Browsing articles tagged with " Literatura Marginal"

Caminhos do Passado…

Dec 31, 2011   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog  //  No Comments

 

Relacionei no post Caminhos Cruzados… O que 2011 foi pra mim? alguns dos meus artigos que foram publicados na blogosfera. Algumas pessoas que entraram em contato com o conteúdo pediram pra que eu relacionasse outros textos do meu próprio blog, separando-os por temáticas. Como aprecio a ideia de comunicação compartilhada, mesmo em seu modo mais simples, acato a sugestão e farei o máximo para nortear àqueles que desejam ler alguns dos textos. Boa leitura! Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Sempre procurando sentido… De sistemas em sistemas…

Oct 25, 2011   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog  //  No Comments

De sistemas em sistemas… Amores, dissabores… Já pensou se o dissabor – essa eterna sensação de coisas inacabadas, cobrando sempre quanto aos defeitos das pessoas – vem da própria insatisfação, que nunca será satisfeita, apenas por esperar perfeição do seu semelhante?

De entregas em entregas… Sempre esperando receber o que se promete, mesmo sabendo que hoje em dia a manipulação é o que está presente em quase todos os lugares. Os olhos precisam ser abertos… De nada adianta saber e mesmo assim se entregar. E de enganação a palavra humana se alimenta. Alguém duvida disso? Não acho que hoje se engana mais que antes. Percebo apenas que ela [a enganação] tem se diversificado, está mais criativa.

Sempre precisando encontrar algo, com o olhar voltado apenas para os defeitos do outro e mesmo os seus. Mas, uma pergunta apenas, em que lugar a humanidade vê o lado bom das coisas?

Preconceitos não assumidos, discriminação [quantas atitudes aproveitando a bondade de quem está a sua volta, prejudicando as pessoas em suas diferenças], falso altruísmo, apenas para destruir quem ameaça desbancar qualquer sistema construído.

Como é que se encontra sem foco? Defeitos todo mundo tem, o problema é quando só se vê os defeitos dos outros e não os próprios. Todo mundo sabe que o mundo está cheio de gente assim… Sábias as palavras de Cristo: Por que você fica olhando o cisco no olho do seu irmão, e não presta atenção à trave que está no seu próprio olho? A não ser que isso seja um engano, sei ao certo que, nos dias atuais, isso se multiplica. Pode ser que eu esteja exagerando. Algo me diz que não… Sou um mero mortal que opina a respeito do que vejo no mundo.

E de sistemas em sistemas o ser humano, quase sempre, procura verdades que são ideologias de aproveitadores e sem escrúpulos, que assumem a face “marqueteira”, roubando ideias e transformando discursos coerentes em práticas distorcidas, prometendo a redenção de quem nenhuma esperança tem. E quando tudo dá errado, coisa que acontece o tempo inteiro, quando os sistemas montados vão caindo [todo império um dia cai, ou melhor, passa para as mãos de outros, com princípios parecidos, só que com mais agressividade], é só olhar para a história que apenas vai se repetindo com o passar dos dias.

Nem tenho a arrogância de dizer que estou certo. De todo modo, essa não deixa de ser minha certeza. Sem sombra de dúvidas ela não é apenas minha certeza. Será que é a sua também? Deplorável…

E o pior é que as atrocidades que vemos é o que não podemos chamar de atitudes desumanas, elas são cometidas pela própria humanidade, como podem ser chamadas de desumanas? E na falta de amor a humanidade vai caminhando, quem sabe em que lugar vai parar?

O orçamento destinado para manutenção do imperialismo gera a fome na periferia do mundo. Isso todo mundo está cansado de saber. Não fazemos nada!

E de fragmentações, inclusive em lugares que não deveria existir, como por exemplo, nos movimentos sociais, estamos fadados pra sempre. Cada um está voltado aos seus próprios interesses. São outros sistemas, disfarçados de benfeitoria, com cara de caridade, fala mal do assistencialismo, só que propõe coisas que apenas faz jogar do mesmo lado que os sistemas opressores. De qual lado vamos ficar?

Doenças que nascem na mente e fora dela, afetando quase tudo na vida. Doenças “incuráveis” que apenas são potencializadas por quem mais dinheiro quer ganhar, em troca do sofrimento alheio. É um mundo assim que chamam de civilizado? E se sistemas em sistemas vamos apenas reproduzindo o que impera como correto… Temos alguma saída?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Um poema nosso… A força de uma palavra qualquer…

Oct 8, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Crônicas, Poesias  //  2 Comments

Quando nasce uma poesia junto com ela vem o sentimento, alegre ou triste;
Simplista meu detalhamento acerca dos sentimentos não é? São apenas palavras…
As palavras se juntam e dá pra ler ainda mais que o que está no papel,
Não se restringe ao que está escrito, dito, compartilhado
Diz muito mais que as palavras impressas, fala até mais que o poeta
Não precisa de rima e nem de algumas regras desnecessárias,
O que não pode ficar de fora é a alma no papel
Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Soninha – Crônica de Dayse Ferreira Rego

Apr 18, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Crônicas  //  1 Comment

Bateu o sinal, ela saiu. Era uma menina magra, cabelos cumpridos, olhos castanhos, nariz longo, como uma jóia! Uma pessoa extraordinária e que não parecia ter apenas 16 anos, não por sua aparência física, mas sim por sua mente, tinha um ponto de vista diferente das adolescentes de sua idade. O que talvez fosse um dos motivos pra muitas meninas não gostar dela.

Soninha era meiga, inteligente, calma, mas quando agrediam sua família virava uma fera! Tinha mais amizades masculinas, pois a grande maioria das meninas de nossa sala e que tinham sua idade não sabiam lhe compreender, pois Soninha não era vaidosa, não tinha nenhum ídolo, era muito perfeccionista e namorar ou ficar, principalmente, era algo que estava fora de seus planos. O que mais gostava de fazer era ler livros e aprender coisas novas.

Eu era o confidente de Soninha e ela dizia que não aguentava mais as perseguições das meninas que a julgava ser o que não era, e resolveu mudar de estado, ir para casa de sua avó e passar uma boa temporada por lá. Fiquei muito triste, pois sabia que talvez aquele fosse o último dia que a visse e que a teria tão perto.
Levei-a até a sua casa, onde pegou suas malas e partimos para a rodoviária, a partir daí não sabia o que fazer. Percebi que estava apaixonado…

Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

O Urbanista Concreto

Apr 6, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Entrevistas  //  4 Comments

Lançamento do Livro Pelas Periferias do Brasil - Germano está de blusa azul com listra branca

O Urbanista Concreto, Germano Gonçalves Arruda, nascido em São Caetano do Sul, em abril de 1963, inaugura uma série de entrevistas que serão publicadas nesse espaço. Um dos objetivos é dar visibilidade a algumas ações que remam contra maré no Brasil e em outros países.

Germano é ativista cultural, escritor, participante e educador do Projeto Social Cultural Gente, localizado no Parque São Rafael, Zona Leste de São Paulo. Tive a oportunidade de visitar Germano em seu espaço de atuação pedagógica e perceber um pouco mais de perto, detalhes de seu trabalho de incentivo à leitura com crianças, jovens e adultos.

Em seu blog, apresenta-se como o caminho para a literatura, pelas diversas atividades que faz em prol ao incentivo à leitura, que vão desde a escrita e leitura, até a distribuição de livros e outros materiais para fomentar o conhecimento da história de seu bairro e até mesmo de sua veia poética. Vamos à entrevista…

Jean Mello – Que atividades você praticou e pratica (com alguma freqüência), de incentivo a leitura?

Germano Gonçalves – Atualmente eu pratico as oficinas de incentivo à cultura no meu Espaço Urbanista concreto na Casa de Cultura do Pq. São Rafael, mas realizei dois trabalhos de incentivo à leitura denominado de: “O DIA DO LIVRO NA MÃO” e o “FANZINE RUAS”.

Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«12345

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.