Browsing articles tagged with "Arquivo de História - Jean Mello"

“Fim de Tarde” apresenta crônicas do autor Jean Mello

Out 13, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Entrevistas, Podcast, Publicações  //  No Comments

kazua-texto-jean-mello-624x229

 

 

 

 

 

 

“Retratos de acontecimentos inesquecíveis… Sonhos comuns e incomuns de um personagem qualquer que vê a realidade de modo único. Pelo significado, subjetivo, que pode se dar às questões – atuais e antigas – que permeiam o pensamento e fazem com que tudo seja repleto de senso crítico, sem perder a veia poética e, muitas vezes, até o romantismo, que nem sempre é carregado de ingenuidade.” (Fragmento de Fim de Tarde coletânea de crônicas de Jean Mello)

“Jean Mello é educador social, cronista, músico, comunicador, poeta. Alicerça a sua obra no chão da vida. Romântico, mas nada ingênuo, procura explicar a realidade a partir do que vive, com profundo respeito à riqueza que a prática de seu cotidiano lhe confere. Suas crônicas, críticas e poéticas, são marcas de sua passagem pelo mundo. Jovem de largo horizonte, nos revela seu olhar e nos desvela um mundo de ilusões onde o consumo, a alienação e a injustiça social se desmancham sob a simplicidade de seu humor e de sua inquietude. Fim de Tarde é um livro simples. E especial. Porque é sensível e porque carrega consigo a esperança de um mundo melhor.”  (Marília de Santis é educadora e organizadora do livro Memórias de Heliópolis)

Lançamento previsto para primeira quinzena de novembro, exatamente nos dias 13 e 14 na FLINKSAMPA – Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, no Memorial da América Latina.

Fonte: Kazuá

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

“Meu combustível é a utopia”

Ago 31, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Músicas, Poesias  //  2 Comments

 

vem-ai-jean-mello-624x624

Ao iniciar meus trabalhos dessa sexta (05/06/2015) – bem cedo – encontrei essa imagem em minha caixa de mensagens. Um post anunciando minha chegada na editora Kazuá.

Acompanhe. Além do Exalando Esperança, um livro meu que será publicado em setembro desse ano, tem outro rolando. Isso mesmo, em 2015, dois livros de Jean Mello.

Ao entrar em contato com algumas crônicas de minha autoria, a Kazuá resolveu produzir uma coletânea de meus escritos. Verdade… Tudo indica que no segundo semestre o livro estará em livrarias de todo Brasil. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Pra lembrar do amor – Single

Jun 12, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  No Comments

arvore-amor

Gravação tranquila. Não tensa apesar do processo denso.

Uma música apenas. Depois disso, duas versões. Uma intimista, acústica. Outra com as guitarras e batera. Meu novo single está completamente pronto. Pra lembrar do amor…

O material sintetiza nova fase de minha vida. Lógico que é mais poética que antes.

Você pode dar play e baixar de graça… Fique ligado! Esse ano vou apresentar muitas novidades.

;

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

3,50 é um Roubo. Lobo. 1.500…

Jan 18, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Roubo

Um roubo? Não é um roubo? Somos roubados desde sempre. Brasil, você nasceu assaltado, estuprado, fadado a escravidão eterna. A não ser que reaja. Mas Sampa respirou. Presenciei em 2013, momento em que nasceu o livro que vou tornar público nesse final de ano, mas pude ver também agora – começo de 2015 – com meus lindos olhos castanhos. Tá, nem sou eu que falo que meu olhos são lindos. São minas que sempre achei belas – aquelas do movimento. Nunca pensei.

Somos roubados em hospitais públicos, em que corredores de pessoas que passaram por cirurgias graves, se submetem não para cura, mas ao maior açougue humano que presenciei na vida.

Olhe as escolas – principalmente as estaduais – jogadas. Elas são semelhantes às cadeias. Igual. A molecada, na verdade, sabe. Mas a política é tão pesada que eles respondem pixando e quebrando.

Cores e Valores é o melhor disco do Rap que ouvi na vida. Eu que ouvi Sobrevivendo no Inferno pirata. Os caras são ligeiros. Mais que uma pausa. Em Sampa o barato tá louco. Aqui é Literatura Marginal. Não sou ladrão e nunca fui. Nem dou apoio. Meu apoio é pra poesia.

As propagandas televisivas sempre precisaram apenas de trinta segundos para te forçar a consumir. Agora, Cores e Valores, vem detonando na mesma fita. Mensagens diretas, rápidas.

Existe pós-doutorado em Rap? Se não existe esse título, acabei de descobrir que os Racionais são os pós-doutores no estilo, sem contar outras paradas!

A comparação não é simplista. Conheço intelectuais de peso que pegam aquilo que é complexo e simplificam na linguagem. Ciência! As pessoas – até leigas – entendem a complexidade que os eruditos tornam ainda mais dificultosas, geralmente por insegurança ou não dominarem de fato.

Alguém sabe o que significa Zeitgeist (clima intelectual, social e cultural de uma época, mais conhecido como sinal dos tempos)? Poucos captam o significado real disso. Filósofos. Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão. Mesmo assim são poucas pessoas. Os caras entenderam.

Os Racionais fizeram o que citei de bom: pegaram complexidades sociais não entendidas por muitos e explicaram com uma didática invejável. Sonho de qualquer compositor.

Novo disco, pancada no inconsciente. Literalmente: “entrei pelo seu rádio, tomei cê nem viu”.

Só batida louca e palavras aparentemente jogadas de modo aleatório. Todas conectadas. Força! Tupac.

Gosto de acompanhar a evolução de artistas. Em alguns casos vale a máxima de dizer as mesmas coisas, mas com palavras e formas diversas. Inteligência! Conexão de habilidades e conhecimentos.

Não é na Vila Madalena que tá a riqueza cultural de Sampa. Olha que eu trampei lá. Paguei um pau. Mas Foi em São Matheus, quase no extremo Leste, que estava a Consciência Humana.

Deixe-me voltar para manifestação do começo de 2015. Foi louco. O batalhão estava com medo, os manifestantes não. Juntos definimos o trajeto no “cartão postal de Sampa”, Paulista, travessa com a Consolação. Assembleia – a última vez que presenciei algo tão democrático foi na Pontifícia Universidade Católica/SP. Deixa no gelo, estou a pampa. Sampa respira, em todos extremos. Isso me deixa mais que feliz.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Metáforas tecnológicas e um pouco de Sampa!

Nov 19, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Imagens  //  No Comments

 

São Paulo em tons de solidão: ilustração gentilmente cedida por Anthony Mazza
São Paulo em tons de solidão: ilustração gentilmente cedida por Anthony Mazza

 

As dores do silêncio também se traduzem em dores intangíveis, inimagináveis.

Gente perdida e se achando! Esperançosos e vivos… Encontrando-se e vivendo, ao mesmo tempo, sonhos e pesadelos.

Muita gente também insistindo em ler o real, sem sombras inverídicas de sonhos distintos.

Nas cidades super populosas não falta quem se aliançou com a solidão. Plenos, presos, soltos, livres, em silêncio, repletos de sorrisos, mas compostos de plenitude e dor.

Diferente sociedade, quando comparada aos tempos não tão remotos. Tudo mudou em tão pouco tempo.

Conhecimentos aos montes ao alcance de nossas mãos. Será que desfrutamos?

Novas tecnologias para aproximar as pessoas. Será que elas contribuíram realmente para solidez de uma modernidade que já é líquida?

Registros sociais em tempo real utilizando apenas um celular.

Pela tela dá para ver e, às vezes, até sentir as emoções. Mas também é distância, em muitas situações até inconstância vital.

Sonhos não perdidos do contato simplesmente humano.

Rede social de verdade é aquela que comemos com os amigos!

Saindo nas ruas sei que gosto da cidade, do tumulto, de gente.

Sei que a metrópole não é tão acolhedora quanto gostaria. Mesmo assim sei, e como sei, hoje essa é completa metáfora dos meus passos, dos nossos passos, plena humanidade.

PS – Projeto metáfora dos meus dias está contando, à partir desse texto, com ilustrações personalizadas, identidade única. Confira mais detalhes do trabalho de Anthony Mazza.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Único e Soberano (violão e voz)

Out 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Não sei se farei com todas as músicas de minha autoria… Mas essa é minha vontade! Divulgar versões de simplicidade… Sem banda, efeitos, quase do modo que os sons foram compostos. Para isso tem se ser natural… Sem forçar… Está aí uma delas!

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Por Outro Lado

Ago 11, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog  //  No Comments

Por Outro Lado

Impressionante! Em um dia finalizei a leitura de Por Outro Lado. Pergunte-me se vou ler novamente. Claro! Vou retomar com outros olhos… Esse livro pode ser lido baseado em olhares dos mais diversos.

São poucos os escritores que conseguem abordar questões pesadas com leveza. Assuntos relevantes, espiritualidade que coloca os pés no chão da vida.

Esse livro demorou para ir a público. Mas chegou no tempo certo! Existe densidade na exposição dos pensamentos? Sim, invejável até para escritores de longa data. Verdade, conversar de modo literário, arrancando sorrisos e lágrimas de quem lê, não é para qualquer um. Perfeito, vamos em frente…

Ouso dizer que esse livro vai gerar novos escritores, fazer gente tirar da gaveta dos pensamentos ou as físicas mesmo, manuscritos esquecidos, verdades que ninguém quer ouvir. Muita gente vai esvaziar a mala, compartilhar as bagagens.

Carregar sozinho, ainda mais em grandes caminhadas, fica pesado. Junto não, todo mundo caminha de mãos dadas, rumo ao inalcançável horizonte. Repito, quantas vezes for necessário: “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.” (Eduardo Galeano)

Mas não qualquer caminhar, tampouco os desalinhados com a realidade. Utopia pode ser simplesmente o amanhã!

Parabéns mano… Que esse seja simplesmente o começo…

Nem preciso dizer que recomendo!

Adquira o seu diretamente com o autor… Ele vai te mandar com dedicatória –https://www.facebook.com/PauloSeverino

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:123»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.