Browsing articles tagged with " Não Tive Medo"

Lançamento duplo no Espaço Cultural Kazuá

Nov 5, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments
lancamento-cadu-fim-de-tarde-banner-624x624
O lançamento do romance juvenil “Cadu e as histórias de Bantu” de Alexandra Barcellos será realizado em conjunto com o lançamento do livro de crônicas “Fim de tarde” de Jean Mello. O evento contará com a presença de Neres José Geraldo, autor do livro “Um pedaço de chuva no bolso”, publicado pela Editora Kazuá em 2013. Os autores comentarão os processos literários de suas obras, as temáticas e opções estilísticas e autografarão livros.Sinopses:

A autora Alexandra Barcellos na obra “Cadu e as histórias de Bantu” apresenta ao público juvenil as raízes afro-brasileiras, pouco exploradas na literatura específica para esta faixa etária, situando a narrativa no vilarejo mítico e sugestivo de africanidade Bantu, onde o protagonista Cadu, dotado pelas asas da imaginação, vivencia peripécias repletas de aprendizagem por entre o ondular de coqueiros e a presença do mar.

Jean Mello concebe a coletânea de crônicas “Fim de tarde” tendo como método de construção a observância e reflexão dos fatos que circunscrevem a realidade das minorias. Respaldando-se no frescor de teores despercebidos, ou mesmo desdenhados nos eventos do cotidiano, resgata-os a partir de uma análise crítica própria daquele que vivencia plenamente seus relatos. Com uma voz ousada, o autor confronta o lado obscuro do real, sem declinar do humor, da nostalgia e do sentimentalismo, que agregam abrangência à obra, tendo em comum o discurso inclusivo à serviço das reivindicações sociais.

O encontro acontecerá no dia 21 de novembro, 16 às 22h, no Espaço Cultural Kazuá, localizado na Rua Ana Cintra, 26 – Santa Cecília – SP, próximo ao metrô Sta. Cecília.

Confirme sua presença via Facebook.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Jean Mello: “Meu combustível é a utopia”

Jul 28, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Poesias, Projetos  //  No Comments

 

kazua-apresenta-jean-mello-624x229

Jean Mello se define escritor-músico e ressalta que estas duas expressões criativas são indissociáveis em sua vida, embora entenda que ser músico “transcende tudo”. Ele também é educador e esta realidade o transformou em um pensador que encontra combustível na utopia para propor alternativas para repensar a formação dos indivíduos.

Começou a tocar violão aos doze anos de idade, irritando os demais habitantes da casa ao treinar depois da aula: “Aprendi ouvindo muito as músicas que gostava e comprando as revistas nas bancas de jornal. Treinava sempre após voltar da escola, esquecendo até das atividades educativas formais”, conta.

Sua trajetória com a música o fez descobrir que gostava de compor suas “próprias mensagens”, diz, e completa o raciocínio descrevendo a composição musical como “poesia que nasceu antes mesmo de ser colocada no papel”.

O autor começou a divulgar seus escritos com a criação de um site, em meados de 2008 e foi a reação do público que o incentivou a organizar seu primeiro livro, publicado em 2013. Constatação semelhante se deu em relação à gravação de seu primeiro disco, Olhos Abertos, do qual resolveu dar a conhecer algumas músicas mesmo antes da concepção final do trabalho.

Nascido na Zona Sul de São Paulo passou a infância entre a Vila Santa Catarina – uma travessa da tão conhecida Rua Alba, espaço de Literatura Marginal, rap e das pessoas vidradas nos jornais sensacionalistas –, a Vila Mascote e a Vila Campestre. E diz que foi mais feliz nesta última: “Uma rua de paralelepípedo em que, junto com meu irmão mais novo e uma galera de lugares que eu nem sabia ao certo, jogávamos horas de futebol e brincávamos de esconde-esconde, pega-pega, polícia e ladrão e, apenas quando duas vizinhas chamavam, Cíntia e Sara, pulávamos corda. Eu, meu irmão e a rua toda, pagávamos um pau para elas. O ruim é que elas nunca deram bola, gostavam apenas de brincar mesmo…”. Atualmente mora na Vila Joaniza e diz com orgulho “Amo minha quebrada”.

Reconhece no esforço da mãe a possibilidade de estudar em escolas particulares durante quase toda sua vida, “minha mãe fazia questão”. Era segundo suas palavras: pioneira, inovadora, guerreira, empreendedora, eloquente. É do pai que vem a inspiração para a música. Entre suas inúmeras atividades das quais se ocupava para pagar as contas, ele encontrava tempo para tocar em uma banda de músicos virtuosos da Canção Nova, Igreja Católica Carismática. “Toda música boa que escutei veio por intermédio dos meus pais. MPB, principalmente”, enfatiza, e sobre o pai relata “toca violão como ninguém e só escuta som de primeira. Som de negrão…”.

Sobre sua inspiração diz que aprende em diversas fontes formais como Filosofia, Educação e Psicologia, mas não acredita na que é ensinada nos bancos universitários, “minha maior escola foi a rua”. Suas referências que também vem de “Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão”.

Fonte: Editora Kazuá

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Nasce a nova luz em meio ao amor escasso

Jun 23, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

A vida é muito mais que momentos soltos. Um simples amanhã? Muitas coisas perdidas nos becos poluídos da solidão humana. Parecido com um livro que li – mais de uma vez – do Dostoiévski. Notas do Subsolo é o nome da obra.

Ainda bem que compus essa música. Conto uma parte de sua história em uma crônica de dias atrás.

Mas nem em minhas reflexões pessoais de profundidade imensurável poderia imaginar, Pra lembrar do amor não é apenas uma música que dediquei para um Amor Eterno. Meu amor de todos os tempos.

cAPA 3 D

 

É a trilha sonora de meu novo livro que será lançado em setembro desse ano. Exatamente no dia 15. Ano em que meu site faz sete anos. Exalando Esperança é o nome de minha nova obra.

Também é a força de minha história. Fiz questão de buscar melodias inefáveis, assim como Paulo de Tarso em suas cartas evangelísticas.

Realmente, atualmente essa é a música que mais gosto de meu repertório pessoal.

Pra quem não sabe, geralmente, componho letra e melodia ao mesmo tempo. Claro, meus acordes são simples, qualquer aprendiz recente de música pode tocar. As letras? Um pouco de poesia…

Minha forma de cantar pode não ser a melhor do mundo. Mas sempre que ouço me orgulho (juro não ser narcisismo) por ser minha forma de cantar, apenas minha.
Pra lembrar do amor é uma carta. Palavras ditas não de agora. Só que não posso deixar de lado de que essa música demonstra que minha história permanece viva.

Vivemos em um tempo de comunicação rápida. Infelizmente isso não quer dizer conhecimento profundo.

As ideias são soltas. Se pesquisadores de verdade olharem para o que está por aí, terão bases para constituição sólida de conhecimentos explícitos, implícitos, atuais e futurísticos.

Poesia é avanço social, cultural, espiritual e regeneração. A que está apenas no papel, as cantadas, faladas em saraus de quebrada ou os de elite.

Pra lembrar do amor é também revolução poética. Um homem que aceita falar de amor é verdadeiro homem. Àquele que se esquiva de como o amor corrói os sistemas consolidados é covarde.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Um novo livro… Ainda em 2015!

Apr 30, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  4 Comments

Exalando - Boneco

Ainda não achei alegria maior. Meu novo livro já tem data agendada para chegar ao público. Exalando Esperança.

Na primeira quinzena de setembro em todas livrarias do Brasil. Ainda não vou liberar todas as novidades que acompanharão essa simples publicação.

Aos poucos, em meu diário nada secreto, público, contarei o tanto de riqueza existente nessa junção musical e literária que tenho a alegria de agregar em mim.

Ainda exalando esperança, lógico que sem a inocência de achar que todas as pessoas querem realmente um mundo melhor.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Asfalto e ar escasso! Sampa!

Dec 7, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Imagens, Poesias, Vídeos  //  No Comments

Vale

É bom caminhar pelo centro de Sampa, mesmo com as discrepâncias sociais e as desumanidades diante dos olhos.

Dá gosto em ver que na multidão de prédios também existe beleza.

Tristeza ao ver que muitos anjos das ruas estão jogados no chão ou baforando lança-perfume.

Tristeza também ao ver muita gente olhando para quem está jogado no chão com desprezo. Indiferença!

Não consigo dar as costas para outro ser humano. Assim me sinto desumano.

Vida e morte, uma ao lado da outra. Mais vida ou mais morte, depende do olhar.

Existe amor em SP. Mas esse amor precisa ser cavucado, procurado. Sei que vai encontrar.

Basta olhar para a cidade – nada acolhedora – e ver seu lado bom.

Vale 2

Como ver lado bom em uma cidade com transporte público escasso, gente se empurrando, pessoas se agredindo no trânsito, violência gratuita e preocupante, além de outro problemas sociais?

Veja um lado bom em você. Cada um faz seu papel para construção de um mundo melhor, mais humano. Ou melhor dizendo, focado mais no lado bom da humanidade.

Temos empreendedores sociais nessa cidade. Tem gente promovendo ações sociais nas periferias. Projetos de alfabetização de adultos acontecendo aos montes. Organizações mobilizando e sendo mobilizadas.

Acontece muitas coisas debaixo dos nossos olhos. Cena cultural pulsando. É acessível? Claro… Se pensarmos cultura de um modo amplo, às vezes tem um sarau perto de sua casa e você nem sabe.

Cercados de prédios não podemos perder nossa humanidade.

Violências de diversas formas não podem nos influenciar em nossos comportamentos. Vida e mais vida!

Café em Sampa

Tomo um café e atiço as ideias. Penso. Reflito. Nasce uma crônica poética.

Sampa é inspiradora. Paulista, Capão Redondo, Campo Limpo, Carrão, Patriarca, Vila Madalena, Cidade Ademar, Liberdade, Brooklin, Vale do Anhangabaú, Parque do Ibirapuera, Jardim Ester, Vila Joaniza, Jabaquara, Vila Santa Catarina, São Mateus. Infinidade de lugares. Cada um tem riqueza e miséria. Nem falo de grana. Falo das atitudes humanas.

Dar um rolê por Sampa e ver com cautela é também perceber as metáforas de atualidade.

Asfalto, carros passando pra lá e pra cá, gente que não se olha.

Um pouco de ar tão escasso nessa cidade.

Prédios com antenas no topo. Não são antenas ingênuas. São radiofônicas.

Mais asfalto, barulho, riquezas materiais, desigualdades, mais gente tomando café e lendo, outras fissuradas no celular.

***

Recomeçar não é vergonha. Vergonha é não ter coragem de assumir os recomeços da vida.

Maturidade é perceber as guinadas naturais que vêm com o tempo.

Dar alguns passos para trás – em situações de necessidade extrema – é sabedoria. Recomeço é alicerce, fundamento.

Não se iluda com as mentiras de que você sempre vai vencer, segundo os moldes sociais estabelecidos.

Agradeço por perceber. Agradeço por ser. Agradeço por poder recomeçar.

***

Metáforas de existência! Metáforas dos meus dias!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Especial Jean Mello TV CINEC – Programa Balanço Zona Sul

Nov 30, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Metáforas tecnológicas e um pouco de Sampa!

Nov 19, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Imagens  //  No Comments

 

São Paulo em tons de solidão: ilustração gentilmente cedida por Anthony Mazza
São Paulo em tons de solidão: ilustração gentilmente cedida por Anthony Mazza

 

As dores do silêncio também se traduzem em dores intangíveis, inimagináveis.

Gente perdida e se achando! Esperançosos e vivos… Encontrando-se e vivendo, ao mesmo tempo, sonhos e pesadelos.

Muita gente também insistindo em ler o real, sem sombras inverídicas de sonhos distintos.

Nas cidades super populosas não falta quem se aliançou com a solidão. Plenos, presos, soltos, livres, em silêncio, repletos de sorrisos, mas compostos de plenitude e dor.

Diferente sociedade, quando comparada aos tempos não tão remotos. Tudo mudou em tão pouco tempo.

Conhecimentos aos montes ao alcance de nossas mãos. Será que desfrutamos?

Novas tecnologias para aproximar as pessoas. Será que elas contribuíram realmente para solidez de uma modernidade que já é líquida?

Registros sociais em tempo real utilizando apenas um celular.

Pela tela dá para ver e, às vezes, até sentir as emoções. Mas também é distância, em muitas situações até inconstância vital.

Sonhos não perdidos do contato simplesmente humano.

Rede social de verdade é aquela que comemos com os amigos!

Saindo nas ruas sei que gosto da cidade, do tumulto, de gente.

Sei que a metrópole não é tão acolhedora quanto gostaria. Mesmo assim sei, e como sei, hoje essa é completa metáfora dos meus passos, dos nossos passos, plena humanidade.

PS – Projeto metáfora dos meus dias está contando, à partir desse texto, com ilustrações personalizadas, identidade única. Confira mais detalhes do trabalho de Anthony Mazza.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:12»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.