamento acústico (mesmo feito em casa) é ferramenta essencial na hora de conseguir uma boa gravação de voz..

Leia também:  Como calcular a velocidade de digitação: 13 passos

2. Posição do microfone

Todo microfone tem um pedaço de ouro, onde o padrão vai se igualar ao material da fonte. É nosso reflexo colocar o cantor contra a tela de proteção, a cinco centímetros do microfone condensador, e isso funciona para algumas vozes, mas está longe de funcionar todas as vezes.

Por exemplo, esse “approach” adiciona graves por causa da proximidade, e isso pode não ser bom para o que você procura.

Frequentemente, não usar um filtro e posicionar o microfone um pouco mais longe funciona que é uma beleza.

Levante a parte de baixo do microfone e aponte seu diafragma para baixo, para que o cantor esteja cantando num ponto abaixo do microfone. Isso evitará sons indesejados e te permitirá capturar um som claro e doce.

Confira o vídeo abaixo, em que um microfone baratoDV247 dá um coro num caro Fame Vintage F47. Eles usaram a mesma técnica para tirar o maior proveito o possível.

3. Gain structure

Quando for ajustar o sinal de PA do seu pré-amplificador, seja ele incluído na interface ou mais de luxo e separado, é importante na hora de capturar vocais sem barulhos indesejados.

Muito baixo não capturará o sinal, levando a uma necessidade maior de compressão de barulho de baixo, um problema mais notável em microfones baratos. Muito alto e você corre o risco de distorção fazer você perder uma ótima tomada. Considere usar um pouco de compressão se você tiver acesso às ferramentas para isso.

De outra maneira, tente identificar seções de barulho e de silêncio separadamente, para permitir compensações personalizadas.

Uma coisa para se lembrar é que você não precisa de um sinal quentíssimo quando gravando digitalmente (isso é lembrança dos tempos barulhentos de fita) então você pode ficar na faixa dos -6db tranquilamente.

Contanto que você esteja num ambiente silencioso, conseguir uma boa tomada sem enfiar muito sinal de PA, e ter ótimo resultado.

Certifique-se que seu cartão de som esteja no modo input – isso vai te dar mais  “headroom” enquanto coloca o sinal de PA mais baixo para evitar barulheira.

4. Pedestal

É chato mas verdade – negligenciar tempo ou dinheiro no pedestal do seu microfone pode acarretar em dores maciças na hora de lidar com quedas constantes e trabalhar com hastes de metal na hora de ficar ajustando a posição do microfone a cada tomada. É geralmente possível conseguir um bom som de um microfone barato, mas um pedestal de £10 vai tornar até o mais caro dos microfones inútil.

Há opções suficientes para você ter certeza de comprar uma decente por preço bom – por favor, só não vá cair na lógica de que silver tape resolve tudo num estúdio de gravação. Sinceramente, não vale a pena.

5. Performance

Por fim, parece óbvio mas, de longe, o fator que mais influencia a gravação de vocais é a qualidade da voz. Tente fazer o cantor ficar o mais confortável o possível, reserve um tempo para ajustar seu mix, para que ele possa se ouvir decentemente, e dê a ele alguma reverberação, para ajudar a se afinar.

Um truque para evitar a latência enquanto fazendo isso é colocar um efeito de reverberação em um auxiliar e mandar um pouco para o canal de gravação.

Assim, o cantor tem reverberação e você ainda pode monitorar o som através da interface, em vez de ouvi-lo só através do programa.

Se o cantor estiver confortável, vai responder melhor a dicas de produção quando a sua performance, e também não vai se zangar quando você disser para ele parar de mexer tanto a maldita cabeça, para que você possa terminar de gravar a faixa direito e ir para casa.

Para ouvir os resultados possíveis usando essas técnicas, confira o vídeo abaixo:

Essas não são, de jeito nenhum, os únicos fatores a se levar em conta quando gravando e há muitos conselhos por aí para todas as fases do processo. Mas há uma coisa só para se manter em mente, e essa é uma máxima que deve estar sempre à frente na hora de gravar, produzir e mixar.

  • Se está soando bem, então está tudo bem.
  • Ah, e “será que vai afetar as vendar?”
  • [Este post foi escrito por Gavin James, do dv247.]

9 passos para enfrentar o desfralde de forma mais tranquila

Foi só quando a pequena Bia já estava perto de completar três anos de idade que a produtora de conteúdo Karina Hirami Balarotti achou que tinha chegado a hora de partir de vez para o desfralde. “Antes disso eu já tinha tentado, mas não deu certo”, diz.

Segundo ela, o toque veio da professora da menina, que contou como Bia se comportava na escola. “A professora percebeu que ela ficava incomodada porque as amiguinhas já pediam para ir ao banheiro e ela ainda usava fralda. Foi algo que partiu dela”, revela Karina.

“Os pais até podem dizer: ‘Ah filhinho, por que não me avisou que queria ir ao banheiro?’, mas nunca : ‘Eu não acredito que você fez xixi na calça de novo. Você nunca aprende!'”

Hoje, aos quatro anos, Bia já vai sozinha ao banheiro, mas a mãe ainda guarda alguns pacotes de fraldas em casa. “Nos dias mais frios eu coloco só na hora de dormir. Mais para garantir que nenhum acidente aconteça”, conta rindo.

Tudo ao seu tempo

O médico pediatra Luiz Renato Valério, do Hospital Pequeno Príncipe, explica que assim como para falar e para andar, cada criança também desenvolve a autonomia para usar o banheiro em um tempo diferente.

“O grau de maturidade das crianças varia de uma forma praticamente impossível de ser definida. Por isso, é bom que os pais não forcem.

Muitas vezes a pressão para sair das fraldas é tanta que causa frustrações e atrasa ainda mais o processo natural”, afirmou.

O pediatra reforça, ainda, que no caminho para o banheiro os pais devem estar preparados, porque a criança vai, sim, sujar a calça e o colchão no período de adaptação.

“Nesse início, os pais até podem dizer: ‘Ah filhinho, por que não me avisou que queria ir ao banheiro? Mas nunca dar sinais intensos de decepção, como: Eu não acredito que você fez xixi na calça de novo. Você nunca aprende!'”.

Ficar contando aos avós, tios e vizinhos que a criança fez xixi na cama também não é uma boa. “Isso só atrapalha, desmotiva e envergonha a criança”, orienta.

Desfralde: processo natural ou uma tática de guerra?

O Sempre Família também conversou com a pedagoga Marianna Canova, do Berçário e Escola Infantil Peixinho Dourado, que há 40 anos acompanha pais e crianças nessa fase de desfralde. Para ela, quanto mais ansiosa a família está, mais difícil acaba sendo o processo.

“Muitas vezes a criança não está preparada para deixar a fralda e os pais insistem para que seja naquela hora. Mais do que tudo, é preciso ter calma para que as tentativas não acabem gerando um estresse desnecessário”, diz.

Para Marianna, mais importante do que o próprio desfralde, é a preparação dos pais para esse momento.

Com a ajuda dos especialistas, listamos nove dicas que vão te ajudar a passar por essa fase de maneira mais tranquila:

1. Saiba identificar o momento certo

O desfralde requer controle corporal (um sinal claro é quando a criança consegue pular com os dois pés, avisa quando tem vontade de fazer xixi ou cocô e quando fala que a fralda está suja, por exemplo). Fique atento e não antecipe as coisas!

2. Vocês estão preparados?

Lembre-se que sair das fraldas é como um rito de passagem, quando seu filho deixa de ser um neném. Por isso, é importante mudar outros hábitos também, como a mamadeira, a chupeta ou mesmo o banho de banheira.

3. Não desista

Se a família e a escola concordam que a criança está pronta, é hora de agir. O ideal é manterá fralda apenas durante a noite. Segundo os especialistas, colocar fralda porque “vamos sair de casa” acaba confundindo a criança.

4. Crie uma rotina com a criança

Outra dica importante é observar os horários da criança e antecipar a ida ao banheiro, até que ela se acostume. Não desista! Os primeiros dias ou semanas podem até ser caóticos, com vários escapes pela casa inteira, mas em breve ela irá começar a pedir para usar o banheiro.

5. Segurança no banheiro

É muito comum que as crianças tenham medo do vaso. Para que seu filho fique à vontade, use um apoio para os pés. Ele vai se sentir mais segura. Algumas crianças podem precisar da leitura de um livro no vaso para se acalmar e relaxar o corpo.

6. Só cinco minutinhos

Não deixe a criança tempo demais no vaso ou pinico, até “dar vontade de fazer”. Cinco minutos é um bom tempo de espera.

7. Recompensa vale?

Adotar uma recompensa exclusiva para a ida ao banheiro é válido! Figurinhas são uma boa dica.

  • 8. Coisa séria
  • Não é recomendado usar o penico como brinquedo, por exemplo, levando o utensílio para fora do banheiro.
  • 9. Estimule seu filho

A convivência com outras crianças da mesma idade que já usam o vaso sanitário pode ser um grande estímulo para que seu filho saia das fraldas (como aconteceu com a Bia, filha da Karina), mas para o Dr. Valério, do Pequeno Príncipe, os pais também podem ajudar levando o filho junto quando forem ao banheiro para “mostrar como se faz”. Pais levam os meninos e mães levam as meninas.

***

Recomendamos também:

  • 10 dicas para tirar seu filho das fraldas sem traumas
  • 10 princípios para educar seu filho com carinho

***

Quero ser cantora. Por onde começo?

Então você quer ser cantora? Quer cantar melhor e iniciar na carreira? ????????‍♀️ Sim, eu quero muito ser cantora!

Então você está no lugar certo!

Bom, primeiramente é importante deixar claro que existe uma diferença entre gostar de cantar, querer cantar melhor e querer seguir a carreira de cantor/a.

Cantar é realmente muito prazeroso e estimulante, porém na carreira de uma cantora (principalmente hoje em dia, onde os artistas praticamente tomam conta da sua carreira por completo) o trabalho engloba muitas coisas além de cantar

Hoje, um artista além de se preocupar em ser VERDADEIROS ARTISTAS, ele se preocupa também com a produção, divulgação, marketing, imagem, estratégia de carreira e todos os outros aspectos da carreira, que antes eram preocupações exclusivas das gravadoras. E não estou falando somente de artistas solo, hoje qualquer artista precisa cuidar das suas redes sociais, presença online e etc.

Leia também:  Como aprender inglês: 15 passos (com imagens)

Também um outro fator importante de se considerar é que todo o glamour imposto pela profissão, pertence somente aos palcos. Fora do palco não há nada além de muito trabalho, horas de sono perdidas, horas de estudo e dedicação, como em qualquer outra profissão.

Como iniciar na carreira de cantora? Começando pelo começo

Ok, mas estou decida. Quero ser cantora. Por onde eu começo? Tem alguma dica? Como ser cantora?

Antes de responder isso, tem uma pergunta mais importante pra se fazer! Por que?!

Depois de avaliar todas essas questões, vem a pergunta: Por que você quer ser cantora?

Dentro da minha experiência, essa pergunta é a mais importante durante toda sua carreira, pois a resposta vai determinar todo o planejamento do seu trabalho.

Tente anotar em um papel a resposta para esta pergunta com total sinceridade, porque você vai precisar ter um objetivo bastante claro se quiser alcançar um resultado próximo do pretendido. Todo seu planejamento de carreira vai depender desta resposta.

Desde estilo musical, área de atuação, publico alvo, enfim, tudo vai depender do que você pretende alcançar e comunicar enquanto artista.

Avalie sua responsabilidade como artista.

Quando dizemos “Quero ser Cantora”, o que estamos mesmo afirmando é que queremos ser ARTISTAS!

Já que estamos criando um argumento para o seu trabalho, vale a pena lembrar neste momento, da responsabilidade que temos como artistas. Nosso trabalho além de entreter e alegrar as pessoas, tem também o poder de influenciar pensamentos e até mesmo ações, em um âmbito muitas vezes ignorado hoje em dia.

Ser artista é ser um formador de opinião, querendo ou não. Sendo assim, a próxima pergunta a se fazer é: O que quero comunicar?

Seja verdadeiro, e entenda que sua opinião pode mudar e com o tempo você pode querer comunicar outras coisas, mas é importante partir de algo que seja verdadeiro pra você desde o inicio.

O mercado muitas vezes vai te puxar para um lado complemente oposto ao que você traçou, e se você não tiver essas questões bastante definidas, vai ser fácil cair no erro de aceitar qualquer trabalho ou projeto sem identidade e significado.

Ir a luta

Você vai perceber que depois de responder sinceramente a estas duas questões será muito mais fácil saber que caminho seguir, pois as próprias respostas indicam o tipo de repertório pra se escolher, o tipo de publico que pretende alcançar etc. Agora vem a parte mais prazerosa, ir a luta!

Pra começar esse network, um bom lugar é uma escola de música. Aproveite que você vai ter que estudar muito durante o inicio da sua carreira, para nos momentos de intervalo, entre uma aula e outra, você se aproximar de outros músicos, professores etc. assim você vai começar a fazer uma próxima etapa tão importante nesta profissão, quanto o próprio talento, que é o network.

Agora que você já está na mesma página que eu… está se preocupando em ser um VERDADEIRO ARTISTA e não somente buscando a fama, podemos falar sobre AS 10 MELHORES DICAS PARA INICIAR NA CARREIRA.

Então chega de ficar sem saber o que fazer para realizar o seu sonho. Vou compartilhar com você as 10 MELHORES DICAS de como iniciar na carreira de cantor. Sem enrolação direto ao ponto, para você começar já, está preparado?

1 – Isso pode parecer óbvio: Você precisa saber cantar.

Mas eu recebo muitos e-mails, e mensagens dizendo: Olha eu quero muito ser cantora, mas eu não sei cantar direito e desafino, como faço pra começar na carreira? Ou seja, não é tão óbvio assim.

Você precisa cantar bem para iniciar na carreira de cantora, e pra isso acontecer minha dica pode parecer estranha, mas vai por mim, saber ouvir é mais importante neste processo do que saber cantar. O que é a minha próxima dica!

Escute músicas de qualidade.

2 –Antes mesmo de sair por aí tentando cantar melhor, é preciso desenvolver um ouvido musical. Digo isso porque 90% das pessoas que desafinam, desafinam porque não conseguem ouvir diferença entre as notas.

Ouvir músicas de qualidade e com atenção é a única maneira efetiva de ajudar você a desenvolver um ouvido musical capaz de reconhecer intervalos entre as notas, harmonização etc.

Você vai passar a reconhecer estes elementos sem nem saber o que eles são, mas vai ouvir e entender eles, assim quando chegar em uma aula de canto e o professor for ensinar como montar acordes, para harmonizar vozes você vai imediatamente identificar o que ele está falando e assimilar a informação muito mais rápido.

Falo um pouco sobre isso no meu livro PARA CANTAR DE VERDADE!

Quando falo música de qualidade, estou dizendo MÚSICA DE QUALIDADE! 

3 – Que tenha um campo harmônico rico, divisões rítmicas variadas e obviamente uma boa execução. (Se você não entendeu nada do que eu acabei de falar, não se afobe.

Quando você iniciar suas aulas de música você vai entender e vai ver que música é muito mais do que cantarolar por aí, por enquanto confia em mim e escute músicas de artistas como: Djavan, Ed Motta, Elis Regina, Maria Gadu, Céu(Nacionais).

 Stevie Wonder, Baby Face, Eric Clapton, Ella Fitzgerald, Tina Arena, Earth Wind and Fire (Internacionais) e por fim é mandatório apreciar Beethoven, Mozart, Bach, Chopin, Vivaldi (meu favorito). Estas são somente algumas referências, a lista é gigante.

Tem muita música de qualidade pra se ouvir em todos os gêneros, mas é preciso diversificar e expandir seus conhecimentos musicais.

E pra você que é muito moderninho e acha estes clássicos uma chatice olha essa versão de Winter do Vivaldi com Let it go do Filme Frozen….

 quando entra Vivaldi acaba com o arranjo simplista de Frozen é TOP DEMAISSSSSS, THE PIANO GUYS.

Pesquise seu potencial

Grave você cantando.

4 – A única maneira de você realmente saber se seus estudos estão funcionando é gravando a sua evolução. Um dos erros mais frequentes em qualquer área na vida é não criar um sistema de medição de resultado.

Em qualquer empresa ou projeto de importância todos os envolvidos são obrigada a fazer relatórios constantes sobre o desempenho do projeto. A razão disso acontecer é que somente assim é possível medir o avanço, retrocesso, traçar metas e verificar resultados.

Se você pretende ter resultados reais com seus estudos, você precisa registrar e acompanhar o seu processo.

Uma outra questão é que as vezes certas falhas passam despercebidas ao executar uma canção, e somente depois ouvindo a gravação você vai reconhecer tal falha, é por isso que muitas pessoas não gostam de se ouvir em gravações, porque fica nítido as suas falhas.

Procure um professor de canto. 

5 –Agora sim é hora de procurar um professor de canto. Agora você já tem uma boa base, já desenvolveu o básico e um professor vai valer o investimento.

Antes disso ele só vai ficar fazendo vocalizes e te ensinando a ouvir, reconhecer intervalos (com pouco sucesso), e a respirar.

Mas nada disso vai caminhar muito, porque o professor vai passar muito tempo tentando desenvolver o seu ouvido musical (que é o mais importante na primeira etapa). Faça sua lição de casa e suas aulas vão valer muito mais o valor investido.

Desta maneira o professor vai poder focar em exercícios vocais em si, trabalhando agora o seu aparelho vocal, buscando tónus muscular, projeção, articulação, extensão é quase que uma musculação, de fato é, mas ele não vai poder trabalhar nada disso se o seu ouvido não estiver treinado. FUI CLARA? Neste momento você pode até optar por fazer aulas online. Sim se você for disciplinado e gravar seus estudos é possível obter bons resultados com aulas online. Eu indico o curso da cantora Iara Negrete. 

Comece a criar um repertório 

6 – Se você quiser ter trabalho nesta área é preciso ser versátil. Então, tente escolher ao menos 1 música de cada gênero para estudar (nós no meio dizemos TIRAR).

Quanto maior for o número de gêneros que você conseguir trabalhar, maior será as oportunidades de trabalho você terá. Coloque estas músicas que você já tirou (estudou e sabe cantar) em uma pasta. Se possível anote também em qual tom você canta essa música.

Grave no seu celular mesmo, você cantando todas elas e veja qual você se sente mais confortável, qual você soa melhor, etc.

Gravando seu material

Grave um vídeo seu cantando a música que você escolheu

7 – PRECISA ser aquela que você sabe que você canta MUITO bem. Você não precisa de muita produção, hoje em dia é possível fazer mil maravilhas somente com um bom celular. Caso você seja péssimo com estes quesitos de produção de vídeos, contrate alguém que pra fazer.

Existem pessoas se formando em cinema, doidos para uma parceria de produção. Se você for BOM mesmo, vai conseguir parceiros que queiram fazer este projeto com você. O importante não é ter uma produção incrível, mas sim um bom vídeo, mostrando a sua personalidade e desenvoltura cantando.

Só isso!

Se quiser saber como gravar excelentes vídeos na vertical (Como é usado hoje em dia nas redes sociais), CLIQUE AQUI

Crie um link para o seu vídeo. 

Visão | Laura Ferreira, a (quase) perfeita desconhecida

Em 2011, a lista das palavras mais pesquisadas na internet e registadas pelo site blogger.com foi reveladora. “Laura Ferreira”. Mais do que Pedro Passos Coelho, Vítor Gaspar, Paulo Portas ou memorando da troika, o que os portugueses queriam saber era quem é a “mulher de Passos”, “a esposa do primeiro-ministro” ou “Laura Passos Coelho” os termos da pesquisa variavam.

Quatro anos depois, Laura Maria Garcês Ferreira escolheu ser figura pública, ao aparecer ao lado do marido em diversas ocasiões oficiais, ao dar o seu contributo para as duas biografias de Passos Coelho e até ao representá-lo em eventos sociais ou solidários, mas recusou dar-se a conhecer em profundidade aliás, não quis colaborar com este perfil possível, que a VISÃO agora traça, e algumas pessoas próximas também se mostraram indisponíveis.

As cautelas com o seu lado público intensificaram-se desde que começaram os tratamentos de saúde, para atacar um tumor ósseo diagnosticado em novembro de 2014. A exceção foi no início de julho, quando Laura Ferreira integrou a comitiva da visita do primeiro-ministro aos dois países africanos onde passou a infância e onde ainda tem familiares.

Leia também:  Como alterar o nome da alexa: 7 passos (com imagens)

“Ela tinha o sonho de ir à Guiné e a Cabo Verde e foi”, conta um amigo do casal. Surgiu de cabeça rapada, num gesto com mais significado pessoal do que político. “Está no desafio da vida dela. É duríssimo”, acrescenta o amigo, explicando a opção de aparecer “sem filtros”.

  • Morreu Laura Ferreira, mulher do ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho

“Eu tenho medo de deixar as minhas filhas, a minha família, o meu marido”, desabafou a própria a Sofia Aureliano, autora da biografia mais recente de Pedro Passos Coelho, assumindo que está a viver estes dias como se não houvesse amanhã.

“Ter consciência da morte é duro, mas é uma coisa real e que não assusta. Há momentos em que tive uma paz de espírito e em que pensei, é assim mesmo. Olho ao espelho e penso que este corpo vai deixar de existir.

Depois há um lado que se levanta e diz: ‘Não! Tens o teu marido, tens as tuas filhas e a tua família!’ Eu tenho de viver, tenho tanta coisa para fazer.”

Osteossarcoma, importa-se de repetir?

Laura, hoje com 50 anos, signo balança a data de nascimento ninguém a soube precisar à VISÃO, passou o mandato do marido a gerir com pinças as suas aparições e a levar uma vida normal entre o trabalho de fisioterapeuta no Centro de Educação para o Cidadão Deficiente, em Mira Sintra, e a vida familiar, passada sobretudo no bairro de Massamá, para onde se mudou há mais de uma década.

Mas já na reta final da legislatura, uma dor persistente no joelho tornou-a protagonista de uma história que fez capas de revistas cor-de-rosa. “No verão de 2014, Laura sofreu uma lesão de trabalho, que não passou como devia.

Os meses foram correndo e a mobilidade foi ficando limitada, cimentando-se a suspeita de que podia ser algo mais sério. Confirmou-se o pior cenário.

Foi-lhe diagnosticado um osteossarcoma [no joelho], um tumor ósseo agressivo que a forçou, e força ainda, a várias sessões de quimioterapia pré e pós-operatória”, lê-se na biografia.

Alguns amigos foram informados ainda em novembro, mas o País só ficou a saber em janeiro deste ano, quando o gabinete do primeiro-ministro emitiu um comunicado. “Confirmo que foi diagnosticado à minha mulher um problema do foro oncológico”.

No dia do anúncio, Laura Ferreira caiu e fraturou o joelho, o que a levou ao Hospital de Santa Maria para uma intervenção cirúrgica.

Nessa altura, já vários amigos do casal haviam sugerido tratamentos no estrangeiro, mais caros, mas eventualmente mais eficazes. Nada feito.

Laura seria tratada em Portugal, no IPO, onde Pedro poderia apoiá-la o mais possível, atendendo à sua agenda de primeiro-ministro, impossível de afrouxar.

Passos sempre presente

E assim foi. Na terça-feira de Carnaval, “extraíram-lhe o tumor, cortando-lhe a tíbia e o fémur, considerando uma zona de segurança que pudesse garantir que não restam células cancerosas”, conta Sofia Aureliano. A seguir, já com uma extensa prótese que lhe condiciona mobilidade (com o tempo, será recuperada a 90%), começou a quimioterapia.

Ao fim do segundo tratamento, e depois de um primeiro corte radical de cabelo, foi o próprio marido a rapar-lhe a cabeça que Laura exibiu em Cabo Verde e na Guiné Bissau. As imagens correram o País, mas não houve nem uma palavra da ‘primeira-dama’ sobre o assunto. Discreta e em silêncio. Na saúde e na doença.

Quem a conhece diz que Laura Ferreira não se resume ao cancro, mas que a doença fez dela «uma sombra do que sempre foi». O sorriso constante deu lugar à introspeção.

A vida ativa do leva-a-miúda-à-escola-traz-a-miúda-do-ballet, vai ao supermercado, vai trabalhar, faz o jantar, passeia a Peluche e a Olívia (as cadelas da família) deu lugar ao descanso obrigatório, às refeições de take-away, aos internamentos mais longos do que o esperado e às idas regulares ao IPO.

Apesar de o ano de 2015 ser atípico, as férias do verão serão como nos anos anteriores a última etapa do tratamento de Laura foi feita no fim de julho. “Dez dias na segunda quinzena de agosto”, no Algarve, confirmou o primeiro-ministro à margem da estreia do filme O Pátio das Cantigas.

A estância algarvia de Manta Rota é o momento relax do casal, que junta a família numa casa de praia arrendada, com seguranças à porta e visitas dos amigos que também andam pelo Algarve, como Miguel Relvas e a mulher, Marta Sousa.

Tempos houve em que Pedro e Laura iam com as quatro filhas: Joana (26 anos) e Catarina (21) , do primeiro casamento de Pedro; Teresa (20), do primeiro casamento de Laura; e Júlia (8), a filha comum. Atualmente, com a filha mais velha de Passos já casada, o núcleo familiar de veraneio ficou mais reduzido.

Um homem no sofá

A preferência pelo Algarve vem dos tempos de namoro, quando “era comum, nas férias, ver o Pedro e a Laura a passearem de mãos dadas em Santa Eulália2, recorda um algarvio que conhece o casal. Aliás, foi precisamente nessa zona, em Olhos de Água, que ambos se cruzaram pela primeira vez, recém-divorciados, em casa de um amigo de Passos e primo do cunhado de Laura.

As filhas de ambos ficaram amigas e, no regresso a Lisboa, Pedro ligou a Laura. “Quando ouvi aquela voz de barítono a falar comigo, deixei cair o telemóvel, fiquei sem bateria.

Confesso que estava com o coração aos saltos e já ligeiramente impressionada com o rapaz”, contou a mulher de Passos no livro já referido. “Ele era muito atento às filhas, muito preocupado em fazer programas com elas (.).

Abdicava de fazer coisas para estar com as miúdas, por causa do banho e do jantar. E eu dizia ‘este homem não existe’ (.)”.

Acabaram por se escolher, num namoro lento e pouco dado a paixões arrebatadoras. “Foi quando o vi sentado no meu sofá, achei que ele ficava ali muito bem”, revelou Laura, ‘fofinha’ para o marido, no livro da assessora do PSD que lhe dedica um capítulo intitulado “O Porto Seguro”.

Na altura, a fisioterapeuta já trabalhava no Centro de Educação para o Cidadão Deficiente.

A política não era um assunto que a deixasse indiferente, mas estava longe de imaginar que menos de uma década depois estaria sentada também no sofá da sua casa de Massamá, já casada com Passos e mãe de uma filha dele, a ouvir da boca do marido que não podia deixar de candidatar-se à liderança do PSD.Daí a chegar a primeiro-ministro foi um pulinho.

  • E Laura escolheu estar ao lado do seu companheiro nos momentos-chave desse percurso: no congresso de Carcavelos, na mensagem de Páscoa e na Festa do Pontal (2010); na noite da vitória eleitoral e na tomada de posse (2011); na receção aos Reis de Espanha (2014); entre outros momentos.
  • Made in Portugal
  • A notoriedade que veio com a política, mesmo antes de o marido ser eleito, não mudaram a essência de Laura Ferreira, mas mudaram-lhe a aparência, sobretudo ao nível dos cuidados com a silhueta, com a maquilhagem e com a roupa.
  • Em vez de comprar roupa numa loja do Chiado, a mulher de Passos passou, por exemplo, a ser acompanhada por uma estilista, que também é professora na Escola de Moda de Lisboa e que conheceu através de uma amiga.

Agora, veste roupa à medida, desenhada por Irene Paixão ou Mia Almeida, feita por costureiras portuguesas em pequenos ateliers nacionais, peças intemporais, clássicas e versáteis, sem rendas, brilhantes, folhos ou flores e com padrões lisos e cores frias (beringela, violeta, azul, verde ou vermelho). Nada de muito justo ou muito largo.

Nada de exuberante, explicou a estilista Irene Paixão. As solicitações para comparecer em ações públicas foram-se intensificando desde a altura da campanha eleitoral de 2011, quando Laura reduziu o horário laboral para acompanhar o candidato seu marido, mas ela escolhe-as a dedo.

Como profissional ligada à área da solidariedade (trabalha na cooperativa social sem fins lucrativos há 15 anos), prefere os eventos solidários e até aceitou integrar a Comissão de Honra do projeto ‘Um Lugar para o Joãozinho’, do Hospital de São João, no Porto.

E se em novembro de 2011 foi ela a marcar presença no hospital, no âmbito de uma entrega de donativos, já este ano, em março, foi o marido a representá-la, por causa das suas limitações de saúde, durante uma visita ao projeto.

Um ano antes, era ela que o representava, a convite do empresário duriense Mário Ferreira, conhecido pela sua participação no versão portuguesa do programa Shark Tank, no batismo do navio-hotel Vicking Hemmimg, da empresa Douro Azul. Na companhia da filha mais velha, Teresa, foi madrinha do barco e recebeu um relógio de luxo e um coração de Viana ambos confiados à guarda do gabinete do primeiro-ministro.

  1. Na altura, Laura foi, como sempre, parca nas palavras: “Tenho lá em casa um homem do Douro que amo profundamente”.
  2. A vida antes de Pedro
  3. Passaram-se 40 anos até que Laura Maria Garcês Ferreira se casasse com Pedro Manuel Mamede Passos Coelho, a 26 de março de 2004, um dia que começou com o então gestor a passar pelo escritório, para trabalhar, e acabou com um jantar de amigos num restaurante que já não existe, para celebrar o enlace pelo civil entre música, dança e comida sul-americana.
  4. Antes disso, ‘Lolita’, como é tratada pela família, teve de mudar de continente para encurtar a distância que os separava.
  5. Da Guiné-Bissau, onde nasceu e foi criada durante os primeiros onze anos de vida, foi para Cabo Verde, com os irmãos -‘Djo Djo’ e ‘Belinha’, e por lá ficou até João Tomás e Tila (os pais) decidirem mudar-se para Portugal, dois anos depois.
  6. Antes disso, em 1972, os Garcês Ferreira já tinham passado um longo período de férias em Lisboa, que obrigou Laura e a irmã a fazerem o ano letivo na Metrópole.

A fixação em Portugal, em 1978, teve como primeiro destino a cidade de Coimbra (o pai de Laura é da Figueira da Foz) e só depois se seguiu o Cacém. Nessa altura, as férias eram passadas na Nazaré e em São Martinho do Porto.

Já a viver nos subúrbios, inscreveu-se em Medicina e fez dois anos do curso (Passos também queria ser médico e só não entrou por duas décimas), mas desistiu por aversão à cadeira de Anatomia e mudou para Fisioterapia.

Antes de ser contratada pelo Centro de Educação ao Cidadão Deficiente trabalhou no Cacém e tem pacientes desses tempos que a vão visitar de propósito a Mira Sintra. Pelo meio ainda se casou, aos 27 anos, teve a primeira filha, três anos depois, e divorciou-se. “Foi uma aprendizagem fantástica.

Quando passamos por isto temos a sensação que o mundo acaba e que já não vai ser possível ser feliz. Ao fim de três anos, aos 38, apaixonei-me perdidamente”.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*