Como brincar de telefone sem fio com os amigos: 12 passos

11 de Abril de 2018

Tem coisa mais divertida que brincar com seus filhos? E se pudermos juntar a brincadeira com o ecologicamente correto?

Vamos mostrar para você sugestões de brinquedos que além de reutilizar itens que você já tem em casa, irão estimular o lúdico e a coordenação motora dos pequenos. Além de prazeroso e muito divertido, fazer brinquedos em casa é uma forma de entreter com simplicidade.

Veja as sete dicas de brinquedos criativos e fáceis de fazer:

1 – Telefone sem fio

Lembra dessa brincadeira? Um dos brinquedos mais amados pelas crianças era o telefone sem fio. Que tal ensinar seus pequenos a fazer um?

O que vai precisar?

  • 2 potes pequenos vazios de massinha Super Massa
  • Barbante no comprimento que você preferir
  • Fita crepe
  • Tesoura
  • Agulha grossa – para furar o fundo, pode ser de crochê.

Com apenas dois passos você terá seu telefone sem fio

Faça um furo no fundo de cada pote de massinha vazio usando a agulha de crochê, caso você não tenha, pode ser outro objeto. Como é necessário lidar com um objeto pontiagudo, um adulto precisa fazer esse passo.

Passe uma ponta do barbante pelo furo de um dos potes, de fora pra dentro. Dê um nó na extremidade, para ter certeza de que ele não sairá de lá. Um pedacinho de fita crepe pode ajudar a ficar ainda mais firme. Repita no outro lado do barbante.

Pode ser divertido decorar os copos antes de começar. Se forem duas crianças, cada uma pode fazer a arte que quiser no seu copinho da Massinha Super Massa.

2 – Pipa

Você sabia que a pipa foi inventada por volta de 1200 a.C como um dispositivo de sinalização militar?

Feito de papel, o brinquedo voa baseado na oposição entre a força do vento e a da corda segurada pela criança.

Como Brincar de Telefone Sem Fio Com os Amigos: 12 Passos

Pipa é apenas uma das mais de 20 denominações existentes no Brasil. Ela também é chamada de barril ou bolacha nos estados do Centro-Oeste; pepeta no Amazonas; raia no Paraná; califa no Rio de Janeiro; lebreque no Maranhão; pandorga no Rio Grande do Sul; maranhão em Minas Gerais.

A pipa foi uma das brincadeiras mencionadas no nosso infográfico sobre as brincadeiras por região do Brasil. Confira aqui!

Soltar pipa é muito divertido para as crianças e os adultos acabam entrando na brincadeira também.

Com uma linha é possível direcionar e fazer malabarismos no céu. Inclusive há regiões do país onde tem eventos direcionados e até competições para quem solta pipa.

O que você vai precisar?

  • Papel de seda da sua cor preferida
  • Duas varetas de bambu
  • Fita adesiva
  • Tesoura
  • Linha nº10
  • Papel crepom, papel de seda ou até mesmo saco plástico de material bem leve (para a rabiola)

Como fazer?

Recorte o papel de seda em forma quadrada, com cerca de 30cm, depois cole uma das varetas na diagonal. Com a outra vareta, faça um arco e cole-o cruzando por cima da outra que já está colada.

Faça dois furos pequenos onde as duas varetas se cruzam (um furo de cada lado), passe a linha pelos buracos e dê um nó.

Amarre a linha para puxar a pipa a partir desse nó. Faça uma rabiola bem colorida, com o papel crepom (corte tiras de papel crepom colorido) ou papel seda (corte pedaços do papel e cole num fio de linha) ou com a saco plástico (corte pedaços bem finos e prenda os na linha da rabiola).

Amarre na pipa (na parte de baixo da vareta reta).

3 – Luva do barulho

  • A luva do barulho é um brinquedo indicado para crianças por volta dos 3 anos de idade.
  • Depois dos personagens criados em cada um dos dedos da luva, é só soltar a imaginação!
  • O que você vai precisar?
  • Luva de lã
  • Canetas marcadoras para tecido
  • Guizos pequenos e grande de várias cores
  • Cola quente
  • Retalhos de tecido
  • Olhos móveis ou adesivos.

Como montar

Para montar a luva do barulho, pregue em cada dedo da luva os olhinhos. Você pode utilizar os que já vem com adesivo, ou colá-los com cola quente.

Agora é só decorar! Faça detalhes como laços e gravatinhas com retalhos pequenos de tecido. Para os brincos, use os guizos, eles podem ser colados com a cola quente também.

Faça a boca e qualquer outro detalhe com a caneta marcadora para tecido. É só soltar sua imaginação e criar um personagem diferente em cada dedinho da luva.

4 – Trem de rolinho e papelão

O trem de rolinho é muito fácil de fazer e as crianças adoram pôr a mão na massa.

O que usar:

  • Rolos de papel higiênico
  • Tampas de garrafa pet
  • Tintas para artesanato
  • Barbante

Como fazer:

Pinte os rolinhos de papel higiênico da cor preferida e na quantidade que quiser. O tamanho do seu trem depende da quantidade de rolinhos.

Quando estiverem secos, cole as tampas de garrafas, duas de cada lado como se fossem rodinhas. Serão 4 tampas para cada rolinho, duas para as rodas dianteiras e duas para as traseiras.

Depois disso, faça um furo logo acima de cada tampa traseira, amarre um pedaço de barbante de uns 5 centímetros e depois amarre no próximo rolinho, fazendo assim até formar o trem.

Para finalizar, corte um rolo de papel ao meio com uma leve curva e cole no primeiro rolo do trem, assim simula a chaminé do primeiro vagão. Depois é só soltar a imaginação!

Como Brincar de Telefone Sem Fio Com os Amigos: 12 Passos

5 – Jogo de damas

Não tem um tabuleiro em casa? Sem problemas, esse jogo de damas que vamos ensinar, pode ser feito com papelão e tampinhas de garrafa. Ele é bem rápido e simples, e toda a família pode brincar e se divertir.

O que usar:

  • Um pedaço de papelão ou cartolina
  • Tinta guache
  • Tampinhas de garrafa
Leia também:  Como aplicar um torniquete: 9 passos (com imagens)

Como fazer:

Recorte um pedaço de papelão ou cartolina em um tamanho quadrado de 32x32cm. Desenhe nele com um lápis sete linhas na horizontal e sete na vertical para formar os quadradinhos. O ideal é deixar um espaço de aproximadamente 4cm para os quadradinhos.

Depois que fizer o desenho em todo o tabuleiro, é só pintar os quadrados com duas cores diferentes, de preferência uma clara e uma escura, e juntar 12 tampinhas de garrafas brancas e 12 tampinhas de garrafas vermelhas, para formar as peças do tabuleiro.

E pronto, seus filhos terão um tabuleiro de damas criativo para brincarem com os amigos a tarde toda.

6 – Boliche de garrafa pet

As crianças amam o desafio do boliche. Além de ser uma brincadeira muito divertida que consiste em ter que acertar o alvo e derrubar o maior número de garrafas, a criança pode fazer o brinquedo caseiro com a ajuda dos pais de uma maneira fácil e rápida.

O que usar:

  • 10 garrafas
  • Jornal ou folhas de revista
  • Tinta guache

Como fazer:

Separe as garrafas que serão utilizadas e limpe-as.

Encha-as com tiras de papel de revista ou jornal. Isso serve para que elas fiquem paradas em pé sem cair com o vento.

Para que as garrafas pet fiquem mais bonitas, peça que seus ajudantes as pintem por fora com a tinta guache e aguarde secar.

Pronto! Seus pinos estarão prontos.

Para jogar é simples, basta alinhar os pinos em um canto, formando um triângulo, e lançar a bola. Essa bola pode ser inclusive de papel amassado dentro de uma meia.

Quem derrubar mais pinos é o vencedor!

7 – Vai-vem de garrafa pet

Essa é uma brincadeira que pode ser feita no quintal de casa, mas é preciso ter duas crianças para brincar. Para fazer o brinquedo é bem fácil, vamos ver?

O que usar:

  • 2 garrafas pet
  • 1 corda de varal
  • Tesoura
  • Fita adesiva
  • 4 argolas

Como fazer:

Corte a parte de baixo das garrafas, escolha o tamanho que quiser cortar, isso vai definir o tamanho do brinquedo.

Tire as tampas das garrafas, corte dois pedaços da corda de varal no comprimento que desejar. Leve em consideração o tamanho das crianças.

Passe os fios pelas metades das garrafas, que deverá sair pelo gargalo. Una as duas partes das garrafas com fita adesiva. Pregue as 4 argolas em cada uma das pontas dos fios de varas com a fita adesiva.

  1. Nessa brincadeira, são necessários dois jogadores, que impulsionam o brinquedo de um lado para o outro apenas abrindo e fechando os braços.
  2. Gostaram das nossas dicas de brinquedos ecologicamente corretos?
  3. Essa ideias que separamos pra você mostram que é possível estar mais próximos das crianças com criatividade e brinquedos caseiros feitos com poucos itens.
  4. Nós nos importamos com a proximidade entre pais e filhos, por isso valorizamos cada momento em família.
  5. Aproveite cada momento e deixe uma experiência maravilhosa no coração das crianças.

O Problema de Brincar de Telefone sem Fio

Na infância, você brincava de telefone sem fio?

É uma brincadeira muito simples, mas fala muito sobre os nossos métodos de comunicação Carla mandava uma mensagem para Roberto, que a reenviava para Marcelo, que por fim chegava aos ouvidos de Rebeca. No final do processo, a mensagem original ficava alterada e terminava com o conteúdo original completamente deformado.

Então, não é anormal que uma frase simples como “Eu amo o Arpoador” era transmutada em “Sua mãe tem fedor?”

E essa é a graça da brincadeira, mas não é nada saudável quando acontece na sua vida profissional, não é mesmo?

E por que isso acontece? Bem, geralmente quando repassamos uma mensagem, transmitimos apenas aquilo que entendemos e a compreensão pode divagar a ponto de “aumentar um ponto” na mensagem, seja acidental (uma extrapolação de algo que você achou que entendeu) ou de propósito (para dar um tom de urgência ou de importância para o que você acabou de dizer). De qualquer forma, esse é o começo de muita confusão. E o que era uma brincadeira infantil hoje é um dos grandes pesadelos do ambiente profissional.

Isso é o que eu chamo de “ruído de comunicação”. Afinal, a comunicação é viva e se altera a cada pessoa que é envolvida em suas minúcias.

E quando a comunicação (seja oral ou escrita) é mal elaborada, o ruído é uma consequência natural, embora indesejada, do processo comunicativo.

O ruído de comunicação é toda e qualquer forma de interferência na transmissão de uma mensagem. Algo que prejudica a compreensão de uma ideia compartilhada.

Não é exagero falar que uma falha de comunicação pode afetar a saúde financeira de uma empresa e a saúde pessoal dos colaboradores, uma vez que consome energia para ser reparado e pode causar um prejuízo de milhões de reais nos processos de trabalho e gestão de uma equipe.

Ora, se os ruídos representam confusão, é melhor encontrarmos antídoto eficazes para neutralizar sua presença nas organizações e mantermos as informações fluindo com lógica e coerência.

Pense como uma fotografia fora de foco pode atrapalhar a compreensão de uma imagem. Ou mesmo o volume baixo de um celular ou interferência da recepção do sinal. O mesmo é válido para relatórios com dados imprecisos, erros de português de um e-mail ou mesmo uma fala enrolada durante uma reunião: todos esses elementos atrapalham a comunicação.

Pense no seguinte cenário: um gerente de vendas confirmou com a diretora de uma determinada empresa que a reunião nacional com os vendedores aconteceria no dia 16. Distraído, digitou na intranet e repassou para todos os vendedores a mensagem “reunião confirmada para o dia 26”.

Você consegue imaginar o problema que a troca do 1 pelo 2 causou? A empresa teve de arcar com o prejuízo de passagens aéreas, diárias de hotéis, coffee breaks…

As empresas contemporâneas são complexas e têm muitos departamentos. À medida que a informação circula, seja das altas esferas para as bases operacionais e vice-versa, os ruídos de comunicação aumentam. Quanto mais passos existem entre o planejamento e o operacional, maior a probabilidade de erro.

Leia também:  Como arremessar uma faca: 9 passos (com imagens)

Todas as empresas, mesmo as menores ou empreendedores solitários estão sujeitos ao ruído.

Isso porque, durante nossos contatos, estamos acostumados a filtrar e distorcer a mensagem de acordo com o que compreendemos ou queremos compreender.

A interpretação dos dados é condicionada com filtros como emoções, compreensão cultural crenças, valores, ideologias, linguagem e mesmo nossas intenções.

Para isso, devemos sempre estar atentos à emissão e recepção de mensagem. Os dois polos da comunicação exigem responsabilidade. E para isso, devemos ter uma Redação Empresarial impecável. Uma comunicação precisa, assertiva e poderosa.

Clique aqui para saber como eliminar o ruído da sua comunicação com uma comunicação eficiente e direta para sua empresa.

13 brincadeiras baratas e divertidas para os seus filhos | André Bona – Finanças e Investimentos

*Este artigo foi produzido pelo Mobills com exclusividade para o Blog de Valor.

Às vezes, manter as crianças entretidas é difícil. Elas podem ter todos os brinquedos disponíveis, mas querem algo novo, algo que não têm. Além disso, muitas crianças têm acesso a internet.

O que fazer nessas horas? Gastar mais dinheiro com brinquedos caros não é uma alternativa, até porque não devemos fazer a criança acreditar que ela pode ter tudo o que quiser.

Existem várias opções de brincadeiras baratas e divertidas que você pode fazer para os seus filhos, como pular corda ou até mesmo a famosa amarelinha. Há, no entanto, uma infinidade de outras brincadeiras baratas e muito interessante para crianças de diversas idades. Assim, você economiza e as crianças se divertem!

O mais legal é que até criando as brincadeiras os seus filhos vão se divertir, pois além de estimular a criatividade, todo o processo é muito educativo. E claro, mantém os seus filhos entretidos durante todo o processo.

Conheça a seguir 13 destas brincadeiras baratas que podem ser excelentes opções para estimular seus filhos a brincar nas férias e, ao mesmo tempo, economizar!

1. Pingue pongue de balão

Você já sabe como joga pingue pongue, né? Então, é a mesma coisa, sendo que com balões.

Você vai precisar de pratos descartáveis, balões, palitos de picolé e fita adesiva. É super simples de fazer e seus filhos podem brincar à vontade, inclusive dentro de casa, sem ter o perigo de quebrar nada.

2. Arco-íris de espuma

Criança adora uma bagunça, né? O arco-íris de espuma não vai fazer tanta bagunça, mas precisará de certos cuidados para não sujar a casa toda.

Você vai precisar de 2 colheres de sopa de detergente, ¼ de xícara de água e corante alimentício ou tinta guache diluída com água. Depois que a mistura for feita, despeje em um recipiente grande, como uma bacia.

Você também pode esconder pequenos objetos dentro da espuma e desafiar seus filhos a acharem.

3. Encontre a tampa

Com certeza você possui vários potes de plástico de diferentes tamanhos em casa. Então, coloque vários potes abertos no chão com as tapas embaralhadas ao lado para que os seus filhos procurem e encontrem a tapa certa de cada um.

Essa atividade é muito simples, mas prende a atenção e estimula a concentração das crianças.

Quanto maior a variedade de tamanhos e formatos, melhor. Essa brincadeira ainda ajuda na identificação de  que é grande e o que é pequeno, além das formas geométricas.

4. Boliche de garrafas pet

Boliche é um jogo clássico. Levar o seu filho para uma pista de boliche, talvez, não seja uma boa ideia se ele for muito novo e pequeno. Porém, você pode fazer um boliche para ele!

Você vai precisar de 5 garrafas pet, canetinhas, tinta e uma bola pequena de plástico ou outro material que não seja pesado.

5. Acerte os canos

Essa brincadeira é muito divertida e super fácil de fazer! Você vai precisar de 10 canos de PVC (com uma abertura larga), tinta, canetinhas e uma bola de plástico ou outro material que não seja pesado.

As crianças precisam acertar a bola dentro dos canos e você pode estipular diferentes pontuações para cada cano.

6. Cai ou não cai com garrafa pet

O jogo cai ou não cai é conhecido, pelo menos, na minha época todo mundo jogava. Aposto que você lembra como se joga.

Você vai precisar de uma garrafa pet, vários palitos de churrasco e várias bolinhas de gude. Seus filhos vão amar e você também vai poder brincar.

7. Caixa surpresa

Essa brincadeira ajuda no desenvolvimento das crianças e é bem comum ser usada nas escolas pelos professores.

Você escolhe algum objeto (ou vários) e bota dentro de uma caixa que seja impossível os seus filhos descobrirem o que é só pelo olhar.

Comece a dar dicas sobre o que é o objeto. Por exemplo, se for uma bola, então diga “é redondo”, até seus filhos adivinharem o que é.

8. Telefone sem fio

Essa é antiga, mas é ótima! Você reùne seus filhos em uma rodinha e diz uma palavra no ouvido de um deles que precisa passar para o próximo até chegar em você novamente. Será que era a mesma palavra?

Telefone sem fio fica bem mais divertido com muitas pessoas, então você pode chamar a família toda para brincar.

9. Mímica

Outra brincadeira super clássica. Eu, particularmente, adora essa e faço até quando estou com os meus amigos.

Você bota várias palavras em um potinho e sorteia na hora da pessoa. Então, apenas com gestos o escolhido precisa gesticular para os outros adivinharem o que é. Seus filhos vão adorar e estimula a percepção deles. Se eles forem mais velhos, então pode escolher um tema, como filmes e séries.

Leia também:  Como calcular o valor de entrada de um veículo: 15 passos

10. Quem sou eu?

Igual a mímica, o nível de dificuldade dessa brincadeira vai depender da idade dos seus filhos. Você escreve um nome em um papel e cola na testa da pessoa, que não saberá o está escrito. Ela terá que fazer perguntas até descobrir o nome escrito.

É super divertido e também brinco com meus amigos, mas aumentamos a dificuldade para celebridades e influenciadores.

11. Stop

Também conhecido como adedonha, esse jogo é muito bom! A logística dele pode aparecer de início um pouco complicado para as crianças, mas é super fácil de entender e jogar.

Pegue uma folha de papel e escreva vários temas. Os mais comuns são: nome, lugar, animal, objeto, parte do corpo, celebridade, etc. Claro, você pode adaptar para a necessidade de cada criança.

Então, você sorteia uma letra e precisam escrever nas categorias palavras que comecem com aquela letra. Fácil e divertido, né?

12. Alerta cor

Procure um lugar grande para brincar com o seus filhos de alerta cor. Essa brincadeira é super divertida!

Uma pessoa é escolhida para ser o “mestre” que precisa dizer “alerta cor!” e todos os demais respondem “qual cor?”. Quando o “mestre” escolher a cor, então todos os outros precisam tocar em algo que possui aquela cor. Caso não consiga, a pessoa perde.

13. Caça ao tesouro

Deixei o melhor por último! Qual criança não vai gostar de caçar um tesouro? Você vai precisar de cartolina, canetinhas, tinta, etc. Use a sua criatividade e monte um mapa. Depois esconda algo que seus filhos vão amar achar, como doces.

Após tudo feito, chame as crianças e se divirta junto! Claro que dependendo da idade dos seus filhos, o mapa precisa ser menos ou mais elaborado.

Conclusão

Todas essas brincadeiras vão sair por um custo baixíssimo. O intuito do texto é de mostrar como seus filhos podem se divertir sem ser com brinquedos caros e a internet.

Economizar não é errado, então não se sinta mal por não querer comprar brinquedos caros para os seus filhos. A diversão proporcionada é a mesma! Não se prenda a valores e se divirta junto com as crianças.

Gostou do texto? O seu comentário é muito importante!

*O Mobills é um aplicativo de controle financeiro, que permite ao usuário cadastrar e gerenciar suas contas de forma eficiente, em qualquer lugar e a qualquer hora

Como brincadeiras em família podem fortalecer vínculos

Família reunida ao redor da mesa, todos comendo e… conversando? Não. Cada um com a atenção voltada para seu celular. Essa é uma cena muito comum hoje em dia.

E a prática também continua após as refeições, quando cada um vai para o seu quarto e lá passam horas interagindo com pessoas que estão a quilômetros de distância, enquanto não sabem nem mesmo como foi o dia de quem está na sala de sua própria casa.

Não é preciso muita reflexão para perceber o quanto esse tipo de relação vem afastando marido e esposa, pais e filhos, e até irmãos. Esse enfraquecimento das relações familiares é ainda mais prejudicial para as crianças que, necessariamente, precisam desse contato para o seu pleno desenvolvimento.

Jogos de tabuleiro são ótimos para reunir amigos e familiares

A psicopedagoga Juliana Vargas lembra que estatísticas recentes mostram um grande aumento de diagnósticos de depressão infantil, o que tem relação direta com essa atual desconexão das famílias, com menos vínculos afetivos, e menos orientações e limites – que são fundamentais para a construção da personalidade da criança. “Os prejuízos que essas atitudes trazem são incalculáveis”, afirma Juliana.

Segundo a especialista, as relações humanas e as trocas afetivas são fundamentais para construção da estrutura de cada pessoa. “Uma criança em formação precisa conviver, conversar, ser ouvida e saber ouvir, por meio de sua família e amigos”, explica. “Quando se trocam as conversas do cotidiano e o ‘olho no olho’ por atividade no celular, perde-se uma interação social extremamente saudável”.

Mudança de hábitos

Uma ótima saída para tentar compensar todos esses prejuízos e fortalecer o vínculo familiar pode estar mais perto e mais acessível do que muitos imaginam: as antigas e simples brincadeiras, jogos e atividades em família. “São momentos em que todos relaxam, dão risada, interagem e produzem a serotonina, um neurotransmissor fundamental para o bem-estar e bom humor do ser humano”, explica Juliana.

Retomar as atividades lúdicas entre pais e filhos por meio de alternativas simples – objetos, cartas, materiais escolares, etc. –, além de aproximar a família e gerar troca de experiências, é um estímulo à criatividade e desenvolvimento das crianças. “Há, ainda, os jogos de tabuleiro, que oferecem grandes oportunidades de troca de experiências entre a família”, sugere a psicopedagoga.

Mímica, desenho, jogo da memória, perguntas e respostas, jogo dos sete erros, stop, e até o nostálgico telefone sem fio, são jogos e brincadeiras que todo mundo conhece e podem trazer resultados surpreendentes na convivência familiar, criando – ou retomando – uma relação leve e divertida que gera confiança e interesse mútuo.

Tatiana Suarez, que ministra oficinas para o projeto Escola Criativa da Tris com o intuito de oferecer soluções para problemas relacionais atuais, afirma que é na brincadeira que a criança estabelece vínculos, desenvolve capacidades físicas e motoras, reconhece seus limites, se apropria da sua história e explora o mundo.

“Em um mundo tecnológico, devemos ter cuidado, pois brincar não é clicar em um botão e fazer com que o brinquedo faça o resto”, aponta. “Não queremos expectadores. Queremos crianças ativas e curiosas.

Então, a minha dica é: esteja realmente presente no momento de brincar com os seus filhos, desligue o celular, deixe a imaginação rolar e brinque – literalmente!”, sugere Tatiana

***

Recomendamos também:

  • 5 Brincadeiras para uma viagem de carro ser mais divertida
  • 13 jogos de tabuleiro cristãos que você nem imaginava que existiam
  • Jogar videogame em família fortalece vínculos afetivos

***

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*