Browsing articles tagged with "Arquivo de Literatura Marginal - Página 2 de 5 - Jean Mello"

Feira de Publicações Independentes Casa das Rosas

Set 10, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Publicações  //  1 Comment

casa_das_rosas

Fui convidado para participar da Feira de Publicações Independentes na Casa das Rosas.

Com mesa de debates, esta feira busca promover a circulação e comercialização de títulos e projetos publicados de maneira independente, entre quadrinhos, livros e fanzines.

O evento será nesse domingo, 13 de setembro de 2015, das 12h às 17h. Vou expor meu novo livro Exalando Esperança, contar um pouco a sua história e concepção.

Conto com a sua presença!

Endereço: Av. Paulista, 37 – Bela Vista – São Paulo, SP.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Exalando Esperança (Novo Livro)

Set 8, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Poesias  //  1 Comment

Capa Frente

Exalando Esperança não é um projeto novo. Jean Mello, autor do livro, pensou essa ideia em diferentes formas, musical e literária.

Mas, antes do desenvolvimento, como algo óbvio, teve de acontecer o primeiro passo. Qual foi ele? Um texto postado em seu site, em março de 2013. No conteúdo o cronista anunciou – mesmo que os leitores não soubessem – que aquele material se tratava exatamente do início da edição de seu segundo livro.

O primeiro livro do autor, Crônicas Perdidas, esgotou em menos de dois anos após a impressão da primeira edição. Totalizou até o momento três edições da obra. Em breve ele será novamente disponibilizado, mas agora pela editora Kazuá, antes pela Scortecci.

Doses grandes de utopia e vida. Acreditando ainda que as quebradas não transmitem apenas violência e o que dizem as notícias sensacionalistas insistentes em relatar apenas fragmentos dos fatos, potencializando o que é ruim nas comunidades. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

“Meu combustível é a utopia”

Ago 31, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Músicas, Poesias  //  2 Comments

 

vem-ai-jean-mello-624x624

Ao iniciar meus trabalhos dessa sexta (05/06/2015) – bem cedo – encontrei essa imagem em minha caixa de mensagens. Um post anunciando minha chegada na editora Kazuá.

Acompanhe. Além do Exalando Esperança, um livro meu que será publicado em setembro desse ano, tem outro rolando. Isso mesmo, em 2015, dois livros de Jean Mello.

Ao entrar em contato com algumas crônicas de minha autoria, a Kazuá resolveu produzir uma coletânea de meus escritos. Verdade… Tudo indica que no segundo semestre o livro estará em livrarias de todo Brasil. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Jean Mello: “Meu combustível é a utopia”

Jul 28, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Poesias, Projetos  //  No Comments

 

kazua-apresenta-jean-mello-624x229

Jean Mello se define escritor-músico e ressalta que estas duas expressões criativas são indissociáveis em sua vida, embora entenda que ser músico “transcende tudo”. Ele também é educador e esta realidade o transformou em um pensador que encontra combustível na utopia para propor alternativas para repensar a formação dos indivíduos.

Começou a tocar violão aos doze anos de idade, irritando os demais habitantes da casa ao treinar depois da aula: “Aprendi ouvindo muito as músicas que gostava e comprando as revistas nas bancas de jornal. Treinava sempre após voltar da escola, esquecendo até das atividades educativas formais”, conta.

Sua trajetória com a música o fez descobrir que gostava de compor suas “próprias mensagens”, diz, e completa o raciocínio descrevendo a composição musical como “poesia que nasceu antes mesmo de ser colocada no papel”.

O autor começou a divulgar seus escritos com a criação de um site, em meados de 2008 e foi a reação do público que o incentivou a organizar seu primeiro livro, publicado em 2013. Constatação semelhante se deu em relação à gravação de seu primeiro disco, Olhos Abertos, do qual resolveu dar a conhecer algumas músicas mesmo antes da concepção final do trabalho.

Nascido na Zona Sul de São Paulo passou a infância entre a Vila Santa Catarina – uma travessa da tão conhecida Rua Alba, espaço de Literatura Marginal, rap e das pessoas vidradas nos jornais sensacionalistas –, a Vila Mascote e a Vila Campestre. E diz que foi mais feliz nesta última: “Uma rua de paralelepípedo em que, junto com meu irmão mais novo e uma galera de lugares que eu nem sabia ao certo, jogávamos horas de futebol e brincávamos de esconde-esconde, pega-pega, polícia e ladrão e, apenas quando duas vizinhas chamavam, Cíntia e Sara, pulávamos corda. Eu, meu irmão e a rua toda, pagávamos um pau para elas. O ruim é que elas nunca deram bola, gostavam apenas de brincar mesmo…”. Atualmente mora na Vila Joaniza e diz com orgulho “Amo minha quebrada”.

Reconhece no esforço da mãe a possibilidade de estudar em escolas particulares durante quase toda sua vida, “minha mãe fazia questão”. Era segundo suas palavras: pioneira, inovadora, guerreira, empreendedora, eloquente. É do pai que vem a inspiração para a música. Entre suas inúmeras atividades das quais se ocupava para pagar as contas, ele encontrava tempo para tocar em uma banda de músicos virtuosos da Canção Nova, Igreja Católica Carismática. “Toda música boa que escutei veio por intermédio dos meus pais. MPB, principalmente”, enfatiza, e sobre o pai relata “toca violão como ninguém e só escuta som de primeira. Som de negrão…”.

Sobre sua inspiração diz que aprende em diversas fontes formais como Filosofia, Educação e Psicologia, mas não acredita na que é ensinada nos bancos universitários, “minha maior escola foi a rua”. Suas referências que também vem de “Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão”.

Fonte: Editora Kazuá

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Uma carta para uma pesquisadora…

Mai 3, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Respondi uma carta de uma pesquisadora querendo mais referências – para desenvolvimento de uma pesquisa – sobre juventude e o mundo do trabalho.

Pensei, não vou centrar em livros, mas em gente que faz isso na prática. Pesquisa e ações… Mobilizações… É o que mais faz sentido. Não condeno – quem sou eu para isso – quem está mergulhado, estritamente, nas letras. Isso é válido, talvez não seja completo, porém não pode ser desconsiderado. Base para quem quer ultrapassar, sempre, e não deixar para trás oportunidades sociais vivas, daquelas simples em que em ações comunitárias pessoas montam espaços para jovens e adultos sejam alfabetizados, não pela ótica que ficam sofisticados nas letras apenas, mas na leitura de mundo.

Ou centros culturais periféricos, àqueles que se mantém por pura militância de ativistas culturais. Gente que se preocupa com o desenvolvimento dos outros, sem pestanejar. Bem… Minha resposta para a pesquisadora. Resolvi torná-la pública por considerar que pode contribuir pra mais gente.

 

***

 

Achei o material muito rico e profundo. Pesquisa é assim mesmo, aos trancos e barrancos, sempre falta uma série de coisas. Como pediu referências, e creio não falar apenas de livros, mas também de vídeos e filmes, envio algumas.

Não as colocarei como catalogamos ou citamos na universidade. Apenas mostrarei de modo que conseguirá encontrá-las.

As crianças e os jovens de hoje estão em um contexto de sociedade bem diferente do antigo, estruturado nas redes de conhecimentos mais sofisticados – falo da velocidade que a informação é disseminada, nem tanto a profundidade dos conhecimentos. Mas, essas coisas têm seus efeitos colaterais, preocupantes. Acesso múltiplo aos conhecimentos, bagatela de confusão. Não apenas nos comportamentos sociais, e sim nas escolhas de vida de cada um. Lógico que estou dando um salto teórico e deixando para trás muitos detalhes metodológicos, nessa minha fala levo em consideração muitas leituras que fiz sobre juventude. Mergulhe no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA.

Quero que se depare com algumas referências na prática sobre o assunto.

Revista Viração

Cidade Escola Aprendiz

Aracati

Ação Educativa

Por enquanto apenas essas. Se você entrar em contato de verdade – tem de olhar com cautela – verá nesses lugares várias publicações que irão contribuir, e muito, em sua pesquisa.

Em meu site agrego conteúdos poéticos sobre juventude. Coloque na parte de pesquisa a palavra “jovem” e verá muitas coisas sobre o assunto. Mas, o que mais gosto, de todos meus textos, foi o que me inspirei no documentário “Frutos do Brasil”. Lindo instrumento que te dará um panorama, breve, sobre a juventude brasileira e as mobilizações tocadas por jovens. Calma, nem vou detalhar. Se assim eu fizesse eu escreveria outro gigante texto sobre o assunto.

Outro material – aparentemente informal – é um vídeo que descreve a interação da juventude com as mídias digitais, os aplicativos todos, não por caprichos ou pura alienação. Tem um vídeo que quero muito que veja.

Hoje, as escolas e algumas organizações não-governamentais pedem aulas de informática, quando o jovem, em seu conhecimento do que está a sua volta, dá um banho em qualquer professor que quer ensinar técnicas de computador. Os lugares ficam vazios, computadores sem serem utilizados. Os jovens sabem mais de Internet que os professores e não aguentam aulas chatas e ultrapassadas.

Os blogs estão por aí, meninos e meninas passam o dia todo online em seus celulares, computadores e tablets. Independente de classe social… Muitos deles adaptam necessidades pessoais para encontrar mais chances de acessar, não se excluir daquilo que todo mundo faz e participa. Na frente dos educadores e professores se apresenta este acontecimento.

Quem conhece as quebradas de Sampa sabe que os fliperamas, casas de jogos, foram substituídos por lan houses. Ainda é uma incógnita a respeito do que vem depois. Por enquanto este é o cenário. Aproveitando-se disso, esses locais não servem só para os jogos. Imagine se eles se transformassem em locais de transmissão de conhecimento, pautando os jovens na importância do uso das mídias digitais enquanto processo de produção de saberes e, ainda de brinde, a oportunidade deles, em tempo real, contarem outras versões dos fatos acerca da realidade que os cerca?

Se você parar para observar, concluirá que isso já está acontecendo. Não em grande escala. Só que, é certo, a comunicação hoje em dia está descentralizada, em alguns sentidos rompendo com o monopólio midiático.

Vou parar de enrolação, além dessas coisas que te indiquei antes, você deveria ler um livro chamado “Juventude e Ensino Médio”. Além desse, uma pesquisa da Ação Educativa que demonstra que a juventude não mais vê sentido na escola e, consequentemente, nas relações de trabalho.

Juventude

Acho que na sua pesquisa precisa ter algumas coisas sobre a desigualdade de oportunidades no mundo do trabalho. Você vai encontrar muitos dados no Centro de Estudos de Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT.

Mais que livros para ler, você precisa acessar pessoas que escreveram esses livros, desenvolveram esses estudos. De todas essas organizações que indiquei, muitas delas disponibilizam publicações nas redes e outras você tem de ir até lá. Seu faro de pesquisadora dirá.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Um novo livro… Ainda em 2015!

Abr 30, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  4 Comments

Exalando - Boneco

Ainda não achei alegria maior. Meu novo livro já tem data agendada para chegar ao público. Exalando Esperança.

Na primeira quinzena de setembro em todas livrarias do Brasil. Ainda não vou liberar todas as novidades que acompanharão essa simples publicação.

Aos poucos, em meu diário nada secreto, público, contarei o tanto de riqueza existente nessa junção musical e literária que tenho a alegria de agregar em mim.

Ainda exalando esperança, lógico que sem a inocência de achar que todas as pessoas querem realmente um mundo melhor.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Resenha do livro de autoria de Jean Mello, Crônicas Perdidas

Abr 16, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

PERDIDAS, PORÉM ACHÁVEL.
Por: Germano Gonçalves.

Capa

Conheço Jean Mello e sua obra, procurarei aqui não falar do amigo que é, e toda minha consideração a sua pessoa…

Vou aqui apresentar os fundamentos de sua obra e toda sua maneira de entender ou interpretar as coisas, com integridade. Serei breve como manda uma boa resenha.

As coisas devem ser encontradas e, entre pessoas ou coisas, no meio em que vivemos é preciso recriar o mundo. Em “Crônicas Perdidas”, Mello quer nos direcionar, ou melhor, nos atentar a ver e examinar cuidadosamente as coisas do mundo, os afetos das pessoas, o grau de formalidade ou de intimidade entre os transeuntes de uma cidade, uma vez que o autor nos revela a sua capacidade de notar um vazio nas pessoas  ̶ o desinteresse por uma cultura digna; as pessoas se mostrando apressadas; o orgulho de quem anda de carrão e passa do nada para o nada, como o autor menciona em sua primeira crônica “O pouco que vejo em minha cidade…” (p.15), de onde extraio essa parte do texto: “Foi angustiante ver os carros passando, no trânsito da vida, com pressa, ou nem tanto assim, em direção ao nada que os esperam”. Podemos notar que a humanidade está cada vez mais em um pensamento próprio, diria egoísta, pensando em seu próprio umbigo, porém, vale lembrar, nas palavras do autor, que todos nós vamos para o mesmo lugar, e que desta vida nada se leva.

Esta obra muito espetacular, tanto na qualidade como no conteúdo onde Mello nos relata fatos sociais com firmeza e coerência de atitudes, e com um grande domínio de si mesmo, podemos perceber, caro leitor, a grandeza e a qualidade ou estado de proeminência que as palavras ali escritas junto com os relatos reais do dia-a-dia, vão te impressionar e fazer com que se tenha outra visão de mundo, apresentada pelo autor.

Ele nos mostra, em seus relatos, um processo ligado essencialmente à ação, à consciência e à situação dos homens, pelo qual se oculta ou se falsifica essa ligação de modo que apareça o processo (e seus produtos) como indiferente, independente ou superior aos homens, seus criadores. É no decorrer das descrições que podemos notar um estado de espírito, em que encontramos um Marx (ver marxismo), nas situações resultantes dos fatores materiais dominantes da sociedade, sobretudo no sistema capitalista, em que o trabalho do homem se processa de modo que produza coisas que imediatamente são separadas dos interesses e do alcance de quem as produziu, para se transformarem, indistintamente, em mercadorias. Ou até mesmo um Hegel (ver hegelianismo), no processo essencial à consciência, em que para o observador ingênuo o mundo parece constituído de coisas independentes umas das outras, e indiferentes à consciência. Ao valorizar essas teorias, posso afirmar que tudo isso foi pensado por Mello, o que nos remete a rever educadores, que fazem a diferença em um ensino mais qualificado para o lado social, sem repressão e com mais humanidade, dando toda importância para a escola, um lugar que o autor destaca no capítulo: “A importância da comunidade escolar…” (p.24), colocando os professores como verdadeiros heróis e aborda o papel das instituições não governamentais, os terceiros setores, mas não se esquece da criança que vai para a escola por causa da merenda…

Esse escritor está me saindo um belo educador, e é só você, leitor, que ao ler essa obra vai concordar comigo. Leva-nos a retomar a escola de gaiola, muito comentada pelos professores do ensino universitário, em referência ao grande Rubem Alves! E Mello nos torna grandes também porque é entendedor de uma educação mais humanitária, com a participação da família, escola, estado todos em comum acordo para termos um ensino de qualidade.

As “Crônicas Perdidas”, caro leitor, deixo-as para você ler, e afirmo será de grande importância, não apenas por mencionar Mello como educador, que suas crônicas servem só para professores, mas entendamos que o autor é um ser humano, que sabe muito bem como escritor colocar as dificuldades de uma sociedade e de quem as pertence, pois menciona em seus relatos, a juventude, os problemas sociais, tendências do pensamento, ou modos de pensar em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas. Em se tratando do racismo, encontramos em seu texto: “Racismo ao contrário: pura hipocrisia” (p. 39), o racismo como uma impostura, fingimento, simulação, falsidade e, entre as funções de exprimir a falta de informação sobre determinado fato, a inversão da ordem de valores de uma sociedade. Conseguiremos nos salvar ou estamos mesmo perdidos à nossa própria sorte ou às crônicas da vida real?

Não deixem de ler esta obra, pois não pode ficar no anonimato os ideais deste autor, que nos leva à reflexão da vida, das causas sociais, que afligem com a afetação duma virtude, dum sentimento louvável que não se tem, e que para tanto como ele afirma em: “Continue a escrever o livro da vida” (p. 50), para que não vivamos à deriva. Nesse texto, vamos dizer assim, ele traz menções bíblicas, para nos alertar perante a qualidade do que é vão, ilusório, instável ou pouco duradouro: viver todos os dias como o último e, ao mesmo tempo, o primeiro, porque a vida é só uma, não se tem segunda chance, então, façamos o melhor (p.51).

Diferente de muitos jovens, pois o autor é jovem, mas possui a consciência de que o tempo passa, e esse atributo não é só para com ele, pois quer chegar à velhice e poder dizer, o racismo acabou, não existe mais injustiças, mas que fique bem claro em forma de reflexão, como ele mesmo afirma: “Estou propondo, aqui, apenas uma reflexão, uma junção de realidade… para diminuir as discrepâncias” (p. 64), e ele se preocupa também com o que irá dizer aos seus filhos!

Chegando ao fim dessas maravilhosas páginas, tenho que mencionar: “Feliz dia das Mães” (p.68), em que o autor agradece por ainda poder dar feliz dia das mães e nos atenta para que todos tentem compreender a situação das crianças que são abandonadas, e respeitem todas as mães, independente das situações familiares em que se encontram. Eu gostei muito deste texto, Mello está de parabéns!

E por falar em terminar esses relatos, no começo disse que não iria falar do amigo escritor, e não vou falar. Não que não mereça, pois teria que lhe direcionar uma biografia, para falar desse grande ser humano, que diz não ao sistema, e quer estar fora dele, e não quer contribuir para construir um… Pois bem, só quero caro leitor, dizer que este autor, que eu digo não querer falar dele… Ele falou de minha pessoa, me fez uma homenagem nessa obra, com um conto que escrevi “O homem que queria todas as coisas” (p. 80). Aqui, quero agradecer por mencionar em sua obra minhas palavras!

E assim termino esse relato, mas não sem antes dizer que Mello também é um escritor periférico, gente da gente, sente em seu coração que tem por obrigação fazer algo pelo social e, como se pode notar aqui nesses escritos, mais ainda pela educação, que ele tanto clama por justiça, as “Crônicas Perdidas”. Mas que fique a dica, tudo pode se encontrar como diz um provérbio português: “Até as pedras se encontram”. Estaremos perdidos entre as crônicas de Mello, mas porém acháveis.

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«12345»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.