Lutas infindáveis e perseverança incessante

Mar 24, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas  //  No Comments

Lutas infindáveis e perseverança incessante para alcançar o inimaginável.

Palavras nascendo e morrendo ao vento que sopra. Vem de um lugar que ninguém sabe qual é e, ao mesmo tempo, quase que na mesma proporção, vai para outro lugar que, da mesma forma, ninguém imagina.

É como caminhar em direção ao horizonte, àquele bem distante. Parece que nunca chega, mas quem sabe o que busca nunca desiste de caminhar. Torna-se também como a palavra muito dita em meus escritos, utopia. Sim, ela ainda é como define Eduardo Galeano:

A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.

Sol

Não é apenas o inalcançável, simplesmente pelo motivo de que ninguém pode nos fazer desistir de caminhar. Pode soar como um grito que ecoa e, ao mesmo tempo, ninguém ouve. Mesmo assim pode até ser dito.

As palavras nunca são em vão e elas nunca se perdem. Atitudes também, não resultam no nada. Elas são poderosas para transformar grandes e pequenas realidades, bastam ao menos algumas tentativas, movimentos para gerar outros movimentos, dos mais diversos.

Lamento, por saber que a raridade, a escassez de pessoas que ainda dão asas para as seus sonhos é cada vez mais comum em nossos dias. Mesmo com toda essa corrente contrária, jamais deixo morrer dentro de mim o impossível. Espero que você faça o mesmo.

Related Post

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Comentários Facebook

Leave a comment

CommentLuv badge

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.
Email
Print
Read previous post:
O martírio e a confiança cega

Entre o delírio e a fé. Entre o martírio e a confiança cega. Vejo o mundo regredir e progredir ao...

Close