Como aprender a usar o wordpress: 12 passos (com imagens)

Com baixo custo de investimento e uma experiência de uso bastante intuitiva, o WordPress é, de longe, a ferramenta de CMS mais utilizada e respeitada no mundo.

De acordo com um estudo realizado pela W3Techs, a plataforma domina cerca de 60% do mercado, enquanto o segundo colocado alcança meros 5,2%.

Ainda assim, o WordPress não está livre de erros que atrapalham a experiência do visitante e prejudicam o usuário do serviço. O fato de ser open source — o que significa que é desenvolvido por um enorme número de colaboradores — contribui para que essas falhas sejam mais comuns.

Pensando nisso, elaboramos este texto para enumerar os 20 erros do WordPress que acontecem com maior recorrência. Para cada item, vamos indicar a melhor maneira de lidar com o problema.

Confira!

1. A tela branca da morte

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

O nome exageradamente alarmante não é por acaso. A chamada tela branca da morte é considerada por muitos a falha mais temida no uso da plataforma.

A explicação para isso é simples: o erro é caracterizado por uma tela branca, sem nenhuma informação adicional que possa indicar sua origem.

Portanto, é possível imaginar o desespero de um desenvolvedor ao se deparar com um problema cujas causas não são visíveis. Por isso, para lidar com a tela branca, pode ser preciso utilizar a técnica de tentativa e erro.

Aqui estão algumas possíveis soluções:

Ative o Debug

O Debug é, de forma simples, um caçador de erros. Uma vez que você ativa a aplicação, ela reúne todas as mensagens de erros escondidas e as exibe em uma página.

Dessa forma, você tem a oportunidade de entender as causas de um erro e tomar as devidas atitudes para corrigi-las.

Para ativar o Debug, acesse o FTP do seu domínio e abra o arquivo “wp-config-php”. Lá, você vai encontrar o código ( ‘WP_DEBUG’, false ). Basta substituir “false” por “true” e o processo de depuração terá início.

Utilize o tema-padrão

Em alguns casos, os temas ou plugins instalados enfrentam problemas de compatibilidade. Para verificar se essa é a causa da tela branca, retorne o tema para a opção-padrão e desative todos os plugins. Depois, reative um por um para tentar compreender qual pode estar causando o erro.

Aumente o limite de memória

Na maioria dos casos, a tela branca não tem ligação direta com a memória do site. Ainda assim, é possível que o website ultrapasse o limite-padrão de memória estabelecido no arquivo wp-config.php.

Para aumentar esse teto, adicione a seguinte linha de código: ( ‘WP_MEMORY_LIMIT’, ‘64M’ ). Se a causa da tela branca for relacionada à memória, isso resolverá o problema.

2. Erro interno do servidor

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Quem nunca se deparou com a mensagem “500 internal server error” enquanto estava navegando pela internet? O erro interno do servidor é outro dos problemas mais assustadores para alguém que trabalha com o WordPress.

As razões para o problema são inúmeras. Portanto, as mesmas soluções apresentadas no tópico anterior servem para tentar localizar e resolver a causa. Além delas, você deve checar o seu arquivo .htaccess.

O .htaccess

Entre muitas outras funções, esse arquivo reescreve as URLs do seu website para que elas se tornem mais atrativas para os visitantes. Quando esse arquivo é corrompido, a mensagem de erro interno aparece.

Para checar se o .htaccess está, de fato, corrompido, vá até o gerenciador de arquivos e renomeie o código para “.htaccess/backup”.

Depois, teste se o seu website está de volta ao normal. Se a resposta for sim, visite a página de configurações de links permanentes e salve as mudanças realizadas.

3. Erro ao estabelecer conexão com o banco de dados

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Se você trabalha com WordPress, provavelmente já se deparou com esse erro centenas de vezes. Trata-se do problema mais comum na plataforma, que pode ser causado simplesmente por uma queda no servidor do seu banco de dados.

Nesse caso, a única abordagem possível é tentar contatar o servidor e esperar ajuda.

Em outros casos, porém, o erro pode ser resolvido por você. Muitas vezes, a falha de conexão é resultado de credenciais erradas. Por isso, verifique se o nome de usuário e a senha foram inseridos de forma correta.

4. Perda da senha de administrador

Você pode se sentir um pouco constrangido por esquecer algo tão importante, mas não se preocupe, pois todos já passamos por isso. Em alguns casos, a recuperação de senha pode ser uma verdadeira dor de cabeça, mas, no WordPress, o processo não deve ser um problema.

A forma mais simples é clicar na opção “esqueci minha senha”, aguardar um email de recuperação e, então, criar uma nova senha. Fez isso e não recebeu mensagem alguma? Sem pânico, isso também é comum e fácil de ser resolvido.

Para tal, você precisará logar no PHPMyAdmin e selecionar a database de seu site. Depois, siga os passos a seguir:

  • na lista de tabelas, selecione o wp_users;
  • encontre seu nome de usuário e clique em “editar”;
  • na coluna “user_pass”, ative a função MD5;
  • na barra de digitação, introduza sua nova senha;
  • confirme as edições.

5. Erro 404

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Outro exemplo que todo usuário de internet conhece é o Erro 404, que ocorre quando uma página não é encontrada. Em muitos casos, o visitante tem acesso a todas as áreas do website, exceto uma página. Naturalmente, isso prejudica a experiência do usuário.

Na maioria dos casos, a resolução é bem rápida e simples. Visite a página de configuração de links permanentes e clique no botão para salvar mudanças. Isso vai forçar o WordPress a reescrever o arquivo .htaccess, provavelmente solucionando o problema.

6. Modo manutenção não pode ser desligado

Esse é um problema comum, mas que pode trazer muita dor de cabeça. Ocorre quando o WordPress é posto em manutenção para uma atualização e é interrompido antes da conclusão.

Isso faz com que o WordPress não seja capaz de configurar o website de volta para o modo normal, deixando-o constantemente em manutenção.

Para solucionar o erro, basta deletar o arquivo .maintenance no seu painel de controle e atualizar a página do seu website.

7. Tempo limite de conexão

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Se o seu site apresenta tal erro, provavelmente você precisa melhorar o gerenciamento de memória. O problema acontece quando o WordPress não tem memória suficiente para operar.

Para solucioná-lo, desligue todos os plugins e volte para o tema-padrão da plataforma. Reconecte os plugins, um a um, para tentar identificar alguma anormalidade.

Se isso não acontecer, o problema é a memória. Então, um simples aumento na capacidade disponível resolverá o caso.

Você também pode se interessar por este conteúdo! ???? O que é ERR_TOO_MANY_REDIRECTS e como corrigir?

8. Barra lateral aparecendo abaixo do conteúdo

Uma barra lateral deve ser exibida ao lado do conteúdo, correto? Por isso, você pode se assustar ao se deparar com a barra lateral se deslocando para baixo dele. Isso acaba com a organização do layout da página e prejudica a usabilidade e a interatividade do site.

A causa para esse sintoma é, geralmente, um problema no código HTML presente em temas, plugins e widgets.

Por isso, pergunte-se se você realizou alterações recentes no código. Se sim, pode ter deixado passar algum detalhe que está, agora, prejudicando a exibição da barra lateral.

Uma dica é checar se o post específico está com o código estruturado apropriadamente. A exclusão ou inclusão de um extra pode ser o motivo para a desordem.

Você pode se interessar por esses outros conteúdos sobre WordPress!

Segurança WordPress – Mais de 19 Passos para Proteger o Seu Site (2019)

Quando se trata de segurança do WordPress, há muitas coisas que você pode fazer para bloquear seu site e impedir que hackers e vulnerabilidades afetem seu site ou blog de comércio eletrônico.

A última coisa que você quer que aconteça é acordar uma manhã e descobrir que seu site está uma desordem.

Então, hoje vamos compartilhar muitas dicas, estratégias e técnicas que você pode usar para melhorar sua segurança no WordPress e permanecer protegido.

Se você é um cliente Kinsta, não precisa se preocupar com muitos deles, pois oferecemos correções gratuitas! Mas mesmo com essa garantia, você deve sempre seguir as melhores práticas de segurança.

Seu site WordPress é seguro? Confira esses 19 passos para proteger e manter os hackers distantes. ???? Click to Tweet

A primeira pergunta que você provavelmente está se perguntando é se o WordPress é seguro? Para a maior parte sim.

No entanto, o WordPress geralmente fica malvisto por ser propenso a vulnerabilidades de segurança e por inerência, não ser uma plataforma segura para usar em uma empresa.

Mais frequentemente, isso se deve ao fato de os usuários continuarem seguindo as piores práticas de segurança comprovadas pelo setor.

Usando o software WordPress desatualizado, plugins anulados, má administração do sistema, gerenciamento de credenciais e falta de conhecimento necessário de Web e segurança entre usuários não técnicos do WordPress mantêm os hackers em cima de seu jogo do crime cibernético. Mesmo os líderes do setor nem sempre usam as melhores práticas. A Reuters foi hackeada porque estava usando uma versão desatualizada do WordPress.

Fundamentalmente, segurança não é sobre sistemas perfeitamente seguros. Tal coisa pode ser impraticável, ou impossível de encontrar e/ou manter. Segurança é a redução de riscos, não a eliminação de riscos.

Leia também:  Como apresentar o namorado para as crianças: 10 passos

Trata-se de empregar todos os controles apropriados disponíveis a você, dentro do razoável, que lhe permitem melhorar sua postura geral, reduzindo as chances de se tornar um alvo e subsequentemente, ser hackeado.

– Codex de Segurança do WordPress

Agora, isso não quer dizer que não existam vulnerabilidades. De acordo com um estudo do Q3 2017 realizado pela Sucuri, uma empresa de segurança multiplataforma, foi que o WordPress continua a liderar os sites infectados em 83%. Isso é de 74% em 2016.

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Vulnerabilidades de segurança do WordPress

O WordPress domina mais de 37.2% de todos os sites na internet e com centenas de milhares de combinações de temas e plugins, não é surpreendente que existam vulnerabilidades e sejam constantemente descobertas.

No entanto, há também uma grande comunidade em torno da plataforma WordPress, para garantir que essas coisas sejam corrigidas o mais rápido possível.

A partir de 2020, a equipe de segurança do WordPress é composta de aproximadamente 50 especialistas, incluindo desenvolvedores líderes e pesquisadores de segurança – cerca de metade são funcionários da Automattic e um número de trabalho na área de segurança na web.

Vulnerabilidades do WordPress

Confira alguns dos diferentes tipos de vulnerabilidades de segurança do WordPress abaixo.

Hospedagens como a Kinsta, também oferecem correções de hack gratuitas.

Backdoors

A vulnerabilidade de backdoor fornece aos hackers passagens ocultas ignorando a criptografia de segurança para obter acesso a sites WordPress por meio de métodos anormais – wp-Admin, SFTP, FTP etc.

Depois de explorados, backdoors permitem que hackers destruam servidores contaminando-os com ataques entre sites – comprometendo vários sites hospedados no mesmo servidor.

No segundo trimestre de 2016, a  Sucuri informou que os backdoors continuam a ser uma das muitas ações que os invasores realizam após a invasão, com 71% dos sites infectados tendo alguma forma de hospedagem de backdoor.

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Distribuição da família de malware

Os backdoors são frequentemente criptografados para aparecer como arquivos de sistema legítimos do WordPress, e chegam aos bancos de dados do WordPress explorando pontos fracos e bugs em versões desatualizadas da plataforma. O TimThumb fiasco foi um excelente exemplo de vulnerabilidade de backdoor explorando scripts obscuros e software desatualizado comprometendo milhões de sites.

Felizmente, a prevenção e a resolução dessa vulnerabilidade são muito simples. Você pode escanear seu site WordPress com ferramentas como o SiteCheck, que pode facilmente detectar backdoors comuns.

Autenticação de dois fatores, bloqueando IPs, restringindo o acesso do administrador e impedindo a execução não autorizada de arquivos PHP, facilmente cuida de ameaças backdoor comuns, as quais abordaremos mais abaixo.

  Canton Becker também tem um ótimo post sobre como limpar a bagunça da backdoor em suas instalações do WordPress.

Pharma Hacks

O Pharma Hack é usado para inserir códigos maliciosos em versões desatualizadas de sites e plugins do WordPress, fazendo com que os mecanismos de pesquisa retornem anúncios de produtos farmacêuticos quando um site comprometido é pesquisado. A vulnerabilidade é mais uma ameaça ao spam do que o malware tradicional, mas dá aos mecanismos de busca motivos suficientes para bloquear o site em acusações de distribuição de spam.

As partes móveis de um Pharma Hack incluem backdoors em plugins e bancos de dados, que podem ser limpos seguindo as instruções deste Blog Sucuri.

No entanto, são muitas vezes variantes viciosas de hospedagens maliciosas criptografadas escondidas em bancos de dados e exigem um processo de limpeza completo para corrigir a vulnerabilidade.

Contudo, você pode evitar facilmente o Pharma Hacks usando provedores de hospedagem WordPress recomendados com servidores atualizados e atualizando regularmente suas instalações, temas e plugins do WordPress.

Tentativas de login de brute-force usam scripts automatizados para explorar senhas fracas e obter acesso ao seu site.

Autenticação em duas etapas,  limitação de tentativas de login, monitoramento de logins não autorizados, bloqueio de IPs e uso de senhas fortes são algumas das maneiras mais fáceis e altamente eficazes de evitar ataques de brute-force.

Mas, infelizmente, vários proprietários de sites do WordPress não conseguem executar essas práticas de segurança, enquanto os hackers conseguem facilmente comprometer até 30.000 websites em um dia usando ataques de brute-force.

Redirecionamentos maliciosos

Redirecionamentos maliciosos criam backdoors em instalações do WordPress usando FTP, SFTP, wp-admin e outros protocolos e inserem códigos de redirecionamento no site. Os redirecionamentos geralmente são colocados em seu arquivo .

htaccess e em outros arquivos principais do WordPress em formatos codificados, direcionando o tráfego da Web para sites maliciosos. Vamos passar por algumas maneiras que você pode evitar em nossas etapas de segurança do WordPress abaixo.

Cross-Site Scripting (XSS)

Cross-Site Scripting (XSS) é quando um script mal-intencionado é injetado em um site ou aplicativo confiável. O invasor usa isso para enviar código mal-intencionado, geralmente scripts do lado do navegador, para o usuário final sem que eles saibam. O objetivo é geralmente pegar dados de cookie ou sessão ou até mesmo reescrever HTML em uma página. 

De acordo com o WordFence, as vulnerabilidades de Cross-Site Scripting são a vulnerabilidade mais comum encontrada em plugins do WordPress por uma margem significativa.

Denial of Service

Talvez o mais perigoso de todos, o Denial of Service (DoS) explora erros e bugs no código para sobrecarregar a memória dos sistemas operacionais do site.

Hackers comprometeram milhões de websites e conseguiram milhões de dólares explorando versões desatualizadas e com bugs do software WordPress com ataques DoS.

Embora os cibercriminosos com motivação financeira tenham menor probabilidade de segmentar pequenas empresas, eles tendem a comprometer websites vulneráveis e desatualizados ao criar cadeias de botnets para atacar grandes empresas.

Mesmo as versões mais recentes do software WordPress podem não conseguir defender contra ataques DoS de alto perfil, mas pelo menos ajudará você a evitar ser pego no fogo cruzado entre instituições financeiras e criminosos cibernéticos sofisticados.

E não se esqueça do dia 21 de outubro de 2016. Este foi o dia em que a internet caiu devido a um ataque DNS DDoS. Leia mais sobre por que é importante usar um provedor de DNS premium e estratégia de failover para aumentar sua segurança no WordPress.

Guia de Segurança do WordPress 2020

De acordo com  estatísticas da internet, mais de 100.000 sites são hackeados todos os dias. ???? É por isso que é tão importante levar algum tempo e seguir as seguintes recomendações abaixo sobre como melhorar a segurança do seu WordPress.

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Sites do WordPress hackeados todos os dias

Nos certificaremos de manter este post atualizado com informações relevantes à medida que as coisas mudam com a plataforma WordPress e novas vulnerabilidades surgem.

1. Invista em Hospedagem Segura do WordPress

Quando se trata de segurança do WordPress, há muito mais do que apenas bloquear seu site, embora possamos dar as melhores recomendações sobre como fazer isso abaixo. Há também segurança em nível de servidor da web para a qual seu host do WordPress é responsável.

Levamos a segurança muito a sério aqui na Kinsta e lidamos com muitas dessas questões para nossos clientes. É muito importante que você escolha um host em que possa confiar para o seu negócio.

Ou se você está hospedando o WordPress em seu próprio VPS, então você precisa ter o conhecimento técnico para fazer essas coisas sozinho.

É muito importante que você escolha um host no qual possa confiar. Ou se você está hospedando o WordPress em seu próprio VPS, então você precisa ter o conhecimento técnico para fazer essas coisas sozinho. E para ser honesto, tentar ser um administrador de sistemas para economizar US $ 20 / mês é uma má ideia.

Como Aprender a Usar o WordPress: 12 Passos (com Imagens)

Prompt de autenticação .htpasswd

Server hardening é a chave para manter um ambiente WordPress completamente seguro. São necessárias várias camadas de medidas de segurança em nível de hardware e software para garantir que a infraestrutura de TI que hospeda sites do WordPress seja capaz de se defender contra ameaças sofisticadas, tanto físicas quanto virtuais.

Por esse motivo, os servidores que hospedam o WordPress devem ser atualizados com o sistema operacional mais recente e com softwares (de segurança), além de serem totalmente testados e verificados quanto a vulnerabilidades e malwares. Um exemplo recente disso aconteceu quando recentemente tivemos que corrigir o NGINX para vulnerabilidades de segurança do OpenSSL que foram descobertas.

Firewalls em nível de servidor e sistemas de detecção de invasão devem estar instalados antes de instalar o WordPress no servidor para mantê-lo bem protegido, mesmo durante as fases de instalação do WordPress e do site.

No entanto, todos os softwares instalados na máquina destinados a proteger o conteúdo do WordPress devem ser compatíveis com os sistemas de gerenciamento de banco de dados mais recentes para manter o desempenho ideal.

O servidor também deve ser configurado para usar protocolos de criptografia de rede e transferência de arquivos seguros (como SFTP em vez de FTP) para ocultar conteúdo confidencial de intrusos mal-intencionados.

Leia também:  Como arrematar um ponto: 8 passos (com imagens)

Como instalar o WordPress

Os blogs ganharam visibilidade com o passar do tempo e hoje, qualquer pessoa com disposição pode manter uma página e se expressar como desejar (desde que com ética e responsabilidade). Hoje você vai aprender a instalar uma das ferramentas para blogs mais utilizadas no momento: o WordPress (2.8.3). Usando um servidor e cliente FTP, sua página irá ao ar com poucos passos.

O que você precisa?

Host (servidor)Domínio (www.seusite.com.br)Arquivos de instalação do WordPress (disponível aqui) Um cliente FTP

Primeiros passos

Antes de tudo, você precisa de um Host (servidor), desta forma precisa assinar um plano de hospedagem ou garimpar a Internet em busca de um serviço gratuito. Porém, sabe-se que serviços gratuitos de hospedagem impõem algumas restrições aos usuários. Desta maneira, vale a pena investir um pouco e ter um serviço de qualidade.

Requisitos do WordPress

Antes de assinar um serviço de hospedagem, vale lembrar que o WP usa MySQL como banco de dados e PHP, assim sendo,você precisa de suporte à estas duas ferramentas.

Muitos servidores oferecem o PHPMyAdmin para a criação de Banco de Dados, se seu host não oferecer, procure no painel de controle outras formas de criar um.

Depois de assinar um serviço de hospedagem é hora de criar um Banco de Dados (BD). Neste ponto, você pode atribuir um nome ao seu BD como, por exemplo, “meubancodedados”.

Além disso, você também precisa de um usuário e senha nesta etapa. Vale lembrar que este usuário e senha são diferentes das do login no serviço de hospedagem. Sendo assim, seu usuário pode ser “usuariobancodedados” e “senhabancodedados”. Atenção! Depois de criar sua senha, login e BD, anote-as, pois você vai precisar de tudo no passo seguinte.

Arquivos WP

Banco de Dados criado, vamos aos arquivos de instalação do WP. Baixe o arquivo em ZIP com os arquivos necessários e descompacte a pasta. Depois disso, vá até a pasta “wordpress/WP-Config-sample.php” e abra este arquivo com o Bloco de Notas ou WordPad. Uma série de códigos e letras será aberto, não se assuste, pois você só vai precisar de algumas modificações.

Onde há “nomedoBD”, altere para o nome do seu BD, no nosso caso, “meubancodedados”. Em “usuarioMySQL”, insira seu nome de usuário do BD, no nosso exemplo, “usuáriobancodedados”.

Em “senha” insira a senha do seu BD, “senhabancodedados”.

Depois de todas as alterações, salve o arquivo com o nome “WP-config.php” na pasta “wordpress”. Está quase pronto, basta mandar esta pasta para o seu servidor.

Lembra que falamos de um cliente FTP? Ele serve para fazer a conexão entre você e o servidor. Há vários programas deste gênero e neste tutorial usamos o FileZilla. Você pode usar outro, vai da sua preferência.

Depois de instalar seu FTP, é hora de mandar a pasta “wordpress” para seu servidor. Para facilitar, mude o nome da pasta de “wordpress” para “blogue”, por exemplo.

Agora, abra seu navegador e digite o endereço do seu blog (www.seusite.com.br) seguido de “/blogue” ou o nome atribuído à pasta.

Rank Math: 12 passos para auditoria de SEO gratuito

Se você quiser sustentar o crescimento constante do seu website, é importante avaliar regularmente e garantir que o site seja otimizado para isso. 

A maneira mais fácil de fazer isso é realizar uma auditoria de SEO.

Normalmente, as auditorias de SEO podem levar dias, se não semanas, para serem concluídas e acabam custando muito dinheiro em ferramentas ou profissionais para lidar com elas. Mas, com as ferramentas certas (e este guia), você está prestes a aprender como realizar uma auditoria de SEO que leva horas, não semanas, não requer nenhum conhecimento técnico avançado e é totalmente gratuito.

O que é uma auditoria de SEO?

A otimização de mecanismos de pesquisa é complicada.

Implica manter o seu site, o conteúdo e a tecnologia de acordo com os algoritmos de classificação do mecanismo de pesquisa e seus requisitos caprichosos. A pior parte é que você pode fazer quase tudo certo, mas ignorar apenas uma coisa pode acabar atrapalhando seu crescimento.

Uma auditoria de SEO é um processo no qual você executa verificações rigorosas em determinados fatores que afetam a capacidade do seu site de gerar tráfego e, posteriormente, fazer ajustes. Ao conduzir auditorias de SEO regularmente, você pode garantir que todos os aspectos do seu site que afetam o SEO estejam funcionando conforme o esperado e que seu site continue gerando tráfego de pesquisa.

Por que é necessária uma auditoria de SEO?

No campo da engenharia, há um ditado comum que diz:

“Aquilo que não se pode medir, não se pode melhorar”

A mesma filosofia se aplica ao SEO. Se você não tem nenhum método para acompanhar seus esforços de SEO, como você pode saber se o que está fazendo está funcionando?

Para começar a avaliar seus esforços, você precisa começar com uma linha de base que, nesse caso, será o estado atual do seu site como resultado do trabalho que você vem fazendo até agora. Conduzindo uma auditoria de SEO irá fornecer-lhe as informações necessárias que lhe permitirá construir em cima de seus esforços existentes e configurar seu site para o sucesso.

Em geral, você deve tentar concluir uma auditoria de SEO a cada trimestre ou, conforme vê (positivas e negativas), alterações no tráfego para poder acompanhar o que pode ter causado essas alterações e por que esse é o caso.

Como realizar uma auditoria de SEO

Como mencionamos anteriormente, o SEO é um processo complicado, com muitas partes móveis – não seria uma indústria se aproximando da marca de US $ 80 bilhões.

 Assim, enquanto alguns dos testes em uma auditoria de SEO podem ser feitos manualmente, ter uma ferramenta coloca você em vantagem e economiza um bom tempo.

 Para mostrar como você pode conduzir um SEO sozinho, usaremos o Rank Math para WordPress (nosso plugin WordPress SEO) porque ele permite que você automatize um grande número de tarefas demoradas e conduza uma auditoria abrangente de SEO do seu site em apenas um único clique. No entanto, se você (por algum motivo maluco!) não estiver usando o plugin Rank Math para WordPress, também estaremos cobrindo outras maneiras de fazer os testes sozinho.

Então, sem mais delongas, vamos direto ao que interessa.

  1. Verifique se o seu site está usando um único URL

Dependendo de como você configurou seu site, tanto a versão www quanto a não www podem ser acessadas. Isso significa que seu website pode ser acessado pelos dois URLs a seguir:

https://www.seuwebsite.com

  • https://seuwebsite.com
  • Idealmente, só deve ser acessível a partir de um dos itens acima – o que significa que se alguém tentasse acessá-lo da versão www, por exemplo, ele os redirecionaria automaticamente para a mesma página na versão não www (ou vice-versa).

Guia do WordPress: Tutorial Definitivo Para Iniciantes

Seja bem-vindo à edição 2018 do Guia do WordPress. Todos os anos irei lançar e atualizar regularmente este tutorial com o objetivo de fornecer uma série de passos práticos para iniciantes e profissionais que desejam criar sites WordPress de forma rápida e eficiente.

O objetivo deste tutorial é ensinar você, iniciante, o melhor e mais rápido caminho para ter seu site completamente desenvolvido com base em minha experiência profissional de quase dez anos com WordPress.

Este guia será uma referência para quem busca criar seus primeiros sites sem se perder no emaranhado de informações que existem hoje na internet. Através dele, qualquer um com o mínimo de conhecimento em informática (navegação na internet, instalação de programas) será capaz de criar sites utilizando WordPress.

Não pretendo esgotar o assunto, pelo contrário. Espero abordar apenas aquilo que é definitivo para a criação de um site profissional em WordPress.

O Autor

Falando rapidamente do meu histórico com o WordPress, comecei a utilizar a ferramenta por volta de 2010 para criar sites para minha agência, a Setor9. De lá para cá, uso, aprendo e ensino diariamente este incrível CMS, que sozinho é responsável por virtualmente 1/3 dos sites existentes.

Formado em Ciências da Computação, tenho uma grande paixão pelo desenvolvimento dos mais variados tipos de sistemas e o WordPress é minha ferramenta favorita para criação de sites profissionais.

Mas chega de conversa. Vamos ao trabalho!

Capítulo 1 – Entendendo WordPress

WordPress é um CMS. Do inglês Content Management System, podemos dizer em bom português que é um Sistema Gerenciador de Conteúdo. Este conteúdo são vídeos, textos e imagens que utilizamos para criar páginas web. Uma ou mais páginas web reunidas sob um mesmo domínio formam um site.

Um domínio é o endereço de seu site na internet (meusite.com.br). Por trás dele existe um IP, que é um endereço de um computador que serve páginas, também conhecido por Servidor Web. O domínio é uma forma prática e humana de chegarmos a um site. Imagina a seguinte cena:

Como criar um blog WordPress passos Pro e rentáveis ​​12

Divi: o tema WordPress mais fácil de usar

Leia também:  Como alterar sua senha do facebook: 8 passos

Divi: O melhor tema WordPress de todos os tempos!

mais Downloads 600.000Divi é o tema WordPress mais popular do mundo. É completo, fácil de usar e vem com mais de modelos livres 62. [Recomendado]

Este guia para a criação de um blog profissional e lucrativo é certamente o mais abrangente que você pode encontrar na internet. Treinamento gratuito, orçamento, tutoriais de plugins recomendados … você saberá exatamente como instalar e criar um blog WordPress popular e lucrativo.

Você quer criar um blog WordPress profissional e lucrativo, mas não sabe por onde começar, não é?

Sei o quão frustrante pode ser liderar a parte técnica de uma coisa, quando tudo que você deseja é compartilhar seu conhecimento (ou vendê-lo) na internet.

Se você deseja criar um blog ou site dedicado à sua área de especialização, se você quer se tornar um blogueiro influente e bem-sucedido (Financeiro), Espero que as dicas que compartilharei neste guia o ajudem a gerenciar facilmente a parte técnica.

Pronto para criar seu primeiro blog WordPress? Duas opções estão disponíveis para você:

1. Envolva os profissionais de blogs para fazer isso por você. Esta não é apenas a maneira mais rápida e eficaz, mas também é a que alcança um resultado profissional em menos tempo. Nesse caso, recomendo os serviços de BlogPasCher.com.

Eles não são caros e o resultado final o surpreenderá. Além disso, você não paga apenas uma vez e o site é seu por toda a vida, mas o BlogPasCher também tem o melhor suporte do mercado. Clique aqui para descobrir os serviços da plataforma.

2. Faça você mesmo. Vou mostrar como criar seu próprio site auto-hospedado no WordPress. Vai custar cerca de 35 € / ano, bem como o custo de um tema profissional do WordPress (cerca de 50 €). Certamente haverá outras ferramentas pagas, mas você pode fazê-lo!

  • Descubra principalmente nosso artigo sobre Quantas plugins devo instalar no WordPress
  • Lembre-se de que apenas recomendarei os recursos em que confio plenamente e que eu mesmo uso em alguns dos meus blogs.
  • Mas antes de começar, reserve um tempo para dar uma olhada Como instalar um tema WordPress, Quantas plugins devo instalar no WordPress.
  • Então vamos ao trabalho!

Crie um blog WordPress: as etapas básicas

Aqui estão as etapas básicas para criar um blog profissional no WordPress. Seu site terá seu próprio nome de domínio e sua aparência única. Siga todas as etapas deste guia à carta e aumente suas chances de sucesso.

Neste guia, veremos:

  1. Como nomear seu blog e comprar um nome de domínio
  2. Onde encontrar um host confiável e altamente profissional
  3. Como instalar o WordPress em menos de 60 segundos
  4. Onde comprar o tema ideal para WordPress e como instalá-lo
  5. Quais plugins instalar e configurar o
  6. Como usar o WordPress: alguns tutoriais úteis
  7. Como traduzir o seu tema WordPress para o francês
  8. Que tipo de treinamento que você precisa
  9. Como adicionar um boletim ao seu blog
  10. Como adicionar uma loja online
  11. Quanto custa iniciar um blog rentável
  12. Começar!

Etapa 1: nomeie seu blog e compre um nome de domínio

Encontrar um nome de domínio para o seu blog é certamente a etapa mais difícil, especialmente quando você está blogueiro iniciante. Faça um brainstorming e encontre um nome que descreva seu estilo, estilo de vida e mais simplesmente o objetivo do seu site. E se você não tiver inspiração suficiente, peça a seus amigos para ajudá-lo.

Faça uma lista de 10 a 20 nomes de domínio que vêm à mente e mantenha apenas os que “falam” com você. E se você ainda não consegue encontrar nada, use seu próprio nome. Isto é o que eu fiz com um dos meus blogs que eu nomeei: thierrybertrand.com

Características de um nome de domínio ideal:

  • Descritivo
  • memorável
  • Quadra
  • Fácil de soletrar

E se você estiver procurando mais detalhes sobre como escolher o nome de domínio para o seu blog, recomendo este artigo sobre o assunto: Como escolher um nome de domínio.

Uma vez que você tem uma lista (Restrito) dos nomes de domínio do seu site, você precisa acessar um host para verificar sua disponibilidade. Se todos os seus domínios já estiverem reservados, tente outras combinações, mas também outras extensões (Experimente o .com – .net – .ca). Mas, de preferência, evite escolher um nome de domínio que criará confusão com outro.

Servidor Dedicado, VPS, Compartilhado ou Cloud? Qual é a melhor solução de hospedagem WordPress? é uma leitura obrigatória.

  1. Evite usar hífens ou outras pontuações em seu teste.
  2. ir a 1and1 para verificar a disponibilidade do seu domínio: cliquez Ici
  3. E se você estiver no Canadá ou nos EUA e não tiver problemas com o inglês, recomendo vivamente BlueHost.

Depois de escolher e verificar a disponibilidade do seu nome de domínio ideal, não compre por enquanto. Avalie em algum lugar. Por quê? Bem, é simplesmente porque a maioria dos hosts da web oferece o nome de domínio gratuitamente, se você adotar um plano de hospedagem na web.

A transição está concluída …

Etapa 2: Encontre um host confiável

Em termos de serviços de hospedagem, aprendi, para meu crédito, que todos os anfitriões ainda não são sérios e não ofereça a assistência técnica que eles prometem e que é justamente esperado deles. Portanto, evite encomendar seu plano de hospedagem em qualquer site. Evite também hosts da web gratuitos. Eles muitas vezes escondem surpresas desagradáveis.

No entanto, existem soluções profissionais que, além disso, oferecem atendimento impecável ao cliente. Melhor ainda, suas tarifas são acessíveis e oferecem Instalação do WordPress em um clique.

Sei muito bem que tudo o que digo pode parecer complicado se você é iniciante. Mas não se preocupe ! Não só vou recomendar o melhor, mas também vou lhe dizer como instalar a versão mais recente do WordPress em menos de 60 segundos.

Os melhores hosts da web para blogs WordPress

  • 1and1 : É o número de host 1 na França em termos de simplicidade, eficiência, confiabilidade e qualidade do suporte ao cliente. Com o 1and1, você pode instalar facilmente o seu blog WordPress em menos de segundos do 60.

E se você quiser avançar mais rápido, assista ao nosso tutorial sobre a maneira mais rápida de criar um site com 1 e 1. cliquez Ici.

importante : 1 e 1.fr parece ser limitado apenas na França. Se você não mora na França, recomendo o próximo host da nossa lista.

  • Funio : Para mim, é certamente o melhor serviço de hospedagem compartilhada do mundo. Adoro o serviço ao cliente que posso telefonar a qualquer hora do dia com a garantia de encontrar ajuda. É o mesmo com o sistema de bate-papo ao vivo. Funio é um número ilimitado deespaço em disco, nomes de domínio hospedados, subdomínios, bancos de dados, emails e tráfego.Clique aqui para começar a usar o Funio por apenas US $ / mês no 5,83.
  • Bluehost: acessível, confiável e fácil de usar (especialmente se você entende inglês). Ele é muito melhor que GoDaddy, Hostgator e todos os outros. O espaço em disco oferecido é “Ilimitado” para um alojamento “Compartilhado” (Partilhado). Bluehost é rico em recursos. O atendimento ao cliente é onipresente e você certamente encontrará rapidamente uma solução para o seu problema.

Novamente, esta é a solução ideal se você não tiver nenhum problema com o inglês.

Nota: A OVH e a Hostpapa não fazem parte desta lista devido à baixa qualidade do serviço ao cliente. Muitos clientes reclamam de ligações sobrecarregadas da OVH.

Vamos para o próximo passo …

Etapa 3: instale seu blog WordPress

Este passo deve ser fácil.

Crie facilmente seu site com Elementor

Elementor permite criar facilmente qualquer design de site com uma aparência profissional. Pare de pagar caro pelo que você pode fazer por si mesmo. [Grátis]

  • En ce qui preocupações BlueHost, aqui está um excelente tutorial em inglês para aprender como criar um site com facilidade e rapidez neste host reconhecido globalmente.

Após a instalação do seu blog, a primeira coisa a fazer é alterar a estrutura do link conforme Eu mostrar neste tutorial.

4 Etapa: Escolha e instale um tema WordPress

  • Seu tema WordPress determinará a aparência e o espírito do seu site, portanto você não deve escolher aleatoriamente.
  • O que procurar em um tema WordPress? Na verdade, você precisa de um tema WordPress:
  • Bem desenhado. Seu tema WordPress deve se adequar aos seus critérios de beleza, fornecendo a funcionalidade que um blog em seu nicho precisa. O tema do WordPress também deve ser codificado por alguém que sabe o que está fazendo.
  • A tela se encaixa perfeitamente em todos os formatos de tela (PC, tablet, smartphone). Não ter um tema WordPress compatível com esses suportes está perdendo uma grande oportunidade de seduzir e converter seus visitantes.
  • Otimizado para SEO. Isso anda de mãos dadas com o ponto anterior, porque um site bem projetado promove melhor SEO

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*