Browsing articles tagged with " Cabelos Grisalhos"

Não Tive Medo – Jean Mello (violão e voz)

Dec 8, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Podcast, Poesias, Vídeos  //  No Comments

Era pra ser um vídeo. Mas deu problema nas imagens. Aproveitei o áudio. Apenas o compartilhar… De um modo simples! Como sempre…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Soberano e Vital!

Dec 3, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Poesias, Projetos, Vídeos  //  No Comments

Cruz

Não me esqueci! Tenho de finalizar minha série de textos sobre as composições de minha autoria, lançadas nesse ano em meu novo disco, Olhos Abertos.

A verdade é que, em dias inusitados e de correria plena, as ideias se misturam. Mas, quando o compromisso é lançado, tem de ser cumprido. Antes de ir adiante, o legal é dar uma recapitulada, situar quem está lendo, colocando, um por um, os títulos dos textos anteriores. Assim você pode visitá-los aqui pelo blog.

 

1) Com a guitarra nas mãos e o coração aberto!

2) O meu e o seu mundo…

3) Nasce a nova luz em meio a falta de amor…

4) Ao longe a solidão e a falta de amor…

5) Estrada de Percalços…

6) Não Tive Medo – Jean Mello (Clipe Oficial)

7) Voando e ainda mantendo acesa a chama da esperança!

 

Tive de ativar minhas memórias. Fazer novamente o percurso. Colocar em dia o que esquecido estava. Nada simples…

Hoje é um pouco mais fácil. Único e Soberano, música que finaliza meu mais recente projeto, e também esses inúmeros textos, nasceu como uma confissão de fé em Cristo Jesus.

O Cristo que creio não é intolerante e nem fundamentalista. É o Deus das parábolas, da leveza e, ao mesmo tempo firmeza, quando o assunto era colocar novamente nos eixos quem queria alienar, através da dureza da lei.

O Deus do fardo leve. Eita que me emociono ao pensar nos evangelhos, mudou tudo e todos.

Nem falo dos templos de pé, cada um que cuide do seu. Falo do Templo que Ele reconstruiu em apenas três dias.

Único e Soberano, resume o que Ele sempre foi, mas não quis usurpar o fato de Ser. Era, é e sempre será o Deus Verdadeiro. Longe da minha e da sua maneira de ser. Simples…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Especial Jean Mello TV CINEC – Programa Balanço Zona Sul

Nov 30, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Uma prévia de minha participação na TV CINEC

Nov 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Poesias  //  No Comments

Recitei um poema de minha autoria na TV CINEC. Programa Balanço Zona Sul. Liberei do áudio como uma prévia. A entrevista na íntegra você poderá acompanhar por aqui no dia 28/11/2014 à partir das 18:00 horas.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Único e Soberano (violão e voz)

Oct 26, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Não sei se farei com todas as músicas de minha autoria… Mas essa é minha vontade! Divulgar versões de simplicidade… Sem banda, efeitos, quase do modo que os sons foram compostos. Para isso tem se ser natural… Sem forçar… Está aí uma delas!

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Ao longe a solidão e a falta de amor…

Jul 29, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  1 Comment

Infinito

Infinito, som de arrebentar. Fazia dois ou três anos que eu não conseguia compor nada. Estava triste, desamparado, a inspiração havia me abandonado.

Hoje em dia sei que não foi nada disso… Algum tipo de experiência estava se organizando, vaidade que deixava de existir em parte de meu ser.

Olhei para alma, verdades deixaram de ser absolutas! Sentimentos, únicos, mesclaram-se com a vontade muito grande de compor uma nova música. Estava eu em minha casa, sábado, preparando-me para uma pregação para jovens no dia seguinte. Peguei o violão que estava encostado no canto e, logo de pronto, chegaram as palavras:

Olhei para o infinito e vi
Ao longe a solidão,
A falta de amor tão sem razão.
O tempo passou e não senti…

Não demorou nada para as próximas frases serem engatadas. Infinito, em meus dias, tornou-se um hino de vida. Sim, desabafo preso no peito e que, em poucos minutos de som, se soltou em forma de música poética.

Tanto é que no dia seguinte ao da composição, naquele culto que eu disse que ia pregar, mostrei a música para galera. Quem lá estava chorou de emoção.

PS – Para baixar o disco completo, clique aqui.

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Versos de ventania!

May 8, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Era para ser uma carta que ainda não posso escrever. Também escrevo para preencher vazios, lacunas.

Não me importo muito, quando gosto do som, resolvo que ele merece que eu me debruce.

Realmente sei que trago comigo versos carregados de ventanias de pensamentos e inspirações minhas, de meu pobre coração.

Sei lá o real motivo, algumas músicas, principalmente as metafóricas ou românticas, me permitem colocar pensamento direto no papel em forma de versos. Isso quando não inspiram outros sons, outras músicas nascidas da alma.

Tenho de valor as minhas memórias. Um cronista tem isso como seu bem mais precioso para preservar o ato de escrever. Mesmo que livros não sejam publicados ou sites alimentados; ainda que não sejam palavras grafadas, fiquem a mercê do tempo e do vento, são bens mais valiosos que o ouro. Afinal de contas, “a palavra não volta vazia.”

tetrio_vazio_e_gelado_-_tatiana_reis

Não é tão grande quanto a beleza das flores.

Demora a alcançar a plenitude do céu estrelado.

Se tiver certeza de que está no caminho errado não tenha medo de voltar. Às vezes é melhor regressar… São as janelas para a vida!

Gostaria de plantar poemas como se fossem sementes.

Sinto saudades, não tanto quanto antes, mas ainda sinto.

O que partiu e não voltou não era mesmo para ser meu.

O choro pode durar até mais que uma noite. Mas a alegria…

Ainda sei que existem olhares furtivos que desejam ver meu fim.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«1234567»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.