Browsing articles tagged with "Arquivo de África - Página 2 de 5 - Jean Mello"

“Fim de Tarde” apresenta crônicas do autor Jean Mello

Out 13, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Entrevistas, Podcast, Publicações  //  No Comments

kazua-texto-jean-mello-624x229

 

 

 

 

 

 

“Retratos de acontecimentos inesquecíveis… Sonhos comuns e incomuns de um personagem qualquer que vê a realidade de modo único. Pelo significado, subjetivo, que pode se dar às questões – atuais e antigas – que permeiam o pensamento e fazem com que tudo seja repleto de senso crítico, sem perder a veia poética e, muitas vezes, até o romantismo, que nem sempre é carregado de ingenuidade.” (Fragmento de Fim de Tarde coletânea de crônicas de Jean Mello)

“Jean Mello é educador social, cronista, músico, comunicador, poeta. Alicerça a sua obra no chão da vida. Romântico, mas nada ingênuo, procura explicar a realidade a partir do que vive, com profundo respeito à riqueza que a prática de seu cotidiano lhe confere. Suas crônicas, críticas e poéticas, são marcas de sua passagem pelo mundo. Jovem de largo horizonte, nos revela seu olhar e nos desvela um mundo de ilusões onde o consumo, a alienação e a injustiça social se desmancham sob a simplicidade de seu humor e de sua inquietude. Fim de Tarde é um livro simples. E especial. Porque é sensível e porque carrega consigo a esperança de um mundo melhor.”  (Marília de Santis é educadora e organizadora do livro Memórias de Heliópolis)

Lançamento previsto para primeira quinzena de novembro, exatamente nos dias 13 e 14 na FLINKSAMPA – Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, no Memorial da América Latina.

Fonte: Kazuá

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Jean Mello: “Meu combustível é a utopia”

Jul 28, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Poesias, Projetos  //  No Comments

 

kazua-apresenta-jean-mello-624x229

Jean Mello se define escritor-músico e ressalta que estas duas expressões criativas são indissociáveis em sua vida, embora entenda que ser músico “transcende tudo”. Ele também é educador e esta realidade o transformou em um pensador que encontra combustível na utopia para propor alternativas para repensar a formação dos indivíduos.

Começou a tocar violão aos doze anos de idade, irritando os demais habitantes da casa ao treinar depois da aula: “Aprendi ouvindo muito as músicas que gostava e comprando as revistas nas bancas de jornal. Treinava sempre após voltar da escola, esquecendo até das atividades educativas formais”, conta.

Sua trajetória com a música o fez descobrir que gostava de compor suas “próprias mensagens”, diz, e completa o raciocínio descrevendo a composição musical como “poesia que nasceu antes mesmo de ser colocada no papel”.

O autor começou a divulgar seus escritos com a criação de um site, em meados de 2008 e foi a reação do público que o incentivou a organizar seu primeiro livro, publicado em 2013. Constatação semelhante se deu em relação à gravação de seu primeiro disco, Olhos Abertos, do qual resolveu dar a conhecer algumas músicas mesmo antes da concepção final do trabalho.

Nascido na Zona Sul de São Paulo passou a infância entre a Vila Santa Catarina – uma travessa da tão conhecida Rua Alba, espaço de Literatura Marginal, rap e das pessoas vidradas nos jornais sensacionalistas –, a Vila Mascote e a Vila Campestre. E diz que foi mais feliz nesta última: “Uma rua de paralelepípedo em que, junto com meu irmão mais novo e uma galera de lugares que eu nem sabia ao certo, jogávamos horas de futebol e brincávamos de esconde-esconde, pega-pega, polícia e ladrão e, apenas quando duas vizinhas chamavam, Cíntia e Sara, pulávamos corda. Eu, meu irmão e a rua toda, pagávamos um pau para elas. O ruim é que elas nunca deram bola, gostavam apenas de brincar mesmo…”. Atualmente mora na Vila Joaniza e diz com orgulho “Amo minha quebrada”.

Reconhece no esforço da mãe a possibilidade de estudar em escolas particulares durante quase toda sua vida, “minha mãe fazia questão”. Era segundo suas palavras: pioneira, inovadora, guerreira, empreendedora, eloquente. É do pai que vem a inspiração para a música. Entre suas inúmeras atividades das quais se ocupava para pagar as contas, ele encontrava tempo para tocar em uma banda de músicos virtuosos da Canção Nova, Igreja Católica Carismática. “Toda música boa que escutei veio por intermédio dos meus pais. MPB, principalmente”, enfatiza, e sobre o pai relata “toca violão como ninguém e só escuta som de primeira. Som de negrão…”.

Sobre sua inspiração diz que aprende em diversas fontes formais como Filosofia, Educação e Psicologia, mas não acredita na que é ensinada nos bancos universitários, “minha maior escola foi a rua”. Suas referências que também vem de “Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão”.

Fonte: Editora Kazuá

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Resenha do livro de autoria de Jean Mello, Crônicas Perdidas

Abr 16, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

PERDIDAS, PORÉM ACHÁVEL.
Por: Germano Gonçalves.

Capa

Conheço Jean Mello e sua obra, procurarei aqui não falar do amigo que é, e toda minha consideração a sua pessoa…

Vou aqui apresentar os fundamentos de sua obra e toda sua maneira de entender ou interpretar as coisas, com integridade. Serei breve como manda uma boa resenha.

As coisas devem ser encontradas e, entre pessoas ou coisas, no meio em que vivemos é preciso recriar o mundo. Em “Crônicas Perdidas”, Mello quer nos direcionar, ou melhor, nos atentar a ver e examinar cuidadosamente as coisas do mundo, os afetos das pessoas, o grau de formalidade ou de intimidade entre os transeuntes de uma cidade, uma vez que o autor nos revela a sua capacidade de notar um vazio nas pessoas  ̶ o desinteresse por uma cultura digna; as pessoas se mostrando apressadas; o orgulho de quem anda de carrão e passa do nada para o nada, como o autor menciona em sua primeira crônica “O pouco que vejo em minha cidade…” (p.15), de onde extraio essa parte do texto: “Foi angustiante ver os carros passando, no trânsito da vida, com pressa, ou nem tanto assim, em direção ao nada que os esperam”. Podemos notar que a humanidade está cada vez mais em um pensamento próprio, diria egoísta, pensando em seu próprio umbigo, porém, vale lembrar, nas palavras do autor, que todos nós vamos para o mesmo lugar, e que desta vida nada se leva.

Esta obra muito espetacular, tanto na qualidade como no conteúdo onde Mello nos relata fatos sociais com firmeza e coerência de atitudes, e com um grande domínio de si mesmo, podemos perceber, caro leitor, a grandeza e a qualidade ou estado de proeminência que as palavras ali escritas junto com os relatos reais do dia-a-dia, vão te impressionar e fazer com que se tenha outra visão de mundo, apresentada pelo autor.

Ele nos mostra, em seus relatos, um processo ligado essencialmente à ação, à consciência e à situação dos homens, pelo qual se oculta ou se falsifica essa ligação de modo que apareça o processo (e seus produtos) como indiferente, independente ou superior aos homens, seus criadores. É no decorrer das descrições que podemos notar um estado de espírito, em que encontramos um Marx (ver marxismo), nas situações resultantes dos fatores materiais dominantes da sociedade, sobretudo no sistema capitalista, em que o trabalho do homem se processa de modo que produza coisas que imediatamente são separadas dos interesses e do alcance de quem as produziu, para se transformarem, indistintamente, em mercadorias. Ou até mesmo um Hegel (ver hegelianismo), no processo essencial à consciência, em que para o observador ingênuo o mundo parece constituído de coisas independentes umas das outras, e indiferentes à consciência. Ao valorizar essas teorias, posso afirmar que tudo isso foi pensado por Mello, o que nos remete a rever educadores, que fazem a diferença em um ensino mais qualificado para o lado social, sem repressão e com mais humanidade, dando toda importância para a escola, um lugar que o autor destaca no capítulo: “A importância da comunidade escolar…” (p.24), colocando os professores como verdadeiros heróis e aborda o papel das instituições não governamentais, os terceiros setores, mas não se esquece da criança que vai para a escola por causa da merenda…

Esse escritor está me saindo um belo educador, e é só você, leitor, que ao ler essa obra vai concordar comigo. Leva-nos a retomar a escola de gaiola, muito comentada pelos professores do ensino universitário, em referência ao grande Rubem Alves! E Mello nos torna grandes também porque é entendedor de uma educação mais humanitária, com a participação da família, escola, estado todos em comum acordo para termos um ensino de qualidade.

As “Crônicas Perdidas”, caro leitor, deixo-as para você ler, e afirmo será de grande importância, não apenas por mencionar Mello como educador, que suas crônicas servem só para professores, mas entendamos que o autor é um ser humano, que sabe muito bem como escritor colocar as dificuldades de uma sociedade e de quem as pertence, pois menciona em seus relatos, a juventude, os problemas sociais, tendências do pensamento, ou modos de pensar em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas. Em se tratando do racismo, encontramos em seu texto: “Racismo ao contrário: pura hipocrisia” (p. 39), o racismo como uma impostura, fingimento, simulação, falsidade e, entre as funções de exprimir a falta de informação sobre determinado fato, a inversão da ordem de valores de uma sociedade. Conseguiremos nos salvar ou estamos mesmo perdidos à nossa própria sorte ou às crônicas da vida real?

Não deixem de ler esta obra, pois não pode ficar no anonimato os ideais deste autor, que nos leva à reflexão da vida, das causas sociais, que afligem com a afetação duma virtude, dum sentimento louvável que não se tem, e que para tanto como ele afirma em: “Continue a escrever o livro da vida” (p. 50), para que não vivamos à deriva. Nesse texto, vamos dizer assim, ele traz menções bíblicas, para nos alertar perante a qualidade do que é vão, ilusório, instável ou pouco duradouro: viver todos os dias como o último e, ao mesmo tempo, o primeiro, porque a vida é só uma, não se tem segunda chance, então, façamos o melhor (p.51).

Diferente de muitos jovens, pois o autor é jovem, mas possui a consciência de que o tempo passa, e esse atributo não é só para com ele, pois quer chegar à velhice e poder dizer, o racismo acabou, não existe mais injustiças, mas que fique bem claro em forma de reflexão, como ele mesmo afirma: “Estou propondo, aqui, apenas uma reflexão, uma junção de realidade… para diminuir as discrepâncias” (p. 64), e ele se preocupa também com o que irá dizer aos seus filhos!

Chegando ao fim dessas maravilhosas páginas, tenho que mencionar: “Feliz dia das Mães” (p.68), em que o autor agradece por ainda poder dar feliz dia das mães e nos atenta para que todos tentem compreender a situação das crianças que são abandonadas, e respeitem todas as mães, independente das situações familiares em que se encontram. Eu gostei muito deste texto, Mello está de parabéns!

E por falar em terminar esses relatos, no começo disse que não iria falar do amigo escritor, e não vou falar. Não que não mereça, pois teria que lhe direcionar uma biografia, para falar desse grande ser humano, que diz não ao sistema, e quer estar fora dele, e não quer contribuir para construir um… Pois bem, só quero caro leitor, dizer que este autor, que eu digo não querer falar dele… Ele falou de minha pessoa, me fez uma homenagem nessa obra, com um conto que escrevi “O homem que queria todas as coisas” (p. 80). Aqui, quero agradecer por mencionar em sua obra minhas palavras!

E assim termino esse relato, mas não sem antes dizer que Mello também é um escritor periférico, gente da gente, sente em seu coração que tem por obrigação fazer algo pelo social e, como se pode notar aqui nesses escritos, mais ainda pela educação, que ele tanto clama por justiça, as “Crônicas Perdidas”. Mas que fique a dica, tudo pode se encontrar como diz um provérbio português: “Até as pedras se encontram”. Estaremos perdidos entre as crônicas de Mello, mas porém acháveis.

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Para não dizer que eu não falei das flores!

Fev 7, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

protesto7

Sem paz não existe humanidade. Sou demasiadamente humano e não curto guerras. Ao mesmo tempo, nessa crônica poética afirmo o quanto, para além das coisas drásticas vistas nesse mundo, temos também de olhar para o lado bom que nos sobrou. Topa vir junto nessa empreitada?

Lógico, caminho em paz. Sem isso nem faria sentido propor poesias romanceadas com requintes de vida. Nem tudo está perdido em machucados corações.

Acredito em causas para promoção de um mundo melhor. Ainda que pareça ridículo. Vejo tanta gente que dá gosto se inspirar. Tanto amor para doar. Eu mesmo imprimo o que sou no papel pela graça e de graça.

Graciosidade para compartilhar contigo tudo que acho belo. Não se trata em ver o mundo de modo colorido. Sei como sou e o quão pessimista fui em contextos que dava para ver as mesmas situações com outros enfoques.

Nesse mundo as crianças morrem em bombardeios incessantes; guerras civis e injustiças sociais levam embora pessoas de distintas idades, principalmente as mais jovens; em qualquer polo do mundo as culturas são fundamentalistas, nesse sentido é que a religião pode ser a porta aberta para dor ou um mecanismo violento de alienação, entorpecimento. Prefiro a leveza da espiritualidade.

Dinheiro, ou valores atrelados ao poder, predominando entre as nações. Manipulação midiática, escondendo os desígnios reais daquilo que acontece em qualquer parte de nosso planeta.

Não consigo fechar meus olhos para isso. Só não tenho destreza para anular as coisas boas. Não perdi a alma e a sensibilidade em qualquer esquina existencial.

Gaiolas

Iniciativas globais para redução da pobreza; jovens utópicos, em todo mundo, que trabalham em projetos sociais; educadores e ativistas culturais que enxergam a educação como ferramenta de transformação de mentalidades, descolonização mental; organizações sociais remando contra maré e bancando ações culturais de qualidade, diminuindo a adesão de jovens ao mundo da criminalidade.

Não é uma falsa esperança, nem a chatice de uma coluna cronista poética. Sou alguém que, junto com uma infinidade de pessoas, consegue ver “que até no lixão nasce flor”, como nos alerta Mano Brown.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Especial Jean Mello TV CINEC – Programa Balanço Zona Sul

Fev 1, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Entrevistas, Músicas, Podcast, Vídeos  //  No Comments

O originais desse programa você pode acessar na íntegra por aqui.

Mas fui alertado de que está com muitas falhas técnicas irreversíveis. Por esse motivo, resolvi transformar esse material em uma espécie de programa de rádio. Entrevista e música. Confira…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

3,50 é um Roubo. Lobo. 1.500…

Jan 18, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Roubo

Um roubo? Não é um roubo? Somos roubados desde sempre. Brasil, você nasceu assaltado, estuprado, fadado a escravidão eterna. A não ser que reaja. Mas Sampa respirou. Presenciei em 2013, momento em que nasceu o livro que vou tornar público nesse final de ano, mas pude ver também agora – começo de 2015 – com meus lindos olhos castanhos. Tá, nem sou eu que falo que meu olhos são lindos. São minas que sempre achei belas – aquelas do movimento. Nunca pensei.

Somos roubados em hospitais públicos, em que corredores de pessoas que passaram por cirurgias graves, se submetem não para cura, mas ao maior açougue humano que presenciei na vida.

Olhe as escolas – principalmente as estaduais – jogadas. Elas são semelhantes às cadeias. Igual. A molecada, na verdade, sabe. Mas a política é tão pesada que eles respondem pixando e quebrando.

Cores e Valores é o melhor disco do Rap que ouvi na vida. Eu que ouvi Sobrevivendo no Inferno pirata. Os caras são ligeiros. Mais que uma pausa. Em Sampa o barato tá louco. Aqui é Literatura Marginal. Não sou ladrão e nunca fui. Nem dou apoio. Meu apoio é pra poesia.

As propagandas televisivas sempre precisaram apenas de trinta segundos para te forçar a consumir. Agora, Cores e Valores, vem detonando na mesma fita. Mensagens diretas, rápidas.

Existe pós-doutorado em Rap? Se não existe esse título, acabei de descobrir que os Racionais são os pós-doutores no estilo, sem contar outras paradas!

A comparação não é simplista. Conheço intelectuais de peso que pegam aquilo que é complexo e simplificam na linguagem. Ciência! As pessoas – até leigas – entendem a complexidade que os eruditos tornam ainda mais dificultosas, geralmente por insegurança ou não dominarem de fato.

Alguém sabe o que significa Zeitgeist (clima intelectual, social e cultural de uma época, mais conhecido como sinal dos tempos)? Poucos captam o significado real disso. Filósofos. Alguns compositores e artistas. Algumas pessoas inseridas na multidão. Mesmo assim são poucas pessoas. Os caras entenderam.

Os Racionais fizeram o que citei de bom: pegaram complexidades sociais não entendidas por muitos e explicaram com uma didática invejável. Sonho de qualquer compositor.

Novo disco, pancada no inconsciente. Literalmente: “entrei pelo seu rádio, tomei cê nem viu”.

Só batida louca e palavras aparentemente jogadas de modo aleatório. Todas conectadas. Força! Tupac.

Gosto de acompanhar a evolução de artistas. Em alguns casos vale a máxima de dizer as mesmas coisas, mas com palavras e formas diversas. Inteligência! Conexão de habilidades e conhecimentos.

Não é na Vila Madalena que tá a riqueza cultural de Sampa. Olha que eu trampei lá. Paguei um pau. Mas Foi em São Matheus, quase no extremo Leste, que estava a Consciência Humana.

Deixe-me voltar para manifestação do começo de 2015. Foi louco. O batalhão estava com medo, os manifestantes não. Juntos definimos o trajeto no “cartão postal de Sampa”, Paulista, travessa com a Consolação. Assembleia – a última vez que presenciei algo tão democrático foi na Pontifícia Universidade Católica/SP. Deixa no gelo, estou a pampa. Sampa respira, em todos extremos. Isso me deixa mais que feliz.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Ao som de Tupac Shakur finalizo 2014!

Dez 24, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Podcast, Poesias, Vídeos  //  No Comments

Tupac

Quem diria que meu ano terminaria ao som de Tupac Shakur. Aqui, correndo para o abraço!

Quem me viu no começo de 2014…  Nem na melhor das hipóteses apostaria que o final seria assim…  Não apenas o final, mas o desenvolvimento de tudo.

Esse foi o ano que lancei um CD completo, Olhos Abertos.

Milhares de downloads e algumas cópias físicas rolando por aí. Para quem faz um trabalho independente mesclando música, espiritualidade e poesia, está de bom tamanho. De quebra, um clipe. Uma parceria oferecida pela Eureca Vídeo!

Foi o ano que compartilhei as histórias das minhas composições. Uma por uma, das músicas presentes no disco.

Ano em que publiquei muitos textos simples, versões originais de minhas músicas, todas em vídeos caseiros ou Podcasts.

Metáforas dos meus dias, crônicas poéticas sobre Sampa, novas tecnologias e liquidez nas relações. Claro que ultrapassa, porém foram minhas primeiras motivações. Algo bacana nessa série de textos é que, além dos conteúdos escritos, têm imagens que tirei de meu celular mesmo, olhar pessoal da realidade que me cerca.

Isso o que destaquei… Mas se navegar por esse site verá uma infinidade de outras coisas.

Que venha 2015! Novos desafios…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:«12345»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.