Aos diversos cronistas…

Out 10, 2011   //   by Jean Mello   //   Blog, Crônicas, Músicas  //  2 Comments

Um amigo meu, pessoa que me ajudou a enxergar de forma diferente o conteúdo do livro que estou escrevendo, me disse que minhas crônicas mudam de assunto repentinamente e não aprofundo algumas coisas sérias que abordo. Dentre outras contribuições, das quais, todas elas, sem exceção, apreciei com muito carinho, a que mais chamou atenção foi essa que aponta quanto a forma que levanto os aspectos da sociedade que falo em meus escritos.

De modo algum discordei, mas, pensando durante vários dias e pesquisando outras pessoas que também considero cronistas [quem se entrega a esse “ofício” de descrever a realidade de modo mais livre e às vezes até “descompromissado”, através da escrita ou de outros tipos de arte que envolve uma maneira mais poética de se dizer aquilo que se vê, é cronista, essa é minha forma de ver], pessoas pelas quais aprendi a ter muito respeito, cheguei a conclusão de que muitas manifestações artísticas têm seu tema central e depois disso o discorrer em cima do tema ou de vários temas. Sim, eu sei que na origem etimológica e prática as crônicas tinham outro objetivo e sentido. Usando a definição de Konder, uma das que considero que mais faz sentido, a palavra crônica deriva do Latim chronica, que significava, no início da era cristã, o relato de acontecimentos em ordem cronológica (a narração de histórias segundo a ordem em que se sucedem no tempo). Era, portanto, um breve registro de eventos. Com o passar do tempo isso mudou. Mas, mesmo que não tivesse mudado, sem desvalorizar a origem das coisas, que sentido teria algo que não pudéssemos atribuir outros sentidos?

Um artista que não atribui “seu próprio sentido às coisas” não é artista. Naturalmente pode se entregar e entregar aos outros, a quem lhe acessa ou é acessado por sua arte, essa riqueza originada daquilo que vem de dentro, transformando pensamento e sentimento em livro, quadro ou música. Na música brasileira, por exemplo, temos vários cronistas, gente que fala o que vê sem se preocupar com os ditos métodos. Nem falei logo de cara da literatura, porque está mais que explícito que as crônicas, poesias ou romances, são praticamente a porta de entrada para quem se apaixona pelo ato de ler e depois o de escrever, se expressar pela veia poética.

Os métodos, principalmente os universitários, gera certo distanciamento, às vezes da realidade e em outras oportunidades distanciamento até daqueles que constroem o que é palpável. O que gerou um escritor como o Ferréz, por exemplo, foi o que ele viveu e não o que ele estudou. Sem qualquer tipo de arte não teríamos a oportunidade de ver qualquer contraponto da sociedade. Ou seja, teríamos apenas uma versão de qualquer acontecimento, explicações elitistas e hegemônicas.

Para não perder o costume em mudar de assunto de uma hora para outra, quero que veja que até hoje somos quase que obrigados a ver as atrocidades que ainda chega em casa apenas em forma de notícia e quase nunca como solução. Um jovem negro, morador do Brasil há mais de sete anos, nascido em Guiné Bissau, foi espancado até a morte em uma pizzaria em Cuiabá. Deram várias explicações. Não me engano… Jovem negro muitas vezes é associado com a criminalidade. Publiquei alguns detalhes do caso em meu site.

Voltando ao assunto do que é ser ou não um cronista, compartilho uma música de um cara que, pelo menos pra mim, é um especialista em descrever a realidade. Mano Brown, um cronista da música brasileira, cantando a música Jesus Chorou. Em um som apenas, vários assuntos são abordados. Se o que ele fala te chocar, pense bem em o que você define como arte.

Ouça a música Racionais Mc’s – Jesus Chorou

PS – Dedico esse escrito ao Coletivo Espiritualidade Libertária. No dia 24/09/2011 debatemos, no Centro Cultural São Paulo, sobre Educação, relações étnico-raciais e as leis federais 10.639/03 e 11.645/08 que obrigam o ensino de História da África, Cultura Afrobrasileira e Indígena nos estabelecimentos de ensino públicos e particulares.

Por: Jean Mello
Ilustração: Rodrigo Kenan
Revisão: Bruna Sousa

Related Post

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Comentários Facebook

2 Comments

  • [...] No fim de tudo sobra alguma ideias – lugar que não dá mais pra voltar. Enquanto você que percorreu esse texto e viu uma chuva de pensamentos, às vezes até mesmo sem entender direito o que realmente quero dizer, deixo de presente minha opinião sobre o que realmente é uma crônica. [...]

  • [...] Alguns trechos dele em muito se parece com as definições que dei quando escrevi uma crônica para cronistas. Sou composto por dois personagens: o Grande Ubaldo, um cara legal, que leva a vida numa boa, e o [...]

Leave a comment

CommentLuv badge

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.
Email
Print
Read previous post:
EMICIDA: a revolução silenciosa

Muita gente tem falado do trampo do Emicida. Acompanho uma coisa ou outra que vem pipocando por aí. Ele está...

Close