E nos últimos tempos o amor de muitos…

Ago 10, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Crônicas, Entrevistas, Vídeos  //  4 Comments

Nem dá pra saber o que escrever e o que dizer… Uma coisa que já me vem à mente é que temos uma história muito inconstante e repleta de coisas boas e ruins. Agora, qual é a família que não tem? Como nos ensinou nosso grande amigo e redentor, Jesus Cristo, quem nunca errou que atire a primeira pedra. Aliás, se não fosse o evangelho, puro e simples, o que seria de qualquer um de nós? Pena que são inúmeras as coisas que ofuscam nossa visão acerca da verdade, simplesmente porque quase nada nesse mundo pode se colocar diante Dele; quase todos os olhares são interesseiros; vivemos em um mundo em que a pureza está apenas nas crianças. Mas, mesmo assim, quando elas [as crianças], passam a conviver com os adultos, a única coisa que elas aprendem é como ser impuras. Sim, elas ficam soberbas, amarguradas, manipuladoras, mentirosas, etc., tudo pelo fato de sermos inspiradores de tudo que consiste no não perdão e na falta de amor sem razão. Não sabemos amar! Deve ser por esse motivo que Jesus disse para sermos como as crianças, delas é o Reino dos Céus. Já pensou se fossemos assim? Não conseguimos: política, trabalho, cartão de crédito, interesses, racismo, preconceito, sentimentalismos manipuladores, inconstância atrás de inconstância, verdades absolutas, caindo de engano em engano. Além de tudo isso, ainda, para a tristeza de todos, vemos, enquanto humanos, diversas formas de tirar proveito das situações.

E um salto, para pensar no que é o mais infinito, é facilmente abafado pela podridão das ideias predominantes. Quem é que consegue competir com a programação midiática ou com as propagandas que por aí estão? Como é que a juventude se coloca diante de todas as coisas que ela tem acesso? Simples, olhe ao seu redor e veja o estado das escolas; massificação de diversas músicas que formam a subjetividade de pessoas que apenas ficam reproduzindo o que ouvem; palavras que machucam em templos gigantescos, com milhares de pessoas achando que estão encontrando a salvação, mas que apenas estão sendo enganadas sem perceber; violência gerada pela vulnerabilidade social e que todos fecham os olhos para o que está a volta de todos. O assunto acaba por aqui? Não tenho arrogância em dizer que consigo esgotar qualquer coisa. Visão holística? Estou longe de ter… Em algum lugar este escrito, que não consegue alcançar a totalidade das coisas, vai chegar. Se nada consegue [aqui deixo de fora o Eterno], quem é o ser humano para conseguir? Nossa miserabilidade assusta! Preocupamo-nos com a baixa ou a alta do dólar ou da bolsa de valores, falamos tanto de amor que ficamos inchados de tanto falar e quase nada praticar, escrevemos lindos textos – ainda falamos que animamos a nação – e nem sabemos se nosso semelhante, que está ao nosso lado, está passando algum tipo de necessidade. Quem somos nós? Em que lugar vamos parar? Acho que foi por esse motivo que o apóstolo Paulo disse: miserável homem que sou… Pelo menos ele, sem nenhuma loucura, a não ser a da pregação, foi capaz de assumir sua natureza humana, demasiadamente humana, sem se preocupar com o que os outros iam pensar. Qual é a nossa vasta preocupação? Apenas dar boa impressão aos que estão a nossa volta… Mas, em minha ignorância, em minha percepção de que ainda tenho a eternidade para conhecer, sabendo que de forma alguma ela consiste em utopia, penso que o caminho é realmente estar no caminho e assumir que as coisas são inacabadas. Nós somos inacabados… Agora, já pensou Jesus, naquela passagem em que ele foi levado ao deserto pelo Espírito Santo, para ir de encontro a propostas tentadoras, tivesse aceitado o Reino desse mundo? Acho que a escolha, entre a simplicidade e os abusos de poder, está apenas na origem da nossa cobiça. O que queremos é o que temos. Agora, qual é o preço que temos de pagar?

PS – Depois que vi essa entrevista é que comecei a esboçar essas ideias.

Related Post

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Comentários Facebook

4 Comments

  • A pureza é transformada na solidez, em atitudes do Homem cujo coração está voltado para Deus. Encontramos a pureza nas coisas simples da vida. Grande é o Homem na armadura de uma criança!!! Sem o espírito da simplicidade o Homem se torna um ser incapaz de amar.

  • A pureza está só nas crianças!?
    A pureza é transformada na solidez, em atitudes do Homem cujo coração está voltado para Deus. Encontramos a pureza nas coisas simples da vida. Grande é o Homem na armadura de uma criança!!! Sem o espírito da simplicidade o Homem se torna um ser incapaz de amar.

  • […] E nos últimos tempos o amor de muitos… […]

  • […] = "Leonardo Boff – Sangue Latino";reddit_newwindow="1"; Usei esse vídeo em outro escrito. Não foi suficiente… Preciso postar novamente, apenas por saber que um conteúdo tão […]

Leave a comment

CommentLuv badge

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.
Email
Print
Read previous post:
Eduardo Galeano: Sangue Latino

Uma das entrevistas mais profundas que já vi... Apenas para ilustrar a militância de um pensador que contribui para manter...

Close