Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2

Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2O fim do ano já está quase aí e muitas pessoas aproveitam para utilizar recursos como férias e 13º salário para comprar ou trocar seu carro. Mas, uma dúvida muito frequente está relacionada ao IPVA que você irá pagar para ter seu carro novo. Vamos mostrar aqui neste post como calcular o IPVA e poder colocar os custos em seu orçamento para o próximo ano.

Primeiramente, queremos lembrar que se você atrasar o pagamento do seu IPVA, seja à vista ou parcelado, poderá estar comprando uma grande dor de cabeça.

 Além da multa de R$ 191,54, o proprietário do carro ainda pode levar 7 pontos na carteira e ter o carro apreendido.

E é bom ficar de olho, porque as datas e as condições de pagamento variam de Estado para Estado, assim como a multa por atraso.

Para não levar um susto desnecessário e já ir se acostumando com este custo extra no bolso, a pedida é calcular o IPVA do veículo antes mesmo do anúncio oficial. Veja aqui como fazer.

Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2

Antes de calcular o IPVA, confira se você não tem direito à isenção

Nem todo mundo precisa pagar o imposto, por isso antes de calcular o IPVA confira se você não se encaixa em uma das condições para ter isenção.

A lei garante a desobrigação de pagamento do IPVA para veículos de frota filantrópica, condutor profissional autônomo (taxista), portador de deficiência física, veículo recuperado de roubo, veículo de valor histórico e veículo com perda total.

Dependendo do Estado, carros entre 10 e 20 anos de fabricação também podem ter isenção de IPVA.

Também estão isentos os veículos de autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo poder público, de partidos políticos, de entidades sindicais dos trabalhadores, de templos de qualquer culto, de entidades e pessoas físicas com direito a tratamento diplomático, transporte escolar e ainda ônibus empregados exclusivamente no transporte na modalidade de fretamento contínuo e ônibus ou micro-ônibus empregados exclusivamente no transporte público de passageiros, urbano ou metropolitano. A isenção do IPVA, assim como todas as isenções fiscais, está prevista na Constituição Federal de 1988 e o pedido para isenção deve ser feito no Detran da sua região.

Veja como calcular o IPVA do seu carro

O IPVA é calculado de acordo com o tipo de veículo, cuja alíquota é definida por cada Estado sobre o valor venal do carro de acordo com a Tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), variando entre 1% e 4%.

Tome, por exemplo, os estados de Rio e em São Paulo, onde os veículos a gasolina ou bicombustíveis (os chamados flex) têm alíquota de 4% da tabela Fipe.

Para um carro econômico estimado em R$ 30 mil pela tabela, por exemplo, o valor do IPVA será de R$ 1.200,00.

No entanto, se o mesmo carro fosse registrado no Paraná, onde a alíquota é de 2%, o proprietário desembolsaria a metade do preço, R$ 600,00.

  • Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2
  • É interessante notar que nenhum Estado pratica a alíquota mínima, de 1%, sendo que ela atinge o máximo em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, todos no Sudeste.
  • Para ajudar a calcular o IPVA você pode consultar a Tabela Fipe Online, que  disponibiliza a média de preços de veículos novos e usados fabricados a partir de 1985.

Depois de calcular o IPVA, cuidado com os golpistas

Depois de calcular o IPVA, fique atento à data de vencimento que deverá ser divulgada em janeiro, mas fique atento também à ação dos golpistas.

Na época do pagamento do IPVA 2016 fraudadores enviam boletos falsos de pagamento do imposto diretamente para o endereço de diversos proprietários, ou vírus de computador por e-mail simulando páginas das secretarias estaduais de Fazenda, responsáveis pelo recolhimento do imposto. A orientação é não abrir o e-mail, fechando-o sem clicar em qualquer link.

No caso do boleto, se ele for falso o código de barras terá sido alterado e, como você não tem como saber, fará o pagamento mas  continuará em dívida com a Fazenda.

Por isso, a melhor recomendação é não pagar o boleto recebido pelos correios e fazer o pagamento conforme determina a legislação em seu estado.

Além disso, você pode ter a conveniência de solicitar para seu Despachante fazer toda a tramitação.

Atualmente, 15 estados não enviam boletos para pagamento de IPVA de nenhuma forma, mas 11 enviam pelos Correios: Acre, Alagoas, Amapá, Distrito federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraíba Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. Ainda não foi divulgado se eles manterão o procedimento este ano, mas é bom ficar esperto.

Ainda ficou alguma dúvida sobre como calcular o IPVA? Compartilhe conosco a sua opinião nos comentários e continue acompanhando as notícias do blog do Icetran!

Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2

..:: FEPAM – Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler / RS ::.

A Divisão de Emergências Ambientais tem como umas das suas atribuições o licenciamento ambiental do transporte fluvial e terrestre de produtos e resíduos perigosos no âmbito do estado do Rio Grande do Sul. A Lei Estadual nº 7.877, de 28 de dezembro de 1983, dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e, em seu Art.

3º, determina o cadastro das empresas transportadoras junto ao Departamento do Meio Ambiente (sucedido pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental – FEPAM).

Para o cumprimento do disposto nesta e outras legislações, a FEPAM, efetua o licenciamento para as “Fontes Móveis de Poluição”, que operam com carregamento e descarregamento de produtos e resíduos perigosos no estado do Rio Grande do Sul (mesmo tendo matriz em outros estados da federação). Ainda, de acordo com Art.

12, §1º, 6º da Lei Estadual, o Responsável Técnico deverá ter formação em curso superior de QUÍMICA ou ENGENHARIA QUÍMICA. O licenciamento ambiental do transporte fluvial e terrestre de produtos e resíduos perigosos é caracterizado pelos seguintes portes e ramos de atividade:

Carros usados 2011 em Rio Grande Do Sul com final da placa 1,2

Uma das informações constantes na licença ambiental para o transporte de produtos e/ou resíduos perigosos é a Classe de Risco do produto transportado.

Os produtos perigosos são classificados pela Organização das Nações Unidas (ONU) em nove classes de riscos e respectivas subclasses.

A partir da caracterização do produto ou resíduo a ser transportado deverá ser realizada a identificação/sinalização dos veículos utilizados no transporte através de rótulos de risco e painéis de segurança.

Leia também:  Suv cor Prata Quilometragem Até 38,985 km com Freios abs

Com intuito de auxiliar no cumprimento das legislações e normas referentes à documentação obrigatória por parte de expedidores e transportadores, bem como na sinalização de produtos perigosos nas etapas de acondicionamento, armazenamento e transporte desses produtos, foi elaborado o MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS.

Clique AQUI para download do MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS

COMO REALIZAR O LICENCIAMENTO

O licenciamento é realizado de forma online, através do SISTEMA ESPECIALISTA DE TRANSPORTES, onde as informações necessárias para o processo de licenciamento são inseridas pelo Responsável Técnico.

O acesso ao SISTEMA ESPECIALISTA DE TRANSPORTES dá-se através do SISTEMA ONLINE DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL – SOL, cujo link de acesso está disponível no site da FEPAM. Para utilizar o SOL, é necessário que o Responsável Técnico se cadastre, obtendo um LOGIN CIDADÃO, onde são utilizados os dados pessoais.

Assim, após EFETUAR SIMULAÇÃO, seguindo as etapas, será possível acessar o SISTEMA ESPECIALISTA DE TRANSPORTES. Antes de iniciar o uso do SISTEMA ESPECIALISTA DE TRANSPORTE, recomenda-se a leitura do MANUAL DO SISTEMA.

Clique AQUI para download do Manual do Sistema Especialista de Transportes

Para dúvidas com relação ao Licenciamento de Transporte de Produtos Perigosos acessar as perguntas e respostas do Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos, e do Transporte de Resíduos de Fossas e Banheiros Químicos, aqui:

Clique AQUI para acessar Perguntas e Respostas

Caso ainda restem dúvidas com relação ao LICENCIAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS e ao SISTEMA ESPECIALISTA DE TRANSPORTE entrar em contato através do e-mail [email protected]

LEGISLAÇÃO PERTINENTE

Federal:

Guia do IPVA 2020: datas e valores por estado

O Ano Novo nem chegou, a gente sabe, mas é bom já se planejar para os gastos de janeiro. No começo de 2020, os motoristas terão que pagar o IPVA (Imposto sobre Propriedade Veicular Automotiva) e já virou tradição: Autoesporte listou os sites das Secretarias da Fazenda de cada estado para que você possa consultar os valores e as datas de vencimento.

Os dias de pagamento são definidos de acordo com a região e o final da placa de cada veículo. O imposto pode ser dividido em até três vezes, com parcelas distribuídas entre os meses de janeiro e março. O contribuinte pode optar por pagar em uma única parcela com desconto.

O valor do IPVA é baseado em uma alíquota diferente em cada estado. As taxas variam de 0,5% a 4% sobre o valor venal do veículo, que é determinado pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Os seguinte estados oferecem a isenção do IPVA para veículos com mais de 15 anos de fabricação: Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Sergipe e Tocantins.

Alagoas, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul o tempo é após 20 anos de fabricação.

Veja abaixo as datas de vencimento para veículos, ônibus, micro-ônibus, caminhonetes e motos no estado de São Paulo:

  • Placa Janeiro Fevereiro Março1 9/01 11/02 11/032 10/01 12/02 12/033 13/01 13/02 13/034 14/01 14/02 16/035 15/01 17/02 17/036 16/01 18/02 18/037 17/01 19/02 19/038 20/01 20/02 20/039 21/01 21/02 23/03
  • 0 22/01 24/02 24/03

IPVA 2020 fica 3,54% mais barato em São Paulo

A Secretária da Fazenda do Estado comunicou que, em média, o imposto será 3,5% mais barato para os motoristas de São Paulo em 2020. A redução tem um motivo: a queda nos preços de venda dos veículos no varejo, de acordo com a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

As reduções foram: camionetas e utilitários (-4,17%), caminhões (-2,39%), motos ( – 2,27%), automóveis (-3,97%) e ônibus e microônibus (-3,8%).

Mas as alíquotas do imposto permanecem inalteradas. Portando, veículos movidos a gasolina bicombustíveis pagarão 4% sobre o valor venal.

Veículos que utilizam álcool, eletricidade ou gás, ainda que combinados entre si, têm alíquota de 3%. As picapes cabine dupla pagam 4%.

Os utilitários (cabine simples), ônibus, micro-ônibus, motocicletas, motonetas, quadriciclos e similares recolhem 2% sobre o valor venal. Os caminhões pagam 1,5%.

Para os demais estados, os valores e datas de vencimento podem ser consultados nos sites da Secretarias da Fazenda de cada estado nos links abaixo:

*Até a publicação desta matéria, os estados sinalizado com * ainda não haviam anunciado o calendário oficial de 2020. Quando oficializados, eles estarão disponíveis nas páginas linkadas acima.

Como pagarVocê pode pagar o imposto através de qualquer banco credenciado, como no Banco do Brasil e Bradesco, por exemplo. Os boletos, por sua vez, são emitidos através do site da Secretaria de cada estado.

Vale lembrar que quem optar por pagar o IPVA à vista em janeiro terá desconto no imposto. A redução varia de 3% em São Paulo a 10% no Acre e em Alagoas, por exemplo. Também é possível parcelar o valor total do IPVA em até 3 vezes.

IPVA vencidoQuando o pagamento não é registrado dentro do período determinado, há uma multa diária. Em São Paulo, por exemplo, a multa é de 0,33% por dia, e após o prazo de 60 dias, é fixada em 20% do valor do imposto.

Caso o motorista continue inadimplente após essa data, a multa será de 40% do valor do imposto e seu nome será enviado ao Cadin estadual e isso também pode impossibilitar o licenciamento do veículo.

IsençõesAlguns estados concedem isenção do imposto para carros com mais de 20 anos de fabricação. Há também isenção para veículos acima de 15 anos, como Alagoas.

Além disso, pessoas com deficiência e determinadas categorias, como taxistas, igrejas, entidades sem fins lucrativos, veículos oficiais e ônibus/micro-ônibus urbanos são isentos do pagamento.

SEF na imprensa

  • DIÁRIO CATARINENSE
  • IPVA será 6,5% menor em SC
  • Desvalorização dos carros usados ajudou a reduzir imposto sobre veículos

Os donos de carros licenciados em Santa Catarina vão pagar menos IPVA em 2011. A redução média deve ficar em 6,5% na comparação ao imposto pago em 2010.

A queda do tributo também está ajudando a alavancar as vendas dos carros usados no Estado.

Leia também:  Hatch usados Automatizado Quilometragem Até 38,983 km

Santa Catarina tem a menor alíquota de IPVA em comparação aos vizinhos: 2% sobre o valor de mercado do veículo. No Paraná, a cobrança é de 2,5%, no Rio Grande do Sul, 3%, e em São Paulo, 4%.

Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda, este ano foram arrecadados R$ 780,6 milhões em IPVA, um incremento de 8,57%, em relação ao montante arrecadado no mesmo período de 2009.

Para 2011, a previsão é que a receita com o tributo suba para R$ 985 milhões, o que representará um acréstimo de 21,6%.

A arrecadação é fechada sempre após outubro, mês 10 do calendário, que corresponde às placas com final zero.

A frota atual em Santa Catarina é de 3,3 milhões de veículos, dos quais 2,1 milhões são tributados. Carros com ano de fabricação anterior a 1985, táxis e motos de até 200 cilindradas (sem multas) são isentos.

  1. Temos a menor alíquota de imposto do país em Santa Catarina e também o menor índice de inadimplência observa o secretário da Fazenda, Cleverson Siewert.
  2. Na avaliação dele, além do perfil de bom pagador do contribuinte catarinense, as facilidades de pagamento por meio eletrônico e o parcelamento sem juros favorecem a arrecadação.
  3. Venda de usados cresce 12% este ano

Siewert lembra que 50% do valor da arrecadação é repassado, no ato do recolhimento, para o município em que o veículo estiver emplacado.

Para calcular o valor do IPVA, a Secretaria da Fazenda usa como base de cálculo o valor de mercado do veículo, que segundo pesquisa efetuada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), durante o exercício de 2010, registrou uma variação média negativa de 6,5%.

O gerente de arrecadação da Fazenda, Nilson Scheidt, explica que as principais causas da redução foram a entrada de carros importados e de motos chinesas no mercado brasileiro, mais baratas do que as nacionais, movimento que acabou puxando a média dos preços para baixo.

A desvalorização dos carros usados também colaborou para a redução do IPVA, de acordo com o diretor regional da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave/SC), Sérgio Werner.

Para o mercado é bom. Quanto mais barato e com menos custo de IPVA, maior a comercialização de carros. A projeção para o crescimento na vendas de seminovos para 2010 era de 8%. Mas vamos fechar o ano com 12 % de crescimento. Para 2011, o mercado segue aquecido, com crescimento projetado em 11% diz.

A expectativa de elevação nas vendas de carros novos também não fica para trás. Era de 7%. Em outubro, passou a 9%. Agora, fala-se em 12% até o final do ano. Para 2011, a estimativa é menor, crescimento de 4%.

O IPVA pode ser recolhido no Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Santander, Caixa Econômica Federal, Unibanco e Sistema Bancoob. O documento de arrecadação pode ser impresso pelo site do Detran (www.detran.sc.gov.br) ou da Fazenda (www.sef.sc.gov.br) com fornecimento dos números da placa e do Renavan.

  • Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo
  • *********************************************************************************
  • Informe Econômico – Estela Benetti
  • Investimentos com Prodec

Seis empresas do Norte do Estado assinaram adesão ao Prodec, incentivo para postergação de ICMS a investimentos que somarão R$ 185 milhões e vão gerar 1.041 empregos.

A empresa têxtil Döhler, representada pelo seu presidente, Udo Döhler, no evento de ontem com o governador Leonel Pavan, vai investir R$ 93 milhões e gerar 506 empregos. As outras indústrias são Homeplast, Tecnoperfil, Cajadan Têxtil, Durin e AB Plast.

O secretário de Desenvolvimento, Paulo Costa, também participou do evento. Na foto, o diretor comercial da Döhler, Carlos Alexandre Döhler, em fábrica do grupo.

A Notícia

IPVA vai ficar 6,5% mais barato

Os donos de carros licenciados em Santa Catarina vão pagar menos IPVA em 2011. A redução média deve ficar em 6,5% na comparação ao imposto pago em 2010.

O gerente de arrecadação da Fazenda, Nilson Scheidt, explica que as principais causas da redução foram a entrada de carros importados, que puxam a média dos preços para baixo, e o reflexo da entrada de motos chinesas, mais baratas que as nacionais.

A desvalorização dos carros usados também colaborou para a redução do IPVA, diz o diretor regional da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave/SC), Sérgio Werner.

Santa Catarina tem a menor alíquota de IPVA em relação aos Estados vizinhos. No Estado, o índice é de 2%, contra 2,5% no Paraná, 3% no Rio Grande do Sul e 4% em São Paulo.

Segundo a Secretaria de Estado da Fazenda, este ano, foram arrecadados R$ 780,6 milhões em IPVA, um incremento de 8,57%, em relação ao valor arrecadado no mesmo período de 2009.

Para 2011, a previsão é arrecadar R$ 985 milhões.

Além do menor imposto do País, Santa Catarina também tem o menor índice de inadimplência. Além do perfil de bom pagador do contribuinte catarinense, as facilidades de pagamento por meio eletrônico e o parcelamento sem juros favorecem a arrecadação , avalia o secretário da Fazenda, Cleverson Siewert.

  1. *********************************************************************************
  2. Livre Mercado
  3. Felizes

O governador Leonel Pavan conversou, animadamente, com o tributarista e vice-presidente da Associação Empresarial de Joinville (Acij), João Martinelli e com o empresário Udo Döhler, durante ato na sede da entidade empresarial. Lá Pavan assinou contratos de enquadramento de empresas no Prodec. Inclusive aquele que apoia a expansão da maior companhia têxtil joinvilense, a Döhler.

  • Valor Econômico
  • Empresas buscam créditos de ICMS
  • Tributário: Estados se organizam para adiar pela quinta vez liberação de valores

Derrotadas no Judiciário, indústrias, atacadistas e varejistas organizam-se contra a possibilidade de um novo adiamento pelos Estados da liberação dos créditos do ICMS obtidos com o uso indireto de insumos, como energia elétrica e telecomunicações.

Em 2006, ao alterar a Lei Complementar (LC) nº 114, de 2002, a LC nº 122 fixou o prazo para 1º de janeiro de 2011. A partir dessa data, as empresas poderiam usar os créditos de valor correspondentes ao ICMS embutido nos custos com energia e telefonia. No entanto, ao que tudo indica, os Estados se preparam para buscar novo adiamento.

Leia também:  Carros Jeep Compass Automático em São Paulo Não blindado

Essa seria a quinta vez que a data seria alterada. A primeira ocorreu em 1997.

Várias empresas têm ido à Justiça para pleitear o direito a esses créditos. Na primeira instância, há decisões favoráveis às empresas, mas precedentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF) são contrários à tese defendida pelos contribuintes.

Em setembro, o Supremo negou recurso de uma companhia de bebidas que pretendia aproveitar os créditos do imposto relativos ao uso de energia e telefonia. O ministro relator Joaquim Barbosa negou o pedido.

Ele argumentou que a indústria “insiste em igualar o ICMS a alguma versão ideal do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que a despeito de méritos econômicos e economia fiscal, não encontra ressonância no texto constitucional”.

No STJ, havia uma discordância entre as turmas sobre direito ao crédito relativo aos custos com energia por estabelecimentos comerciais. Em 2008, por unanimidade, a 1ª Seção decidiu que somente se o comerciante comprovar que utiliza a energia em algum tipo de processo industrial, como uma padaria, por exemplo, terá direito ao crédito. Assim, o STJ vedou o crédito sobre o consumo.

Para o tributarista e professor da Direito GV, Eurico Marcos Diniz de Santi, não conceder tais créditos é uma forma de os governos estaduais manterem a arrecadação na surdina porque não precisam aumentar alíquota ou base de cálculo.

“As Fazendas alegam que precisam ter controle sobre a concessão de créditos, mas com ferramentas como o Sped, por exemplo, já o tem”, afirma.

Por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), os contribuintes vão informar aos Fiscos estaduais e federal, em tempo real, sobre os tributos pagos nas operações realizadas.

As Fazendas dos Estados estão se organizando para pressionar o presidente a editar norma para nova prorrogação. É o que afirma o secretário da Fazenda da Bahia e coordenador do Conselho Nacional de política Fazendária (Confaz), Carlos Martins. “O rombo seria de quase R$ 20 bilhões, sendo em torno de R$ 1,2 bilhão por ano no Estado da Bahia”, afirma.

O secretário da Fazenda do Espírito Santo, Bruno De Negris, diz que enquanto não for feita a reforma tributária, os Estados vão continuar a propor o adiamento. “E como a maior parte da receita do Estado corresponde ao atacado e varejo, a perda vai ser maior em relação a Estados mais industrializados”, diz.

A estimativa é de uma perda de aproximadamente 20% da receita capixaba.

O auditor fiscal da Fazenda e representante de Santa Catarina no Confaz, João Carlos Kunzler, afirma que a responsabilidade não é apenas dos Estados.

Argumenta que o adiamento é defendido pelas Fazendas também porque a União não repassa as perdas dos Estados em relação às exportações, com base na Lei Kandir, por exemplo.

“A liberação desses créditos cessaria inclusive um sem número de discussões judiciais contra o Fisco em torno do que gera crédito”, afirma Kunzler.

Segundo o tributarista Júlio de Oliveira, do escritório Machado Associados, só a possibilidade de obter crédito sobre o consumo evitaria o efeito cascata na tributação. “Indiretamente aumenta-se a carga tributária”, diz. Para o advogado, em razão do precedente do STF, qualquer discussão judicial sobre o assunto, com base na Constituição Federal, será, ao fim, infrutífera.

IPVA 2020 RS: preços, datas de pagamento e como obter desconto

A Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul divulgou o calendário de pagamento do IPVA 2020, que tem início no dia 17 de dezembro e vai até 27 de abril. De acordo com o órgão, no ano que vem o imposto terá redução média de 2,4% na comparação com 2019.

Da mesma forma que em anos anteriores, o pagamento do tributo é atrelado ao licenciamento de veículos.

Como é feito o cálculo do IPVA 2020

  • De acordo com a secretaria, as alíquotas do IPVA ficam mantidas em 3% automóveis e caminhonetes; 2% para motocicletas; e 1% para caminhões, ônibus, micro-ônibus, além de automóveis e caminhonetes para locação.
  • Os percentuais incidem sobre a estimativa de valor venal do veículo, calculada com base em levantamento de preços médios realizado pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).
  • A expectativa de arrecadação com o IPVA 2020 no Estado é de R$ R$ 3,1 bilhões.

Como pagar o IPVA 2020 parcelado e com desconto

O proprietário do veículo precisa pagar a primeira parcela até 31 de janeiro. As próximas duas serão em fevereiro, até o dia 28, e em março, até o dia 31. Os descontos são de 3% para a primeira parcela, 2% para a segunda e 1% para a terceira.

Além disso, quem optar pelo pagamento antecipado até o dia 30 de dezembro terá desconto de 3% e poderá se valer também do valor da UPF/RS(Unidade de Padrão Fiscal) nos patamares de 2019.

Os contribuintes que optarem pela quitação antecipada poderão alcançar descontos de até 24,92% (considerando todos os descontos máximos).

Na virada do ano há atualização do valor, estimada em 3,35%. Além disso, ainda há os descontos de Bom Motorista, que podem chegar a 15%, e Bom Cidadão, até 5% de redução no valor.

Os descontos de Bom Motorista e Bom Cidadão podem ser acumulados e são válidos para pagamentos de IPVA antecipados ou em dia.

Os condutores que não receberam multas nos últimos três anos terão dedução de 15% no valor do tributo. Para quem não foi multado há dois anos, o índice é de 10%, e para quem ficou um ano sem infrações, o abatimento é de 5%.

O desconto do Bom Cidadão, por sua vez, dará aos proprietários de veículos, inscritos no programa Nota Fiscal Gaúcha, desconto de 5% para os que acumularam no mínimo 150 notas fiscais com CPF, 3% para os que tiveram entre 100 e 149 notas e 1% para quem acumulou entre 51 e 99 notas.

Para quitar o imposto, o proprietário deverá apresentar o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo). Junto com o IPVA, é possível pagar taxa de licenciamento e multas de trânsito.

O pagamento pode ser realizado a partir de 17 de dezembro, nos bancos Banrisul, Bradesco, Santander, Sicredi, Caixa (loterias) e Banco do Brasil (somente para clientes).

IPVA 2020 no aplicativo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*