Browsing articles tagged with " Brasil"

Rimando entre becos e vielas

Feb 7, 2017   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Contos, Crônicas, Músicas  //  2 Comments

Por Jean Mello

Rimando entre becos e vielas.

Rimando entre becos e vielas.

Resgatar os principais símbolos de resistência da periferia é demonstrar por quais razões é necessário valorizar e enfatizar a cultura periférica.

Nas primeiras linhas explico, assim não me complico, para apresentar o webclipe de Real Tegê, “Licença pra chegar”. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Você curte os sons de Minas Gerais?

May 10, 2016   //   by Jean Mello   //   Blog, Músicas  //  No Comments

Realmente, a cultura brasileira é alimento consistente para toda humanidade. Ela é universal. Uma prova é essa nova leitura de uma música que, em sua consagrada versão original, foi cantada simplesmente por Milton Nascimento.

Julia Vargas, na atualidade, nos apresenta verdadeira obra prima. Lapidada, acompanhada por instrumentistas de primeira. Ela conseguiu colocar sua pegada, charme, seu toque especial.

Ouça uma vez e depois não pare de repetir. Siga meu exemplo…

Aliás, todos os vídeos dessa série intitulada Mar Azul, dando cara nova aos sons de Minas Gerais, são geniais. Arranjos modernos sem perder a força das raízes de músicas já chamadas de clássicas. Isso sem contar a produção audiovisual e fotográfica. É de cair o queixo.

Julia Vargas

Navegue, procure, ouça suas músicas preferidas com um sentimento bem diferente do usual. É a nova geração mostrando que veio para ficar, respeitando nosso próspero passado cultural.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Exalando Esperança (Novo Livro)

Sep 8, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Poesias  //  1 Comment

Capa Frente

Exalando Esperança não é um projeto novo. Jean Mello, autor do livro, pensou essa ideia em diferentes formas, musical e literária.

Mas, antes do desenvolvimento, como algo óbvio, teve de acontecer o primeiro passo. Qual foi ele? Um texto postado em seu site, em março de 2013. No conteúdo o cronista anunciou – mesmo que os leitores não soubessem – que aquele material se tratava exatamente do início da edição de seu segundo livro.

O primeiro livro do autor, Crônicas Perdidas, esgotou em menos de dois anos após a impressão da primeira edição. Totalizou até o momento três edições da obra. Em breve ele será novamente disponibilizado, mas agora pela editora Kazuá, antes pela Scortecci.

Doses grandes de utopia e vida. Acreditando ainda que as quebradas não transmitem apenas violência e o que dizem as notícias sensacionalistas insistentes em relatar apenas fragmentos dos fatos, potencializando o que é ruim nas comunidades. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

“Meu combustível é a utopia”

Aug 31, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Músicas, Poesias  //  2 Comments

 

vem-ai-jean-mello-624x624

Ao iniciar meus trabalhos dessa sexta (05/06/2015) – bem cedo – encontrei essa imagem em minha caixa de mensagens. Um post anunciando minha chegada na editora Kazuá.

Acompanhe. Além do Exalando Esperança, um livro meu que será publicado em setembro desse ano, tem outro rolando. Isso mesmo, em 2015, dois livros de Jean Mello.

Ao entrar em contato com algumas crônicas de minha autoria, a Kazuá resolveu produzir uma coletânea de meus escritos. Verdade… Tudo indica que no segundo semestre o livro estará em livrarias de todo Brasil. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Jean Mello: “Meu combustível é a utopia”

Jul 28, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Poesias, Projetos  //  No Comments

 

kazua-apresenta-jean-mello-624x229

Jean Mello se define escritor-músico e ressalta que estas duas expressões criativas são indissociáveis em sua vida, embora entenda que ser músico “transcende tudo”. Ele também é educador e esta realidade o transformou em um pensador que encontra combustível na utopia para propor alternativas para repensar a formação dos indivíduos.

Começou a tocar violão aos doze anos de idade, irritando os demais habitantes da casa ao treinar depois da aula: “Aprendi ouvindo muito as músicas que gostava e comprando as revistas nas bancas de jornal. Treinava sempre após voltar da escola, esquecendo até das atividades educativas formais”, conta.

Sua trajetória com a música o fez descobrir que gostava de compor suas “próprias mensagens”, diz, e completa o raciocínio descrevendo a composição musical como “poesia que nasceu antes mesmo de ser colocada no papel”.

O autor começou a divulgar seus escritos com a criação de um site, em meados de 2008 e foi a reação do público que o incentivou a organizar seu primeiro livro, publicado em 2013. Constatação semelhante se deu em relação à gravação de seu primeiro disco, Olhos Abertos, do qual resolveu dar a conhecer algumas músicas mesmo antes da concepção final do trabalho.

Nascido na Zona Sul de São Paulo passou a infância entre a Vila Santa Catarina – uma travessa da tão conhecida Rua Alba, espaço de Literatura Marginal, rap e das pessoas vidradas nos jornais sensacionalistas –, a Vila Mascote e a Vila Campestre. E diz que foi mais feliz nesta última: “Uma rua de paralelepípedo em que, junto com meu irmão mais novo e uma galera de lugares que eu nem sabia ao certo, jogávamos horas de futebol e brincávamos de esconde-esconde, pega-pega, polícia e ladrão e, apenas quando duas vizinhas chamavam, Cíntia e Sara, pulávamos corda. Eu, meu irmão e a rua toda, pagávamos um pau para elas. O ruim é que elas nunca deram bola, gostavam apenas de brincar mesmo…”. Atualmente mora na Vila Joaniza e diz com orgulho “Amo minha quebrada”.

Reconhece no esforço da mãe a possibilidade de estudar em escolas particulares durante quase toda sua vida, “minha mãe fazia questão”. Era segundo suas palavras: pioneira, inovadora, guerreira, empreendedora, eloquente. É do pai que vem a inspiração para a música. Entre suas inúmeras atividades das quais se ocupava para pagar as contas, ele encontrava tempo para tocar em uma banda de músicos virtuosos da Canção Nova, Igreja Católica Carismática. “Toda música boa que escutei veio por intermédio dos meus pais. MPB, principalmente”, enfatiza, e sobre o pai relata “toca violão como ninguém e só escuta som de primeira. Som de negrão…”.

Sobre sua inspiração diz que aprende em diversas fontes formais como Filosofia, Educação e Psicologia, mas não acredita na que é ensinada nos bancos universitários, “minha maior escola foi a rua”. Suas referências que também vem de “Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão”.

Fonte: Editora Kazuá

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

“No Princípio Era o Verbo”

May 11, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Imagens, Músicas  //  No Comments

Olha só aquele shopping, que da hora!
Uns moleques na frente pedindo esmola
De pé no chão, mal vestidos, sem comer
Será que alguns que estão ali irão vencer?

(Racionais MC´S)

Escrevo ao som de Tupac, Sabotage, Black Alien e Racionais.

Claro que é som pesado, mesmo que o primeiro citado não seja em meu idioma, mas tenho a impressão de que entendo todas as palavras. Já disse em algumas letras de textos de minha autoria que não consigo ler e escutar poesia musicada, rap. Mas consigo escrever…

Não é à toa que tenho buscado – com afinco – a humildade dos pés desgastado de Cristo Jesus (não na completude, Ele é o Supremo Mestre, inalcançável nos planos desse mundo ainda não em estado completo de regeneração, apenas em um futuro próximo). Só que, em meus limitados pensamentos, cheguei à conclusão de que a humildade de Sabotage eu posso alcançar. Todos nós podemos, basta querer.

Meu natal de 2014, mais conhecido como ano passado, foi lendo a biografia de Sabotage. Pesquisa apurada do jornalista Toni C, sobre o Maestro do Canão. Um bom lugar é o nome do livro.

Maestro do Canão, Alexandre de Maio

Nesse texto não tentarei destrinchar o conteúdo do livro. Seria injusto pra mim, o material é tão bem escrito que, pelo menos de minha parte, não cabe uma resenha.

Agora, o que não posso deixar de lado é que de lá para cá não consigo parar de escutar o Sabota. Fui estimulado a buscar tudo a respeito dele. Também, pasme, a voltar a escrever sobre as poesias cantadas nas quebradas. Não que eu tenha um dia parado. Minha abordagem tinha mudado. Agora voltei a ser direto.

Não só o som dele se traduz como de primeira, mas a postura de pura compaixão pela quebrada dele, Brooklin, Favela do Canão e, isso é bem evidente no som dele, todas as favelas do Brasil.

Mas tenho de tomar cuidado para não me perder. Nem vim falar dele, meu assunto hoje é o Black Alien. Sim, aquele do Planet Hemp e que em 2004 gravou seu primeiro e, até hoje, único disco solo. Lendário, Babylon by Gus Volume 01 Ano do Macaco.

Não apenas dele, busquei alguns clássicos do Rap Nacional e coloquei em minha estante virtual. Quem nunca baixou que atire a primeira pedra. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Sol e chuva me inspirando!

Jan 5, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Imagens  //  1 Comment
Eu no Parque Villa Lobos, correndo e caminhando, olhei para meu lado esquerdo!

No Parque Villa Lobos correndo e caminhando, olhei para meu lado esquerdo!

Nesse dia eu estava correndo no Parque Villa Lobos. Sei lá, deu vontade de ir lá e correr. Não moro perto, estava de passagem. Tinha trabalhado o dia inteiro.

Entrei, andei pelo parque. Vi pessoas brincando, namorando, sentadas, conversando, dando risada, lendo, cantando. Estava bem bonito o dia. Eu estava muito observador. Pensativo, mas observando tudo. Coisa de quem escreve. Não procuro algo que me inspire. Tudo me inspira. Muitas coisas são encantadoras. As pessoas são, as paisagens também, as músicas do cotidiano, a vida.

Os sonhos também são, ainda mais as realizações em torno daquilo que está apenas na imaginação. Leveza, tudo como a pena da escrita do passado. Sinto-me como os clássicos, dediquei-me muito para lê-los. Meu sentimento é parecido com o deles. Não por me achar genial. Apenas por tê-los como alicerce da escrita. Filósofos são minha base. Educadores também. Psicólogos, muitos. Jornalistas, aos montes. Blogueiros…

Tudo isso quando percebo que são apoiados no passado imemorial ou registrado, não tendencioso, em busca da plena verdade. Acho que no parque eu estava buscando alguma verdade. Fora, mas sei que na verdade o que eu buscava estava dentro de mim. Então fui correr… Correr e pensar!

Mas precisei ver algo que estava ao meu lado esquerdo. O sol… Ele estava gritando, pedindo para ser fotografado. Mesmo com a vista da Selva de Pedra… Mais um Final de Tarde em minha vida. Todos que me leem sabem o quanto isso é caro para mim. Coloque na parte dedicada a pesquisa de conteúdos antigos dessa página e verá quantas vezes aparece Final da Tarde.

Naquele dia era pra ser assim. E agora que consegui registrar. Quantos foram os dias que você não conseguiu registrar, mas realmente foram de suma importância? Procuro registrar todos. Isso é mais importante que qualquer quantia financeira. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:123456»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.