Carros usados em Campinas com final da placa 7,8

Um serviço de bondes foi disponibilizado como alternativa para ligar a cidade de Campinas a Fazenda Cabras no distrito de Joaquim Egídio, e em 1919 passa a circular o “bondão”, apelido dado por ele ser bem maior que os bondes abertos da área urbana.

Em frente a Estação de trens da Companhia Paulista ficava o ponto inicial, de lá seguia pela Av.

Andrade Neves, passando pelo bairro Guanabara, fazenda Vila Brandina situada pouco antes da Estação Engenheiro Cavalcante (na época uma parada com plataforma simples e descoberta em uma das mais importantes fazendas de gado leiteiro da região) e finalmente atingia a zona rural em Sousas e Joaquim Egídio.

Em 1911 a linha é comprada pela CCTLF e convertida em bitola métrica. No dia 18 de março de 1917 era inaugurando o percurso de 17km. No ano de 1919 o percurso foi estendido em 15km até o bairro rural das Cabras no distrito de Joaquim Egídio

Nos anos de 1930 a companhia refez muitos de seus bondes com vestíbulo fechado, a parte de cima em arco e 9 fileiras de bancos no lugar das antigas 10.

Em 1928 a linha foi adquirida pela companhia americana Electric Bond & Share, e novamente vendida em 1946 para a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) que em 1952 vendeu para a Estrada de Ferro Sorocabana (EFS). Para a linha das Cabras a EFS comprou quatro bondes simples de segunda mão da cidade de Belo Horizonte-MG.

No dia 30 de setembro de 1954 o sistema de bondes da cidade foi absorvido pela Companhia Campineira de Transportes Coletivos (CCTC), que contava na época com 28 bondes, 13 linhas em 26km de percurso comprado pela prefeitura por Cr$ 3.000.000,00. A CCTC chegou a ter 58km de trilhos implantados na cidade.

Em 10 de fevereiro de 1960 a linha da EFS até Cabras foi fechada, os 7km iniciais se tornam a linha 14 de bondes.

Com o aumento do tráfego de automóveis na cidade, o sistema de bondes campineiro que tinha estrutura simples – passava por ruas estreitas, utilizava mão única – atravapalha a circulação dos veículos motorizados, pois haviam desvios em determinados pontos das rotas para permitir a passagem de outro bonde da mesma linha ocupando quase toda a largura da rua. Isso contribuiu para o processo de extinção das linhas que iniciou no ano de 1964. O último bonde passou na noite da sexta-feira do dia 24 de maio de 1968 deixando saudades para muitos usuários do sistema de transporte.

No dia 5 de novembro de 1972 a Prefeitura Municipal de Campinas inaugurou uma linha interna circular com quatro bondes e pouco mais de 3 km ao redor da Lagoa do Taquaral, que em 1980 teve o nome alterado para Parque Taquaral.

Hoje podemos matar a saudade desse tempo fazendo um passeio turístico no Parque Taquaral.

Bonde curiosidades:

As Rotas dos Bondes em Campinas

Linha n.º 1

Vila Industrial – ponto de partida na Av. Francisco Glicério, em frente aos Correios e Telégrafos, seguido pelas uas Conceição, Barão de Jaguara, Av. Dr. Moraes Sales, Viaduto Paulista, Av. João Jorge, ruas Sales de Oliveira, Pereira Lima, Jóquei Clube, Dr. Mascarenhas, Av. Andrade Neves, Rua 13 de Maio e, por esta, até o ponto de onde partia.

Linha n.º 2

Vila Industrial – o ponto inicial era na Praça José Bonifácio (Largo da Catedral), seguia pela Av. Francisco Glicério, Rua General Osório, Av. Andrade Neves, ruas Dr. Mascarenhas, Pereira Lima, Sales de Oliveira, Av. João Jorge, Viaduto da Paulista, Rua Moraes Sales, Av. Francisco Glicério e, por esta, até a Praça de partida.

Linha n.º 3

Guanabara – saia da Praça José Bonifácio (Largo da Catedral), seguia pela Av. Francisco Glicério, ruas General Osório, José Paulino, Barão Geraldo de Rezende, Av. Barão de Itapura, até o Liceu N.S. Auxiliadora, de onde voltava pelo mesmo percurso até a Rua José Paulino, entrando pela Rua 13 de Maio em direção ao seu ponto inicial.

Linha n.º 4

Taquaral – partia da Praça Bento Quirino, atingindo as ruas Sacramento, Marechal Deodoro, Dr. Quirino, Major Solon, Paula Bueno até a Amador Bueno, de onde retornava pelo mesmo percurso.

Linha n.º 5

Estação – Circular, saía da Praça José Bonifácio (Largo da Catedral), seguindo pela Av. Francisco Glicério, Rua General Osório, Av. Andrade Neves, Praça Floriano Peixoto (Largo da Estação), Rua 13 de Maio até o ponto inicial.

Linha n.º 6

Cambuí – iniciava na Rua Dr. Quirino, descia a Rua Thomas Alves, prosseguia pela Av. Anchieta, Rua General Osório, Av. Júlio Mesquita, ruas Olavo Bilac, Santos Dumont, Cel. Quirino, Conceição, Av. Júlio Mesquita, ruas General Osório e, pela Dr. Quirino, atingia o ponto inicial.

Informe publicitário

Carros usados em Campinas com final da placa 7,8

Linha n.º 7

Cambuí – também circular, como o outro, partia da Rua Dr. Quirino, descia a Rua Thomaz Alves, caminhava pela Av. Anchieta, Rua General Osório, sendo o restante o percurso similar ao anterior.

Linha n.º 8

Bonfim – Partia da Praça José Bonifácio, seguindo pela Av. Francisco Glicério, Rua General Osório, Av. Andrade Neves, Rua Dr. Mascarenhas, Av.

Governador Pedro de Toledo e Praça Izidoro Dias Lopes, Rua Erasmo Braga, de onde voltava pelo mesmo percurso até a Av.

Andrade Neves, passando pela Praça Floriano Peixoto (Largo da Estação), descendo, depois a Rua Treze de Maio até o local de partida (Praça José Bonifácio).

Linha n.º 9

Botafogo – partia da Praça José Bonifácio, seguindo pela Av. Francisco Glicério, ruas Gal. Osório, Saldanha Marinho, Hércules Florence, Culto à Ciência, Barão de Itapura, Av. Andrade Neves, Praça Floriano Peixoto (Largo da Estação), Rua 13 de Maio, até o ponto inicial.

Segundo realtos, era o mais alegre por transportar grande número de adolescentes que se dirigiam ao tradicional Colégio Culto à Ciência, isto dava muito trabalho ao seu cobrador, pois tantos os meninos quanto as meninas que além da gritaria e do gargalhar, sempre contrariavam as normas estabelecidas e se amontoavam pelos estribos do bonde a fim de demonstrar valentia e descumprimento às leis.

Linha n.º 10

Castelo – o ponto de partida era na Praça Bento Quirino, seguindo pelas ruas Sacramento, Marechal Deodoro, Dr. Quirino, Av. Dona Libânia, Av. Orosimbo Maia, Av. Brasil, ruas Joana de Gusmão, Barros Monteiro, Pereira Tangerino e Oliveira Cardoso, onde estava o o final da linha bem perto à Torre do Castelo. A volta era pelo mesmo itinerário.

Linha n.º 11

Avenida Saudade – Ponte Preta – Fundão – saía da Av. Francisco Glicério, em frente aos Correios e Telégrafos, indo pelas ruas Conceição, Barão de Jaguara, Abolição, Álvaro Ribeiro, Av.

Saudade até o portão do Cemitério, de onde voltava pelo mesmo trajeto até o cruzamento das ruas Barão de Jaguara e Moraes Sales, prosseguindo por ela até a Av. Francisco Glicério, e por esta, até o ponto inicial.

Linha n.º 12

Bosque – partia da Av. Francisco Glicério, em frente aos Correios, seguindo pelas ruas Conceição, Barão de Jaguara, Av. Dr. Moraes Sales, Antônio Cesarino, Duque de Caxias, Padre Vieira, Rua Proença (final da linha), de onde voltava pelo mesmo percurso até a Av. Dr.Moraes Sales, quando entrava pela Av. Francisco Glicério até o ponto inicial.

Linha n.º 13

Vila dos Alecrins – Praça Municípios de São Paulo ou Praça Municípios – partia da Rua Dr. Quirino com Rua Thomas Alves, seguindo pela Rua Major Solon, Av. Orozimbo Maia, ruas dos Alecrins, Antônio Lapa, Capitão Francisco Paula, Querubim Uriel, até a Vila Estanislau, seu ponto final. Voltava pelo mesmo itinerário.

Linha n.º 14

Boa Esperança – Esta foi a linha estabelecida pela CCTC para repor a antiga linha da CCTL&F. Praticamente era de percurso idêntico à linha original da CCTL&F.

Leia também:  Carros 2019 com Alarme a Diesel Não blindado

Seu ponto final era no bairro Boa Esperança, conhecido vulgarmente na época por “Fura Zóio”.

Essa última parada ficava à poucos metros dos limites da fazenda Vila Brandina, por onde anteriormente os trilhos continuavam seu caminho em direção à Sousas.

Veja as fotos

IPVA 2021 SP: pagamento com desconto ou 1ª parcela começam a vencer nesta quinta

Rosavena Rosa/Agência Brasil
Boletos do IPVA 2021 vencem a partir desta quinta-feira (7) em São Paulo

Os boletos do  Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2021 em São Paulo
começam a vencer nesta quinta-feira (7), para os veículos com placa de final 1. Trata-se da primeira parcela ou da data limite para pagamento à vista com desconto. Nesta sexta-feira (8), será a data de vencimento para veículos com final 2 registrados no estado. No fim da matéria, confira o calendário completo de pagamentos.

Segundo a Secretaria da Fazenda e Planejamento de São Paulo, o IPVA
 está em média 6,77% mais barato em 2021, com base em uma estimativa dos preços que estão sendo praticados no varejo, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Quem faz o pagamento à vista em janeiro tem ainda mais desconto, com 3% a menos no valor do tributo.

O imposto pode ser pago à vista em janeiro, com desconto, dividido em três parcelas, ou em uma cota única em fevereiro, sem desconto. O valor do IPVA 2021
 pode ser consultado no portal da Secretaria da Fazenda e Planejamento
, usando o número do Renavam e placa do veículo. Outra opção é a rede bancária credenciada.

Válido para automóveis, caminhonetes, ônibus, micro-ônibus, motos e similares, o calendário de pagamento do IPVA 2021 é determinado pelo último número da placa do veículo, indo do final 1 ao final 0.

Como pagar o IPVA?

No estado de São Paulo
, o IPVA é a condição para que o veículo seja anualmente licenciado.

Para pagar o imposto, basta ir a uma agência bancária credenciada, com o número do Renavam
, e pagar a guia no guichê de caixa, nos terminais de autoatendimento, pela internet, via débito agendado ou também por meio de outros canais oferecidos pelo banco.

Ainda é possível realizar o pagamento em casas lotéricas e, em empresas como Empresas Vamos Parcelar, Pinpag, Taki e Parcele na Hora, com cartão de crédito, que cobra juros dos pagamentos parcelados.

Proprietários de veículos movidos a gasolina e bicombustíveis
recolherão 4% sobre o valor venal do veículo no IPVA. Veículos usados que usam exclusivamente álcool, eletricidade ou gás
para abastecer, ainda que mais de uma dessas opções, tem alíquota de 3%. Já os veículos novos

Rodízio de veículos em Campinas (SP) começa na segunda-feira (18)

Publicado em: 13 de maio de 2020

  • Restrição será das 6h às 20h, com duas placas por dia proibidas
  • WILLIAN MOREIRA
  • O prefeito de Campinas, no interior de São Paulo, Jonas Donizette, anunciou em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira, 13 de maio de 2020, que o município vai adotar o rodízio de veículos como uma medida para aumentar o isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus.

Começando a vigorar na próxima segunda, 18, o rodízio vai restringir a circulação de veículos entre segunda e sexta, com dois finais por dia, algo parecido como a cidade de São Paulo empregava antes da pandemia. A proibição será em todas vias da cidade, das 6h até 20h.

  1. * Segunda-feira: placas finais 1 e 2
    * Terça-feira: placas finais 3 e 4
    * Quarta-feira: placas finais 5 e 6
    * Quinta-feira: placas finais 7 e 8
  2. * Sexta-feira: placas finais 9 e 0

Quem for flagrado pela fiscalização no município, será multado no valor de R$ 130,16 e a perda de 4 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A punição também será aplicada para veículos com emplacamento de outras cidades.

Jonas Donizette disse que o rodízio será feito de forma dosada, por ser algo novo e conta com a colaboração de todos durante o funcionamento da medida.

“Eu quero pedir uma ajuda, como é algo novo a questão do rodízio em Campinas, nós estamos fazendo de uma forma dosada, mas tem um efeito psicológico para as pessoas entenderem que precisam ficar em casa. Gostaria muito de ter uma data e dizer que isso vai acabar, para que eu possa chegar a isso, precisa a colaboração de todas as pessoas.”

Campinas tem registrado índices de isolamento social em dias úteis (segunda a sexta) entre 43 a 45% tomando como base os dados do Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI) da semana passada e os dois primeiros dias dessa semana.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Relacionado

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Carros brasileiros terão placas do Mercosul a partir de setembro

O levantamento da Fipe, baseado nos valores de mercado de setembro de 2015, identificou maior queda de preços de venda para caminhões usados, que apresentaram recuo de 3,76%.

Os automóveis tiveram redução de 3,40%, seguidos dos utilitários, com redução de 3,28%. Os preços de venda dos ônibus e micro-ônibus ficaram 3,15% mais baixos e os de motocicletas fecharam 2,72% abaixo do valor apurado no ano anterior.

A tabela completa do IPVA 2016 poderá ser consultada a partir de 28/11 pelo endereço www.imprensaoficial.com.br.

As alíquotas do imposto permanecem inalteradas. Os proprietários de veículos movidos a gasolina e os bicombustíveis recolherão 4% sobre o valor venal.

Veículos que utilizam exclusivamente álcool, eletricidade ou gás, ainda que combinados entre si, têm alíquota de 3%. As picapes cabine dupla pagam 4%.

Os utilitários (cabine simples), ônibus, micro-ônibus, motocicletas, motonetas, quadriciclos e similares recolhem 2% sobre o valor venal. Os caminhões pagam 1,5%.

A frota total de veículos no Estado de São Paulo é de aproximadamente 23,5 milhões.

Destes, 17,5 milhões estão sujeitos ao recolhimento do IPVA, 5,7 milhões estão isentos por terem mais de 20 anos de fabricação e cerca de 250 mil são considerados isentos, imunes ou dispensados do pagamento (taxistas, pessoas com deficiência, igrejas, entidades sem fins lucrativos, veículos oficiais e ônibus/micro-ônibus urbanos).

A Fazenda prevê arrecadar R$ 14,4 bilhões com o IPVA em 2016.

Deste total, descontadas as destinações constitucionais, o valor é repartido 50% para os municípios de registro dos veículos, que devem corresponder ao local de domicílio ou residência dos respectivos proprietários, e os outros 50% para o Estado.

Os recursos do imposto são investidos pelo governo estadual em obras de infraestrutura e melhoria na prestação de serviços públicos como os de saúde e educação. Dados preliminares do IPVA 2015 mostram que foram arrecadados R$ 13,4 bilhões até outubro deste ano.

Calendário de pagamento

O calendário de pagamento do IPVA 2016 está definido (ver quadro). Os contribuintes podem pagar o imposto em cota única no mês de janeiro, com desconto de 3%, ou parcelar o tributo em três vezes (nos meses de janeiro, fevereiro e março), de acordo com o final da placa do veículo. Também é possível quitar o imposto no mês de fevereiro, sem desconto.

O prêmio do seguro obrigatório DPVAT deve ser recolhido de forma integral junto com a primeira parcela do IPVA ou juntamente com a cota única. No caso de parcelamento do prêmio em três vezes, o que somente é permitido para motos e similares, vans, ônibus e micro-ônibus, as parcelas do prêmio devem ser recolhidas de acordo com o calendário de vencimento do IPVA.

Os proprietários devem respeitar o calendário de vencimento por final de placa.

Para efetuar o pagamento do IPVA 2016, basta o contribuinte se dirigir a uma agência bancária credenciada, com o número do RENAVAM (Registro Nacional de Veículo Automotor) e efetuar o recolhimento no guichê de caixa, nos terminais de autoatendimento, pela internet ou débito agendado ou outros canais oferecidos pela instituição bancária.

Avisos de Vencimento

A partir da segunda quinzena de dezembro a Secretaria da Fazenda enviará cerca de 18 milhões de avisos de vencimento aos proprietários de veículos automotores terrestres registrados no Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de São Paulo. Quem não receber o comunicado deve acessar o site da Secretaria da Fazenda (www.ipva.fazenda.sp.gov.br) para obter informações sobre o pagamento do IPVA 2016.

Leia também:  Carros Peugeot com Rodas de liga leve, Vidro elétrico com final da placa 5,6

O aviso é apenas um lembrete, não é boleto e nem guia de pagamento. A quitação do imposto deverá ser feita respeitando o calendário, de acordo com a placa do veículo. O contribuinte que deixar de recolher o imposto fica sujeito a multa de 0,33% por dia de atraso e juros de mora com base na taxa Selic. Passados 60 dias, o percentual da multa fixa-se em 20% do valor do imposto.

Permanecendo a inadimplência do IPVA, o débito será inscrito e, como consequência, a multa passará a 100% do valor do imposto, além da inclusão do nome do proprietário no Cadin Estadual, impedindo-o de aproveitar eventual crédito que possua por solicitar a Nota Fiscal Paulista. A partir do momento em que o débito de IPVA estiver inscrito, a Procuradoria Geral do Estado poderá vir a cobrá-lo mediante protesto.

Após o prazo para licenciamento, conforme calendário do Detran, a inadimplência do IPVA impedirá de fazê-lo. Como consequência, o veículo poderá vir a ser apreendido, com multa aplicada pela autoridade de trânsito e sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Calendário de vencimento do IPVA 2016:

Automóveis, Caminhonetes, Ônibus, Micro-ônibus, Motos e similares
Mês Janeiro Fevereiro Março
Parcela 1ª Parcela ou Cota Única Com Desconto 2ª Parcela ou Cota Única Sem Desconto 3ª Parcela
Placa Dia do Vencimento Dia do Vencimento Dia do Vencimento
Final 1 11/1 11/2 11/3
Final 2 12/1 12/2 14/3
Final 3 13/1 15/2 15/3
Final 4 14/1 16/2 16/3
Final 5 15/1 17/2 17/3
Final 6 18/1 18/2 18/3
Final 7 19/1 19/2 21/3
Final 8 20/1 22/2 22/3
Final 9 21/1 23/2 23/3
Final 0 22/1 24/2 24/3
Caminhões e Caminhões-trator
Mês Janeiro Março Abril Junho Setembro
Parcela Cota Única Com Desconto 1ª Parcela Cota Única Sem Desconto 2ª Parcela 3ª Parcela
Placa Dia do Vencimento Dia do Vencimento Abril Junho Setembro
Final 1 11/1 11/3 15/4 15/6 15/9
Final 2 12/1 14/3
Final 3 13/1 15/3
Final 4 14/1 16/3
Final 5 15/1 17/3
Final 6 18/1 18/3
Final 7 19/1 21/3
Final 8 20/1 22/3
Final 9 21/1 23/3
Final 0 22/1 24/3
  • Relação dos maiores e menores valores venais registrados pela pesquisa FIPE em setembro de 2015
  • MAIOR valor para veículo tipo AUTOMÓVEL:
  • Marca/Modelo: 1108680 – I/PORSCHE SPYDER
  • Ano de fabricação: 2014
  • Frota: 2

Valor: R$ 3.173.023,00

  1. Valor de IPVA: R$ 126.920,92
  2. MAIOR valor para veículo tipo CAMIONETA / UTILITÁRIO:
  3. Marca/Modelo: 2232600 – I/M.BENZ G63 AMG
  4. Ano de fabricação: 2015
  5. Frota: 3
  6. Valor: R$ 634.789,00
  7. Valor de IPVA: R$ 25.391,56
  8. MAIOR valor para veículo tipo CAMINHÃO:
  9. Marca/Modelo: 3152420 – SCANIA/R 580 B6X4
  10. Ano de fabricação: 2008
  11. Frota: 2
  12. Valor: R$ 723.926,00
  13. Valor de IPVA: 10.858,89
  14. MAIOR valor para veículo tipo ÔNIBUS / MICROÔNIBUS:

Marca/Modelo: 4166380 – M.BENZ/M.POLO PARADISO DD

  • Ano de fabricação: 2013
  • Frota: 2
  • Valor: R$ 569.100,00
  • Valor de IPVA: R$ 11.382,00
  • MAIOR valor para veículo tipo MOTOS E SIMILARES:
  • Marca/Modelo: 46220 – I/DUCATI D16 RR
  • Ano de fabricação: 2008
  • Frota: 5
  • Valor: R$ 156.2012,00
  • Valor de IPVA: R$ 3.124,24
  • MENOR valor para veículo tipo AUTOMÓVEL:
  • Marca/Modelo: 1485010 – FIBRAUTOS RD SUPER
  • Ano de fabricação: 1996
  • Frota: 1
  • Valor: R$ 3.063,00
  • Valor de IPVA: R$ 123,72
  • MENOR valor para veículo tipo CAMIONETA / UTILITÁRIO
  • Marca/Modelo: 2188020 – IMP/ASIA TOWNER VBR
  • Ano de fabricação: 1996
  • Frota: 391
  • Valor: R$ 3.435,00
  • Valor de IPVA: R$ 137,40
  • MENOR valor para veículo tipo CAMINHÃO:
  • Marca/Modelo: 3088140 – GMC/6150 RONTAN AMB
  • Ano de fabricação: 1999
  • Frota: 1
  • Valor: R$ 9.103,00
  • Valor de IPVA: R$ 136,55
  • MENOR valor para veículo tipo ÔNIBUS / MICROÔNIBUS:
  • Marca/Modelo: 4094010 – VW/KOMBI ESCOLAR
  • Ano de fabricação: 1996
  • Frota: 1
  • Valor: R$ 7.060,00
  • Valor de IPVA: R$ 141,20
  • MENOR valor para veículo tipo MOTOS E SIMILARES:
  • Marca/Modelo: 181010 – I/HERO PUCH 65
  • Ano de fabricação: 1996
  • Frota: 213
  • Valor: R$ 470,00
  • Valor de IPVA: R$ 9,40

Notícias

13/05/2020 – 17:46

Campinas terá rodízio de veículos pelo final do número das placas a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de maio. A medida foi anunciada na tarde desta quarta-feira, dia 13 de maio, pelo prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em sua fala ao vivo pelas redes sociais.

“Campinas, pela primeira vez na sua história, adota o rodízio de veículos”, disse, informando que a medida tem a finalidade de frear a circulação de pessoas e, consequentemente, a propagação do coronavírus, além de reduzir o tráfego e a acidentalidade no trânsito, para poupar leitos e “resguardar o atendimento para quem realmente precisar” durante a pandemia.

  • Com uma população de cerca de 1 milhão e 200 mil pessoas e frota estimada em cerca de 1 milhão de veículos (contando licenciados em Campinas e que circulam vindos de outras cidades da região metropolitana), Campinas terá rodízio válido para carros e motos com placas locais e também de outras cidades. O rodízio será de segunda a sexta-feira, das 6h às 20h, com a seguinte programação:
  • Placas final 1 e 2 – proibidos de circular às segundas-feiras;
  • Placas final 3 e 4 – proibidos de circular às terças-feiras;
  • Placas final 5 e 6 – proibidos de circular às quartas-feiras;
  • Placas final 7 e 8 – proibidos de circular às quintas-feiras;
  • Placas final 9 e 0 – proibidos de circular às sextas-feiras.

“Faça a sua parte, fique em casa – aqueles que podem, no isolamento -, e, a partir de segunda-feira, teremos o rodízio de veículos em Campinas”, apelou o prefeito ao explicar que a medida é por tempo indeterminado.

A frota do transporte coletivo será ampliada para atender quem tem necessidade de se deslocar para o trabalho em áreas essenciais.

Situações de exceção serão previstas no regramento que será divulgado no Diário Oficial do Município na próxima sexta-feira, 15 de maio.

O secretário municipal de Transportes e diretor-presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, disse na apresentação que a “fiscalização será bastante intensa em toda a cidade”.

Quem desrespeitar o rodízio será penalizado seguindo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que prevê infração de tipo médio, com aplicação de quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação e multa no valor de R$ 130,16.

Ele explicou que os radares do sistema inteligente de monitoramento serão adaptados para fiscalização das placas e equipes da Emdec estarão nas ruas intensificando a observação do trânsito e multando aqueles que burlarem a regra.

Endurecimento

“Vale para todas as regiões de Campinas e para placas de outras cidades também. Quem entrar na cidade estará sujeito às regras do rodízio”, reforçou o prefeito Jonas Donizette, para quem o endurecimento do isolamento social é necessário neste momento. 

O prefeito alertou que a Prefeitura espera um aumento dos casos de pessoas doentes com a Covid-19 nas próximas semanas e a medida é para garantir que elas tenham atendimento.

O prefeito foi taxativo: “A ordem desse aumento (de doentes) será determinada pelas medidas que podemos tomar agora.

Estamos numa situação de poder oferecer mais leitos, nos preparamos para isso, mas precisamos tomar outras medidas de contenção para atender a todos que precisarão do sistema de Saúde”.

“Eu gostaria muito de ter uma data e chegar aqui para dizer quando isso vai acabar. Espero que haja um efeito também psicológico para que as pessoas percebam a gravidade da situação”, alertou o prefeito. “Em cinco dias úteis, de segunda a sexta-feira, você vai precisar deixar de usar o seu veículo apenas um dia”, explicou, apelando para a compreensão e a cooperação da população.

Profissionais que trabalham em áreas consideradas essenciais durante a pandemia poderão circular no rodízio com uma autorização especial. O regramento de como funcionará o rodízio em Campinas, com as exceções que serão permitidas, será publicado após definição entre as secretarias municipais de Transportes e Assuntos Jurídicos.

Leia também:  Picape em Campinas com final da placa 5,6

Clique aqui para acessar as imagens desta matéria em alta resolução

Rodízio em Campinas: veja perguntas e respostas sobre projeto de restrições no trânsito

(Atualização: o rodízio de veículos que seria instituído por decreto municipal e começaria na segunda-feira (18) foi adiado dois dias após o anúncio do prefeito. O chefe do Executivo decidiu transformar o decreto em projeto de lei para submeter à aprovação da Câmara. A atualização foi feita nesta reportagem às 11h20 da sexta-feira (15))

A necessidade do rodízio foi anunciada nesta quarta (13) pelo prefeito Jonas Donizettecom a intenção de aumentar o isolamento social e reduzir a acidentalidade para desafogar o sistema de saúde durante a pandemia do novo coronavírus. Se aprovado e sancionado, será a primeira vez que Campinas adota este tipo de restrição.

Rodízio: veja perguntas e respostas sobre o projeto da Prefeitura

  1. Quando começar a valer o rodízio?
  2. Quais placas estão PROIBIDAS de circular por dia? Em quais horários?
  3. Em quais vias o rodízio será implementado? Rodovias estão inclusas?
  4. De quanto será a multa para quem desrespeitar?
  5. Somente placas de Campinas serão fiscalizadas?
  6. Como será a fiscalização?
  7. Quem poderá circular por Campinas?
  8. Como será o cadastro para ter a permissão?
  9. Quanto tempo demora para a permissão começar a valer?
  10. Como ficam os pacientes em tratamento que precisam se deslocar?
  11. Como fica o funcionamento dos ônibus?
  12. Como ficam os transportes por aplicativo?
  13. Como fica o transporte escolar?
  14. Veículos que fazem serviços de entrega e delivery poderão circular?
  15. A circulação de veículos de carga será permitida todos os dias?
  16. Qual a expectativa da prefeitura de redução no trânsito?
  17. Qual o objetivo da redução no número de veículos?

1 de 4
14/05: Trânsito em Campinas durante a quarentena; cidade terá rodízio de veículos a partir de 18 de maio. — Foto: Reprodução/EPTV

14/05: Trânsito em Campinas durante a quarentena; cidade terá rodízio de veículos a partir de 18 de maio. — Foto: Reprodução/EPTV

1. Quando começa a valer o rodízio em Campinas?

Não há previsão. O plano chegou a ser anunciado para começar na segunda-feira (18 de maio), mas, dois dias após o anúncio, o prefeito decidiu submeter o projeto à Câmara. Ainda não há um cronograma para a tramitação.

2. Quais placas serão PROIBIDAS de circular por dia? Em quais horários?

O projeto prevê o rodízio aplicado de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. Veja as placas vetadas:

  1. Segunda-feira: finais 1 e 2
  2. Terça-feira: finais 3 e 4
  3. Quarta-feira: finais 5 e 6
  4. Quinta-feira: finais 7 e 8
  5. Sexta-feira: finais 9 e 0

3. Em quais vias o rodízio será implementado? Rodovias estão inclusas?

O texto da Prefeitura propõe rodízio em todas as ruas e avenidas municipais. A medida não inclui as rodovias que cortam Campinas.

4. De quanto será a multa para quem desrespeitar?

A lei proposta pelo Executivo prevê R$ 130,16 de multa e quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

5. Somente placas de Campinas serão fiscalizadas?

Não. Se a proposta da Prefeitura for aprovada, motoristas com placas de outras cidades também poderão ser multados. Portanto, todos os moradores da região deverão ficar atentos aos finais das placas. Quem trabalha com serviços estritamente essenciais (veja a pergunta 6) e precisa circular por Campinas também deverá fazer o cadastro.

6. Como será a fiscalização?

Segundo a Prefeitura, cerca de 420 agentes da Emdec trabalharão nas fiscalização nas ruas e também por meio do sistema de câmeras farão a fiscalização das placas. As multas começarão a ser aplicadas na data de início do rodízio, que depende de votação na Câmara para acontecer.

2 de 4
14/05: Agentes da Emdec farão fiscalização das placas do rodízio de veículos em Campinas por meio de câmeras, além das ruas e avenidas. — Foto: Reprodução/EPTV

14/05: Agentes da Emdec farão fiscalização das placas do rodízio de veículos em Campinas por meio de câmeras, além das ruas e avenidas. — Foto: Reprodução/EPTV

7. Quem poderá circular por Campinas?

Pelo projeto da Prefeitura, estão liberados do rodízio caminhões, ônibus, táxis, motoristas por aplicativo desde que sejam cadastrados na Emdec, veículos de serviços ligados à saúde (também laboratórios, farmácias e coleta de material), serviços de utilidade pública (ambulância, bombeiros, água, telefonia, energia elétrica, órgãos de imprensa), além dos carros dos trabalhadores e fornecedores ligados a estas áreas. O texto também prevê autorização para circulação de pacientes em tratamento.

8. Como será o cadastro para ter a permissão?

O aplicativo da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) – lançado no início do mês para consulta de multas, agendamentos e outros serviços – será adaptado com um ícone para o cadastro da isenção no rodízio.

Ele está disponível para ser baixado gratuitamente nas lojas virtuais para smartphones e o ícone será liberado a partir de sexta-feira (15), independente da aprovação para adiantar os cadastros.

O cadastramento será por “declaração de fé”, ou seja, não será exigida comprovação das informações, mas a Emdec fará auditorias e eventuais fraudes serão punidas.

9. Quanto tempo demora para a permissão começar a valer?

A isenção vai valer assim que o cadastro for feito. Posteriormente será realizada uma auditoria que pode recusar o cadastro, mas o motorista será avisado por meio do aplicativo ou do email cadastrado.

10. Como ficam os pacientes em tratamento que precisam se deslocar?

O projeto prevê autorização de circulação de pessoas que dependem de hemodiálise, quimioterapia e outros tratamentos de saúde. Nesse caso, a pessoa ou familiar que a transporta deverá fazer o cadastro no aplicativo assim como os demais isentos.

11. Como ficará o funcionamento dos ônibus?

Pelo projeto de lei da Prefeitura, ônibus do transporte público urbano, intermunicipais e fretados poderão circular pela cidade normalmente. O secretário Carlos José Barreiro garante que todos os dias é feito um planejamento para definir o número de ônibus do transporte público em circulação para que todos aqueles que precisam mesmo sair de casa sejam atendidos.

“Estaremos, sim, fazendo um planejamento nesses dias do impacto que ocorrerá, principalmente, nas regiões mais distantes da cidade. Estaremos aumentando a quantidade de linhas de ônibus”.

3 de 4
14/05: Trânsito em Campinas no segundo mês de quarentena; cidade terá rodízio de veículos a partir de 18 de maio. — Foto: Reprodução/EPTV

14/05: Trânsito em Campinas no segundo mês de quarentena; cidade terá rodízio de veículos a partir de 18 de maio. — Foto: Reprodução/EPTV

12. Como ficam os transportes por aplicativo?

O projeto de lei prevê autorização de circulação dos motoristas por aplicativo, mas apenas aqueles que são cadastrados na Emdec. Os que não estão regularizados serão submetidos ao rodízio como qualquer outro veículo.

13. Como fica o transporte escolar?

Apesar das escolas estarem com aulas suspensas, o projeto prevê permissão para este tipo de veículo circular, segundo o secretário de Transporte, já antevendo o retorno gradual das atividades de ensino.

14. Veículos que fazem serviços de entrega e delivery poderão circular?

Segundo o secretário, serviços de entregas dentro das atividades essenciais (como alimentos e saúde) estão isentos. Os motoristas, no entanto, também devem fazer o cadastro no aplicativo da Emdec.

15. A circulação de veículos de carga será permitida todos os dias?

Os caminhões e outros veículos caracterizados como transporte de carga terão isenção e poderão trafegar durante o período do rodízio, sem restrições.

16. Qual a expectativa da prefeitura de redução no trânsito?

Redução de 20%, que equivale a cerca de 200 mil a 250 mil veículos a menos nas ruas e avenidas.

17. Qual o objetivo da redução no número de veículos?

Aumentar a taxa de isolamento social para reduzir o avanço do coronavírus e também reduzir o número de acidentes de trânsito, para evitar que mais pessoas necessitem de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), além dos pacientes com Covid-19.

4 de 4
Formas erradas e corretas de usar máscara de proteção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1

Formas erradas e corretas de usar máscara de proteção contra o coronavírus — Foto: Arte/G1

CORONAVÍRUS

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*