Browsing articles in "Vídeos"

O acender das velas

Abr 4, 2016   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Vídeos  //  No Comments

Intouchables (Intocáveis),  filme francês. Um dos mais sensíveis que já assisti. Não tenho palavras para descrever. Compartilho o release oficial.

Considerado um fenômeno mundial, ´Intocáveis´ traz a história de um aristocrata que contrata um jovem para ser o seu cuidador após um acidente de parapente, o que o deixou tetraplégico. O que era para ser um período experimental, acaba virando uma grande aventura. Amizade, companheirismo e confiança são os elementos que transformam esse filme tocante e inesquecível.

Parte da trilha sonora é composta por músicas de Ludovico Einaudi, brilhante músico italiano, que mistura música clássica com elementos de cultura africana, folk e rock.

Assim como a música dele, ricos são os recursos audiovisuais. Nunca havia experimentado essa sensação de conexão com questões ainda mais elevadas. Instrumental preciso, fala muito mais que as palavras cotidianas ouvidas no calor das emoções. Leia mais >>

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Pra lembrar do amor – Single

Jun 12, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  No Comments

arvore-amor

Gravação tranquila. Não tensa apesar do processo denso.

Uma música apenas. Depois disso, duas versões. Uma intimista, acústica. Outra com as guitarras e batera. Meu novo single está completamente pronto. Pra lembrar do amor…

O material sintetiza nova fase de minha vida. Lógico que é mais poética que antes.

Você pode dar play e baixar de graça… Fique ligado! Esse ano vou apresentar muitas novidades.

;

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Pra lembrar do amor…

Jun 9, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Entrevistas, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Em primeira mão. Cantei na casa de meu Pai um trecho de minha nova música. Pra lembrar do amor…

Estou em fase de gravação desse som. Mas, em família, resolvi tocar.

Sábado que passou encontrei meu Pai, que tanto amo.

Foi da hora, ele me deu um violão de presente. E eu que achava que tinha um violão do meu gosto, doze cordas. Ele me vem com um que comporta cordas de nylon, Eagle – quem conhece meu disco Olhos Abertos sabe que é o instrumento da bolacha, para alguns, rótulo, do CD.

PS – Pai terreno, com letra Grande, é minha forma de demonstrar um pouco da expressão de Deus na Terra.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Ao som de Milton Nascimento curto minha ‘vibe’!

Abr 9, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Músicas, Vídeos  //  No Comments

Ao som de Milton Nascimento curto minha ‘vibe’. Nada, um acúmulo que, como uma cachoeira lendária, dessas que vemos em algum canal televisivo ou em uma dessas ‘andarilhagens’ pelos lugares propagados no marketing turístico, desencadeou no mestre. Fique em paz… Explico essa análise rasa e confusa. A cachoeira lendária é o Milton, ícone da música brasileira. A trilha para chegar na cachoeira com aquela cascata de arrasar foram todos os sons que até agora ouvi antes dele. Agora tenho que, por ser prolixo, divulgar essa entrevista em meu simples texto. Criolo foi acusado do mesmo mal que eu. Às vezes sou lembrado. “Fale fácil Jean, nem todo mundo é filósofo”.

Espere, hoje o que mais quero é escrever. Um texto chapado e postar em minha página. Deixo claro… Me utilizo de métodos acadêmicos, como pesquisa densas e empíricas. Mas escrevo para leigos.

A prova de que é para leigos? Final da Tarde! Dessa vez eu estava em um parque da sul de Sampa. Para ser mais preciso, próximo ao metrô Conceição. Risada. Escada que dava em paisagens que ninguém poderia narrar com sabedoria humana, tampouco a de Salomão. Árvores. Pessoas. E eu, abraçado, colado, com meus sonhos.

Era um dia de semana, eu de folga do trampo. Não esperava. Quando olhei para o horizonte, aquele que sigo com unhas e dentes, contemplei o sol em minha direção. Focado em meus olhos. Meu foco? Novamente fui tomado pelo amor no final de tarde e um começo de noite.

sol claro]

Olhei nos olhos de tudo em que não dura apenas uma vida. Tipo as 13 vidas de um gato. Em todas elas eu viveria o mesmo momento do parque, pura escolha. E se eu tivesse um gato – animal doméstico mesmo – colocaria o nome de Tininho.

Tenho essa impressão de sonhar em ter um quintal grande, uns filhos, animais, jardim, livros, filmes, sabedoria, uns pedaços do Velho Testamento, o Novo Evangelho de Cristo Jesus, um bom vinho. Escrever e cantar, sorrir e, ao fundo, uma luz azul clara, bem clarinha, apenas como símbolo, da mesma forma que a Mezuzá e a Estrela de Davi. Talvez algum outro ícone africano ou japonês.

Pés descalços, simplicidade ou riqueza. Um Rap ou uma MPB. Pode ser música instrumental também. Eu, vivendo os sonhos das vidas, utopia. Gravando e compondo, ainda acusado de egoísmos. Quero, apenas isso desejo, deixar marcas boas nesse mundo tão desacreditado. Não sozinho.

Meus textos, livres. Fique calmo ou calma. Ainda não me esqueci da origem desse escrito, Milton Nascimento.

Em breve divulgarei nova parte da nova série de meu site – fui tomado pelo amor no final da tarde. Hoje ao som de Milton. Amanhã, quem sabe?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Tempo em que ainda dá tempo de mudar

Fev 23, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Imagens, Vídeos  //  No Comments

Miragem Criador

Acredito, as pessoas não são más, estão perdidas. Também não posso negar, perdição gerando maldade. Relativizar não é o caminho. Simples, imaginamos mesmo, disso tenho certeza, não quero te ver triste assim não. Muitas devem ser as músicas para te trazer amor.

Penso, como compositor, que quando uma criação dessa vem à tona, estava no interior faz tempo, na alma. Não no porão da Psiquê (personificação da alma). Tá, algo citado nesse parágrafo já foi representado faz tempo, Metamorfose Ambulante.

Não tenho direito de fugir do foco. Ainda dá tempo de percebermos que muito precisamos fazer, nos falta pouco tempo para recuperarmos o lado belo de ser humano.

Esse Rap é Humanista. Compare as letras com algumas afirmações de Carl Rogers e verá. Recomendo um dos mais conhecidos, Tornar-se Pessoa.

Pode estender sua busca – também – ao existencialismo de Jean Paul Sartre. Sem medo de errar, a riqueza do conteúdo faz interlocução com alguns livros que li.

Mas aqui não escrevo para disparar uma metralhadora de citações. Apenas ouça a mensagem, compare com a realidade que está diante de seus olhos, mas não se esqueça de fazer ligação com outras linguagens de conhecimentos, profundo.

Ainda dá tempo. Tempo em que ainda temos de tempo de transformações internas e, por consequência, coletivas.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Especial Jean Mello TV CINEC – Programa Balanço Zona Sul

Fev 1, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Dicas de Livros, Entrevistas, Músicas, Podcast, Vídeos  //  No Comments

O originais desse programa você pode acessar na íntegra por aqui.

Mas fui alertado de que está com muitas falhas técnicas irreversíveis. Por esse motivo, resolvi transformar esse material em uma espécie de programa de rádio. Entrevista e música. Confira…

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Concurso Jean Mello

Jan 20, 2015   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Imagens, Músicas, Poesias, Vídeos  //  No Comments

Jean - Violão

Estou participando de um concurso para ganhar um especial Violão e Voz. Audiovisual. A pessoa mais votada ganha. É simples. Só clicar no link e votar Jean Mello. Vai lá e contribua para que eu alcance essa grande conquista! https://pt.surveymonkey.com/s/NWMRY5G

Valeu!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
Páginas:1234567...14»

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.