Browsing articles tagged with " Discriminação"

Especial Jean Mello TV CHROMA

Nov 16, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Olhos Abertos TV

Uma forma simples de apresentar um projeto mais complexo. Um Pocket Show. Se quiser ouvir o disco na íntegra, você pode baixar de graça.

Mas a roupagem do meu trabalho não é apenas o que está gravado com baixo, violão e guitarras. É mais que isso… É também o que nasce em meio à simplicidade. Essa é minha causa!

Paralelo a isso, está rolando a preparação para uma apresentação de lançamento oficial do álbum Olhos Abertos, logo no começo de 2015. Daí para frente, ouvirão, ao vivo e nos registros postados na virtualidade, o som fiel ao que foi gravado em meu mais recente CD.

Enquanto isso simplicidade, arranjos enxutos, semelhante ao que era quando compus as músicas.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Estrada de Percalços…

Aug 19, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Vídeos  //  No Comments

caminho

A primeira versão dela foi violão, alguns arranjos de guitarra e a minha voz. Depois, reformulamos, pensamos em nova roupagem, além da batera. Esse som tem identidade própria. Jamais pensei que poderia se apresentar no formato publicado nesse projeto. Sem dúvida, Olhos Abertos, como um todo, ficou bem mais rico.

Falo da música Espera… Comecei falando de como a gravamos, em duas oportunidades. Agora, a definitiva, versão que prevaleceu.

Por incrível que pareça, já contei em outro momento a história desse som, antes de pensar, muito antes, na inauguração dessa série em que contarei como minhas músicas foram compostas.

Agora meu foco é compartilhar o efeito que ele tem em meu trabalho como um todo. Espera, além de abordar questões existenciais, demonstra que, seres humanos repletos de fé, não apenas o compositor que vos fala, precisam preservar acesa a chama da esperança.

Fazer introspecção, debruçando-me sobre minha própria arte, não consiste em simples missão.

Um filme, resgate de processos que nem todos artistas revelam, bastidores…

A poesia denuncia a falta de amor e o modo como, muitas vezes, estamos perdidos, imersos na solidão mesmo em meio à multidão.

Simples e ao mesmo tempo complexo. A esperança de muitos é a volta daquele que prometeu.

Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.
1 Coríntios 13:12

Para quem não sabe, Espera, quase que da mesma forma que Infinito, chegou depois de tempos que não compunha nada. Quando isso acontece, pelo menos comigo, no momento em que o silêncio se rompe, parece ser um presente entregue dos céus.

Não sei qual das duas versões mais gosto. Cada uma tem sua particularidade.

Olhei pra sua estrada
Era cheia de percalços, caminho imprevisível
Saí de madrugada olhando para o céu
A espera de um sinal, que nunca apareceu
Seu olhar é livre, doce e singelo
Pena que nem sempre posso crer ou posso ver
Só me falta o amor que quero ter,
Encontrar a liberdade, em seus passos descansar

Estou à espera de você aparecer aqui
E contar a sua história
Eu conto no relógio o tempo de te conhecer

PS – Para ouvir a primeira versão dessa música clique na imagem. Baixe de graça meu novo disco, clique aqui.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Ao longe a solidão e a falta de amor…

Jul 29, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  1 Comment

Infinito

Infinito, som de arrebentar. Fazia dois ou três anos que eu não conseguia compor nada. Estava triste, desamparado, a inspiração havia me abandonado.

Hoje em dia sei que não foi nada disso… Algum tipo de experiência estava se organizando, vaidade que deixava de existir em parte de meu ser.

Olhei para alma, verdades deixaram de ser absolutas! Sentimentos, únicos, mesclaram-se com a vontade muito grande de compor uma nova música. Estava eu em minha casa, sábado, preparando-me para uma pregação para jovens no dia seguinte. Peguei o violão que estava encostado no canto e, logo de pronto, chegaram as palavras:

Olhei para o infinito e vi
Ao longe a solidão,
A falta de amor tão sem razão.
O tempo passou e não senti…

Não demorou nada para as próximas frases serem engatadas. Infinito, em meus dias, tornou-se um hino de vida. Sim, desabafo preso no peito e que, em poucos minutos de som, se soltou em forma de música poética.

Tanto é que no dia seguinte ao da composição, naquele culto que eu disse que ia pregar, mostrei a música para galera. Quem lá estava chorou de emoção.

PS – Para baixar o disco completo, clique aqui.

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Nasce a nova luz em meio a falta de amor…

Jul 24, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas  //  No Comments

Brisa Leve Amor

Não é mais um som… de todas as faixas do disco, se colocasse em ordem cronológica, essa seria a primeira, Brisa Leve.

Uma galera evangelista, pessoas engajadas em espalhar mensagens fundamentadas nos quatro evangelhos. Não sei se todos, inclusive eu, tinha essa consciência das coisas. Mas, olhando para trás, na prática, era isso que juntos fazíamos.

Fomos, numa noite de sexta-feira, mais ou menos trinta pessoas, falar do amor de Deus na Vila Madalena, São Paulo. O ano era 2002. Eu e um amigo meu com o violão nas costas. Mas eu não esperava que, ao chegar no destino proposto, a inspiração o invadisse com novas notas musicais. Correspondi, cheguei com um pedaço da letra, improvisada, não tinha nenhum lugar para anotar. Bem, reconheci na hora que foi no momento certo que ele me mostrou o som. Depois de alguns dias completei a letra. A música estava pronta.

Eu sei, você está comigo! Tirou minha tristeza, mostrou-me o sorriso. Eu sei, tu és o meu amigo. No meio da escuridão, encontrei a solução.

Acho Brisa Leve a música que mais transmite o que exalo a respeito da espiritualidade. As outras chegaram depois dessa leitura. Ou seja, de um modo ou outro, elas derivam desse processo.

Não são maiores e tampouco menores. São parte de um ciclo que compôs o projeto Olhos Abertos inteiro.
Um pouco de vida, um gole, um cálice. Medite na música, compartilhe por aí.

PS – Para ouvir a versão original de Brisa Leve, clique na imagem. Para baixar o disco completo, clique aqui.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Antes que seja tarde (levanta e anda)…

May 27, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Não carrego o peso da falta de sensibilidade. Tento ao máximo perceber os guetos sociais em que todos estamos inseridos.

Mesmo nestes dias mais drásticos, não me falta esperança. Aliás, quanta esperança, reais sentimentos em dias que todos são os motivos para a falta dela.

Tenho dúvidas se há razões para seguir. Mas muita gente encontra, se acha, levantando-se em meio aos escombros das desigualdades. Não adianta dizer o contrário. Vejo alienações, claro. Porém, as quebradas todas são feitas de guerreiros, gente que não desiste fácil.

emicida-levanta-e-anda1

 

Enquanto isso, fecho os olhos e viajo no refrão, acompanhado da base nervosa, com origens não nos tempos atuais. Convicto de que aponta para um futuro em que nós, humanos, seremos um pouco melhores. Não sou totalmente descrente em nós mesmos, muito pelo contrário. Se assim fosse, não estaria aqui gastando todo esse tempo em muitas palavras, àquelas nascidas na alma, em meio aos risos ou choros, tristezas ou alegrias, satisfação plena ou a tão temida solidão.

Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Tempos de escola…

Apr 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Educacao

Esqueça, por enquanto, os indicadores e o esforço das políticas nacionais em criar mecanismos de avaliações para medir a qualidade da educação neste amplo território.

Jogue fora, depois você pode até revirar a lata de lixo procurando os métodos de ensino de apostilas, até porque você será cobrado exatamente por isso, os “conhecimentos” condicionantes para o vestibular, quantos alunos entraram na Universidade de São Paulo é o que vale para definir o que é uma boa escola. Mas na verdade não é isso. Alguém inteligente pode nem ter diploma.

Essas técnicas de nada servem quando seus chamados alunos chegam com perguntas acerca da vida, sexualidade, existência… posso ver, em infinitas situações, as indagações dos educandos barradas para que o cronograma, o programa, as imposições de treinamentos, as violências neoliberalistas, para encaixar o sujeito nas normas já estabelecidas, sejam cumpridas, sanadas.

Nem é disso que mais lembramos como coisas boas no ambiente escolar. Tá, o chato às vezes é necessário. Mas tem mesmo que ser a única e insistente opção?

O que é mais importante, se relacionar com as pessoas a sua volta ou os conteúdos que devem ser aplicados?

Lembre-se de como você mesmo era na escola. Hoje, os comportamentos cobrados eram exatamente os que você preservava em seu coração em abundância. Poxa, virou professor e se esqueceu de como você era quando aluno? Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Escola ou fliperama?

Apr 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

VLUU L100, M100  / Samsung L100, M100Escola ou fliperama? A pergunta ecoava, feita para grupos extensos, adolescentes. Nem precisava se esforçar, o que a galera escolhia?

O resultado vinha nas notas, após dias e dias jogando e deixando de lado as aulas chatas, mas a maioria nem ligava.

Certo ou errado, naquele instante, as pessoas tinham a possibilidade de escolher. Como hoje muita gente tem – preferimos o falso moralismo, o papo de que só há progresso quando as pessoas estão inseridas, até o pescoço, nas normas cultas, ou cultuadas, do ensino tradicional, em escolas prisioneiras do corpo e da alma.

É certo que em alguns aspectos as portas se abrem. Poucas oportunidades têm para quem concluiu apenas a educação básica. Mas e aí, será mesmo que essas etapas garantem saberes não treinados? Àqueles não restritos ao mercado do trabalho ou aos vestibulares. Tirem esses meninos dessas formas que perduram há tempos.

Lógico é… um beijo, os amassos, as longas risadas, ensinam bem mais. As conversas inspiradoras na hora do intervalo ou as trocas, chamadas alienadas ou não, no fundo da sala ou em qualquer lugar da escola, gruda na memória, diferente da Fórmula de Bhaskara. Importante para o futuro? Pode até ser… mas acho, em minha vasta ignorância e uma pré-disposição em insistir na escrita de textos “fora da realidade”, intervenções diferentes poderiam ser feitas no ambiente escolar. Sei que em inúmeros exemplos elas são feitas, realizadas, com gente de todo Brasil fazendo a diferença na cultura e na educação. Basta? Não, o sistema se protege, ele não mudou. A educação alternativa pode tentar corroer as grades prisioneiras dos programas estabelecidos por todos os anos, até a entrada da galera no mundo universitário, mas como está tudo ali, instaurado como maquiagem do saber, é como dar murros em ponta de faca.

Mesmo assim, os resultados são inúmeros, quando vemos práticas alternativas, de comunicação e cultura, de um modo mais amplo, realizadas em escolas, principalmente as públicas.

E não paramos de perpetuar gaiolas ao invés de asas. É, quanta ingenuidade a minha. Encorajar o voo tira as pessoas do controle das grades impostas. Mas, de forma inconsciente, a galera resiste ao que é imposto. Em minha época, pelo menos em meio aos meninos a pergunta era escola ou fliperama. Hoje em dia preciso me atualizar. A pergunta deve ser qual? Só busco saber qual deve ser a pergunta, porque a resposta deve permanecer a mesma…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«12345678»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.