Como aliviar sintomas da gota em casa: 14 passos

Os sintomas da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, já são conhecidos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que procure ajuda médica quem apresentar tosse, febre e dificuldade para respirar.

Mas como proceder se os sintomas surgirem? E que tratamento é recomendado a quem buscar atendimento por suspeita de ter sido infectado com o novo coronavírus?

Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa: 14 Passos

A OMS declarou que o mundo enfrenta uma pandemia. Declarar uma pandemia significa dizer que os esforços para conter a expansão mundial do vírus falharam e que a epidemia está fora de controle.

A doença que o vírus provoca é uma infecção respiratória que começa com sintomas como febre e tosse seca e, ao fim de uma semana, pode provocar falta de ar.

De acordo com uma análise da OMS baseada no estudo de 56 mil pacientes, 80% dos infectados desenvolvem sintomas leves (febre, tosse e, em alguns casos, pneumonia), 14% sintomas severos (dificuldade em respirar e falta de ar) e 6% doenças sérias (insuficiência pulmonar, choque séptico, falência de órgãos e risco de morte).

A BBC News Brasil reuniu as recomendações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial da Saúde e de profissionais da saúde especializados para prever os principais passos do tratamento, dependendo dos sintomas do paciente.

Nem todo mundo vai precisar ir ao hospital

Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa: 14 Passos

No Brasil, o Ministério da Saúde decidiu priorizar o atendimento dos casos suspeitos de coronavírus por meio da atenção primária, ou seja, pelo atendimento inicial, considerado a porta de entrada dos usuários nos sistemas de saúde. De acordo com o ministério, são 42 mil postos de saúde espalhados pelo país que devem dar conta de responder a cerca de 90% dos casos, na estimativa do ministro Luiz Henrique Mandetta.

Os serviços de saúde deverão fazer triagem mais rápida dos casos, para que pessoas com sistemas respiratórios afetados passem menos tempo em salas de espera. Vacinações devem ser feitas em áreas abertas.

A intenção anunciada pela pasta é de ampliar o horário de atendimento nos postos de saúde, facilitando adesão dos municípios ao programa Saúde na Hora. Segundo o ministro, a meta é que 6,7 mil unidades passem a funcionar em horário ampliado, e o ministério disponibilizou cerca de R$ 900 milhões que serão repassados aos municípios de acordo com a expansão da epidemia.

Postos de Saúde

A recomendação é de que procure os postos de saúde quem apresentar sintomas como febre baixa, tosse, dor de garganta e coriza, e sentir a necessidade de atendimento médico. Mas se você tiver sintomas leves, mas sente que não precisa da ajuda de um médico, pode ficar em casa.

As pessoas com sintomas não devem procurar unidade de saúde se tiverem apenas tosse, apenas coriza, apenas coriza e mal-estar ou sensação de moleza no corpo ou apenas febre, segundo o ministério.

E quem precisa ir ao hospital? Só quem apresentar os sintomas mais graves, como dificuldade para respirar, respiração curta ou falta de oxigenação — que já podem ser sinais de pneumonia, um dos estágios mais graves da covid-19, que é a doença causada pelo novo coronavírus.

Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa: 14 Passos

A opção do governo em priorizar o atendimento em postos de saúde é justamente evitar que se crie uma rede de infectados ainda maior nos hospitais, que concentram maior circulação de vírus e bactérias. A prioridade é reservar os ambulatórios e leitos dos hospitais para os casos mais graves.

“No caso de a pessoa ter febre acima de 38 graus e sintomas respiratórios, essa pessoa deve procurar uma unidade básica de atendimento, que pode tranquilamente ser um posto de saúde.

E, chegando a este posto de saúde a pessoa deve se identificar como sintomático respiratório para ser colocado em outra linha de atendimento, que evite a transmissão para outros pacientes”, afirma o infectologista Estevão Portela Nunes, vice-diretor do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da FioCruz.

  • Quem tiver dificuldade para respirar, a respiração curta ou fraca vai precisar sim ir ao hospital, orienta o médico da FioCruz,
  • Nos postos de saúde, a orientação para os profissionais é que avaliem rapidamente todas as pessoas que apresentem febre ou dificuldade para respirar, independentemente da idade.
  • Segundo orientação do ministério para os profissionais que atuam nos postos, a equipe de saúde deve priorizar os casos suspeitos, oferecer uma máscara cirúrgica e isolar tais pacientes em local ventilado em que n]ao haja circulação de pessoas sem proteção,

Casos suspeitos de covid-19 com sintomas mais leves receberão medicamentos para aliviar os sintomas: um analgésico para dor, um antitérmico para a febre. Se a equipe de saúde avaliar que o caso é mais grave, poderá encaminhar o paciente para um pronto atendimento ou para um especialista.

As orientações de cada país

Em países como o Reino Unido e a Itália, a recomendação é de que, no caso de sintomas leves, a pessoa fique em casa, evitando circular justamente para não criar uma rede de infectados que acabam chegando a pessoas mais vulneráveis à doença.

A orientação taxativa do serviço de saúde britânico é de que a pessoa com sintomas de gripe, febre e tosse, por exemplo, não procure os serviços de saúde por conta do risco de infectar pessoas mais vulneráveis.

Lá no Reino Unido e na Itália os pacientes podem obter orientação médica por telefone, incluindo uma avaliação preliminar, opção que não existe no Brasil.

Questionado pela reportagem da BBC News Brasil, o ministério afirma que cada país adota sua própria estratégia contra o novo vírus, e argumenta que a opção pelo atendimento nos postos de saúde foi adotada justamente por se tratarem de ambientes menores e mais restritos que os hospitais. Mas pondera que as orientações podem mudar a qualquer momento, já que trata-se de um vírus novo e o próprio sistema de saúde está aprendendo a lidar com ele.

A própria OMS ressalta a importância de se respeitar as orientações das autoridades de saúde de cada país, que terão as informações mais atualizadas sobre a realidade local.

As orientações do Ministério da Saúde têm peso de recomendações, mas na prática a organização dos atendimentos pode mudar em cada Estado, pois os governadores têm autonomia sobre seus sistemas de saúde. Em países continentais, como o Brasil, a realidade varia bastante de uma região para outra.

O governo também lembra que antecipou para 23 de março a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, prevista para a segunda quinzena de abril, justamente para evitar que os idosos tenham que circular pelos postos de saúde no período esperado de maior circulação do novo vírus no país. A recomendação do Ministério da Saúde para idosos ou doentes crônicos é a restrição de contato social (viagens, cinema, shoppings, shows e locais com aglomeração), e claro, tomar a vacina contra gripe.

Embora a vacina contra a gripe não proteja contra o novo coronavírus, mas, sim, contra tipos de influenza (família à qual pertence o H1N1, por exemplo), pode ajudar profissionais de saúde a diagnosticar — por eliminação — eventuais casos de covid-19.

Leia também:  Como baixar o skype: 6 passos (com imagens)

Como serão atendidos os pacientes nos hospitais?

No pronto atendimento do hospital, os profissionais de saúde farão uma triagem para direcionar cada paciente de acordo com a gravidade da situação. Casos com sintomas mais graves, como dificuldade para respirar, provavelmente serão internados, e, a depender da avaliação do médico, talvez em UTI.

Pacientes com suspeita de coronavírus que não precisarem de internação receberão tratamento no ambulatório e prescrição de medicamentos para aliviar os sintomas. Quem for considerado suspeito para a covid-19, mesmo que sem teste ou confirmação, receberá a recomendação de que fique em isolamento em casa, por 14 dias.

Não há, até o momento, recomendações de restrição de convívio familiar. Casos em que a covid-19 for descartada — por exemplo, quando os médicos constatarem que a pessoa tem rinite alérgica, e não covid-19 — podem não receber essa recomendação. Tudo vai depender da avaliação do médico.

Que pacientes serão testados para covid-19?

Na fase atual, de acordo com o Ministério da Saúde, a decisão de fazer ou não o teste do coronavírus em um paciente ficará a cargo de cada médico.

No dia 9 de março, o secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira, disse que todo mundo que for internado com caso grave de gripe e síndrome respiratória em cidades onde há casos confirmados da doença serão testados, até para verificar se já há circulação do vírus nesses locais.

  1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde informaram que estão habilitando laboratórios em todos os Estados para realizarem mais testes.
  2. Já na saúde privada, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu que os planos de saúde estão obrigados a cobrir o exame para detecção do novo coronavírus.
  3. Nos casos graves, ou seja, das pessoas com febre alta, problemas respiratórios ou até mesmo pneumonia, o protocolo é que primeiro seja feito um painel respiratório, que é um exame para investigar a presença dos vírus que mais circulam pelo país, como o da gripe.

Se der positivo para algum outro vírus, o paciente será tratado com o antiviral específico, segundo explicou o Doutor Estevão Portela. Se der negativo, aí é que chega a hora de testar para o coronavírus.

Como serão tratados os casos confirmados de coronavírus?

A Organização Mundial da Saúde explica que não existe, até agora, um tratamento específico para curar a covid-19, embora existam muitos esforços para encontrar remédios ou uma vacina que previna a doença.

O que existe, por enquanto, são os tratamentos para resolver os sintomas: baixar febre, amenizar a tosse, tirar dores no corpo e tratar complicações respiratórias, como pneumonia.

Quando a dificuldade para respirar é grande, o paciente pode receber oxigênio, por exemplo. Um dos desafios da gestão dessa pandemia é evitar que muitos casos evoluam para que a procura por hospitais não supere o número de vagas.

Segundo o Conselho Federal de Medicina, o Brasil possui quase 45 mil leitos de UTI.

Pouco menos da metade (49%) está disponível para o SUS e a outra parte é reservada exclusivamente à saúde privada ou suplementar (planos de saúde), que hoje atende a 23% da população.

Remédios como antibióticos, por exemplo, não servem para combater o coronavírus, mas podem ser podem ser usados em algum momento para tratar outra infecção associada, como uma faringite, ou mesmo uma pneumonia bacteriana que possa ter se desenvolvido em cima da infecção viral.

Proteja a si mesmo e aos mais vulneráveis

Importante é não esquecer das dicas da OMS e do Ministério da Saúde para se proteger do coronavírus: lave sempre as mãos com água e sabão ou use álcool gel, mantenha distância de 1 metro de pessoas espirrando ou tossindo: evite tocar olhos, nariz e boca; ao tossir ou espirrar, utilize o antebraço ou um lenço, que deve ser descartado. Mantenha os ambientes bem ventilados e evite aglomerações, principalmente se estiver doente.

O presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, Fernando Spilki, destaca que é preciso ter ainda mais cuidado em relação à proteção dos idosos, grupo mais vulnerável à nova doença. Embora a letalidade da covid-19 venha se mostrando baixa (em torno dos 3%) de modo geral, supera os 14% entre os mais idosos.

“Os idosos precisam estar protegidos. É preciso pensar em todas as vias de possível infecção: um neto, um filho, o namorado que vai visitar, qualquer um pode estar em período de incubação e passar o vírus”. Spilki recomenda reforço em medidas de higiene e proteger os idosos de qualquer tipo de contato social. “É o mais importante”.

Veja também:

Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa: 14 Passos

BBC News Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

Gota: o que é, causas, sintomas e tratamento

A gota ou artrite gotosa, chamada popularmente de reumatismo nos pés, é uma doença inflamatória causada pelo excesso de ácido úrico no sangue, situação chamada de hiperuricemia em que a concentração de urato no sangue é superior a 6,8 mg/dL, que causa muita dor nas articulações. Os sintomas incluem o inchaço, a vermelhidão e a dor ao movimentar uma articulação, sendo que a mais afetada, geralmente, é a do dedão do pé, que fica dolorido, principalmente ao caminhar.

É importante salientar que nem todas as pessoas que possuírem a taxa de ácido úrico elevado irão desenvolver a gota, já que a doença é dependente de outros fatores.

As crises da gota têm melhora, e o que se pode fazer é melhorar a alimentação para reduzir os níveis de ácido úrico no sangue e o uso de medicamentos anti-inflamatórios para controlar a dor e a inflamação, como o Ibuprofeno, o Naproxeno ou a Colchicina. No entanto, é importante controlar os níveis de ácido úrico no sangue para evitar que aconteçam crises de gota e que surjam complicações que são irreversíveis, como deformações nas articulações.

  • Para controlar os níveis de ácido úrico no sangue, o reumatologista ou o clínico geral pode indicar o uso de remédios para bloquear a produção de ácido úrico, como o Alopurinol, ou remédios para ajudar os rins a eliminar o ácido úrico pela urina, como a Probenecida.
  • Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa: 14 Passos
  • Os sintomas de gota surgem como consequência da deposição de cristais de ácido úrico nas articulações, resultando em dor intensa na articulação que dura alguns dias e que piora com o movimento, além de aumento da temperatura local, edema e vermelhidão.
  • A dor, que na maioria das vezes começa na madrugada, é intensa o suficiente para acordar o paciente e dura cerca de 12 a 24 horas, no entanto, após a dor a pessoa pode sentir desconforto na articulação afetada, principalmente ao mover, que pode durar alguns dias a semanas, principalmente no caso da gota não ser devidamente tratada.
Leia também:  Como aplicar sombra azul: 12 passos (com imagens)

Qualquer articulação pode ser afetada, no entanto a gota é mais frequente nos membros inferiores, principalmente dedão do pé. Também pode haver a formação de cálculos renais e deposição de cristais de ácido úrico debaixo da pele, formando protuberâncias nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas, por exemplo.

Saiba reconhecer os sintomas de gota.

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da gota é realizado de acordo com a história clínica do paciente, exame físico e exames complementares, como dosagem de ácido úrico no sangue e na urina, além de radiografias.

O padrão ouro para diagnóstico da gota é a observação de cristais de urato através da microscopia.

Causas da gota

A gota acontece como consequência da hiperuricemia, que corresponde ao aumento da quantidade de ácido úrico no sangue, que pode acontecer tanto devido ao aumento da produção de ácido úrico como também por deficiência da eliminação dessa substância. Outras causas de gota são:

  • Ingestão inadequada de medicamentos;
  • Uso exagerado de diuréticos;
  • Abuso do álcool;
  • Consumo exagerado de alimentos ricos em proteínas, como as carnes vermelhas, miúdos, frutos do mar e leguminosas, como ervilhas, feijão ou lentilha;
  • Diabetes;
  • Obesidade;
  • Hipertensão arterial não controlada;
  • Arteriosclerose.

Devido às grandes quantidades de ácido úrico circulantes, há deposição de cristais de urato monossódico, que é a forma sólida do ácido úrico, nas articulações, principalmente dedão no pé, tornozelo e joelhos.

A ocorrência da gota é mais comum em pessoas com sobrepeso ou obesas, que possuem vida sedentária e que são portadores de doenças crônicas que não estão sendo muito bem controladas. Além disso, a gota é mais comum de acontecer em homens entre 40 e 50 anos e mulheres após a menopausa, geralmente a partir dos 60 anos.

Como é feito o tratamento

O tratamento da gota basicamente divide-se em duas etapas: manejo da crise aguda e terapia de longo prazo.

O tratamento para as crises de gota envolve remédios anti-inflamatórios que devem ser recomendados pelo médico, como Ibuprofeno ou Naproxeno, por exemplo, para aliviar a dor e a inflamação da articulação.

Outro remédio anti-inflamatório muito utilizado para controlar a dor e a inflamação é a Colchicina, que atua também ao nível do ácido úrico.

Os remédios corticoides, como a Prednisona, também podem ser usados para tratar a dor e a inflamação da articulação, no entanto esses remédios só são utilizados quando a pessoa não pode tomar os outros anti-inflamatórios ou quando estes não possuem o efeito desejado.

Além destes remédios, o reumatologista ou o clínico geral também pode prescrever remédios para controlar os níveis de ácido úrico no sangue para evitar novas crises e prevenir complicações, como o Alopurinol ou a Probenecida. Veja mais sobre o tratamento para gota.

É importante também mudar os hábitos alimentares, uma vez que pode influenciar diretamente na quantidade de ácido úrico circulante e, consequentemente, na deposição de cristais na articulação, e tratar doenças de base que também pode favorecer a ocorrência da gota quando não tratadas, como hipertensão e diabetes, por exemplo.

Como deve ser a alimentação

Para aliviar os sintomas de gota e evitar novas crises, é importante alterar os hábitos alimentares para que os níveis de ácido úrico sejam regularizados.

Desta forma, a pessoa deve diminuir ou evitar a ingestão de alimentos ricos em purinas, como queijo, lentilhas, soja, carnes vermelhas ou frutos do mar, pois eles aumentam os níveis de ácido úrico no sangue, e beber cerca de 2 a 4 litros de água por dia, pois a água ajuda a remover o excesso de ácido úrico pela urina.

Saiba quais os alimentos que deve ou não comer na gota no vídeo a seguir:

Como Aliviar Sintomas da Gota em Casa

  1. 1

    Faça alterações na dieta para diminuir a ingestão de purina. Ao digerir a purina, o corpo produz ácido úrico, que pode se depositar na forma de cristais de urato de sódio nas articulações. A redução da quantidade de purina na alimentação faz com que se diminua a quantidade de purina a ser processada pelo organismo.[7][8][9]

    • Coma menos carne vermelha, como bife.
    • Não consuma carnes de caça, como a de coelho, faisão e veado.
    • Evite vísceras, como fígado, rins, coração e molejas.
    • Reduza a ingestão de frutos do mar, principalmente caviar e crustáceos como mexilhões, caranguejos e lagostas. Você também não deve comer peixes oleosos como sardinha, anchova, carapau, anchoveta, alevinos, arenque e truta.
    • Extratos de leveduras e de carne também têm muita purina. Estes incluem marmite (produto alimentar britânico), Bovril (extrato salgado de carne bovina) e muitos caldos de carne industrializados.
    • Laticínios com baixo teor de gordura podem diminuir o risco de ataques de gota.
  2. 2

    Beba menos álcool. Bebidas alcoólicas, principalmente cerveja e destilados, têm uma quantia alta de purina.[10]

    • Uma taça ocasional de vinho não é um problema e pode até trazer benefícios.[11]
    • Uma bebedeira pode provocar uma crise de gota.
  3. 3

    Evite bebidas adoçadas com frutose. Estas bebidas podem agravar a gota.[12]

    • As bebidas adoçadas com extrato de cereja são exceções, contanto que não tenham sabor artificial e outros açúcares. As cerejas e o seu extrato podem ajudar a reduzir os níveis de ácido úrico.[13]
  4. 4

    Beba muita água para promover o bom funcionamento dos rins. Os rins são cruciais na produção da urina e na eliminação do ácido úrico por meio da urina.[14]

    • A quantia necessária de água varia dependendo do tamanho da pessoa, dos níveis de atividade e do clima da região. Porém, é preciso beber um mínimo de 6 a 8 copos de água por dia.[15]
    • Quando se está com sede, você já está desidratado e deve beber água rapidamente. Caso a urina não seja frequente e fique escura ou turva, você pode estar desidratado.
  5. 5

    Faça exercícios regulares. Assim, você se torna mais saudável e se sente melhor.

    • Tenha como objetivo fazer 30 minutos de exercícios moderados, como caminhada, ou 15 de exercícios mais cansativos, como corrida, todos os dias.[16]
    • A natação é um ótimo modo de se exercitar sem sobrecarregar as articulações que podem estar doloridas.
  6. 6

    Perca peso caso o seu seja alto. No entanto, é importante seguir uma dieta saudável e viável.

    • Dietas radicais com o intuito de fazer com que se perca muito peso de modo rápido costumam incluir bastante proteína e poucos carboidratos. Estas dietas tendem a concentrar muita purina e podem piorar a gota.
  7. 7

    Experimente suplementos de vitamina C. A vitamina C ajuda na excreção do ácido úrico pelos rins por meio da urina e pode evitar a gota.[17]

    • Fale com um médico antes de adicionar suplementos para garantir que eles sejam adequados para você.
    • A vitamina C diminui um pouco o ácido úrico, então ela pode evitar novas crises, mas é improvável que traga a cura.
  8. 8

    Beba café. Tanto o café normal quanto o descafeinado podem ajudar a diminuir os níveis de ácido úrico. Porém, esta evidência é fraca, pois estudos científicos não conseguiram identificar como este processo ocorre.

Leia também:  Como andar de ônibus em nova iorque: 14 passos

7 maneiras de aliviar a enxaqueca

  • WhatsApp
  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Linkedin
  • Copiar Link

A dor pode durar de quatro horas a três dias (Foto Shutterstock/ Reprodução)

Considerada uma doença incapacitante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca atinge cerca de 15% da população brasileira e 140 milhões de pessoas ao redor do mundo. 

“Tipicamente, a enxaqueca atinge os mais jovens. 30 a 40% dos casos são de pessoas com idade entre 20 e 40 anos”, afirma Gary Jay, neurologista da UNC Health Care. Apesar de não haver um tratamento definitivo para o mal, há algumas técnicas que ajudam a amenizar a dor e entender suas causas.

+ LEIA MAIS | A CASA QUE CUROU AS CRISES DE ENXAQUECA DA MORADORA

O que causa enxaqueca?“A dor é, geralmente, descrita como latejante ou pulsante nas laterais da cabeça, podendo durar de 4 horas até 3 dias” conta Zubai Ahmed, neurologista da clínica americana Cleveland.

A dor pode aumentar ao praticar atividades físicas, a partir de sons ou cheiros. O enjôo também é um sintoma comum.

Há também a enxaqueca com aura, uma doença neurológica que se manifesta por crises precedidas de distúrbios visuais ou sensitivos. “As auras incluem mudanças visuais, sensoriais e cognitivas”, explica o médico Gary Jey.

Cada pessoa pode ter um sintoma diferente, o que faz com que a descoberta da causa da doença seja mais difícil. De acordo com a Fundação Americana de Enxaqueca, os sintomas podem ser genéticos. Se os pais possuem o distúrbio, a chance de os filhos apresentarem também é de de 50 a 75%.

+ LEIA MAIS | 5 ALIMENTOS QUE AUXILIAM NO COMBATE À ENXAQUECA

“Enxaquecas são uma condição genética que podem ser programadas por gatilhos, em alguns casos. Todavia, mesmo se os pacientes evitarem esses gatilhos, a genética predisposta vai desenvolver enxaqueca em algum ponto de suas vidas”, conta Ahmed.

Além da herança dos genes, o estilo de vida tem forte influência. De acordo com os médicos viver de forma saudável é fundamental para controlar as dores de cabeça. Alguns gatilhos que podem desenvolver enxaqueca são dietas pouco nutritivas, a falta de exercícios físicos, sono inadequado, repetição de traumas mentais ou estresse.

  • + LEIA MAIS | 8 DICAS DE DECORAÇÃO QUE AJUDAM A CONTROLAR A ANSIEDADE
  • Livrar-se de vez pode ser quase impossível, mas há passos para controlar a dor

1 Tomar suplementos com riboflavina ou magnésioAhmed conta que alguns suplementos com vitamina B2 (riboflavina) e magnésio se mostraram eficientes na prevenção da dor.

Um artigo publicado no jornal americano Headache em 2018 descobriu que os pacientes que tomavam 600 miligramas de magnésio tiveram a frequência de enxaquecas reduzidas.

Já aqueles que tomavam 400 miligramas de riboflavina tiveram as dores diminuídas para, aproximadamente, duas ao mês.

2 Evitar o estressePode parecer impossível, mas o estresse é um gatilho muito decorrente. “O estresse libera vários químicos no sangue que podem piorar ou levar à enxaqueca, incluindo epinefrina e cortisol. Quando o cansaço do trabalho vai embora, o volume dessas substâncias cai, e as chances da dor cessar são maiores”, afirma Ahmed.

3 Ter os remédios sempre à mãoQuando a dor chega e não há nada que cure, é hora de entrar com os medicamentos receitados pelo seu médico. Ter a receita em mãos é muito mais prático do que agendar uma consulta.

 Os remédios para enxaqueca são divididos em duas categorias diferentes: abortiva e preventiva.

A primeira é para eliminar a dor quando ela aparece e, geralmente, é tratada por remédios que estimulam a presença de serotonina no cérebro.

+ LEIA MAIS | O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ TRABALHA MUITO?

4 Fazer sexoUm estudo feito em 2013, pelo departamento de neurologia da Universidade de Münter, na Alemanha, descobriu que a dor reduziu em 60% das pessoas que tinham relações sexuais durante a enxaqueca.

5 Comer naturalAs comidas processadas podem causar enxaqueca. “A dieta pode ser um gatilho diferente para cada paciente. É importante identificar quais comidas trazem a dor, a fim de evitá-las”, explica Jay. De acordo com Ahmed, glutamato monosódico, presente em diversos alimentos industrializados, é uma das substâncias que mais causa o distúrbio.

6 Evitar alguns tipos de álcoolSegundo Jay, o álcool contém substâncias com maior probabilidade de causar enxaqueca. Os congêneres são subprodutos de álcoois fermentados e destilados, como vinho, cerveja e uísque. Licores claros como a vodca, por outro lado, podem não ter o mesmo efeito.

+ LEIA MAIS | 9 ITENS QUE PODEM PROVOCAR ALERGIAS EM CASA

7 Fazer botoxO procedimento pode não ser apenas estético. A agência federal americana Food and Drug Administration permitiu a prática para melhorar enxaquecas em 2010.

O tratamento é liberado apenas para pessoas com distúrbios crônicos – caracterizados por crises ou aparição de sintomas durante 15 dias no mês. Os pacientes que testaram o método duas vezes reportaram uma queda na assiduidade da dor em 50%.

Trata-se de injetar a substância botulinum toxin nas terminações nervosas, fazendo com que os sinais da dor sejam bloqueados no cérebro. Cada tratamento, geralmente, envolve 31 injeções na cabeça ou no pescoço.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*