Browsing articles tagged with " Sentimento"

Metáforas de meus dias!

Aug 27, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Não Tive Medo – Jean Mello (prévia 30 Segundos)

Aug 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Do dia 29 para o dia 30 de agosto, exatamente às 00:00 horas, vai ao ar meu primeiro clipe. Confira mais detalhes.

Enquanto isso, uma prévia. Só pra dar um gostinho, antes da versão que vamos emplacar.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Por Outro Lado

Aug 11, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog  //  No Comments

Por Outro Lado

Impressionante! Em um dia finalizei a leitura de Por Outro Lado. Pergunte-me se vou ler novamente. Claro! Vou retomar com outros olhos… Esse livro pode ser lido baseado em olhares dos mais diversos.

São poucos os escritores que conseguem abordar questões pesadas com leveza. Assuntos relevantes, espiritualidade que coloca os pés no chão da vida.

Esse livro demorou para ir a público. Mas chegou no tempo certo! Existe densidade na exposição dos pensamentos? Sim, invejável até para escritores de longa data. Verdade, conversar de modo literário, arrancando sorrisos e lágrimas de quem lê, não é para qualquer um. Perfeito, vamos em frente…

Ouso dizer que esse livro vai gerar novos escritores, fazer gente tirar da gaveta dos pensamentos ou as físicas mesmo, manuscritos esquecidos, verdades que ninguém quer ouvir. Muita gente vai esvaziar a mala, compartilhar as bagagens.

Carregar sozinho, ainda mais em grandes caminhadas, fica pesado. Junto não, todo mundo caminha de mãos dadas, rumo ao inalcançável horizonte. Repito, quantas vezes for necessário: “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.” (Eduardo Galeano)

Mas não qualquer caminhar, tampouco os desalinhados com a realidade. Utopia pode ser simplesmente o amanhã!

Parabéns mano… Que esse seja simplesmente o começo…

Nem preciso dizer que recomendo!

Adquira o seu diretamente com o autor… Ele vai te mandar com dedicatória –https://www.facebook.com/PauloSeverino

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Ao longe a solidão e a falta de amor…

Jul 29, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  1 Comment

Infinito

Infinito, som de arrebentar. Fazia dois ou três anos que eu não conseguia compor nada. Estava triste, desamparado, a inspiração havia me abandonado.

Hoje em dia sei que não foi nada disso… Algum tipo de experiência estava se organizando, vaidade que deixava de existir em parte de meu ser.

Olhei para alma, verdades deixaram de ser absolutas! Sentimentos, únicos, mesclaram-se com a vontade muito grande de compor uma nova música. Estava eu em minha casa, sábado, preparando-me para uma pregação para jovens no dia seguinte. Peguei o violão que estava encostado no canto e, logo de pronto, chegaram as palavras:

Olhei para o infinito e vi
Ao longe a solidão,
A falta de amor tão sem razão.
O tempo passou e não senti…

Não demorou nada para as próximas frases serem engatadas. Infinito, em meus dias, tornou-se um hino de vida. Sim, desabafo preso no peito e que, em poucos minutos de som, se soltou em forma de música poética.

Tanto é que no dia seguinte ao da composição, naquele culto que eu disse que ia pregar, mostrei a música para galera. Quem lá estava chorou de emoção.

PS – Para baixar o disco completo, clique aqui.

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Com a guitarra nas mãos e o coração aberto!

Jul 7, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog  //  2 Comments

Guitarra

Respiro fundo, penso com cautela, decido! Processos de criação são extremamente caros. Verdade… por esse motivo, apenas por isso, pensando em um total de oito semanas, deterei-me em contar as histórias das músicas de meu novo disco, uma por uma.

Assim posso visitar novamente os sons poéticos. Importante, prazeroso, mais um processo iniciado.

Infelizmente não relatarei por ordem cronológica. Seguirei  a ordem de como as faixas estão colocadas no disco, assim você acompanha ouvindo, quem sabe.

Olhos Abertos, faixa título do álbum. Cansado estávamos, eu e os integrantes de minha antiga banda, das falsas doutrinas religiosas, não exclusivas de uma denominação ou outra, disponíveis desde tempos passados e intensificadas na atualidade.

Em um dos ensaios – aconteciam quase todas as semanas – veio o refrão: “almejei buscar novos rumos, ver um Deus de amor. Desisti de entender os religiosos que roubam minha fé, com falsas doutrinas.”

A discussão já estava em nosso meio há dias, faltava se transformar em canção, desabafo. Não me pergunte a data. O ano era 2009, em uma manhã de sábado, dia da semana e horário que costumávamos ensaiar. Mas nesse dia foram apenas essas palavras, junto com alguns arranjos.

Depois, em outro dos nossos encontros, terminamos o som. Ficamos surpresos com o resultado, era outra forma de traduzir nossa saudável espiritualidade, bem diferente de outras das nossas composições. Em conjunto eram poucas – eu mais fazia as músicas em casa e as apresentava ao grupo. Porém, as que tínhamos a oportunidade de criar juntos foram as que, realmente, demonstraram o quanto amadurecemos enquanto grupo.

Mais ou menos um ano depois a música tornou-se pública. Tocamos em um festival em Sampa, zona leste, Penha. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Jean Mello (entrevista para TV CHROMA)

Jun 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Vídeos  //  1 Comment

Rindo na cara do sistema

Simples dia! Outubro de 2013, segundo lançamento do Crônicas Perdidas, mas parecia o oficial. Este momento começou acontecer bem antes do dia, propriamente dito, Sarau da Vila Nhocuné.

Lá fora, longe das câmeras das entrevistas, bem colocadas pela TV CHROMA, mais de cem pessoas, divididas entre poetas e gente que ia apenas contemplar. A noite era minha, mas o microfone estava aberto.

Não apenas o microfone, mas cada coração, cada alma, repletas de sorrisos ou choros emocionados.

Sentia-me feliz neste dia. Não só por meu livro ser a principal atração da noite, junto com meu trabalho. Simplesmente por estar com gente poética, alegre, simples.

Tive a oportunidade de compartilhar pensamentos, vida. O espaço estava aberto…

Confira algumas das palavras. Sinta os pensamentos, as utopias, as indignações sociais.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Versos de ventania!

May 8, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Era para ser uma carta que ainda não posso escrever. Também escrevo para preencher vazios, lacunas.

Não me importo muito, quando gosto do som, resolvo que ele merece que eu me debruce.

Realmente sei que trago comigo versos carregados de ventanias de pensamentos e inspirações minhas, de meu pobre coração.

Sei lá o real motivo, algumas músicas, principalmente as metafóricas ou românticas, me permitem colocar pensamento direto no papel em forma de versos. Isso quando não inspiram outros sons, outras músicas nascidas da alma.

Tenho de valor as minhas memórias. Um cronista tem isso como seu bem mais precioso para preservar o ato de escrever. Mesmo que livros não sejam publicados ou sites alimentados; ainda que não sejam palavras grafadas, fiquem a mercê do tempo e do vento, são bens mais valiosos que o ouro. Afinal de contas, “a palavra não volta vazia.”

tetrio_vazio_e_gelado_-_tatiana_reis

Não é tão grande quanto a beleza das flores.

Demora a alcançar a plenitude do céu estrelado.

Se tiver certeza de que está no caminho errado não tenha medo de voltar. Às vezes é melhor regressar… São as janelas para a vida!

Gostaria de plantar poemas como se fossem sementes.

Sinto saudades, não tanto quanto antes, mas ainda sinto.

O que partiu e não voltou não era mesmo para ser meu.

O choro pode durar até mais que uma noite. Mas a alegria…

Ainda sei que existem olhares furtivos que desejam ver meu fim.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«12345678»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.