Sarau Virtual… [entrevista com André Luiz dos Santos e Angélica Rente]

Ago 29, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Entrevistas  //  7 Comments

Angélica Rente e André Luiz dos Santos são meus amigos de faculdade, de quando estudava na Universidade São Marcos. É até irônico chamar um professor de amigo, o tradicionalismo acadêmico não permite tamanha “heresia”. Só não deixo passar que estou falando de alguém com uma bagagem técnica, prática e teórica, que inspirou e inspira muita gente na universidade e fora dela. Essas são palavras minhas e não dele. André Luiz dos Santos

Ao mesmo tempo, nem sei o que perguntar, para uma das pessoas que me deu um empurrão, mesmo sem perceber, para que meus olhos se abrissem para a sinergia entre a arte e a educação, por exemplo. Sim, nem sei se ela sabe, mas, Angélica Rente contribuiu para isso…

Sem contar que é bem difícil encontrar algo em que a arte não permeie e que não imprima sua marca. Deixe-me explicar: fotografia, quadros pintados com genialidade, livros em que os escritores se debruçam para com eles deixar alguma marca no mundo, música, etc., têm uma relação muito próxima entre elas, uma vai completando a outra. Depende mesmo do artista e de quem está aberto para se deixar levar pelos desígnios criadores. Por qual motivo estou entrevistando os dois além dos que já citei por aqui? Eles criaram um projeto – que é uma importante mobilização na Internet – que já está em sua segunda edição, partindo para a terceira, chamado Sarau Virtual. Após a segunda edição do Sarau nasceu o Grêmio Fala-Ação. Mas, eu mesmo não vou falar sobre isso, os dois podem falar melhor que eu.

Angélica Rente

Jean Mello: Como nasceu a ideia de criar o Sarau Virtual? Aqui podem falar até mesmo o que esperam, considerando que nas duas edições encontramos interações de muita qualidade.

Angélica Rente: O Sarau Virtual começou de maneira completamente informal. Após um dia especialmente inspirado, no qual postei no meu mural no Facebook vários poemas que me encantam e emocionam, o André, numa brincadeira (mas é nas brincadeiras que falamos as grandes verdades), disse que aquilo estava virando um sarau. Então pensei: porque não termos um espaço onde pudéssemos trocar poesias, textos e músicas de que gostamos, e que são importantes para nós? Tive a idéia de um sarau virtual, do qual pessoas de todo o mundo pudessem participar. Criei a página do evento logo em seguida, e convidei o André para moderá-la comigo. A escolha não poderia ter sido mais acertada, pois ele comprou a ideia imediatamente, e passou a divulgá-la, trazendo contribuições excelentes. A primeira edição do Sarau Virtual ocorreu no final de semana seguinte, e a adesão e a qualidade das colaborações nos surpreenderam de forma muito agradável. Confesso que não tinha muitas expectativas, e que não me preocupei em propor um tema ou um caminho para nortear as postagens, o que fez do acontecido algo ainda mais emocionante. Sem nenhum tipo de condução, o Sarau tornou-se uma atividade colaborativa, na qual todos procuraram contribuir de forma a melhorar a participação do outro, na forma de comentários e incentivo. Acredito que, por esse motivo, muitas pessoas se sentiram encorajadas a divulgar escritos próprios, eu inclusive. Foi muito difícil deixar a página e ir dormir naquela noite, a cada postagem algo mais bonito surgia. A segunda edição aconteceu por sugestão do Jean Mello, que passou a fazer parte do grupo de anfitriões.

André Luiz dos Santos: Poderia dizer que o Sarau começou em uma postagem informal minha no Facebook, mais precisamente no mural da Dagmar Babo (ou será da própria Angélica?) depois de ter visto diversas postagens delas de Clarice Lispector, Fernando Pessoa, etc… Como eram todas ao mesmo momento, parecia algo como um desafio para ver quem postava mais poesias.. Postei algo do tipo: “Nossa, que legal! Um sarau no facebook! Gostei disso!”… Era porque ficava nítido que a cada postagem da Angélica, a Dagmar postava outra poesia, e assim consecutivamente… Quando fiz essa observação, quase automaticamente, a Angélica postou: “Que boa idéia, André! Vou providenciar isso já!”, e logo recebi um convite para o I Sarau Virtual, e o convite me incluía como moderador! Automaticamente, enviei o convite para todos os meus contatos, e fiquei surpreso com a quantidade de confirmações (algo em torno de 60). Confesso que não tinha a mínima ideia de como seria a forma que realizaríamos isso, ou que corpo que esse evento virtual tomaria… O primeiro (que só foi primeiro porque veio o segundo) inaugurou uma forma muito inovadora e diferente para um intercâmbio de afetos, sentimentos, percepções… Já no início postei uma parte de Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto, e um vídeo da minissérie exibida pela Globo, com a cena de Tânia Alves cantando “Funeral de um Lavrador”. Minha motivação inicial foi tocar no tema “morte” e “vida”, sendo que usualmente a morte está sempre associada a um FIM. Mas o fim nos mostra que houve um começo e meio e possibilita que se atribua um sentido para toda uma história. Começar o evento pelo fim, seria fazer deste FIM um novo começo.. E que começo! Começaram a aparecer postagens de pessoas que eu jamais imaginava, pessoas se expressando com as poesias, as frases, vídeos de músicas que mais gostam, que mais lhes afetam ou que mais lhe perturbam… E o muito legal de tudo isso é que não havia ali qualquer avaliação ou crivo de “qualidade”, ou melhor, partimos do pressuposto que ali tudo era de qualidade, porque era da qualidade de cada um… Uma frase simples, uma poesia da autoria do próprio que postou, ou a frase de um pensador conhecido, o que fosse resultado de uma expressão subjetiva ali entrava… Nos momentos em que moderei as postagens, não tive que excluir nenhuma (isso só aconteceria se aparecesse algo fora do propósito do evento, algum spam, ou comentários ofensivos, etc…). Essa moderação é algo necessário, considerando que podemos esperar qualquer situação ou circunstância… Em um evento presencial não somos surpreendidos? Por que não em um evento virtual? Mas não tivemos nenhum problema e ficamos surpreendidos e emocionados com tantas postagens lindas… Tivemos postagens internacionais, de pessoas do Equador e Espanha. Chorei várias vezes com diversas postagens… Não conseguia desligar o computador na madrugada, sempre apreciando as palavras que ali apareciam… E o II Sarau Virtual foi marcado por uma cara nova… Surgiu a partir da inciativa do Jean Mello (conhece?… rs…), mas ainda fui moderador, junto com ele e a Angélica… Ainda que tivesse o mesmo formato do primeiro, apresentou-se com uma cara própria, surgiram pessoas novas, novas postagens… Muitas postagens faziam menção à feminilidade, que se apresenta como um enigma e aparece em diversas manifestações artísticas, seja na pintura, na escultura, na foto, na música… Foi muito legal!!

Jean: Tem algum acontecimento que chamou atenção de vocês em uma das edições do Sarau e que queiram compartilhar com os leitores?

Angélica: O que mais me chamou a atenção foi mesmo a qualidade das participações, além da aceitação e da adesão imediata de grande parte das pessoas convidadas. Tivemos contribuições de pessoas de vários países, e o sarau acabou ficando poliglota, com postagens em espanhol e inglês, além do português. Outro fato interessante foi a descoberta de gostos em comum, o que acabou propiciando o surgimento de várias amizades virtuais baseadas em afinidades.

André: Muitos acontecimentos!! Se fosse narrá-los aqui, passaríamos horas comentando… Mas me chamou a atenção a divulgação do evento no mural das pessoas enquanto ele acontecia… No primeiro, um de meus contatos não sabia o que era realmente isso, estava meio receoso pensando que era mais uma dessas brincadeiras virtuais que aparecem no Facebook como convite (Dia do Fim do Mundo, etc), mas decidiu participar… Horas depois tinha uma publicação no mural dele chamando os amigos dele para participar, dizendo mil maravilhas do evento… No II Sarau, resolvi postar uma música em homenagem a uma amiga do Chile, a Tatiana Menares Quezada… Ela infelizmente perdeu o seu netinho de 02 anos e estava sofrendo muito (e sofre até hoje com essa fatalidade) pois era uma perda recente. Postei para ela um vídeo com imagens e a música “Fico Assim sem Você”, interpretada pela Adriana Calcanhoto… Traduzi toda a letra para o espanhol, e escolhi essa música porque ela transmite o quanto a incompletude pode ter poesia, e a poesia pode confortar o nosso coração e a palavra aliviar a nossa angústia… “A palavra mata a Coisa…”, algo mais ou menos assim… A Tatiana ficou emocionadíssima com essa homenagem, não entendia o que estava acontecendo… Ela foi convidada para o Sarau porque faz parte dos meus contatos, eu expliquei pra ela pelo chat o que era o Sarau e como funcionava, e em uma hora depois tinha uma poesia da autoria dela para o netinho, expressando toda a sua dor pela perda… Isso me emocionou muito, e senti que esse evento foi interventivo pra ela… E acredito que foi interventivo para muita gente, sobretudo porque ali tinham expressões de todos os afetos possíveis, e afetos que tinham a ver com cada um que postou… Mas a postagem da Tatiana não dá pra esquecer…

Jean: Apesar de ser uma iniciativa ainda “embrionária”, gostaria que falassem do Grêmio Fala-Ação. Em que momento nasceu a ideia, em que consiste o Grêmio.

Angélica: Na segunda edição do Sarau Virtual, o André sugeriu que nós convidássemos dois dos participantes mais ativos para serem os anfitriões da edição seguinte. A Gabriela Servilla e o Rodrigo Bueno foram unanimemente escolhidos e convocados publicamente, e aceitaram o “convite” prontamente. A idéia do Grêmio foi quase que uma conseqüência natural do entusiasmo deles pela entrada no grupo de anfitriões, e da nossa alegria por compartilharmos esse espaço tão importante para nós. Entendo o Grêmio Fala-Ação como uma possibilidade de mantermos a energia dos saraus circulando.

André: No final do II Sarau Virtual, sugeri à Angélica Rente que pudéssemos “passar a faixa” para outros organizadores… Isso traz um sentido ritualístico, como algo que deve permanecer sempre… Percebemos que algumas pessoas se destacavam nas postagens e nos comentários, e eu indiquei uma pessoa e a Angélica indicou outra… E não fizemos um convite, senão uma convocação!! Anunciamos os nomes publicamente, ao som de “Anunciação” do Alceu Valença, a minha última postagem no II Sarau Virtual… Os anunciados foram Gabriela Servilla e Rodrigo Bueno, que aceitaram a “faixa” com muita emoção… A emoção foi tão grande que ali mesmo começaram a surgir idéias para dar maior consistência ao evento, e criar um espaço virtual em que pudéssemos compartilhar poesias, contos, textos, indicações culturais, etc… Não ficou muito claro o que seria… Um Grêmio traz o sentido do Laço Social, a Fala traz a consolidação desse laço e a Ação traz o movimento, a atividade, o ATO. Me agradou muito a idéia de não ter uma forma, porque essa forma vai se construindo a partir de nossa relação com essa proposta… Hoje a atividade está parada, mas tudo tem o seu tempo (aqui falamos de um outro tempo, não o cronológico…). O momento da vida de cada um, os compromissos, e mesmo os desejos estão voltados para diversos caminhos, e o Grêmio Fala-Ação está no caminho de nossos desejos…

André Luiz dos Santos

Jean: Terceira edição do Sarau. Algumas pessoas que participaram das edições anteriores me perguntam quando será a próxima. Será que além dessa terceira edição, já esperada, tem possibilidade de pensarmos em algo presencial?

Angélica: Essa é uma responsabilidade dos novos anfitriões, Gabriela e Rodrigo. Na minha opinião, o ideal seria se conseguíssemos manter uma periodicidade, no mínimo, bimestral. O sarau presencial já foi pensado, acredito que seria interessante que ele fosse uma das primeiras ações do Grêmio. Mas acho importante salientar que ele seria outra coisa, completamente diversa dos Saraus Virtuais, já que estes nos dão a oportunidade de nos aproximarmos das pessoas que estão fisicamente distantes.

André: A III Edição só aguarda a manifestação de Gabriela Servilla e Rodrigo Bueno… Podemos até dar uma questionada pra eles via Facebook, né? O presencial sim, seria um evento lindo… Mas tenho uma questão bastante particular quanto a isso… Um encontro presencial seria um encontro presencial… Podem ser com as pessoas que participam do Sarau Virtual, mas acredito que daríamos outra forma para esse outro evento… É algo que deve surgir do desejo de cada um, e da nossa iniciativa…Lamentavelmente as redes sociais virtuais acabam “aprisionando” muita gente, e desse aprisionar (que é um fenômeno interessante, cuja nomeação aqui é minha porque é a palavra que mais vejo que se aproxima dele) vemos muitas pessoas se expressarem virtualmente de uma maneira que não se expressam numa relação presencial… Claro que isso que estou falando não é uma conclusão de um fenômeno social e psíquico, é baseado numa experiência e vivência subjetiva minha, com os meus contatos… Pode até ser um problema de pesquisa, mas não é disso que estamos falando agora… Já houve casos em que não consegui encontrar pessoas de minhas redes virtuais em um evento presencial proposto por mim… E é um movimento que se repete com vários amigos que se queixam disso também… Um sarau presencial poderia ser algo novo, e surgir de forma espontânea, assim como surgiu o Sarau Virtual, e construir a sua própria forma… O Sarau Virtual poderia ser o propulsor desse surgimento? Claro que poderia, mas não somente ele…

Jean: Muita gente não acredita que exista uma relação tênue entre Psicologia e outras manifestações artísticas, desejam falar alguma coisa sobre isso?

Angélica: Eu posso falar por mim. Como artista plástica, arteterapeuta e graduanda em psicologia, acredito que a ligação entre Psicologia e Arte é bem mais do que tênue. Ambas permitem acessar os registros da mais profunda experiência do humano. A arte exprime aquilo que a Psicologia busca compreender e explicar – aquilo que ocorre no mais profundo de cada um e que nos torna quem somos, seres singulares e irrepetíveis. Para mim elas são parceiras inseparáveis.

André: Que bom que não acreditam… Afinal, isso não é uma questão de crença, né? rs… A Psicologia é um estudo multifacetado da dimensão psíquica humana, e um dos acessos que temos à essa dimensão é pela via da expressão da Linguagem (que eu diria ser fundamental)… Aqui não falo de linguagem como um conceito de algo funcional e orgânico (a fala, por exemplo), senão de toda expressão que transmite alguma coisa ao outro… A arte, no seu conceito filosófico traz diversas discussões e busca de sentido, mas algo podemos afirmar: ela traz a expressão do mundo de alguém, da fantasia de alguém, da visão de existência de alguém… E dessa expressão, podemos fazer qualquer coisa (inclusive não gostar dela, o que já é alguma coisa relacionada ao nosso sentido da vida…)… É justamente isso o que aconteceu nas duas edições do Sarau Virtual… Como psicanalista e psicólogo, não teria como ver isso de outra forma (pelo menos, nesse atual momento que vivo…)…

Jean: Existe algo que não abordei e que queiram discorrer? Esse espaço é mesmo pra isso… Interação que se traduz em liberdade de expressão… Últimas palavras…

Angélica: Só tenho a agradecer a você, ao André, à Gabriela, ao Rodrigo e a todos que participaram das duas edições do Sarau Virtual, seja com postagens, comentários ou mesmo com a simples curiosidade de saber qual era o nosso objetivo. Arte e psicologia só existem na relação, então, nada melhor do que dispor de um espaço que cuide de promovê-la e estimulá-la. Nossos Saraus são literalmente atos poéticos, como os definiu o filósofo francês Gaston Bachelard : criativos e criadores.

André: Gabriela Servilla e Rodrigo Bueno: e o nosso III Sarau Virtual, quando vai ser?… Rs…

Related Post

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Comentários Facebook

7 Comments

Leave a comment

CommentLuv badge


Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.
Email
Print
Read previous post:
E nos últimos tempos o amor de muitos…

Nem dá pra saber o que escrever e o que dizer... Uma coisa que já me vem à mente é...

Close