Ao longe a solidão e a falta de amor…

Jul 29, 2014   //   by Jean Mello   //   Artigos, Blog, Crônicas, Músicas, Vídeos  //  1 Comment

Infinito

Infinito, som de arrebentar. Fazia dois ou três anos que eu não conseguia compor nada. Estava triste, desamparado, a inspiração havia me abandonado.

Hoje em dia sei que não foi nada disso… Algum tipo de experiência estava se organizando, vaidade que deixava de existir em parte de meu ser.

Olhei para alma, verdades deixaram de ser absolutas! Sentimentos, únicos, mesclaram-se com a vontade muito grande de compor uma nova música. Estava eu em minha casa, sábado, preparando-me para uma pregação para jovens no dia seguinte. Peguei o violão que estava encostado no canto e, logo de pronto, chegaram as palavras:

Olhei para o infinito e vi
Ao longe a solidão,
A falta de amor tão sem razão.
O tempo passou e não senti…

Não demorou nada para as próximas frases serem engatadas. Infinito, em meus dias, tornou-se um hino de vida. Sim, desabafo preso no peito e que, em poucos minutos de som, se soltou em forma de música poética.

Tanto é que no dia seguinte ao da composição, naquele culto que eu disse que ia pregar, mostrei a música para galera. Quem lá estava chorou de emoção.

PS – Para baixar o disco completo, clique aqui.

 

Related Post

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Digg
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Comentários Facebook

1 Comment

  • […] quem não sabe, Espera, quase que da mesma forma que Infinito, chegou depois de tempos que não compunha nada. Quando isso acontece, pelo menos comigo, no […]

Leave a comment

CommentLuv badge

Colabore

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 2.5 Brasil.
Email
Print
Read previous post:
Nasce a nova luz em meio a falta de amor…

Não é mais um som... de todas as faixas do disco, se colocasse em ordem cronológica, essa seria a primeira,...

Close