Browsing articles tagged with " Cabelos Grisalhos"

Ainda vejo o mundo regredir…

Apr 6, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Lógico que a urgência emerge em meio às palavras dos poetas. Sorrisos e lágrimas em palavras nas entrelinhas ou com uma força que a alma alienada, anestesiada, não aguenta.

Vejo, assim como as palavras do poeta, o mundo regredir entre a fé, ou a falta de fé, e o dinheiro. Algumas das minhas reflexões por aqui ressaltam exatamente estes pensamentos. Não tenho longe de mim qualquer espinho na carne.

As palavras que te cercam querem apenas te enganar. Ouça, antes de tudo, a força daquilo que sua consciência diz. Não queira atravessar o deserto mais de uma vez por falta de discernimento.

muro

Determinação, lutas sem fim em dias de chuva não de milagres. Vivendo, ao mesmo tempo, o sonho e o pesadelo. Enxergando a regressão dos sonhos estúpidos, mas que salvaria até o mais miserável dos homens. No chão fica apenas quem não se encontra.

Muita gente sente saudades de um tempo que demorava mais para passar. Geralmente isso acontece em uma das melhores fases da vida, infância. Lá mora a raiz de nossa memória, as ricas lembranças. Tudo é mais puro, apesar de em nenhum momento de nossa existência existir completa pureza. Mora também, em nossas origens infantis, nas raízes da infância, o começo das grandes realizações.

Podemos nos tornar pessoas tristes ou alegres, dependendo do quanto de ciência temos. Não necessariamente estrutura emocional define a fortaleza para enxergar a realidade, distinguir não o certo ou errado, mas que o impossível é só questão de opinião. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Eligir a vida

Feb 8, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Poesias  //  No Comments

Diariamente busco com afinco as palavras mais próximas de resumir sentimentos, acontecimentos, realidades, fantasias, premissas observadas pela sensibilidade afiada que o ato de escrever e de ler o que está em cada esquina de minha existência só faz crescer, multiplicar em meu ser.

vida imensa

Entre as inúmeras sentenças gramaticais, frases e mais frases, ideias soltas e consolidadas na concretude, uma me salta aos olhos, quase gritando para ser grafada: gratidão.

Simplesmente pelo alento do viver, sem peso.

Pelas poesias caminhando ao vento e que param na inspiração cotidiana, livre, descompromissada com qualquer tipo de prisão.

Pelo tempo que passa, mas podemos guardar na memória, em fotografias ou em belas canções.

No saber ou não saber. Na luta de andar no contra fluxo das propostas alienantes. Não na contramão, porque quem assim anda pode fazer o pior, bater de frente ou machucar muita gente. Isso não é sábio.

Exalando esperança e sonhos, com vasta alegria no peito. O pessimismo deu lugar às certezas adormecidas. Dá pra ver um mesmo acontecimento de formas diversas, com olhares cortantes, otimismo. Nem sempre o que sobra é o pior.

Revisão: Cris Santana

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Palavras (Violão e Voz)

May 18, 2013   //   by Jean Mello   //   Blog, Músicas  //  3 Comments

Apenas meu desejo de ver um mundo melhor. Pode ser pra você, para os que estão perto ou longe de mim, para cada ser humano. Isso resolvi expressar em uma canção que há tempos compus. Mas, ao invés de esperar o processo de produção de meu primeiro disco, algo que caminha com o passar dos dias, sem a pressa ansiosa ou alienante, gravei, junto com minha esposa, um vídeo, violão e voz.

Confira a letra…

Quantas palavras em vão

Tanto mal sem razão me espera encontrar

Muitas vidas sem direção hoje em dia posso enxergar…

Só me resta gritar por ajuda

E torcer pra chegar

 

Quando o trauma passou

Pude os olhos abrir

Quanta vida se foi?

 

Eu só quero viver em paz

Em um novo tempo, um outro lugar…

Só preciso viver em paz

Ver um mundo melhor…

 

Quantos passos nas ruas,

Para romper com o vazio e a solidão

Teu olhar não me engana

E sei que há solução

Só queria abrir os olhos e ver um mundo melhor, diferente

Ter motivos para sorrir

Quanto tempo ainda terei de chorar?

Um mundo melhor…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Aspectos Históricos sobre o Racismo

Apr 12, 2013   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Texto meu publicado na revista eletrônica número 14 do site Viva Favela.

Não caçamos os pretos, no meio da rua, a pauladas, como nos Estados Unidos. Mas fazemos o que talvez seja pior. A vida do preto brasileiro é toda tecida de humilhações. Nós tratamos com uma cordialidade que é o disfarce pusilâmine de um desprezo que fermenta em nós, dia e noite.

Nelson Rodrigues

Somos o segundo país do mundo em número de negros, ficando apenas atrás da Nigéria, demonstra o Portal Raízes. Isso não quer dizer que temos políticas eficazes direcionadas para um povo que tão mal tratado foi durante a história e, ao mesmo tempo, tão representativo é em nossa cultura.

Segundo o Portal Brasil, os afrodescendentes constituem 51,1% da população brasileira; em 2009, 6,9% das pessoas informaram ser pretas e 44,2% de autodeclararam pardas, o que representa 51,1% dos brasileiros. Números significativos ao levarmos em conta o fato de que as pessoas estão se declarando negras ou pardas, mesmo com uma imagem tão estereotipada do negro nos livros didáticos, na mídia tradicional ou nas redes sociais. Ou seja, inúmeros são os motivos para as pessoas não desejarem serem vistas como negras, descendentes de africanos.

Um salto para um dos acontecimentos em que o racismo mais se evidenciou na história: os tráficos negreiros.

Corro o risco de ouvir argumentos de que a “escravatura foi uma prática de todas as sociedades humanas num ou outro momento da história”, como nos informa a escritora e historiadora Elikia M´Bokolo, em seu livro África Negra: Histórias e Civilizações. Certamente, sabemos que sim. Mas, ao mesmo tempo, a escritora complementa dizendo que “nenhum continente conheceu, durante um período tão longo (séculos VII – XIX), uma sangria tão contínua e tão sistemática como o continente africano”.

Sempre depois de alguma afirmação que acentua a crueldade a que negros e negras do continente africano foram submetidos, vem a clássica pergunta: os próprios negros entraram em acordo comercial com os europeus, a culpa não é dos próprios africanos? Responda você mesmo… Será que cairemos mais uma vez na armadilha de culpar os oprimidos?

Referências para remontarmos os fatores históricos não falta. Mais interessante é olhar para materiais que façam a relação do passado com o presente que hoje vivemos. Um deles, que não me canso de ver é Quanto Vale ou é por Quilo? Trata-se de uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. Sabemos, vemos e nada falamos. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Só não quero correr o risco de desistir de lutar

Mar 17, 2013   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Poesias  //  No Comments

Risco de ganhar

Risco de perder

Risco de viver

Risco de morrer

Risco de não lembrar o nome dela

Risco de abraçar quem se ama

Risco de correr do afeto a todo tempo

Risco de não confiar mais em ninguém

Risco de deixar de lado oportunidades únicas

Risco de abraçar algo e ir até o fim

Riscos que não quero correr

Riscos que tenho a obrigação de correr

Risco de sonhar de modo exagerado

Riscos utópicos

Risco da falta de fé

Risco de contrair alguma fé alienante ou doentia

Risco de perder tudo

Risco de não entender as palavras mais importantes

Sei que todos nós corremos o risco de ir em direção ao nada

Risco de se perder nos labirintos da existência

Alguns riscos vale a pena correr

Outros, porém, é bem melhor deixar de lado

Só não quero correr o risco de desistir de lutar

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Coração livre do egoísmo

Mar 16, 2013   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Com amor nas mãos e o sentimento de um sujeito inacabado nesse miserável coração. Em busca do inalcançável. Em sinergia com o medo atual que invade cada sentimento impuro.

Multiplicando o que pode gerar vida. Com as mãos estendidas para dar vazão ao que brota em uma mente antes infértil. Agindo, repartindo, com a vontade plena de viver a comunhão genuína, amorosa. Desejoso em ver o que não pode ser visto sem os olhos da fé.

Confiança alienada não é confiança, consiste em ilusão. Doença dos nossos dias, cegueira extrema. Mantenha os olhos abertos e as atitudes em completa coerência. Não consigo pensar um ser humano agradável que não alinhe discurso com prática.

Dureza em não ouvir quando necessário. Quando será que assumiremos nossos escandalosos erros? Horripilante o terreno pavoroso que estamos pisando sem saber. Desejamos, alcançamos e depois jogamos fora, sem qualquer arrependimento.

Palavras, não as que são jogadas ao vento, em terra arenosa ou campo rochoso. Sem saber o que me espera e o que espera as pessoas que amo. Sabendo, sei que posso dizer que sei, que mesmo na tribulação existe paz.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Exalando Esperança

Mar 13, 2013   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  2 Comments

Exalando esperança e ainda me livrando da dor de ver o que poucos enxergam ou assumem que veem.

Experimentando disparidades de vida. Valorizando quase que ao extremo a supremacia do existir desse lado – ao menos sei que dar importância a cada dia, cada segundo, como se fosse o último, é no mínimo prudente.

Sabendo da beleza e do perigo das palavras, principalmente as que têm o poder hipnotizante de enganar, para não cair no erro de dizer muito antes de escutar mais ainda.

Com um sorriso horripilante e deixando de lado os passos errados, perniciosos, do tempo que se vai sem que se possa perceber.

Tentando falar de coisas pesadas de um modo mais leve. Tenho mais perguntas que respostas. Um menor número de afirmações equivocadas. Muito ainda tenho de aprender nessa inesperada caminhada. Tenho em mim a certeza de que nada sei.

Transposições de outro amanhecer.  O romper da miserabilidade da alma perdida nos encantos mundanos da falta de poesia. Plenamente satisfeito e ao mesmo tempo em busca de satisfação. Fonte inesgotável de utopia.

Mergulhando… Pensando… Refletindo no espelho dos desencantos dos dias do passado. Nos sonhos, na expectativa do amanhã que não me pertence, em direção ao nada.

Aceitando o que antes não queria ver a cor. Negociando com o inegociável nos dias de puro radicalismo. Aprendendo, sem saber se aprendo de modo correto, perceber e lidar com a inveja de quem está a minha volta.

Educando, sendo educado em comunhão com quem quer comungar ao meu lado, para não me perder na solidão que me seduz.

Firme para não deixar de lado a oportunidade ímpar de aprender com Milton Santos, Caio Fábio, Ricardo Gondim, Ed René Kivitz, Emicida, Marcelo Nery, Nelson Mandela, Chico Buarque, Mano Brown, MV Bill, Chorão, Renato Russo, Paulo Freire, Emilia Ferreiro, Cássia Eller, Martin Luther King Jr., Bianca Mello, Marilene de Mello e uma infinidade de pessoas, gente que não cabe em nenhuma lista.

Ainda exalando esperança, lógico que sem a inocência de achar que todas as pessoas querem realmente um mundo melhor.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«1234567»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.